Alberto José Gonçalves

Dom Alberto José Gonçalves (Palmeira, 20 de julho de 1859 - Ribeirão Preto 6 de maio de 1945) foi o primeiro Bispo de Ribeirão Preto.

Alberto José Gonçalves
Bispo da Igreja Católica
Bispo de Ribeirão Preto
Alberto Gonçalves quando padre
Atividade eclesiástica
Diocese Diocese de Ribeirão Preto
Nomeação 5 de dezembro de 1908
Entrada solene 28 de fevereiro de 1909
Predecessor criação diocese
Sucessor Dom Manuel da Silveira D’Elboux
Mandato 1908 - 1945
Ordenação e nomeação
Ordenação presbiteral 17 de setembro de 1882
Nomeação episcopal 5 de dezembro de 1908
Ordenação episcopal 2 de fevereiro de 1909
por Dom Duarte Leopoldo e Silva
Dados pessoais
Nascimento Palmeira
20 de julho de 1859
Morte Ribeirão Preto[1][2]
6 de maio de 1945 (85 anos)
Nacionalidade brasileiro
Progenitores Mãe: Constança Gonçalves
Pai: Francisco José Gonçalves
dados em catholic-hierarchy.org
Bispos
Categoria:Hierarquia católica
Projeto Catolicismo
Homenagem a Dom Alberto José Gonçalves na praça da Catedral de Ribeirão Preto.

Foi nomeado bispo católico pelo Papa Pio X dia 5 de dezembro de 1908, com posse no dia 28 de fevereiro de 1909.

BiografiaEditar

Alberto Gonçalves nasceu em Palmeira, cidade do interior do Paraná, em 1859, sendo filho do português Francisco José Gonçalves e da curitibana d. Constança Gonçalves. Seus primeiros estudos foram na escola do professor Antônio Ferreira da Costa e em 1870 matriculou-se no Liceu Paranaense. Em 1874, aos 15 anos, matriculou-se no Seminário de São Paulo, terminando seus estudos eclesiásticos em 1879, aos 20 anos de idade. Em 4 de agosto de 1878 recebeu a tonsura e as ordens menores e em setembro de 1882 recebeu, consecutivamente, o subdiaconato, o diaconato e o presbiterato. Pe Alberto foi nomeado professor no mesmo seminário que estudou e lecionou durante 10 anos, escrevendo, neste período, várias obras, dentre elas, um “Compêndio de Geometria” e uma “Gramática Latina”[3][4].

Em 1º de outubro de 1882 realizou sua primeira missa, na Igreja do Rosário, em Curitiba [3].

Como a região do Paraná ainda fazia parte do Bispado de São Paulo, e como ainda se vivia no regime do Padroado, a Princesa Regente Isabel apresentou ao bispo D. Lino o nome de Pe. Alberto para ser pároco colado de Curitiba, da Paróquia de Nossa Senhora da Luz, que seria, com a criação da Diocese, a matriz. Sua nomeação se deu em 16 de julho de 1888. Na qualidade de vigário, trabalhou com dedicação e entusiasmo na construção da matriz, hoje Catedral Basílica Menor de Nossa Senhora da Luz, inaugurada em 1893 [4].

Eleito deputado provincial no Paraná, em 1889, não tomou posse em virtude da Proclamação da República, porém, em 1892 foi eleito para a Assembleia Constituinte do Paraná, como deputado estadual para o biênio 1893 / 1894 e reeleito no biênio 1895 / 1896. Neste período chegou a ocupar o cargo de Presidente da Assembleia, como também participou das Comissões Permanentes da Instrução, Catequese e Civilização dos Índios e da de Estatística (na primeira legislatura) e a Comissão de Constituição e Justiça, da Instrução, Catequese e Civilização dos Índios e a de Redação (na segunda legislatura) [4][5].

Em 1895 foi eleito senador da república, ao lado de Vicente Machado, ocupando dois mandatos consecutivos, de 1896 a 1905. Em 1906 é eleito, novamente, deputado estadual, ocupando a cadeira na Assembleia Legislativa do Paraná no biênio 1906 / 1907 [4].

Pe Alberto também foi provedor da Santa Casa de Misericórdia de Curitiba, fundou o Hospício Nossa Senhora da Luz, além de ter sido diretor da Instrução Pública do Paraná e membro da antiga Academia de Letras do Paraná, recebido nesta instituição na seção de outubro de 1923 [1].

Colaborou em diversos periódicos paranaenses e foi redator da revista Clube Curitibano, escrevendo diversas obras (além das supracitadas), como: “A Igreja e o Estado” (1900), ”O Espiritismo” (1916), ”A Religião e a Política” (1933), “Carta do Bispo de Ribeirão Preto” (1940), entre outras[2].

Em 1908 foi nomeado Bispo, tomando posse em 1909, transferindo residência para a Diocese de Ribeirão Preto. Faleceu, nesta cidade, em 6 de maio de 1945.

HomenagensEditar

Dom Alberto José Gonçalves recebeu a Comenda da Coroa de Itália e foi conde assistente ao Sólio Pontifício, ao completar o 50° aniversário de ordenação sacerdotal[1].

Em 1936, na fundação da Academia Paranaense de Letras, foi homenageado como “Fundador” da Cadeira N° 22 desta instituição[6][7].

Ligações externasEditar

Notas e referênciasEditar

  1. a b c NICOLAS, 1954, p180.
  2. a b HOERNER, 2001, p145.
  3. a b NICOLAS, 1954, p179.
  4. a b c d O Pacificador Beligerante: Alberto José Gonçalves — Um Padre na Política Paranaense da 1° República (1892 - 1896 Dissertação de Marco A. Baldin - Universidade Estadual Paulista (2006) — acessado em 15 de junho de 2010
  5. NICOLAS, 1954, p197.
  6. HOERNER, 2001, p143.
  7. Cadeira N°22 Arquivado em 16 de novembro de 2010, no Wayback Machine. Academia Paranaense de Letras — arquivo consultado em 10 de junho de 2010

BibliografiaEditar

  • HOERNER Jr, Valério, BÓIA, Wilson, VARGAS, Túlio. Bibliografia da Academia Paranaense de Letras - 1936/2001. Curitiba: Posigraf, 2001. 256p
  • NICOLAS, Maria. 130 Anos de Vida Parlamentar Paranaense - Assembléias Legislativas e Constituintes. 1854-1954. 1° ed. Curitiba: Assembléia Legislativa do Paraná; 1954, 459p

Precedido por
Cargo criado pelo Papa Pio X
 
Bispo de Ribeirão Preto

1908 - 1945
Sucedido por
Manuel da Silveira D’Elboux
  Este artigo sobre uma pessoa é um esboço relacionado ao Projeto Biografias. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.