António Graça Abreu

(Redirecionado de António Graça de Abreu)

António Graça de Abreu (Porto, 1947), é um escritor e historiador português, com enfoque na Sinologia (estudo da civilização chinesa).

António Graça Abreu
Nascimento 1947 (74 anos)
Porto, Portugal
Ocupação Escritor, Historiador, Sinólogo
Prémios Prémio Nacional de Tradução (1991)

CarreiraEditar

António Graça é licenciado em Filologia Germânica e mestre em História dos Descobrimentos e Expansão Portuguesa, pela Faculdade de Letras da Universidade de Lisboa. Em Pequim foi professor de Língua e Cultura Portuguesa, assim como tradutor das Edições de Pequim no período de 1977 a 1983. Foi também professor de inglês na Escola Secundária José Saramago, em Mafra.

Tem dedicado a sua actividade à investigação da presença portuguesa na China e em Macau e à cultura chinesa. Jornalista, professor, ensaísta e tradutor tem sido um dos dinamizadores da divulgação da cultura chinesa em Portugal.

Leccionou Sinologia na Universidade Nova de Lisboa, no Instituto Superior de Ciências Sociais e Políticas, Lisboa. Actualmente lecciona na Universidade de Aveiro.

Entre 1990 e 2004, ano após ano, foi orientador e formador de cursos de História da China, História de Macau, Cultura e Civilização Chinesa, Imaginário Luso-Chinês, na Missão de Macau em Lisboa, depois Delegação Económica e Comercial de Macau. E, desde o ano 2009, no Museu do Oriente/Fundação Oriente, leccionou os cursos Diálogos com a Cultura Chinesa, Introdução à História da China, Doze Cidades Chinesas, China - Os Últimos Três Séculos e Toda a China.

Traduziu para português O Pavilhão do Ocidente (1985), teatro clássico chinês, Poemas de Li Bai (1990), Prémio Nacional de Tradução 1991, Poemas de Bai Juyi (1991), Poemas de Wang Wei (1993) e Poemas de Han-Shan (2009). É autor dos livros de poesia China de Jade (1997), China de Seda (2001), Terra de Musgo e Alegria (2005), China de Lótus (2006), Cálice de Neblinas e Silêncios (2008), A Cor das Cerejeiras (2010) e co-autor de Sínica Lusitana Vol. I e II (2000 e 2003).

Escreveu a biografia de D. Frei Alexandre de Gouveia, Bispo de Pequim (1751-1808) e o Diário da Guiné, 1972/74 sobre a sua experiência na guerra em África.

Entre 1996 e 2002 pertenceu ao board do European Association of Chinese Studies (Heidelberg e Oxford). Membro do CLEPUL e do PEN Clube Português.

Em 2013, mais de 35 anos de vivências pelo Império do Meio resultaram no livro Toda a China (volume I e volume II) que relata as peripécias, experiências, cultura e história das 23 províncias, as cinco regiões autónomas, mais Macau, Hong Kong e Taiwan, e também os quatro municípios centrais da China.

ObrasEditar

Poesia:

  • Um poema para Fiama - juntamente com diversos autores.
  • China de Jade (1997)
  • China de Seda (2001)
  • Terra de Musgo e Alegria (2005)
  • China de Lótus (2006)
  • Cálice de Neblinas e Silêncios (2008)
  • A Cor das Cerejeiras (2010)

Sinologia:

  • Sínica Lusitana (2000 e 2003) (co-autor) [1]
  • D. Frei Alexandre de Gouveia, Bispo de Pequim (1751-1808) (biografia) (2004) [2]
  • Toda a China - Volume I (2013) [3]
  • Toda a China - Volume II (2013) [4]

Outros:

  • Diário da Guiné, Lama, Sangue e Água Pura (2007)[5]
  • Haikus do Japão e do mundo (2016)

TraduçõesEditar

PrémiosEditar

  • Prémio de tradução - da Associação Portuguesa de Tradutores e PEN Club (Poemas de Li Bai [701-762]).

Ver tambémEditar

Referências

Ligações externasEditar

  Este artigo sobre uma pessoa é um esboço relacionado ao Projeto Biografias. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.