BK'

rapper brasileiro

Abebe Bikila Costa Santos (Rio de Janeiro, 20 de março de 1989), conhecido pelo seu nome artístico BK', é um rapper, escritor e compositor brasileiro considerado um dos nomes mais influentes do cenário do rap brasileiro.[1] Em sua letra, apresenta como seus principais temas a violência policial, desigualdade, racismo, suas conquistas, farras e reviravoltas em sua vida pessoal.

BK'
Informação geral
Nome completo Abebe Bikila Costa Santos
Também conhecido(a) como BKttlapa, BK', BK, Abebe, Bikila, Abebe Bikila, Flow Zidane, Ekelele Flow, Salomão, Robert De Niro, BKrack, BKristo,
Nascimento 20 de março de 1989 (34 anos)
Origem Rio de Janeiro, RJ
País  Brasil
Gênero(s) raphip hop
Ocupação(ões) cantor e compositor
Instrumento(s) Vocal
Período em atividade 2013—presente
Gravadora(s) Gigantes
Afiliação(ões) Nectar Gang
Bloco 7
Página oficial https://links.altafonte.com/bkicarus

Vida pessoal editar

BK' nasceu na Zona Oeste do Rio de Janeiro, no bairro de Cidade de Deus e aos 21 anos se mudou para o bairro do Catete, na Zona Sul do Rio de Janeiro.[1] Seu nome, Abebe Bikila, é uma homenagem a um atleta etíope de mesmo nome.[2] Antes de se tornar rapper aos 28 anos, Abebe era um produtor de vídeos e acadêmico de cinema, mas já esboçava suas letras de rap na adolescência.[3]

Carreira editar

2016: Início e Castelos & Ruínas editar

BK estreou no cenário do Rap Nacional com o lançamento do álbum Castelos & Ruínas em parceira com o coletivo Pirâmide Perdida Records, uma gravadora independente.[4] O álbum contou com a produção dos beatmakers El Lif e JXNV$, a participação do rapper Luccas Carlos em duas faixas e com o back-vocal da vocalista Ashira em uma delas. Seu lançamento foi amplamente aclamado no meio Underground, antes de ser endossado pelo MC Marechal, que sinalizou BK como o "futuro do rap", dando projeção nacional ao cantor. C&R acabou figurando nos debates sobre qual seria o melhor álbum nacional do ano de 2016, vencendo votações populares nos websites da RedBull e Genius. O sucesso e o reconhecimento que o BK recebeu com seu fenômeno o lançou em outros projetos de destaque no de 2016, como as cyphers Favela Vive[5] e Poetas no Topo,[6] com artistas consagrados do gênero, e o projeto independente de seu coletivo, Pirâmide Perdida, Vol. 7.[7]

2017-2019: EPs e segundo álbum de estúdio editar

Em 2017, lançou o seu primeiro extended play, Antes dos Gigantes Chegarem, Vol. 1, com três faixas. Segundo o próprio artista, é uma síntese das ideias trabalhadas em Castelos & Ruínas.[3] Ainda em 2017 deu sequência ao seu trabalho com a segunda parte do EP Antes dos Gigantes Chegarem, Vol. 2, descrito como um prelúdio ao seu próximo álbum de estúdio, Gigantes, lançado em 2018.[1] O álbum foi eleito o 21º melhor disco brasileiro de 2018 pela revista Rolling Stone Brasil[8] e um dos 25 melhores álbuns brasileiros do segundo semestre de 2018 pela Associação Paulista de Críticos de Arte.[9]

2023 editar

Foi uma das atrações musicais da cerimônia de entrega do Prêmio Sim à Igualdade Racial 2023, ao lado de Owerá, MC Soffia, Linn da Quebrada, Kaê Guajajara, Liniker e Jonathan Ferr.[10]

Referências

Ligações externas editar

  Este artigo sobre um cantor é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.