Abul Haçane Ali ibne Iquíxida

Abul Haçane Ali ibne Iquíxida (em árabe: أبو الحسن علي بن الإخشيد‎; lit. "Abu de Hassã, filho de Iquíxida") foi o terceiro governante da dinastia iquíxida, que governou autonomamente o Egito, Palestina, Síria e Hejaz. Era um jovem filho do fundador da casa reinante, Maomé Iquíxida,[1] e reinou desde a morte de seu irmão mais velho Unujur em 961. O poder real através de seu reinado, contudo, fora mantido pelo capaz eunuco negro Abul Misque Cafur.[2]

Abul Haçane Ali ibne Iquíxida
emir iquíxida
Dinar de ouro de Abu
Reinado 961 - 966
Antecessor(a) Unujur
Sucessor(a) Abul Misque Cafur
Morte janeiro de 966
Pai Maomé ibne Tugueje

Os principais eventos de seu reinado foram uma invasão núbia em 963, bem como o ressurgimento da revolta e raides beduínos no Deserto Ocidental e no Deserto da Síria, no último caso acompanhados pelo reaparecimento dos carmatas. Revoltas anti-cristãs foram provocadas por uma derrota da frota iquíxida contra a marinha bizantina em 960/963, bem como as ofensivas bizantinas sob Nicéforo Focas na Cilícia e norte da Síria.[3]

Após a morte de Ali em janeiro de 966, Cafur marginalizou seu jovem filho Amade e tornou-se governante em seu próprio direito.[4] Cafur governou até sua morte em 968, quando Amade sucedeu-o. O Estado iquíxida foi enfraquecido pelo tumulto interno e uma sucessão de más colheitas, o que levou-o à ruína com as invasões do Califado Fatímida em 969.[5]

Ver tambémEditar

Precedido por
Unujur
emir iquíxida
961 - 966
Sucedido por
Cafur

Referências

  1. Bacharach 2006, p. 60, 61.
  2. Bianquis 1998, p. 115–116.
  3. Bianquis 1998, p. 116–117.
  4. Bianquis 1998, p. 117.
  5. Bianquis 1998, p. 117–118.

BibliografiaEditar

  • Bacharach, Jere L. (2006). Islamic History Through Coins: An Analysis and Catalogue of Tenth-century Ikhshidid Coinage. Cairo: American University in Cairo. ISBN 9774249305 
  • Bianquis, Thierry (1998). «Autonomous Egypt from Ibn Ṭūlūn to Kāfūr, 868–969». In: Petry, Carl F. Cambridge History of Egypt, Volume One: Islamic Egypt, 640–1517. Cambridge: Cambridge University Press. ISBN 0-521-47137-0