Arquitetura brutalista

estilo arquitetônico do século XX
Série de artigos sobre
História da arquitetura

Arquitetura da Pré-História

Neolítica | Rupestre

Arquitetura antiga

Egípcia | Clássica | Grega | Romana

Arquitetura da Idade Média

Bizantina | Carolíngia | Otoniana | Românica | Gótica

Arquitetura do Renascimento
Maneirismo
Arquitetura barroca

Rococó | Neoclássica

Arquitetura do século XIX

Neogótico | Arts & Crafts | Revivalista | Protomoderna | Eclética | Art nouveau

Arquitetura moderna

Art déco | Bauhaus | International style | Orgânica | Googie | Brutalista | Construtivista

Arquitetura pós-moderna

High-tech | Desconstrutivista | Regionalista crítica | Clássica-nova | Neomoderna | Neofuturista


Por geografia

Portugal | Brasil | Américas | África | Europa | Islão | Oriental | Oceania

Por tipologia

Civil | Militar | Religiosa | Vernacular

A arquitectura brutalista foi um movimento arquitetônico desenvolvido por arquitetos modernos em meados das décadas de 1950 e 1960. O brutalismo desenvolveu-se a partir de uma radicalização de determinados preceitos modernos. Apesar de hoje ser chamado como movimento, não se constituiu efetivamente de um projeto coletivo com ideais comuns.

Prefeitura de Boston, nos Estados Unidos.

O brutalismo privilegiava a verdade estrutural das edificações, de forma a nunca esconder os seus elementos estruturais (o que se conseguia ao tornar o concreto armado aparente ou destacando os perfis metálicos de vigas e pilares). [1]É importante destacar que, após o final da Segunda Guerra Mundial, países da Europa que foram afetados pelos conflitos precisaram lidar com a escassez de mão de obra qualificada e com a disponibilização de um material de baixo custo para uso e manuseio de pessoas inexperientes.

111 Somerset, em Singapura.

Com o passar dos anos, o próprio Estados Unidos se viu aderindo ao estilo. Durante o governo do presidente John F. Kennedy, o então Embaixador dos país na época redigiu uma carta afirmando que o governo deveria produzir construções que “reflect the dignity, enterprise, vigor and stability of the American National Government,”[2] (em tradução livre: "refletissem a dignidade, negócios, vigor e estabilidade do Governo Nacional Americano") mostrando a evolução econômica graças a sua participação na Segunda Guerra Mundial, mostrando também um sentimento de superação pós Grande Depressão, que aconteceu no começo do século XX.

Apesar das duras críticas dos brutalistas à "ornamentação desnecessária", em muitos casos eles mesmos se viram em situações formalistas ao extremo.[carece de fontes?]

Os últimos projetos de Le Corbusier costumam ser apontados como prenunciadores do movimento.

Ver tambémEditar

Referências

  1. «Volume 65.2 (2020)». Amerikastudien/American Studies (2). 2020. ISSN 0340-2827. doi:10.33675/amst/2020/2/1. Consultado em 14 de outubro de 2021 
  2. «Why are There so Many Brutalist Federal Buildings in Washington?». www.ncpc.gov (em inglês). Consultado em 14 de outubro de 2021 
  Este artigo sobre arquitetura é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.