Abel Epalanga Chivukuvuku

Homem político angolano
Abel Epalanga Chivukuvuku
Nascimento 11 de novembro de 1957 (62 anos)
Bailundo
Cidadania Angola
Ocupação político

Abel Epalanga Chivukuvuku (Bailundo, 11 de novembro de 1957) é um político angolano que ocupou durante mais de 30 anos posições de destaque na UNITA, mas saiu deste partido em 2012 para fundar um novo, a Convergência Ampla de Salvação em Angola (CASA-CE).[1]

Família e formaçãoEditar

Abel Chivukuvuku nasceu no município de Bailundo, província do Huambo, como filho de Pedro Sanjando Chivukuvuku e Margarida Chilombo Chivukuvuku. É casado com Maria Vitória Chivukuvuku e tem dois filhos.

Durante a última fase colonial de Angola, frequentou em Nova Lisboa (hoje Huambo) o Liceu Norton de Matos, que concluiu em 1975. Durante a Guerra Civil Angolana, teve a ocasião de obter formações em diferentes áreas: telecomunicações e serviços de inteligência militares (Alemanha), língua inglesa (Inglaterra), relações internacionais e administração do desenvolvimento (África do Sul).[2].

Trajectória políticaEditar

Abel Chivukuvuku ingressou na UNITA em 1974, passando em 1979 para o braço militar do movimento. Promovido a tenente, foi chefe adjunto das telecomunicações externas do movimento, com sede em Kinshasa. Nos anos 1980, já tenente-coronel, foi chefe adjunto dos serviços de inteligência militar da UNITA, sendo depois mudado para a área diplomática, representando o seu movimento em Portugal, no Reino Unido, junto da ONU, e nos países do Leste Europeu. Em 1992, no início do multipartidarismo em Angola, foi designado secretário de relações externas da UNITA, desempenhando também as de mandatário para as eleições parlamentares e presidenciais realizadas naquele ano. Em 1993, aquando da retomada da Guerra Civil, foi ferido em Luanda e mantido sob custória pelo MPLA durante um ano. A seguir, passou a ser assistente político do presidente da UNITA, Jonas Savimbi, em cujo nome manteve contactos com José Eduardo dos Santos, presidente do MPLA e de Angola. Ao mesmo tempo, exerceu as funções de deputado, sendo líder da bancada da UNITA em 1997/1998. Terminada a Guerra Civil, em 2002, foi eleito para as funções de secretário para assuntos parlamentares, constitucionais e eleitorais.

Manifestando desde 2010 a sua insatisfação com e postura da UNITA e do seu novo presidente, Isaías Samakuva, Chivukuvuku demitiu-se como membro deste partido, fundando em Março de 2012 um novo movimento/partido, a Convergência Ampla de Salvação de Angola. [3]

Referências

  1. «Abel Epalanga Chivukuvuku». Convergência Ampla de Salvação de Angola – Coligação Eleitoral. Consultado em 22 de agosto de 2018. Arquivado do original em 22 de agosto de 2018 
  2. Angola/ UNITA: Dados biográficos de Abel Chivukuvuku, Lusa, Jornal de Notícias, 14 de Julho de 2007
  3. Abel Chivukuvuku renuncia à Unita e cria novo partido, Angola Press, Política, 14 de Março de 2012
  Este artigo sobre uma pessoa é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.