Areal

município brasileiro do estado do Rio de Janeiro
 Nota: Para outras cidades com este nome, veja Areal (desambiguação).

Areal é um município brasileiro localizado na região Centro-Sul Fluminense,[5] no estado do Rio de Janeiro. Localiza-se a uma latitude 22º13'50" Nordeste e a uma longitude 43º06'20" Norte, estando a uma altitude de 444 metros.

Areal
  Município do Brasil  
Símbolos
Bandeira de Areal
Bandeira
Brasão de armas de Areal
Brasão de armas
Hino
Gentílico arealense
Localização
Localização de Areal no Rio de Janeiro
Localização de Areal no Rio de Janeiro
Localização de Areal no Rio de Janeiro
Areal está localizado em: Brasil
Areal
Localização de Areal no Brasil
Mapa
Mapa de Areal
Coordenadas 22° 13' 51" S 43° 06' 21" O
País Brasil
Unidade federativa Rio de Janeiro
Municípios limítrofes Paraíba do Sul, Petrópolis, São José do Vale do Rio Preto e Três Rios
Distância até a capital 103 km
História
Fundação 10 de abril de 1992 (31 anos)
Administração
Prefeito(a) José Augusto Bernardes Lima (REDE, 2021 – 2024)
Características geográficas
Área total [1] 110,919 km²
População total (estimativa IBGE/2022[2]) 11,828 hab.
Densidade 0,1 hab./km²
Clima tropical de altitude (Cwa)
Altitude 444 m
Fuso horário Hora de Brasília (UTC−3)
CEP 25845-000
Indicadores
IDH (PNUD/2000 [3]) 0,765 alto
 • Posição 43º
PIB (IBGE/2017[4]) R$ 281 679 757
PIB per capita (IBGE/2017[4]) R$ 24 659,21
Sítio www.areal.rj.gov.br (Prefeitura)
www.areal.rj.leg.br (Câmara)

Sua população, conforme estimativas do IBGE de 2022, era de 11 828[6] habitantes, e sua área territorial é de 110,919 km².

História editar

A história da criação e desenvolvimento de Areal começa com a decadência do Ciclo de Ouro em Minas Gerais. Em busca de novas atividades econômicas para expansão, exploradores e colonizadores viram no plantio do café uma saída, pois naquela época tinha se tornado uma atividade promissora. Como as terras de Minas não eram exatamente apropriadas para esse tipo de lavoura, brasileiros e portugueses se deslocaram em direção a província do Rio de Janeiro, passando pela região arealense.

Durante o percurso vários desbravadores permaneceram na região, na expectativa de desenvolver algum tipo de comércio, como o abastecimento de tropas e tropeiros que por ali passavam, além de prestarem serviços de suprimento das lavouras. E através da parada (ou estação para diligência) surgiu outro tipo de atividade como a troca de animais de tração no percurso, abastecimento, compra e venda de produtos, especialmente pelo fato da estação estar próxima a cidades vizinhas. Foi criada então a estação inicial e terminal da linha de diligências entre Areal e Três Rios (na época conhecida como Entre Rios).

O nome da cidade surgiu devido ao areal que existia no local onde, atualmente, está a igreja do centro da cidade. Quando os viajantes eram indagados sobre o ponto no qual parariam ou desembarcariam, os mesmos, por não saberem e não existir um nome definido para o lugar, diziam que o seu destino era uma parada onde havia um areal. Por ser de uso comum, o nome ficou e a estação passou a ser conhecida como “Estação Areal” ou “Parada Areal”. Antes de ser definido como 7º distrito de Paraíba do Sul, em 17 de dezembro de 1895 com o nome oficial de Areal e, com a mesma denominação como o 4º distrito de Três Rios, seu nome era "Barra do Rio Preto".

A estrada de ferro chega em 1900 e nessa data termina o tráfego das diligências, que possuía até então um barracão para guardar os carros perto do atual Colégio Estadual Mariano Procópio. Com a estrada de ferro, o local passa a se desenvolver rapidamente. E com o passar dos anos, se instala na cidade a empresa CBEE (Companhia Brasileira de Energia Elétrica) que construiu uma represa retendo as águas do Rio Preto, em 1949. Tal empreendimento proporcionou o aumento da contratação de mão de obra, movimentando e ajudando a criação de vários setores econômicos e ainda estabilizou o serviço de luz e força locais, substituindo a antiga Empresa Arealense de Energia Elétrica.

Outro fator importante para o desenvolvimento de Areal foi a localização da cidade, pois a Estrada União e Indústria e a Estrada Rio-Bahia atravessam o município. O grande fluxo de veículos trouxe benefícios para o comércio em geral, colaborando para o desenvolvimento econômico, urbanístico, social, entre outros. Porém, esse processo foi interrompido com a abertura da Estrada Rio-Juiz de Fora, que passa por fora do centro da cidade. A nova estrada trouxe melhoria e modernidade em comunicações e transportes, mas impôs necessidades e grandes esforços que resultaram em novas estratégias para o desenvolvimento e equilíbrio da vida local.


A primeira tentativa de emancipação aconteceu em 1957, durante uma reunião realizada com o objetivo de criar uma Comissão que ficaria encarregada das atividades relativas a campanha pública, que naquele período, não se limitaria apenas a Areal, mas também a Posse e São José do Vale do Rio Preto. Como a proposta atingia três áreas, o futuro município teria o nome de Barra do Rio Preto. As populações tomaram posições, quase sempre contrárias e jornais locais também se manifestaram contrários e o movimento não obteve êxito.

Em 1963 houve outro movimento emancipacionista (para as regiões de Areal e Bemposta). Na época a legislação fazia mais e maiores exigências colocando vários obstáculos à criação de municípios novos. Entretanto, o movimento se organizou e foram tomadas as medidas de dinamização e divulgação necessária. O grupo emancipacionista de 1963 contava com a liderança de Nelson Abdu, que esteve a frente também do movimento de 1990/91. A iniciativa não deu certo novamente.

Em 31 de março de 1964, as tropas que vinham de Juiz de Fora para realizar o Golpe Militar encontraram as do Rio de Janeiro, e a tensão de que houvesse um combate era grande. Nesta data, em Areal, os oficiais, de ambas as tropas, entraram em um acordo e seguiram o caminho em direção ao Rio de Janeiro para tirar João Goulart da presidência. A população local, na época, ficou aflita temendo que o pior acontecesse. O silêncio que imperou na cidade durante aquele dia, terminou em pouco tempo com a partida das tropas e sem haver um confronto.

Quase trinta anos se passaram quando as iniciativas anteriores foram relembradas e surgiu um novo movimento para a emancipação de Areal, no dia 30 de novembro de 1990. Em 10 de abril de 1992, cumprida todas as formalidades legais e constitucionais Areal estava juridicamente emancipado e declarado um novo município, devendo continuar vinculado a Três Rios até 31 de dezembro de 1992, sendo, no período, realizada a campanha eleitoral e a eleição dos seus primeiros vereadores, prefeito e vice-prefeito. No dia 1º de janeiro de 1993, tomaram posse o primeiro prefeito e vice-prefeito, mais os nove vereadores eleitos pelo povo arealense.

Administração pública editar

Poder Executivo
 Ver artigo principal: Lista de prefeitos de Areal

O atual prefeito de Areal é Gutinho Bernardes, que foi eleito em 15 de novembro de 2020 pelo partido Rede, com 47,93% dos votos válidos[7]. É ex-vereador da cidade e tem ensino superior incompleto. Seu patrimônio declarado é de R$ 44.324,00[8].

Gutinho tomou posse como prefeito de Areal em 1º de janeiro de 2021, junto com o vice-prefeito Laerte Calil de Freitas, do Cidadania, e os nove vereadores eleitos. A cerimônia foi realizada no CIEP 429, seguindo as recomendações dos órgãos de segurança e saúde. Em seu juramento, Gutinho reafirmou seu compromisso com o crescimento da cidade e disse que vai trabalhar muito para fazer Areal crescer.

Poder Legislativo

O Poder Legislativo é representado pela câmara municipal, composta por nove vereadores com mandato de 4 anos. Cabe aos vereadores na Câmara Municipal de Areal, especialmente fiscalizar o orçamento do município, além de elaborar projetos de lei fundamentais à administração, ao Executivo e principalmente para beneficiar a comunidade. O atual presidente da Casa Legislativa é o mais novo a ocupar o cargo na cidade. Samuel Sanseverino Soares foi o vereador mais votado nas eleições de 2020, com 435 votos. Assumiu a presidência da câmara aos 31 anos.

Presidentes da câmara
Nome Partido Inicio do mandato Fim do mandato Anotações
Gilvan Louzada Torrão PSDB 1º de janeiro de 1999 31 de dezembro de 2000 Primeiro mandato
José Tardelli Sobrinho PTB 1º de janeiro de 2001 12 de setembro de 2002 Primeiro mandato
José Orestes Gonçalves Diniz PTB 13 de setembro de 2002 31 de dezembro de 2002 Primeiro mandato
1º de janeiro de 2003 31 de dezembro de 2004 Segundo mandato
Ione da Silva Oliveira PP 1º de janeiro de 2007 31 de dezembro de 2008 Primeiro mandato
José Orestes Gonçalves Diniz PRB 1º de janeiro de 2009 31 de dezembro de 2010 Terceiro mandato
José Adilson Soares PP 1º de janeiro de 2011 31 de dezembro de 2012 Primeiro mandato
Maria José Gomes de Souza PR 1º de janeiro de 2013 31 de dezembro de 2014 Primeiro mandato
Álvaro Lima de Freitas PP 1º de janeiro de 2015 31 de dezembro de 2016 Primeiro mandato
Marcelo Pipa da Costa Soliedariedade 1º de janeiro de 2017 31 de dezembro de 2018 Primeiro mandato
Denilson da Silva PTB 1º de janeiro de 2019 31 de dezembro de 2020 Primeiro mandato
Samuel Sanseverino Soares PDT 1º de janeiro de 2020 31 de dezembro de 2021 Primeiro mandato

Infraestrutura e serviços editar

Água e esgoto editar

A Secretaria Municipal de Água e Esgoto é responsável por operar, manter, conservar e explorar os serviços de água e esgoto, assim como fossas sépticas, através de arrecadação de taxas e tarifas.

Eletricidade editar

A Quanta Geração possui uma PCH (Pequena Central Hidrelétrica) na cidade de Areal, que utiliza o curso d'água do rio Piabanha para gerar energia elétrica. A PCH Areal tem uma potência instalada de 3,5 MW e faz parte do portfólio de 10 PCHs da empresa espalhadas pelos estados do RJ, SP e MG.[9]

A ENEL distribui energia para os consumidores da cidade de Areal, que faz parte da área de concessão da empresa no estado do Rio de Janeiro. A ENEL possui uma rede de lojas para atender os clientes, sendo uma delas situada na cidade de Areal.

Transporte coletivo editar

A Viação Águia Branca faz a ligação entre Areal e o Rio de Janeiro em linha rodoviária direta, partindo de Areal às segundas-feiras às 05h00, com retorno da capital à Areal às sextas-feiras no horário de 18:15.

A Viação Progresso faz a ligação entre Areal e os municípios de Três Rios, Petrópolis, São José do Vale do Rio Preto e os distritos da Posse, Pedro do Rio, Itaipava e Cascatinha (ambos em Petrópolis) e Bemposta (Três Rios).

A linha intermunicipal de maior demanda de horários é a linha "Três Rios x Posse" que também faz embarque e desembarque de passageiros em Areal.

O transporte ferroviário foi operado entre 1886 e 1964, primeiramente pela Estrada de Ferro Príncipe do Grão Pará e posteriormente pela Estrada de Ferro Leopoldina, a qual dispunha de duas linhas férreas (Linha do Norte e Ramal de São José do Rio Preto), atualmente extintas na região. Possui duas antigas estações ferroviárias, hoje sendo apenas pontos turísticos.[10][11]

Rodovias e outras vias de acesso editar

Principais vias de tráfego editar

  • Estrada União e Indústria (Principal via de entrada e saída da cidade);
  • Avenida Amaral Peixoto (Centro/Gaby);
  • Rua Moysés Felix (Centro);
  • Rua Afonsina (Centro);
  • Avenida Presidente Vargas (Centro);
  • Rua Manoel Cabral de Melo (Delícia);
  • Rua Manoel Fernandes (Centro);
  • Rua Amazonas (Amazonas);
  • Rua Nelson Melo (Centro);
  • Rua João da Veiga Soares (Amazonas);
  • Rua Octávio Valladas Quintella (Fazenda Velha/Portões);
  • Rua Jacks Filho (São Sebastião);
  • Rua Antão Barros de Oliveira (Centro);
  • Rua João Pedro da Silveira (Centro/São Sebastião);
  • Avenida Jorge Luis dos Santos (Alberto Torres).

Bairros editar

  • Alberto Torres;
  • Alto Pará;
  • Amazonas;
  • Boa Esperança;
  • Cachoeirinha;
  • Cambote;
  • Cedro;
  • Centro;
  • Delícia;
  • Fazenda Velha;
  • Gaby;
  • Grão-Pará;
  • Julioca;
  • Morro Grande;
  • Mundo Novo;
  • Pará;
  • Portões;
  • São Lourenço;
  • São Pedro;
  • São Roque;
  • São Sebastião;
  • Vila Adelaide;
  • Vila Dantas.

Hidrografia editar

Areal é cortada pelos seguintes rios:

Feriados municipais editar

  • 10 de Abril - Aniversário da cidade.
  • 15 de Setembro - Dia de Nossa Senhora das Dores.

Referências

  1. IBGE (10 de outubro de 2002). «Área territorial oficial». Resolução da Presidência do IBGE de n° 5 (R.PR-5/02). Consultado em 5 de dezembro de 2010 
  2. «Areal, RJ - IBGE». cidades.ibge.gov.br. Consultado em 25 de janeiro de 2024 
  3. «Ranking decrescente do IDH-M dos municípios do Brasil». Atlas do Desenvolvimento Humano. Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (PNUD). 2000. Consultado em 11 de outubro de 2008 
  4. a b «Panorama IBGE Cidades 2017». Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Consultado em 6 de maio de 2018 
  5. «Estudo Socoeconômico 2016 - Areal». Tribunal de Contas do Estado do Rio de Janeiro (TCU-RJ). Estudos Socioeconômicos dos Municípios do Estado do Rio de Janeiro, 2016. Consultado em 10 de setembro de 2021 
  6. «Areal, RJ - IBGE». cidades.ibge.gov.br. Consultado em 25 de janeiro de 2024 
  7. «Gutinho (Rede) é eleito prefeito de Areal (RJ)». UOL. 15 de novembro de 2020. Consultado em 24 de outubro de 2023 
  8. «Prefeito e vereadores de Areal tomam posse; veja lista de eleitos». G1. 1 de janeiro de 2021. Consultado em 24 de outubro de 2023 
  9. «Quem Somos.». Quanta Geração. Consultado em 24 de outubro de 2023 
  10. «Areal -- Estações Ferroviárias do Estado do Rio de Janeiro». www.estacoesferroviarias.com.br. Consultado em 7 de dezembro de 2020 
  11. «Alberto Torres -- Estações Ferroviárias do Estado do Rio de Janeiro». www.estacoesferroviarias.com.br. Consultado em 7 de dezembro de 2020 

Ligações externas editar

  Este artigo sobre municípios do estado do Rio de Janeiro é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.