Kaê Guajajara

Rapper, indigena, brasileira, compositora, activista

Kaê Guajajara, nome artístico de Aline Silva de Lira (Mirinzal, 10 de agosto de 1993),[1] é uma cantora, compositora, atriz, autora e ativista indígena brasileira.[2][3] Kaê é fundadora da Azuruhu, selo musical voltado ao desenvolvimento de artístas indígenas.

Kaê Guajajara
Nascimento Aline Silva de Lira
10 de agosto de 1993 (30 anos)
Mirinzal, MA
Nacionalidade brasileira
Filho(a)(s) 1
Ocupação
Carreira musical
Período musical 2019–presente
Instrumento(s) vocais

Biografia editar

Kaê cresceu no complexo de favelas da Maré, no Rio de Janeiro, tendo deixado o Maranhão aos sete anos porque as condições de vida de sua mãe não eram boas. “Vim de uma aldeia não demarcada, onde o conflito com os madeireiros era constante”, relembra.[4][5] Lá, ela fundou um grupo de rap "Crônicos", que denunciava nas letras as violências vividas na comunidade. Ao seguir carreira solo, pensou em fugir das questões indígenas em seu trabalho, mas logo percebeu que sua arte poderia fazer alguma diferença. "Foi quando comecei a pensar e escrever sobre todas as violências sofri como mulher indígena no contexto urbano", diz. [6]

Kaê tem uma filha, chamada Diana.

Carreira editar

Kaê é fundadora do Coletivo Azuruhu e autora do livro Descomplicando com Kaê Guajajara – O que você precisa saber sobre os povos originários e como ajudar na luta antirracista.

Unindo hip-hop, instrumentos tradicionais e elementos de sua língua materna Ze'egete ("a fala boa"), Kaê faz música sobre a realidade dos povos indígenas urbanizados e o apagamento das identidades indígenas. Referente ao processo de escrita a artista revelou “Eu sonho, gravo no meu celular a melodia que veio e junto com todas as coisas que eu já tinha escrito”, Para as letras, ela anota casos de preconceito que vive no dia a dia. “Quando tenho que preencher alguma coisa e só dão as opções ‘pardo, branco, preto’, por exemplo”.[7][8]

Seu primeiro EP foi Hapohu lançado em 2019, em um vídeo no YouTube, a página descreve o EP com as seguintes palavras: “Tecendo uma linha entre ancestralidade e futurismo indígena, Hapohu vem quebrando o silêncio e as correntes impostas pelo racismo e a colonização, trazendo à tona gritos de resistência que atravessam e ecoam meio milênio. Uma ótima oportunidade disponível em vários meios digitais pra conscientizar não indígenas sobre quem são os verdadeiros donos dessa terra e a que pé estamos.”[9] No ano de 2020 lançou dois EPs, o primeiro Uzaw em janeiro e Wiramiri em setembro, o segundo gira em torno do autocuidado, do amor-próprio, da resistência indígena e da pandemia do COVID-19.[10]

Foi uma das atrações musicais da cerimônia de entrega do Prêmio Sim à Igualdade Racial 2023, ao lado de BK', Owerá, MC Soffia, Linn da Quebrada, Liniker e Jonathan Ferr.[11]

Kaê foi vencedora do Prêmio Arcanjo de Cultura na categoria melhor álbum "Kwarahy Tazyr" ("Filha do Sol") em 2021, foi indicada como melhor show do ano pelo Womens Music Event nos anos de 2022 e 2023, foi mencionada na Forbes Mulher entre as 10 novas e promissoras cantoras brasileiras.

Em 2022, a artista lançou o primeiro álbum visual indígena da música brasileira, Kwarahy Tazyr. É autora do livro "Descomplicando com Kaê Guajajara – O que você precisa saber sobre os povos originários e como ajudar na luta antirracista", a ser lançado em 2024 pelo Grupo Editorial Record, Selo BestSeller.

Kaê tem ampliado os caminhos para a Música Popular Originária apresentando o seu show em Teatros e Festivais como Theatro Municipal de São Paulo, Festival Rock The Mountain, Teatro do Parque, Festival do Futuro, SIM São Paulo, Central Park NY, Meca Festival, Festival Mulheres do Mundo e ciclo de shows educativos em redes municipais de educação.

Em reconhecimento à sua colaboração para cultura brasileira, Kaê foi homenageada pela câmara municipal do Rio de Janeiro em 2021 e pela prefeitura do Rio de Janeiro em 2023 como "amigos da juventude carioca" sendo préstimos à Azuruhu, selo musical fundado pela artista e co-fundado por Kandu Puri para o desenvolvimento e lançamento de novos artistas indígenas, Moção pela Vereadora Mônica Benício na Câmara Municipal do Rio de Janeiro pelo reconhecimento da relevância de atuação no território de favelas e na construção de outra perspectiva favelada.

As obras musicais da artista integram a trilha de abertura de “No Limite - Amazônia”, da Rede Globo, em parceria com Tropkillaz e Owerá, bem como a sonoplastia do programa com as músicas "Guerreira" e "Rio"

Discografia editar

  • EP Hapohu, 2019
  • EP Uzaw, 2020
  • EP Wiramiri, 2020
  • Álbum Kwarahy Tazyr, 2021
  • Álbum Visual Kwarahy Tazyr, 2022 (primeiro álbum visual indígena da música brasileira)
  • Álbum Zahytata, 2023

Feats / Colaborações editar

  • Pandemia: Kaê Guajajara e Kandu Puri, 2020
  • Vênus em Câncer: Kaê Guajajara, Wescritor, Kandu Puri, 2020
  • Minha Força: Kaê Guajajara, Canário Negro, Nelson D, 2020
  • Asas: Kaê Guajajara e Nelson D, 2020
  • Amor Indígena: Kaê Guajajara e Kandu Puri, 2021
  • Barriga de Peixe: MULAMBA e Kaê Guajajara, 2022
  • Liberdade: Jonathan Ferr, Kaê Guajajara e Devaneio beatz, 2023
  • Kurumi Kaluana: Tropkillaz, Different J, Kaê Guajajara, OWERÁ, 2023 (trilha de abertura de “No Limite - Amazônia”, da Rede Globo)

Referências

  1. «Kaê Guajajara». Dicionário Cravo Albin. Consultado em 30 de julho de 2023 
  2. «KAÊ GUAJAJARA». Consultado em 11 de abril de 2021 
  3. «Kaê Guajajara». Consultado em 11 de abril de 2021 
  4. FRANKLIN, LAÍS (5 de setembro de 2020). «Escute o som e as rimas do rap indígena brasileiro». Vogue. Consultado em 11 de abril de 2021 
  5. Dulce, Emilly (24 de março de 2019). «ARTISTAS, EDUCADORES, YOUTUBERS: A LUTA DA JUVENTUDE INDÍGENA EM MÚLTIPLAS EXPRESSÕES». Brasil de fato. Consultado em 11 de abril de 2021 
  6. Fonseca, Dandara (19 de setembro de 2020). «Alice Pataxó, Tukumã Pataxó e Kaê Guajajara usam as redes sociais para quebrar estereótipos e ampliar o debate em torno das questões indígenas mais urgentes». Revista Trip. Consultado em 11 de abril de 2021 
  7. Moreira, Pedro (16 de dezembro de 2020). «Kaê Guajajara "O Rap Indígena"». Cultura Leste. Consultado em 12 de abril de 2021 
  8. Mari, João de (3 de dezembro de 2019). «Rap indígena sai da aldeia e protesta: "Agro não é tech nem pop. Ele mata" ... -». Tab. Consultado em 11 de abril de 2021 
  9. «KAÊ GUAJAJARA». Consultado em 11 de abril de 2021 
  10. Miranda, Beatriz (26 de outubro de 2020). «'The way I am is an outrage': the Indigenous Brazilian musicians taking back a burning country». The Guardian. Consultado em 11 de abril de 2021 
  11. Prêmio Sim à Igualdade Racial 2023 | ID_BR | Origens e Raízes, consultado em 29 de maio de 2023 

Ligações Externas editar