Back in the U.S.S.R.

(Redirecionado de Back in the USSR)
"Back in the U.S.S.R."
Canção de The Beatles
do álbum The Beatles
Lançamento 22 de novembro de 1968
Gravação Abbey Road Studios
22-23 de agosto de 1968
Gênero(s) Rock and roll[1]
hard rock[2]
Duração 2:43
Gravadora(s) Apple Records
Composição Lennon/McCartney
Produção George Martin
Faixas de The Beatles
Lado um
  1. "Back in the U.S.S.R."
  2. "Dear Prudence"
  3. "Glass Onion"
  4. "Ob-La-Di, Ob-La-Da"
  5. "Wild Honey Pie"
  6. "The Continuing Story of Bungalow Bill"
  7. "While My Guitar Gently Weeps"
  8. "Happiness Is a Warm Gun"

Lado dois

  1. "Martha My Dear"
  2. "I'm So Tired"
  3. "Blackbird"
  4. "Piggies"
  5. "Rocky Raccoon"
  6. "Don't Pass Me By"
  7. "Why Don't We Do It in the Road?"
  8. "I Will"
  9. "Julia"

Lado 3

  1. "Birthday"
  2. "Yer Blues"
  3. "Mother Nature's Son"
  4. "Everybody's Got Something to Hide Except Me and My Monkey"
  5. "Sexy Sadie"
  6. "Helter Skelter"
  7. "Long, Long, Long"

Lado 4

  1. "Revolution 1"
  2. "Honey Pie"
  3. "Savoy Truffle"
  4. "Cry Baby Cry"
  5. "Revolution 9"
  6. "Good Night"

"Back in the U.S.S.R." é uma canção dos Beatles lançada no álbum The Beatles ou Álbum Branco, de 1968. Creditada à dupla Lennon-McCartney, foi composta principalmente por Paul McCartney[3] e é seguida pela canção "Dear Prudence".

Origens da criaçãoEditar

McCartney conta que sempre ouvia americanos que viajavam reclamarem da saudade do fast-food, dos donuts e lavanderia automática, ele resolveu então narrar o inverso: um russo saindo de Miami e voltando para sua pátria, a União Soviética. Ele usou harmonias típicas dos Beach Boys em "California Girls" e da surf music, algo bem americano. Percebeu então que a sigla em inglês da União das Repúblicas Socialistas Soviéticas, que era USSR, continha a sigla dos Estados Unidos da América, US, e aproveitou-se disso para fazer uma paródia a canção "Back in the U.S.A." de Chuck Berry, em um ponto da música ele canta: "Back in the US, back in the US, back in the USSR" para deixar clara a brincadeira.

A letraEditar

A canção abre e fecha com um som de um avião que se refere ao retorno de Miami nos EUA à “União das Repúblicas Socialistas Soviéticas” (em inglês, "U.S.S.R.").

Na letra, é possível ver a satisfação de se retornar ao país: "the Ukraine girls really knock me out" e "Moscow girls make me sing and shout" (“As garotas da Ucrânia me deixam louco” e “As garotas de Moscou me fazem cantar e gritar”). Outras referências à União Soviética são o trechos “show me round your snow peaked mountain way down south” (“me mostre a neve no topo das montanhas do sul”) e “let me hear you balalaika's ringing out” (“me deixe ouvir sua balalaica tocar”).

A letra também contém uma referência à música de Hoagy Carmichael, "Georgia on My Mind": o trecho “And Georgia's always on my mind” pode ser interpretado como “E a Geórgia está sempre na minha mente” ou “E (as garotas da) Geórgia sempre (estão) na minha mente”, pelo trecho a seguir: "come and keep your comrade warm" (“venha e mantenha seu camarada aquecido”). A brincadeira relacionando as superpotências da Guerra Fria continua, pois a canção "Georgia on My Mind" refere-se justamente à República Socialista Soviética da Geórgia, mas há um duplo sentido entre este ex-território soviético e o Estado americano da Geórgia.

Em entrevista para a revista Playboy em 1984, McCartney disse: “Eu tinha consciência de como a União Soviética enxergava a música inglesa e como essa música seria mal interpretada pelos chefões do Kremlin, porém a molecada gostava, e isso me fez perceber o quanto aquilo era importante para o futuro da raça humana.”

GravaçãoEditar

Nessa faixa McCartney toca a parte principal de bateria com contribuições de Lennon e Harrison em algumas partes, porque em 22 de agosto o baterista Ringo Starr havia momentaneamente abandonado o grupo devido ao clima pesado nas gravações. McCartney também toca piano e guitarra.[4] Lennon e Harrison tocam baixo e acompanham no vocal de apoio. Starr retornou duas semanas depois, após um pedido de desculpas dos integrantes com flores lhe esperando, espalhadas por toda bateria.

MúsicosEditar

De acordo com Ian MacDonald[5] e Mark Lewisohn:[6]

Referências

  1. Campbell 2008, p. 175.
  2. Bohannon, John (21 de dezembro de 1968). «An in-depth Look at the Songs on Side-One». Rolling Stone. The White Album Project. Consultado em 8 de outubro de 2018 
  3. Miles 1997, pp. 422–423.
  4. Gabriel Pillar Rossi, ed. (2004). «Beatles & Rolling Stones». Mundo Estranho apresenta Rock!. São Paulo: Editora Abril. p. 31 
  5. MacDonald 2005, p. 309.
  6. Lewisohn 2005, p. 151.
  Este artigo sobre música é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.