Awata no Mahito

nobre japonês

Awata no Mahito (粟 田 真人 - 28 de fevereiro de 719?) era um nobre japonês do final do Período Asuka e início do Período Nara.

Awata no Mahito
Nascimento século VII
Morte 28 de fevereiro de 719
Cidadania Japão
Ocupação aristocrata

VidaEditar

O Clã Awata, no qual Mahito nasceu, descendia do Clã Wani (和 珥 氏?) e do Clã Kasuga (春日 氏?) e era baseada na Província de Yamashiro. [1]

Em 681, Mahito foi nomeado shōkin-ge (小錦下 , oficial de quinto escalão júnior?) o mais baixo do sistema de classificação Ritsuryō. Com o estabelecimento do Sistema Yakusa no Kabane em 684, ele ganhou o título de Ason. Em 689, ele se tornou vice-governador do Dazaifu. Lá Mahito desenvolveu a experiência de receber convidados de honra de outros países. Participou do planejamento do Código Taihō juntamente com o Príncipe Osakabe e Fujiwara no Fuhito, e em 701 foi promovido a chefe do Ministério de Assuntos Populares. Mahito também foi nomeado como chefe diplomata para missão a China da Dinastia Tang, recebendo uma espada cerimonial settō (節 刀?) do Imperador Tenmu como um símbolo de seu comando. [2] Este foi o primeiro exemplo de tal espada sendo concedida, e a ação seria repetida para outros embaixadores à Tang e para generais importantes .

Em meados de 702 Mahito foi promovido a sangi, e um mês depois partiu para a China, acompanhado por Yamanoue no Okura e o monge Dōji (道 慈?) levaram com eles uma cópia do Código Taihō. Esta foi a primeira missão diplomática japonesa completa à China desde que os dois impérios se confrontaram na Batalha de Baekgang. Além de restaurar as relações, a missão também permitiu a manutenção contínua de Ritsuryō e ofereceu uma oportunidade para a China mudasse em seus documentos o nome do Japão de Yamato (?) para Nihon (日本?). A embaixada chegou em Chang'an no ano seguinte, os enviados tiveram uma audiência com a Imperatriz Consorte Wu. Os chineses avaliaram Mahito como um homem equilibrado e elegante, um estudioso que tinha fluência nos clássicos chineses, recebendo uma posição temporária no governo da Imperatriz. [3] [4]

Em 704, a missão retornou ao Japão, vieram com os embaixadores ex-prisioneiros japoneses que haviam se tornado prisioneiros de guerra desde a Batalha de Baekgang. Mahito após a volta foi recompensado com terras na província de Yamato. Foi prontamente promovido a chūnagon. E para por em prática o conhecimento e ganho na China iniciou o planejamento do que será chamado Reforma Keiun do Ritsuryō. [3]

Mahito ocupou outras posições, inclusive sendo governador do Dazaifu, [3] antes de ser promovido a Sho san mi (正三位 Ministro de terceiro escalão?) em 715, e morrer em 719.

Referências

  1. Robinson, Jeremy R. (2004). The Tsukushi Man'yôshû poets and the invention of Japanese poetry (em inglês). [S.l.]: University of Michigan, p. 54. 
  2. "大宝元年5月7日条" - Taihō ano 1, mês 5, dia 7. Shoku Nihongi.
  3. a b c Frederic, Louis; Hwang, Alvaro David. O Japão:. Dicionário e Civilização. [S.l.]: GLOBO, pp. 106-107. ISBN 9788525046161 
  4. Fogel, Joshua A. (2005). The Teleology of the Modern Nation-State:. Japan and China (em inglês). [S.l.]: University of Pennsylvania Press, p. 13. ISBN 9780812238204