Amélia Luisa Damiani

geógrafa brasileira

Amélia Luisa Damiani (São Paulo, 1 de dezembro de 1964) é uma geógrafa brasileira. Especialista na geografia urbana, especialmente da cidade de São Paulo, é professora titular do Departamento de Geografia da Universidade de São Paulo.

Amélia Luisa Damiani
Conhecido(a) por especialista em geografia urbana e cotidiano nas metrópoles
Nascimento 1 de dezembro de 1964 (55 anos)
São Paulo, Brasil
Residência Brasil
Nacionalidade brasileira
Alma mater Universidade de São Paulo
Orientador(es) Manoel Gonçalves Fernando Seabra
Instituições Universidade de São Paulo
Campo(s) Geografia
Tese A Cidade (Des) ordenada - Concepção e Cotidiano do Conjunto Habitacional Itaquera I (1993)

Coordena desde 2003, junto com a professora Odette Carvalho de Lima Seabra, o Grupo de Pesquisa “Geografia Urbana: a vida cotidiana e o urbano”, grupo do Diretório de Grupos de Pesquisas no Brasil, do CNPq.[1]

Ingressou no curso de geografia da Universidade de São Paulo, onde se graduou em 1975. Em 1977, ingressou no mestrado na mesma instituição, que defendeu em 1985. Em 1993, sob a orientação do professor Manoel Gonçalves Fernando Seabra, defendeu seu doutorado em geografia urbana, onde estudou o cotidiano do Conjunto Habitacional Itaquera I, na zona leste da cidade de São Paulo.[1]

Tem pós-doutorado pela Universidade Paris-Sorbonne e em 2008 defendeu sua livre-docência. Uma das pioneiras nos estudos da urbanização e do cotidiano das populações em ambiente urbano, em especial, das metrópoles brasileiras, com foco na região metropolitana de São Paulo.[2] Escreveu vários livros na área da geografia urbana.[1] Desenvolve trabalhos sobre as dinâmicas da população nas metrópoles, com crítica ao sistema capitalista.[3]


Ícone de esboço Este artigo sobre sobre um(a) geógrafo(a), integrado ao Projeto Geografia é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.

Referências

  1. a b c Editora Contexto (ed.). «Amélia Luisa Damiani». Autores. Consultado em 12 de setembro de 2019 
  2. «Amélia Luisa Damiani». Biblioteca Virtual da FAPESP. Consultado em 12 de setembro de 2019 
  3. Rafael Garcia (ed.). «Uma velha discussão». Revista Galileu. Consultado em 12 de setembro de 2019