Abrir menu principal
Alexandra Kollontai
Alexandra Kollontai, 1888
Nome completo Alexandra Mikhaylovna Kollontai
Nascimento 31 de março de 1872
São Petersburgo
Morte 9 de março de 1952 (79 anos)
Moscou
Nacionalidade Russa
Magnum opus A Nova Moralidade e a Classe Trabalhadora (1919)

Alexandra Mikhaylovna Kollontai (em russo: Алекса́ндра Миха́йловна Коллонта́й ; nascida Domontovich, Домонто́вич) (São Petersburgo, greg. 31 de março/ jul. 19 de março de 1872Moscovo, 9 de março de 1952) foi uma líder revolucionária russa e teórica do marxismo, membro do partido bolchevique e militante ativa durante a Revolução Russa de 1917[1], no curso da qual ela foi a única mulher líder, além de Maria Spiridonova, a desempenhar um papel destacado.

Índice

Primeiros anosEditar

Nascida e criada no seio de uma família da nobreza latifundiária, o pai, Mikhail Domontovich, era um general de origem ucraniana e a mãe finlandesa de origem camponesa. Passou a infância entre Petrogrado e a Finlândia. A família limitou-lhe o acesso aos estudos e assim, aos 16 anos, após concluir seu bacharelato, foi autodidata. Aos 20 anos, casa-se, contra a vontade de sua mãe, com seu primo distante Vladimir Mikhaylovich Kollontai, um jovem oficial do exército de modestas condições económicas, com quem teve um filho, Misha.

Aproximação das ideias marxistasEditar

Inicialmente simpatiza com o socialismo agrario do populismo - que na altura praticava atentados contra membros da aristocracia dirigente russa. A partir de 1896, começa a estudar o marxismo e economia,[1] acedendo à leitura das duas primeiras revistas marxistas legais na Rússia: Nachalo e Novoye Slovo. Integra-se a um grupo de apoio aos grevistas do setor têxtil de Petrogrado, numa luta em que participavam 36.000 operários.

Em 1898 abandona sua situação privilegiada, deixa o marido e o filho, e publica o seu primeiro estudo sobre a psicologia da educação, antes de começar os estudos universitários de economia em Zurique. Torna-se progressivamente mais favorável ao marxismo, admirando Kautsky e Rosa Luxemburgo, face às tendências revisionistas promovidas por Bernstein. Em 1899, viaja a Inglaterra para estudar o movimento operário desse país, deparando-se com todas as contradições de uma sociedade em que o capitalismo está numa fase avançada, voltando à Rússia ainda mais afirmada no seu marxismo.

Em pleno conflito entre a aristocracia russa e o povo finlandês, Alexandra põe-se do lado dos revolucionários finlandeses. Publica artigos sobre a questão, em 1900, sobretudo de teor económico-estatístico, envolvendo-se em simultâneo nas atividades clandestinas dos círculos marxistas russos e juntando-se ao Partido Operário Social-Democrata Russo.

Em 1901 partiu para o estrangeiro, coincidindo com Kautsky, Luxemburgo e Lafargue em Paris e com Plekhanov, em Genebra. Apesar de ser uma mulher revolucionária, ela se definia como uma social democrata revolucionária e não uma simples feminista, justificando a sua posição por achar que a luta de classes é mais ampla.[2]

Ação política revolucionáriaEditar

Ao voltar à Rússia, em 1903, consumada já a divisão do Partido Operário Social-Democrata Russo entre bolcheviques e mencheviques, não adere a nenhuma das tendências, apesar de simpatizar com os primeiros, a sua admiração por Plekhanov, líder menchevique, não permite, no entanto, que rechace a facção.[1]

No chamado "domingo sangrento" de 1905, participa na manifestação que se dirige ao Palácio de Inverno, assistindo à carnificina de operários desarmados, protagonizada pelas tropas czaristas - uma imagem que ficará para sempre gravada na memória da jovem revolucionária.

Incorpora-se ao grupo bolchevique de Petrogrado, trabalhando na imprensa clandestina, contribuindo ainda para a unidade de ação entre os partidos social-democrata russo e finlandês, na luta comum contra o czarismo. Converte-se numa das primeiras revolucionárias a assentar as bases da organização de mulheres operárias, convocando-as para comícios específicos dirigidos a elas.[1]

Em 1906, afasta-se da tendência bolchevique por discordar da participação institucional na Duma, e por divergências quanto ao papel dos sindicatos. Assim, entre 1906 e 1915 participa da fração menchevique.

Exílio e definitiva adesão à fração bolcheviqueEditar

Entre 1908 e 1917, vive exilada na Alemanha, na Bélgica, França, Inglaterra, Suíça, Itália, Dinamarca, Noruega e nos Estados Unidos. Em 1915, adere novamente ao grupo bolchevique, liderado por Lenin. É detida em duas ocasiões, na Alemanha e na Suécia, por fazer propaganda contra a guerra imperialista.

Após a Revolução de Fevereiro de 1917, regressa à Rússia e converte-se na primeira mulher eleita para o comité executivo do Soviete de Petrogrado, e depois do mesmo organismo em nível pan-russo. Oposta à linha majoritária entre os bolcheviques, de apoio crítico ao Governo provisório de Kerensky, imediatamente toma partido, quase solitária, ao lado de Lênin quando ele lança as revolucionárias Teses de Abril em seu retorno à Rússia. Eleita membro do Comité Central no VI Congresso, enquanto se acha numa prisão de Kerensky, fica livre pouco antes do definitivo levante revolucionário e ocupa o terceiro lugar na candidatura bolchevique para a Assembleia Constituinte. Torna-se Comissária do Povo para Assuntos do Bem-Estar Social.[1]

Ainda em 1917, pouco depois da Revolução, casa-se com Pavel Dybenko, um jovem marinheiro de origem camponesa. O novo casamento dura até 1922.

Do governo revolucionário à oposição operáriaEditar

Após a vitória bolchevique, trabalhou para que fossem reconhecidos os direitos e liberdades às mulheres, modificando aspetos das leis que as subordinavam aos homens, como a negação do direito ao voto e a imposição de piores condições salariais. As relações familiares e sexuais foram liberalizadas, aprovando-se o divórcio e o direito ao aborto, além de numerosos benefícios sociais para a maternidade e a habilitação de creches.

Em 1918, Kollontai organiza o Primeiro Congresso de Mulheres Trabalhadoras de toda a Rússia, de onde nasce o Genotdel, organismo dedicado a promover a participação das mulheres na vida pública e nos projetos sociais, nomeadamente a luta contra o analfabetismo. Alexandra integra-se no Conselho Editorial da revista Kommunistka (Mulher Comunista). Nesse mesmo ano, no VII Congresso do Partido Bolchevique, opõe-se à assinatura da Paz de Brest-Litovsk, perdendo o lugar que ocupava no Comité Central.

Em 1920, fica responsabilizada pela organização de mulheres do partido. Desde o ano anterior, tinha aderido à chamada Oposição Operária, com Shlyapnikov, Kiselev e Medvedev. Em 1921, coindindo com o X Congresso do Partido, escreve um opúsculo com esse mesmo título, em que expõe as posições dessa tendência no interior do Partido Bolchevique, alertando contra os "perigos de degeneração burocrática que ameaçam", e propondo o controlo operário das instituições. A Oposição Operária é derrotada.

Carreira diplomáticaEditar

Em 1922, ela foi nomeada como assessora da embaixada soviética na Noruega. A partir de então Kollontai esteve efetivamente no exílio como diplomata, sendo a partir de 1923 embaixadora soviética na Noruega (foi a segunda mulher a ocupar o cargo de embaixadora após Diana Abgar, embaixadora da República da Arménia no Japão entre 1918 e 1920)[1], sendo transferida posteriormente para o México (1925 a 1927), Noruega novamente entre 1927 e 1930 (ano em que apoia publicamente a liderança de Estaline), e Suécia desde esse ano até o da sua reforma, em 1945. Faleceu em Moscovo em 9 de março de 1952.

A sua obra teóricaEditar

Além de numerosos artigos de temática política, económica e feminista, destacamos as seguintes obras:

  • A situação da classe operária na Finlândia (1903)
  • A luta de classes (1906)
  • Primeiro almanaque operário (1906)
  • Base social da questão feminina (1908)
  • A Finlândia e o socialismo (1907)
  • Sociedade e maternidade (?)
  • Quem precisa da guerra? (?)
  • A classe operária e a nova moral (?)
  • A nova mulher (1918)
  • A moral sexual(1921)
  • A oposição Operária (1921)

NotasEditar

  1. a b c d e f Tom Condit. «"Alexandra Kollontai"» (em inglês). marxists.org. Consultado em 4 de de agosto de 2013  Verifique data em: |acessodata= (ajuda)
  2. Clement, Barbara Evans. 1979. Bolshevik Feminist: The Life of Aleksandra Kollontai. Londres, Reino Unido: Indian University Press. Capítulo IX

Ligações externasEditar

 
O Commons possui uma categoria contendo imagens e outros ficheiros sobre Alexandra Kollontai