Arnold Geulincx

Arnold Geulincx
Nascimento 31 de janeiro de 1625
Antuérpia, Províncias Unidas dos Países Baixos
Morte 1669
Leiden, Províncias Unidas dos Países Baixos
Nacionalidade neerlandês
Cidadania Países Baixos
Alma mater Antiga Universidade de Leuven, Universidade Católica da Lovaina, Universidade de Leiden
Ocupação filósofo, catedrático, professor universitário
Empregador Universidade de Leiden
Causa da morte Peste
Orientador(es) Erício Puteano

Arnold Geulincx (pronúncia em holandês: ˈɣøːlɪŋks; 31 de janeiro de 1624 – novembro de 1669) foi um filósofo belga. Ele foi um dos seguidores de René Descartes que tentou elaborar versões mais detalhadas de uma filosofia geralmente cartesiana. Samuel Beckett citou Geulincx como uma influência e interlocutor chave, devido à ênfase de Geulincx na impotência e na ignorância da condição humana.[1]

VidaEditar

Geulincx nasceu em Antuérpia. Ele estudou na Universidade de Lovaina e foi professor de filosofia lá em 1646. Ele perdeu o cargo em 1658, possivelmente por razões religiosas, ou (como foi sugerido) uma combinação de pontos de vista impopulares e seu casamento naquele ano.[2] Geulincx então mudou-se para o norte para a Universidade de Leiden e se converteu ao calvinismo. Inicialmente, ele deu aulas particulares.[3] Ele foi nomeado leitor de lógica lá em 1662 e professor por nomeação especial em 1665. Ele morreu em Leiden em 1669, deixando a maioria de suas obras, todas escritas em latim, a serem publicadas após sua morte.[4] Elas foram editadas por Cornelis Bontekoe.[5][6]

ReputaçãoEditar

Apesar da tese de Geulincx de que Deus não pode agir sem uma instrumentalidade de variedade, ele foi fortemente atacado no início do século XVIII, por exemplo por Ruardus Andala e Carolus Tuinman, como um espinozista.[7] Essa crítica se originou de Christian Thomasius em 1710.[8] O ataque de Andala foi em nome dos 'verdadeiros' cartesianos, classificando Geulincx como pernicioso, com Burchardus de Volder, Jean LeClerc, Frederik van Leenhof, Pontiaan van Hattem e Willem Deurhoff. Geulincx também foi atacado pelo pietista Joachim Lange, como parte de uma campanha contra Christian Wolff; e considerado com Pierre Bayle insidiosamente anticristão por Johann Franz Buddeus.[9]

FilosofiaEditar

Geulincx resumiu sua filosofia na frase "ita est, ergo ita sit" ("existe, portanto é assim"). Ele acreditava em uma "harmonia pré-estabelecida" como uma solução para o problema mente-corpo, morrendo 25 anos antes da formulação mais bem lembrada de Leibniz da ideia. Na filosofia de Leibniz, a doutrina da harmonia pré-estabelecida estava ligada ao otimismo, a noção deste mundo como o "melhor de todos os mundos possíveis". Mas Geulincx não fez essa ligação.

O ocasionalismo de Geulincx é mais ético do que cosmológico em seu início.[10] O primeiro tratado de sua Ética[11] é um estudo do que, em seus termos, são as virtudes cardeais. A virtude segundo Geulincx é o amor de Deus e da Razão (III, 16-17; 29). As virtudes cardeais são as propriedades da virtude que imediatamente fluem de sua própria essência e não têm nada a ver com coisas externas: diligência, obediência, justiça, humildade (III, 17). A humildade divide sua visão do mundo em duas partes: uma, a compreensão de nossa relação com o mundo; e a outra, o conceito de nossa relação com Deus. A humildade consiste no conhecimento de si e na abnegação de si. Não encontro em mim nada que seja meu, a não ser conhecer e desejar. Portanto, devo estar consciente de tudo o que faço, e aquilo de que não estou consciente não é o produto de minha própria causalidade. Daí o princípio universal da causalidade—quod nescis quo modo fiat, non facis—se você não sabe como uma coisa é feita, então você não a faz. Ele também afirma uma forma desse princípio em sua Metaphysica vera.[12] Uma vez que, então, os movimentos do meu corpo ocorrem sem que eu saiba como o impulso nervoso passa para os músculos e aí faz com que eles se contraiam, eu não causei minhas próprias ações corporais. "Sou, portanto, um mero espectador desta máquina. Nela, nada formo e renovo, não faço nada aqui nem a destruo. Tudo é obra de outra pessoa" (III, 33). Esta é a Deidade que vê e sabe todas as coisas. A segunda parte da filosofia de Geulincx está ligada ao ocasionalismo como o efeito da causa. Seu princípio norteador é: onde você não pode fazer nada, também não deve desejar nada (III, 222). Isso leva a um misticismo e ascetismo que, no entanto, não devem ser levados muito a sério, pois são temperados pela obrigação de cuidar do corpo e propagar a espécie.[13]

ObrasEditar

Todos publicados em latim, os trabalhos que apareceram em sua vida foram:

  • Quaestiones Quodlibeticae (1653) com a edição posterior Saturnalia;
  • Disputatio medica inauguralis de febribus (1658);
  • Logica fundamentis suis restituta (1662)
  • Methodus inveniendi argumenta (1663)
  • De virtute (1665).
  • Opera philosophica Edited by J. P. N. Land, The Hague, Martinum Nijhoff, 1891-1893 (3 vol.)

O De virtute foi a primeira parte da Ethica, que chegou a seis partes quando publicada postumamente.[14]

Os estudantes que procuram edições em inglês das obras de Geulincx encontrarão:

  • Metaphysics, trad. Martin Wilson, Christoffel Press, 1999.
  • Ethics, trad. Martin Wilson, Brill, 2006.

InfluênciaEditar

Ele é citado por Samuel Beckett, cujo personagem Murphy lembra do "belo belgo-latino de Arnold Geulincx" e, em particular, da nostalgia sombria (frequentemente repetida por Beckett para críticos inquisitivos) Ubi nihil vales, ibi nihil velis (aproximadamente, 'Onde você não vale nada, aí você não deve querer nada'). No romance Molloy (1950), o personagem homônimo de Beckett se descreve como "eu que amei a imagem do velho Geulincx, jovem morto, que me deixou livre, no barco preto de Ulisses, para rastejar em direção ao leste, ao longo do convés".[15] Geulincx também é mencionado no conto de Beckett, "The End".

Uma citação do método de despectus sui de Geulincx aparece no 'Terceiro Ensaio' da Genealogia da moral de Nietzsche.

Referências

  1. Arnold Geulincx Ethics With Samuel Beckett's Notes[ligação inativa] publisher's page for a recent (2006) publication of Geulincx's Ethics
  2. http://www.geulincx.org/biography/land.html
  3. Willem Frijhoff, Marijke Spies, Dutch Culture in a European Perspective: 1650: Hard-won Unity (2004), p. 305.
  4.   Baynes, T.S., ed. (1879). «Geulincx, Arnold». Encyclopædia Britannica. 10 9ª ed. Nova Iorque: Charles Scribner's Sons 
  5. http://www.geulincx.org/bibliography/shorthistory.html
  6. http://history-modern-philosophy.interferometr.ostroda.pl/page70.html[ligação inativa]
  7. Wiep van Bunge (editor), The Early Enlightenment in the Dutch Republic, 1650-1750: Selected Papers of a Conference, Held at the Herzog August Bibliothek, Wolfenbüttel 22–23 March 2001 (2003), p. 125.
  8. http://www.geulincx.org/research/devlee.html
  9. Jonathan Irvine Israel, Radical Enlightenment: Philosophy and the Making of Modernity 1650-1750 (2002), p. 484, p. 551 and p. 635.
  10. «Occasionalism». Catholic Encyclopedia. Volume 11 
  11. Land's ed. of the Opera, The Hague, 1891-93.
  12. http://plato.stanford.edu/entries/occasionalism/#DesCarOccLouDeLaForGerDeCorArnGeu
  13. http://www.newadvent.org/cathen/11195b.htm
  14. Daniel Garber, Michael Ayers, The Cambridge History of Seventeenth-century Philosophy (2003), Volume II p. 1430.
  15. Samuel Beckett, Molloy (London: Picador, 1979), p. 48

Ligações externasEditar

Este artigo incorpora texto da Catholic Encyclopedia, publicação de 1913 em domínio público.