Abrir menu principal
All That You Can't Leave Behind
Álbum de estúdio de U2
Lançamento 30 de outubro de 2000
Gravação 1998–2000:
  • Hanover Quay Studios (HQ) (Dublin)
  • Windmill Lane Studios (Dublin)
  • Westland Studios (Dublin)
  • Totally Wired (Dublin)
  • Sul da França
Gênero(s) Rock
Duração 49:25
Gravadora(s) Island, Interscope
Produção Daniel Lanois, Brian Eno
Cronologia de U2
Pop
(1997)
How to Dismantle an Atomic Bomb
(2004)
Singles de All That You Can't Leave Behind
  1. "Beautiful Day"
    Lançamento: 9 de outubro de 2000
  2. "Stuck in a Moment You Can't Get Out Of"
    Lançamento: 16 de janeiro de 2001
  3. "Elevation"
    Lançamento: 2 de julho de 2001
  4. "Walk On"
    Lançamento: 19 de novembro de 2001

All That You Can't Leave Behind é o décimo álbum de estúdio da banda de rock irlandesa U2. Foi produzido por Daniel Lanois e Brian Eno, sendo lançado em 30 de outubro de 2000, pelas gravadoras Island Records no Reino Unido e Interscope Records nos Estados Unidos. Após a recepção mista para o seu álbum de 1997, Pop, All That You Can't Leave Behind representou um retorno de um som mais convencional para a banda depois dos experimentos com rock alternativo, dance music na década de 1990. Na época do lançamento do álbum, a banda disse em várias ocasiões que eles "reaplicaram para a obra ... [de] a melhor banda do mundo".[1] O U2 trouxe de volta os produtores Brian Eno e Daniel Lanois, que produziram uma série de álbuns anteriores da banda. O álbum foi originalmente nomeado "U2000", que foi um título de trabalho de sua turnê passada Popmart Tour.

All That You Can't Leave Behind vendeu mais de 12 milhões de cópias, recebeu a aclamação da crítica, e ganhou sete Grammy Awards. As músicas "Beautiful Day", "Walk On", "Elevation" e "Stuck in a Moment You Can't Get Out Of" foram todas singles de sucesso. Em 2003, o álbum foi classificado na posição de número #139 na lista de "Os 500 Maiores Álbuns de Todos os Tempos" da revista Rolling Stone.

Índice

GravaçãoEditar

A banda não ficou satisfeita com a recepção do álbum Pop e da turnê Popmart Tour.[2] Após a experimentação da banda com o rock alternativo e música eletrônica em seus três discos anteriores, o guitarrista The Edge disse que a banda tinha "tomado a desconstrução do rock 'n' roll da banda para o seu enésimo 'grau absoluto'".[2] A banda pretendia retornar ao regime de música, que consistia quase inteiramente de guitarra, baixo e bateria, e se reagrupar em estúdio com relativa rapidez após a turnê Popmart ser encerrada.[2] Eles se reuniram com os produtores Brian Eno e Daniel Lanois, que também produziram os álbuns The Unforgettable Fire, The Joshua Tree e Achtung Baby.[2]

Enquanto a banda queria desenvolver material antes da gravação, Eno convenceu-os a trabalhar em material de escrita rapidamente no estúdio.[2] Durante três semanas no final de 1998, U2, Eno e Lanois gravaram demos em Hanover Quay Studios.[2] Uma das ideias de qualidade que surgiram em algumas destas sessões breves, foi a música "Kite".[2] O líder vocalista da banda, Bono, inspirou todos do estúdio e veio na sequência de problemas vocais que ele tinha tido nos últimos anos.[2] U2 acreditava que teria um novo registro concluído a tempo para 1999.[2] Depois das breves sessões de demonstração da banda, The Edge trabalhou sozinho nas ideias de novas canções antes de reunirem-se em Hanover Quays.[2] Eles gravaram com a mentalidade de uma "banda em uma sala para tocar juntos", uma abordagem que levou para baixo o som do álbum mais despojado.[2]

O envolvimento de Bono na campanha Jubilee 2000 (movimento internacional com mais de 40 países, com o objetivo de cancelar as dívidas dos países de terceiro mundo) o impediu de dedicar todo seu tempo à gravação do álbum, algo que Eno achava uma distração.[3] Não foi além de dois meses para dividir as sessões quando Bono trabalhou com Lanois e Hal Wilner na trilha sonora do filme The Million Dollar Hotel.[3] A banda tinha pensado que poderia completar o álbum até 1999, mas as sessões correram muito tempo,[2] com horários conflitantes dos membros da banda, tocando em uma grande parte em atraso. U2 não queria colocar um prazo para completar o álbum, após sua experiência com o seu álbum anterior, que teve de ser levado para a conclusão depois da pré-reserva da Popmart Tour.[2]

No verão de 1999, o baixista Adam Clayton e o baterista Larry Mullen Jr. compraram casas no sul da França, a fim de estar perto das casas de Edge e Bono para que eles pudessem ter um lugar, tanto para "trabalhar e jogar".[3]

Amostra da canção "Walk On", quarto single retirado do álbum.

Problemas para escutar este arquivo? Veja a ajuda.

A banda disse que All That You Can't Leave Behind era um álbum que reconheceu o seu passado.[4] Por exemplo, houve um grande debate entre os membros da banda durante a escrita e gravação da canção "Beautiful Day"; The Edge estava brincando com um timbre de guitarra que ele não tinha muito usado desde seu álbum de estúdio de 1983, War, e da banda, queria algo mais progressista.[4] The Edge venceu, e o som iria ser incluído na versão final do estúdio para a canção. Além disso, embora o registro fosse descrito como "um retorno do U2 ao som tradicional", muitas canções eram complexas a manter elementos de experimentação da banda dos anos 90.[4] "Beautiful Day" apresenta um ritmo de bateria eletrônica e de músicas de introduções, caracterizando uma "eletronização das cordas com um beatbox e uma parte string";[4] A canção "New York" veio quando os membros da banda estavam ausentes em uma reunião de Lanois e Eno, onde estavam brincando com um "loop de bateria" que o baterista Larry Mullen Jr. gravou.[4] A gravação do álbum foi encerrada em 2000.

ComposiçãoEditar

O álbum foi visto como um retorno ao som tradicional da banda após as suas experimentações da década de 1990. De muitas maneiras, no entanto, esta é uma simplificação, como o álbum inova ao manter o estílo sonoro de seus trabalhos dos anos de 1990 e conciliando a melodia, com o rock em seus trabalhos na década de 1980. A primeira música (e também primeiro single), "Beautiful Day", por exemplo, é um hino otimísta que se abre com uma bateria eletrônica e um sequenciador de ritmo. O álbum também inclui "Stuck in a Moment You Can't Get Out Of", uma canção escrita por Bono para o seu amigo, vocalista do INXS, Michael Hutchence, que cometeu suicídio em 1997.[5]

LançamentoEditar

PromoçãoEditar

Após a sua má recepção comparativamente com seu álbum anterior Pop, a banda declarou em várias ocasiões "reaplicaram para a obra ... a melhor banda do mundo".[1] As atividades de promoção do álbum inclui um dos primeiros do U2 como aparições na MTV no Total Request Live, na rede de televisão USA Network Farm Club, e Saturday Night Live. A banda deu início ao lançamento do álbum através da realização de um pequeno concerto para cerca de 600 pessoas no clube ManRay em Paris, França, em 19 de Outubro de 2000, como parte da promoção para o 30º lançamento do álbum.[6]

SinglesEditar

"All That You Can't Leave Behind é fácil de relacionar-se, cheio de canções sólidas que apela para um público com suas noções claras de família, amizade, amor, morte e renascimento. ...os sons deste álbum vêm de uma banda que tem digerido a música começou a consumir enquanto fazia Rattle and Hum. Desta vez, eles não imitam e nem pagam tributo. Desta vez é a música da alma, e não sobre a música da alma".

— Caroline van Oosten de Boer[7]

O álbum foi precedido pelo single "Beautiful Day", lançado em 9 de Outubro de 2000. Foi o quarto single na #1 posição no Reino Unido, seu primeiro single na #1 posição na Holanda, e também foi o #1 durante uma semana na Austrália. A canção alcançou a posição #21 nos Estados Unidos.

O segundo single do álbum, "Stuck in a Moment You Can't Get Out Of", foi originalmente lançado em 16 de Janeiro de 2001. Também foi um sucesso, alcançando a #2 posição no UK Singles Chart.

Um terceiro single, "Elevation", foi lançado em 2 de Julho de 2001. A versão da canção lançada como single era "Tomb Raider Mix", que apareceu em comerciais de televisão para o filme Lara Croft: Tomb Raider. Ele apresentava um arranjo mais hard rock do que a versão do álbum, e é essa disposição que a banda toca ao vivo.

O quarto single do álbum, "Walk On", foi lançado em 19 de Novembro de 2001. A canção foi originalmente escrito sobre e dedicado a Aung San Suu Kyi, ativista birmanesa, mas a música assumiu um novo significado com os ouvintes depois dos ataques de 11 de Setembro.

Proibição na BirmâniaEditar

O álbum é proibido na Birmânia pelo State Peace and Development Council (SPDC), pois "Walk On" é uma canção dedicada aos direitos humanos da ativista Aung San Suu Kyi.[8]

A arte da capaEditar

A fotografia da capa do álbum foi tirada por um fotógrafo de longa data da banda, Anton Corbijn, no Roissy Hall 2F do Aeroporto de Paris-Charles de Gaulle em Paris, na França.[9] Ao contrário da cor ativa da manga nos registros da banda nos anos 90, é um cover da imagem do single monocromático no departamento terminal do aeroporto. Os designers descrevem a aparência que eles criaram como "crescido". As primeiras etapas da capa lançada para a imprensa mostra um sinal de partida onde se lê "F21-36", no entanto, isso foi mudado para J33-3, em referência ao versículo bíblico de Jeremias 33:3, "Clama a mim e eu te responderei coisas grandes e firmes que não sabes". Bono se refere a ele como o "número do telefone de Deus".[9] A letra "3:33 when the numbers fell off the clock face" ("3:33 quando os números caíram da face do relógio") aparece na canção "Unknown Caller" do álbum de estúdio de 2009, No Line on the Horizon.

Recepção da críticaEditar

Críticas profissionais
Pontuações agregadas
Fonte Avaliação
Metacritic 79/100[10]
Avaliações da crítica
Fonte Avaliação
Allmusic      [11]
Slant Magazine      [12]
Pitchfork           [13]
Entertainment Weekly (A)[14]
The Guardian      [15]
Hot Press (11/12)[16]
New Zealand Herald      [17]
NME           [18]
The A.V. Club (B-)[19]
Rolling Stone      [20]

All That Can't Leave Behind recebeu muitas críticas positivas dos críticos musicais. De acordo com a revisão da Metacritic, recebeu uma pontuação média de 79/100, com base nas avaliações de 17 críticos, indicando 13 revisões positivas e 4 mistas, sendo nenhuma revisão negativa.[10] Stephen Thomas Erlewine, do Allmusic, disse que o álbum "pode ser uma reminescência de The Joshua Tree (1987), mas que é um registro inteligente e artesanal, cheio de reviravoltas nos seus arranjos, pequenos detalhes sonoros e estilos". Afirmou também que "como qualquer outro trabalho, Leave Behind acaba sendo uma obra de prazeres modestos, onde a forma como o verso facilita no início do refrão acaba significando mais do que a mensagem geral, e este é verdadeiramente o primeiro álbum do U2 onde esse sentimento se aplica".[11] Sal Cinquemani, da Slant Magazine, afirmou que o registro "é para aqueles que anseiam pela repetição de The Joshua Tree, e o álbum prova que a banda ainda tem o que é preciso para montar muitas canções pop".[12] Brent DiCrescenzo, da Pitchfork, disse: "Este novo lote de canções anuncia uma revogação consciente e bem-vinda do dance flexível, mas com dimensões muito atrasadas. A árdua busca do soul, a banda hackeou sua 'carne' e o 'crânio', deixando uma aproximação lobotomizada de glória".[13]

James Hunter afirmou que o álbum "se agrava sobre a simplicidade. As canções não são ocultadas por produção excessiva, e que o grupo não comete o pecado comum, que é a de regredir musicalmente", e também que, "apesar da banda estar procurando o essencial, em All That Can't Leave Behind, o drama desta busca está presente na música em si, na tensão entre a raia e a gentileza", ousando dizer que o registro é a "terceira obra-prima do U2, atrás de The Joshua Tree e Achtung Baby (1991)", em sua revisão de quatro estrelas.[20] Adam Sweeting, do The Guardian, disse que "onde Achtung Baby cheirava de trauma e decadência, Leave Behind estendia a mão para um mundo mais amplo e um futuro brilhante. Onde as canções de Achtung surgia uma névoa venenosa da música industrial, os novos mantinham uma instrumentação simples e as cores modernas e luminosas".[15] A revista NME publicou afirmando que o álbum "é modesto o suficiente para soar novo, mas suficientemente sugestivo de suas primeiras canções... os tempos de Joshua Tree que faziam paracer como se estivéssem um círculo completo" e, "como todas as coisas simplificadas, confortáveis, Leave Behind é também um pouquinho maçante. No entanto, é uma conquista louvável".[18]

Steve Morse, do The Boston Globe, disse que o recorde "têm grandes canções bem-vindas que unem maravilhosamente uma mudança da natureza desarticulada de discos, como o álbum da banda de 1993, Zooropa e de 1997, Pop." Ele acreditava que Bono teve um cuidado especial na elaboração das letras, resultando no "mais pensativo, particular, e encargo de canções do U2 dentro da memória".[21]

O primeiro single lançado foi ""Beautiful Day", que alcançou #1 posição nos gráficos do Reino Unido (que monitora a popularidade de canções individuais) e, na maioria dos países europeus, Canadá e Austrália. All That You Can't Leave Behind se tornou o quarto mais vendido álbum do U2, com vendas totais de 12 milhões. O álbum tem uma pontuação média crítica de 79/100 sobre a Metacritic.

Prêmios e homenagensEditar

All That You Can't Leave Behind e seus singles ganharam sete Grammy Awards, em dois anos. Em 2001, "Beautiful Day" ganhou a "Canção do Ano",[22] "Melhor Performance de Rock por um Duo ou Grupo com Vocais",[23] e "Recorde do Ano".[24] Em 2002, "Walk On" ganhou o "Recorde do Ano";[25] "Elevation" ganhou "Melhor Performance de Rock por um Duo ou Grupo com Vocais";[26] e "Stuck in a Moment You Can't Get Out Of" ganhou o de "Melhor Pop Performance de Duo ou Grupo com Vocais".[27] O álbum também ganhou o prêmio de "Melhor Álbum de Rock" daquele ano. All That You Can't Leave Behind é o único álbum a vencer dois singles de "Recorde do Ano" em dois anos consecutivos.

Em 2003, All That You Can't Leave Behind foi classificado como número #139 na revista Rolling Stone na "lista dos 500 Melhores Álbuns de Todos os Tempos".[28] Em 2009, foi classificado pela revista Rolling Stone, como o 13º melhor álbum da década, enquanto "Beautiful Day" foi classificada como a 9º melhor canção.[29][30] Está também na posição de número #197 na "lista dos 200 álbuns definitivos no Rock and Roll Hall of Fame".[31]

Elevation TourEditar

 Ver artigo principal: Elevation Tour
 
Apresentação da banda em Novembro de 2001 no Kemper Arena, na cidade do Kansas, durante a turnê Elevation Tour.

O acompanhamento da "Elevation Tour" começou oficialmente em 24 de Março de 2001,[32] com uma estadia de duas noites no National Car Rental Arena, em Fort Lauderdale, na Flórida,[33][34] terminando em Miami, Flórida, em 2 de Dezembro de 2001, no American Airlines Arena.[35] A turnê contou com três partes e um total de 113 shows[36]

A turnê arrecadou cerca de $110 milhões nos Estados Unidos, e em 2005, foi listada como a maior turnê de terceiros de todos os tempos pela Pollstar,[37] com muitos ingressos para ser vendido fora do país.[38] A banda tocou em vários shows na mesma localidade, incluindo quatro mostra consecutivas em Chicago, Boston e Londres, respectivamente.

Durante sua turnê, a banda lançou dois concertos à venda, sendo elas Elevation 2001: Live from Boston (gravado em 6 de Junho de 2001, no Fleet Center (atual TD Garden), sendo lançado em 26 de Novembro do mesmo ano),[39] e U2 Go Home: Live from Slane Castle (gravado em 1 de Setembro de 2001, sendo lançado somente em 17 e 18 de Novembro de 2003, na Europa e Estados Unidos, respectivamente).[40]

A canção "Beautiful Day", que estreou no circuito, é apenas uma das quatro músicas do U2 a terem sido tocadas em todas as turnês desde a sua introdução (as outras três sendo "One", "Vertigo" e "City of Blinding Lights").

Lista de faixasEditar

Todas as canções foram compostas por U2.

N.º TítuloLetra Duração
1. "Beautiful Day"  Bono 4:06
2. "Stuck in a Moment You Can't Get Out Of"  Bono, The Edge 4:32
3. "Elevation"  Bono 3:45
4. "Walk On"  Bono 4:55
5. "Kite"  Bono, The Edge 4:23
6. "In a Little While"  Bono 3:37
7. "Wild Honey"  Bono 3:47
8. "Peace on Earth"  Bono 4:46
9. "When I Look at the World"  Bono, The Edge 4:15
10. "New York"  Bono 5:28
11. "Grace"  Bono 5:31
Duração total:
49:25
Faixa bônus lançada no Reino Unido, Austrália e Japão
N.º TítuloLetra Duração
12. "The Ground Beneath Her Feet"  Salman Rushdie 3:44
Duração total:
53:19

No Japão, Austrália, Irlanda e Reino Unido, "The Ground Beneath Her Feet" (3:44) é uma faixa bônus no final. A letra foi escrita por Salman Rushdie, e ele é apresentado no vídeo, tendo apresentado por escrito a canção. Rushdie também fornece um relato de sua relação com a banda e como a música passou a ser escrita em seu livro de ensaios, Step Across This Line.

Várias cópias da edição limitada incluem uma faixa bônus como "Always", "Summer Rain" ou "Big Girls are Best". O EP 7 foi posteriormente lançado nos Estados Unidos, coletando os B-sides não disponíveis na região.

PessoalEditar

Posições nas paradas e vendasEditar

Referências

  1. a b Tyrangiel, Josh (23 de fevereiro de 2002). «Bono's Mission». Time. Consultado em 23 de março de 2011 
  2. a b c d e f g h i j k l m McCormick (2006), p. 289.
  3. a b c McCormick (2006), pp. 289–290, 293–294
  4. a b c d e McCormick (2006), pp. 296, 299-300
  5. «Stuck in a Moment You Can't Get Out Of (single)». U2.com. Consultado em 8 de novembro de 2010 
  6. U2 All That You Can't Leave Behind Promo Tour - setlist from Oct. 19, 2000
  7. Graham (2004), p. 21
  8. U2's criminal record NME.com
  9. a b Graham (2004), pp. 68-69
  10. a b «Critic Reviews for All That You Can't Leave Behind». Metacritic. CBS. Consultado em 25 de novembro de 2014 
  11. a b All That You Can't Leave Behind (em inglês) no Allmusic
  12. a b Sal Cinquemani (3 de fevereiro de 2001). «U2: All That You Can't Leave Behind». Slant Magazine. Consultado em 24 de novembro de 2014 
  13. a b Brent DiCrescenzo (31 de outubro de 2000). «U2: All That You Can't Leave Behind». Pitchfork. Consultado em 24 de novembro de 2014 
  14. David Browne (3 de novembro de 2000). «Music Review: All That You Can't Leave Behind». Entertainment Weekly. Consultado em 24 de novembro de 2014 
  15. a b Adam Sweeting (27 de outubro de 2000). «Pop CD of the Week: Time to get the leathers out». The Guardian. Consultado em 25 de novembro de 2014 
  16. Murphy, Peter (26 de outubro de 2000). «One from the Heart». Hot Press 
  17. Russell Baillie (28 de outubro de 2000). «Album review: All That You Can't Leave Behind». The New Zealand Herald. Consultado em 25 de novembro de 2014 
  18. a b «U2: All That You Can't Leave Behind». NME. 12 de setembro de 2005. Consultado em 24 de novembro de 2014 
  19. Stephen Thompson (30 de outubro de 2000). «Review: U2: All That You Can't Leave Behind». The A.V. Club. Consultado em 25 de novembro de 2014 
  20. a b James Hunter (26 de outubro de 2000). «U2 All That You Can't Leave Behind Album Review». Rolling Stone. Consultado em 25 de novembro de 2014 
  21. Morse, Steve (26 de outubro de 2000). «U2 leaves the present behind». The Boston Globe. Consultado em 23 de março de 2011 
  22. «43rd Annual GRAMMY Awards - Song of the Year (video)». Grammy Award. Consultado em 23 de março de 2011 
  23. «43rd Annual GRAMMY Awards - Best Rock Performance Duo or Group with Vocal (video)». Grammy Award. Consultado em 23 de março de 2011 
  24. «43rd Annual GRAMMY Awards - Record of the Year (video)». Grammy Award. Consultado em 23 de março de 2011 
  25. «44th Annual GRAMMY Awards - Record of the Year (video)». Grammy Award. Consultado em 23 de março de 2011 
  26. «44th Annual GRAMMY Awards - Best Rock Performance Duo or Group (video)». Grammy Award. Consultado em 23 de março de 2011 
  27. «44th Annual GRAMMY Awards - Best Pop Performance Duo or Group with Vocals». Grammy Award. Consultado em 23 de março de 2011 
  28. «All That You Can't Leave Behind (500 Greatest Albums of All Time)». Rolling Stone. Consultado em 23 de março de 2011 
  29. «100 Best Albums of the Decade». Rolling Stone. 9 de dezembro de 2009. Consultado em 23 de março de 2011 
  30. «100 Best Songs of the Decade». Rolling Stone. 9 de dezembro de 2009. Consultado em 23 de março de 2011 
  31. «2007 National Association of Recording Merchandisers». timepieces (em inglês). 2007. Consultado em 23 de março de 2011 
  32. «Elevation Tour (2001)». U2.com. Consultado em 9 de novembro de 2010 
  33. «Elevation Tour, Fort lauderdale, FL, US (Day 1)». U2.com. Consultado em 9 de novembro de 2010 
  34. «Elevation Tour, Fort lauderdale, FL, US (Day 2)». U2.com. Consultado em 9 de novembro de 2010 
  35. «Elevation Tour, Miami, FL, US». U2.com. Consultado em 9 de novembro de 2010 
  36. «Elevation Tour». U2gigs.com. Consultado em 9 de novembro de 2010 
  37. U2 tour has the concert business getting dizzy - USA Today, 23 de janeiro de 2005
  38. More U2 For The U.S. Arquivado em 27 de setembro de 2007, no Wayback Machine. - Pollstar, 8 de novembro de 2001
  39. «Elevation 2001: Live from Boston (DVD)». U2.com. Consultado em 12 de novembro de 2010 
  40. «U2 Go Home: Live from Slane Castle». U2.com. Consultado em 12 de novembro de 2010 
  41. a b c (2000) Album notes for All That You Can't Leave Behind by U2 [CD booklet]. Interscope Records
  42. «Top 75 Artist Album, Week Ending 2 November 2000». GFK Chart Track. Consultado em 26 de novembro de 2009 
  43. a b IFPI Austria
  44. a b c d e f g h «U2 - All That You Can't Leave Behind». Hung Median. Consultado em 26 de novembro de 2009  Erro de citação: Código <ref> inválido; o nome "Ultratop" é definido mais de uma vez com conteúdos diferentes
  45. «ARIA Charts - Accreditations - 2001 Albums». Australian Recording Industry Association. Consultado em 26 de novembro de 2009 
  46. a b «All That You Can't Leave Behind - U2». Billboard. Consultado em 26 de novembro de 2009 
  47. a b «Gold & Platinum Certification – January 2002». Canadian Recording Industry Association. Consultado em 19 de agosto de 2010 
  48. «IFPI Denmark». Consultado em 21 de agosto de 2010. Arquivado do original em 29 de setembro de 2007 
  49. a b «Kulta - ja platinalevyt» (em Finnish). IFPI Finland. Consultado em 21 de setembro de 2010  Erro de citação: Código <ref> inválido; o nome "Finland" é definido mais de uma vez com conteúdos diferentes
  50. «NVPI». Consultado em 21 de agosto de 2010. Arquivado do original em 30 de julho de 2007 
  51. [1]
  52. «Cópia arquivada». Consultado em 21 de agosto de 2010. Arquivado do original em 21 de julho de 2011 
  53. «Cópia arquivada». Consultado em 21 de agosto de 2010. Arquivado do original em 14 de julho de 2014 
  54. AMPROFON
  55. «Album Chart History». The Official UK Charts Company. Consultado em 26 de novembro de 2009 [ligação inativa] 
  56. BPI
  57. "BPI Certification Criteria"
  58. «RIAA - Gold & Platinum Searchable Database». Recording Industry Association of America. Consultado em 27 de novembro de 2009  Note: U2 must be searched manually.
  59. "RIAA Certification Criteria"
  60. «Search the charts». Irishcharts.ie. Consultado em 29 de outubro de 2009 
  61. a b «U2: Charts and Awards». Allmusic. Consultado em 13 de janeiro de 2010. Cópia arquivada em 21 de novembro de 2009 
  62. «U2 singles». Everyhit.com. Consultado em 29 de outubro de 2009 
Notas do rodapé


Bibliografia

Ligações externasEditar

Precedido por
Chocolate Starfish and the Hot Dog Flavored Water
de Limp Bizkit
Álbum número um na Austrália
6 de novembro de 2000 – 19 de novembro de 2000
Sucedido por
1 de The Beatles
Precedido por
Chocolate Starfish and the Hot Dog Flavored Water
de Limp Bizkit
Álbum número um no Canadá
18 de novembro de 2000 – 25 de novembro de 2000
Sucedido por
1 de The Beatles
Precedido por
The Greatest Hits de Texas
Álbum número um no Reino Unido
11 de novembro de 2000 – 17 de novembro de 2000
Sucedido por
Coast to Coast de Westlife