Abrir menu principal

António Alçada Baptista

BiografiaEditar

Nasceu dia 29 de janeiro de 1927 na Travessa da Barbacã, Covilhã, no distrito de Castelo Branco. Seu nome completo era António Alfredo da Fonseca Alçada Tavares Baptista e era filho de Luís Victor Tavares Baptista e de Maria Natividade da Fonseca Morais Alçada Tavares Baptista.

Foi no colégio jesuíta Nun'Álvares, em Santo Tirso, onde entrou aquando do último ano da instrução primária, que realizou todos os seus estudos pré-universitários. Licenciado em Direito, no ano de 1950, pela Faculdade de Direito da Universidade de Lisboa, dedicou-se à advocacia, a que sobreveio a atividade editorial e literária.

Ainda em 1950, no dia 20 de março casa-se com Maria José de Magalhães Coutinho Guedes.

Em 1957 comprou a Moraes Editora, cuja direção assumiu, até ao ano de 1972. A 29 de janeiro de 1963 fundou a revista O Tempo e o Modo. Após o 25 de Abril, dirigiu o jornal O Dia (1975) e foi presidente do Instituto Português do Livro (1979-1985).

No entanto, foi a partir dos anos 70 que ele começou a atividade da escrita propriamente dita, através de crónicas em diversos órgãos sociais e também da sua primeira obra publicada: “Documentos Políticos (crónicas e ensaios) ”.

A sua dedicação à cultura da língua portuguesa valeu-lhe uma indigitação para adido cultural de Portugal no Brasil. Foi feito Oficial da Ordem Militar de Sant'Iago da Espada a 3 de agosto de 1983 e agraciado com a Grã-Cruz da Ordem Militar de Cristo a 4 de janeiro de 1996.[2] Foi também homenageado pela câmara municipal da Covilhã ao lhe ser atribuída a Medalha de mérito municipal, no ano de 1999.

Faleceu em 7 de dezembro de 2008, em Lisboa.[1]

Após a sua morte foi homenageado pela Sociedade Portuguesa de Autores com a medalha de honra desta mesma entidade e ainda foi criado um prémio de literatura memorialista e autobiográfica com o seu nome. Desde 2014 o seu nome está consagrado na toponímia de Lisboa através da Rua António Alçada Baptista, que foi inaugurada em janeiro de 2016 na Urbanização Benfica Stadium, na freguesia de São Domingos de Benfica.[3][4] É também homenageado numa rua da Urbanização da Quinta do Gil, na Charneca da Caparica, concelho de Almada.[5]

CaráterEditar

Tal como se reflete nas suas obras, Alçada Baptista é uma pessoa muito dada aos sentimentos e ao afeto, exatamente como Manuel Alegre descrevia: "Era uma figura multifacetada, com uma cultura vastíssima, e um homem muito afetuoso nas suas relações com os amigos e a família".

Obra literáriaEditar

Nas obras de António Alçada Baptista vemos retratadas as interações afetivas e as vidas humanas, não só através da sua própria experiência, mas também tendo em conta o mundo que o rodeava. Para ele, a vida era mais importante que a escrita e é nisto que ele se foca ao escrever as suas obras. Utilizando aspetos comuns a seres humanos como a saudade da infância e convívios com/entre pessoas para que o público se identifique mais com as suas obras, mantendo-as assim sempre atuais. Foi muito influenciado por Alexandre O’Neill, um dos seus maiores amigos, e pelas viagens que foi fazendo ao longo da vida, cimentou assim valores e causas através das quais se foi expressando, sendo a liberdade um dos valores mais importantes para ele. As suas obras repartem-se por ensaios, crónicas, romances e ficção.

ObrasEditar

  • 1970 - Documentos Políticos (crónicas e ensaios)
  • 1971 - Peregrinação Interior I - Reflexões sobre Deus
  • 1973 - O Tempo nas Palavras
  • 1973 - Conversas com Marcello Caetano
  • 1982 - Peregrinação Interior II - O Anjo da Esperança
  • 1984 - Uma vida melhor
  • 1985 - Os Nós e os Laços (romance)
  • 1988 - Catarina ou a Sabor da Maçã
  • 1989 - Tia Suzana, Meu Amor (romance)
  • 1994 - O Riso de Deus (romance)
  • 1998 - A Pesca À Linha, Algumas Memórias
  • 1999 - O Tecido do Outono (romance)
  • 2002 - Um olhar à nossa volta
  • 2003 - A Cor dos Dias

Referências

Ligações externasEditar

  • Biografia no Instituto Português do Livro e das Bibliotecas


Precedido por
Marcello Caetano
  Sócio correspondente da ABL - cadeira 1
1981 — 2008
Sucedido por
Didier Lamaison


  Este artigo sobre um(a) escritor(a) é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.