Nikolai Kuznetsov

(Redirecionado de Almirante Kuznetsov)
Disambig grey.svg Nota: Este artigo é sobre o oficial Almirante Kuznetsov. Para o porta-aviões, veja Porta-aviões Almirante Kuznetsov.
Nikolai Kuznetsov
Nascimento 11 de julho de 1904
Morte 6 de dezembro de 1974 (70 anos)
Moscou
Sepultamento Cemitério Novodevichy
Cidadania Império Russo, República Socialista Federativa Soviética Russa, União Soviética
Ocupação marinheiro, militar, político, tradutor
Prêmios Herói da União Soviética, Ordem de Lenin, Ordem do Estandarte Vermelho, Ordem de Ushakov, Ordem da Estrela Vermelha, Ordem da Insígnia de Honra, Medalha Comemorativa pelo Centenário do Nascimento de Lenin, Medalha "Pela Defesa de Moscou", Medalha "Pela Defesa do Cáucaso", Medalha "Pela vitória sobre a Alemanha na Grande Guerra Patriótica 1941-1945", Medalha do Jubileu "Vinte Anos de Vitória na Grande Guerra Patriótica 1941–1945", Medalha "Pela Vitória sobre o Japão", Medalha do Jubileu "40 Anos das Forças Armadas da União Soviética", Cavaleiro da Ordem da Polônia Restituta, Ordem da Libertação do Povo, Ordem da Estrela Partisan

Nikolai Guerassimovitch Kuznetsov, em russo Николай Герасимович Кузнецов, (Kotlas, 24 de julho de 19046 de dezembro de 1974) foi um oficial naval soviético e Comissário do Povo para a Frota Vermelha durante a Segunda Guerra Mundial.

BiografiaEditar

Juventude e ascensãoEditar

Kuznetzov nasceu na aldeia de Medvedki, no distrito de Kotlas do óblast de Arkhangelsk. Em 1919, juntou-se à Flotilha Naval Soviética do Norte do Dvina, aumentando dois anos à sua idade para ser aceito. Sua ficha de serviço militar indica o ano de seu nascimento como sendo 1902. A partir de 1920, esteve baseado em Petrogrado. Em 1924, como membro de uma unidade naval compareceu à cerimônia funeral de Vladimir Lenin. No mesmo ano filiou-se ao Partido Bolchevique.

Após sua formatura na Academia Militar Frunze em 1926, Kuznetsov serviu no cruzador Chervona Ukraina, primeiro como oficial de vigia e daí como Primeiro-Tenente. Ele concluiu seus estudos sobre operações e táticas no departamento de operações do Colégio Naval em 1932. Após a formatura, teve a oferta de uma comissão: podia optar por uma função no estado-maior ou uma posição de comando num navio.

Kuznetsov considerou que seria imprudente deixar escapar uma oportunidade daquelas: ele candidatou-se, e recebeu, o posto de oficial-executivo no cruzador Krasny Kavkaz ("Cáucaso Vermelho"). Em um ano, fora promovido. Em 1934, ele retornou ao Chervona Ukraina, desta vez como seu comandante. Sob Kuznetsov, o navio tornou-se um exemplo notável de disciplina e organização, rapidamente atraindo atenções sobre seu jovem capitão.

De 5 de setembro de 1936 a 15 de agosto de 1937, Kuznetsov foi adido naval e assessor-chefe naval da Espanha Republicana. Enquanto serviu na Espanha, cresceu-lhe a repulsa ao fascismo.

No regresso à pátria, a 10 de janeiro de 1938, foi promovido a Comandante-de-Esquadra, Segunda Classe, e indicado para o comando da Frota do Pacífico. Nesta posição, foi ao encontro de expurgo dos militares por Stálin. O próprio Kuznetsov jamais foi indiciado, mas sim muitos dos oficiais sob seu comando. Kuznetsov resistiu a cada etapa dos expurgos, e sua intervenção salvou as vidas de muitos oficiais soviéticos.

A 28 de abril de 1939, Kuznetsov, com apenas 34 anos, foi nomeado Comissário do Povo para Frota Vermelha (ministro da marinha), posto que manteria durante a Segunda Guerra Mundial.

A Segunda Guerra MundialEditar

Kuznetzov desempenhou um papel crucial exclusivo durante as primeiras horas da guerra - durante este momento decisivo, sua notória indepedência pessoal e atitude resoluta evitaram a destruição da Frota Vermelha. Já em 21 de junho de 1941, Kuznetzov estava convencido da inevitabilidade de uma guerra contra a Alemanha Nazista. No mesmo dia, Semyon Timoshenko e Gueorgui Jukov haviam emitido um despacho proibindo aos comandantes soviéticos de reagir às "provocações alemãs". A Frota, contudo, dispunha de um Comissariado do Povo (narkomat) separado, conseqüentemente, Kuznetzov detinha um posto separado tecnicamente da cadeia de comando. O almirante aproveitou desta realidade para uma manobra bastante ousada.

Pouco após a meia-noite, na madrugada de 22 de junho de 1941, Kuznetsov ordenou que todas as esquadras soviéticas se colocassem em prontidão de combate. Às 4h45 daquela mesma manhã, a Wehrmacht iniciou a Operação Barbarossa. A Frota Vermelha era a única Arma soviética pronta para resitir à ofensiva alemã, resistindo ao ataque com resistência tremenda e sem perder um único navio ou aeronave.

Durante os dois anos seguintes, a principal preocupação de Kuznetsov era a proteção do Cáucaso contra uma invasão alemã. Durante a guerra, o Mar Negro permaneceu sendo o principal teatro de operações para a Frota Vermelha. Naqueles anos, Kuznetsov aperfeiçoou suas táticas de assalto anfíbio. Em fevereiro de 1944, ele foi promovido à patente de Almirante-de-Esquadra - posto recém-criado e inicialmente equivalente a general-de-quatro-estrelas. No mesmo ano, Kuznetsov foi laureado com a ordem de Herói da União Soviética, obtendo uma insígnia similar em 31 de maio de 1945.

A primeira quedaEditar

De 1946 a 1947, ele foi vice-ministro das Forças Armadas da URSS e comandante-em-chefe das Forças Navais.

Em 1947, ele foi afastado de seu posto por ordem de Stálin e, em 1948, bem como vários outros almirantes, foi levado a julgamento pelo Tribunal Naval. Kuznetsov foi rebaixado a contra-almirante, enquanto os outros almirantes receberam sentenças de prisão de diferentes durações.

Em 1951, Stálin encerrou a condição de pária de Kuznetzov, mais uma vez colocando-o no comando da frota (como ministro da Frota da URSS), mas sem restaurar sua patente, que foi devolvida após a morte de Stálin, em 1953. No mesmo ano, ele tornou-se primeiro-vice-ministro da Defesa da URSS. Em 1955, Kuznetzov foi nomeado comandante-em-chefe (GlavKom) das Forças Navais. Sua patente foi redesignada almirante-de-esquadra da União Soviética e ele foi laureado com a Estrela de Marechal.

A segunda queda e a aposentadoriaEditar

Sua recém-descoberta proeminência colocou-o em curso de colisão com o Marechal Jukov, de quem tinha discordado durante os anos de guerra. A 8 de dezembro de 1955, usando a perda do encouraçado Novorossiysk como pretexto, Jukov afastou o almirante de seu posto; em fevereiro de 1956, Kuznetsov foi novamente rebaixado para a patente de contra-almirante, aposentado e proibido de "todo e qualquer trabalho relacionado à marinha."

Durante sua aposentadoria, ele escreveu e publicou muitos ensaios e artigos, bem como diversos trabalhos extensos, inclusive suas memórias e um livro com aprovação oficial, 'Курсом к Победе, ("No Curso da Vitória"), a respeito da Grande Guerra Patriótica. Suas memórias, diferente das de muitos outros líderes proeminentes foram escritas pessoalmente por ele e destacam-se por seu estilo.

Kuznetsov também escreveu vários livros sobre a guerra, sobre as repressões de Stálin, e sobre a frota que foram publicados postumamente. Nestes, ele foi bastante crítico da interferência do Partido nos assuntos internos das forças armadas, e persistia afirmando que "o estado deve ser governado pela lei."

Restaurando seu nomeEditar

Após as aposentadorias de Jukov em 1957, e de Kruschev em 1964. um grupo de veteranos navais iniciou uma campanha para restaurar a patente de Kuznetsov, com todos os benefícios, e torná-lo um dos inspetores-gerais do Ministério da Defesa. Invariavelmente, estas solicitações caía em ouvidos surdos, particularmente nos do sucessor de Kuznetzov, Almirante Gorshkov. Não foi senão em 26 de julho de 1988, que o Presidium do Soviete Supremo da URSS devolveu a Kuznetsov sua antiga patente de Almirante de Esquadra da União Soviética.

Kuznetsov é reconhecido hoje como um dos homens mais proeminentes da história da frota soviética e da frota da Federação Russa. O único porta-aviões (ou navio-aeródromo) atualmente operacional na Marinha Russa foi batizado com o nome de Porta-aviões Almirante Kuznetsov.

CitaçãoEditar

"Toda a minha vida tem sido a Frota Soviética. Fiz minha escolha quando jovem e jamais a lamentei."

Precedido por
Mihail Petrovitch Frinovsky
Comissário do Povo da Frota Vermelha,
Comandante-em-Chefe das Forças Navais

1939-1947
Sucedido por
Ivan Styepanovitch Yumashev
Precedido por
Ivan Styepanovitch Yumashev
Ministro da Frota da URSS, Comandante-em-Chefe da Frota Soviética
1951-1955
Sucedido por
Syergey Gueorgyevitch Gorshkov

Ligações externasEditar

Ver tambémEditar