Abrir menu principal
Gnome globe current event.svg
Este artigo ou seção é sobre alguém que morreu recentemente. A informação apresentada pode mudar com frequência. Não adicione especulações, nem texto sem referência a fontes confiáveis. (editado pela última vez em 18 de outubro de 2019) Twemoji 1f464.svg
Alicia Alonso
Nascimento 21 de dezembro de 1920
Havana
Morte 17 de outubro de 2019 (98 anos)
Havana
Residência Nova Iorque, Madri
Cidadania Cuba
Cônjuge Fernando Alonso
Filho(s) Laura Alonso
Alma mater School of American Ballet
Ocupação coreógrafo, bailarino, empresário, mestre de balé, ballerina
Prêmios Ordem Nacional José Martí, Ordem de Isabel a Católica, Ordem de Vasco Núñez de Balboa, Legião de Honra, Ordem da Águia Asteca, Comendador das Artes e das Letras, prima ballerina assoluta

Alicia Alonso, nome artístico de Alicia Ernestina de la Caridad del Cobre Martínez del Hoyo, (Havana, 21 de dezembro de 1920 - Havana, 17 de outubro de 2019) foi uma bailarina e coreógrafa cubana.[1] Foi considerada uma das principais artistas do século 20. Nos últimos anos de sua vida, com sérios problemas de visão e locomoção, continuou na direção geral do Ballet Nacional de Cuba acompanhando o grupo em turnês em todo o mundo.

BiografiaEditar

Iniciou os seus estudos de balé com 11 anos na Escola de Ballet da Sociedade Pró-Arte Musical em Havana com Nikolai Yavorsky[2], posteriormente estudou nos Estados Unidos, onde se formou na School of American Ballet de Nova York. Aos 15 anos de idade, casou-se com o bailarino Fernando Alonso e passou a chamar-se Alicia Alonso. Juntos criaram o Ballet Nacional de Cuba, assim que retornaram dos Estados Unidos para Havana. Incorporaram à companhia obras como Giselle, Coppélia e La sylphide.

Estreou na Broadway em 1938[1] e aos 19 anos, devido a uma doença, perdeu parcialmente a visibilidade de um olho. Seus parceiros tinham sempre que estar no exato lugar onde ela esperava que estivessem e usava diferentes luzes no palco para guiá-la.

Dançou duas vezes na Rússia e produziu o balé Giselle para Ópera Nacional de Paris, sendo ela própria a primeira bailarina. Foi a primeira e única latino-americana a ter o título simbólico de prima ballerina assoluta, que é concedido aos bailarinos mais excepcionais.[1] Depois do triunfo da Revolução Cubana, em 1959, Alonso retornou a seu país e tornou-se bailarina e diretora do Balé Nacional de Cuba.

Em maio de 2009, ao final da apresentação do clássico Giselle, Alicia Alonso foi aplaudida de pé por vários minutos, no Grande Teatro do Palácio das Artes em Belo Horizonte.[3]

Foi galardoada com a Medalha Picasso pela UNESCO. Desde 2002 é Embaixadora da Boa Vontade da UNESCO na promoção de ballet (Programa de Patrimônio Cultural Imaterial da Humanidade).

Morreu em 17 de outubro de 2019, em Havana, aos 98 anos, vítima de doença cardiovascular.[1][4][5]

Referências

  1. a b c d «Morreu aos 98 anos a lenda cubana do balé Alicia Alonso». Istoé. 17 de outubro de 2019. Consultado em 17 de outubro de 2019 
  2. Marcos R. El ballet en Cuba a través de Pro-Arte. // Pro-Arte Musical. La Habana, mayo 1953, No 1 - p. 39
  3. Alicia Alonso é aplaudida de pé no Palácio das Artes Arquivado em 19 de maio de 2009, no Wayback Machine. uai. (Maio, 2009).
  4. «Morre Alicia Alonso, uma das maiores bailarinas clássicas da História». Claúuia. 17 de outubro de 2019. Consultado em 18 de outubro de 2019 
  5. «Morre a cubana Alicia Alonso, a última diva do balé clássico, aos 98 anos». El País. 17 de outubro de 2019. Consultado em 18 de outubro de 2019 

Ligações externasEditar

  Este artigo sobre uma pessoa é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.
 
O Commons possui uma categoria contendo imagens e outros ficheiros sobre Alicia Alonso