Glaucis hirsutus

(Redirecionado de Balança-rabo-de-bico-torto)

O balança-rabo-de-bico-torto (Glaucis hirsutus), também conhecido como beija-flor-besourão[1] ou eremita de peito ruivo (do inglês rufous-breasted hermit), é um colibri encontrado do Panamá até o sudeste do Brasil, comum na região da Amazônia.[2]

Como ler uma infocaixa de taxonomiaGlaucis hirsutus
Rufous-breasted hermit ( Glaucis hirsutus insularum).jpg
Classificação científica
Reino: Animalia
Filo: Chordata
Classe: Aves
Ordem: Apodiformes
Família: Trochilidae
Género: Glaucis
Espécie: G. hirsutus
Nome binomial
Glaucis hirsutus
Gmelin, 1788
Distribuição geográfica
Glaucis hirsutus map.svg

DescriçãoEditar

Em média, pássaros desta espécie têm 10,7 centímetros de comprimento e pesam 7 gramas. O bico mede cerca de 3,3 centímetros e é fortemente recurvado, longo e fino, embora, na comparação com os bicos de outros beija-flores, ele seja bastante robusto.[3] O balança-rabo-de-bico-torto tem a cabeça acastanhada, parte superior verde-bronze e parte inferior ruiva, sendo mais intenso na garganta e no peito superior. A cauda tem penas centrais verdes e penas externas ruivas, todas com pontas brancas. O bico tem a mandíbula inferior amarela e a superior preta.[3]

Machos e fêmeas são semelhantes, mas o macho tem estrias amarelas na mandíbula superior e a fêmea pode ser ligeiramente mais opaca na plumagem. O bico das fêmeas também é proporcionalmente um pouco mais curto (embora isso seja dificilmente reconhecível) e mais recurvado (o que é bastante notável em comparação direta).[4]

Os machos assemelham-se a aves do gênero Threnetes. Eles já foram descritos como uma espécie distinta da fêmea, com o nome em inglês de "black barbthroat" (T. grzimeki). Da mesma forma, a subespécie proposta abrawayae é aparentemente baseada na variação individual que ocorre em adultos e também não é taxonomicamente distinta.[5]

Pousado ou pairando em voo, balança o rabo para a frente e para trás, o que justifica o seu nome popular.[3]

O chamado da espécie é um sweet em tom alto. Em voo, sua voz pode ser confundida com a do beija-flor-rajado (Ramphodon naevius), com o qual compartilha os mesmos ambientes.[6]

SubespéciesEditar

São reconhecidas duas subespécies:[7]

  • Glaucis hirsutus hirsutus: do Panamá ao oeste da Colômbia, Venezuela, Guianas, Brasil (norte, oeste e leste) e norte da Bolívia;
  • Glaucis hirsutus insularum: no Caribe, ilhas de Granada, Trindade e Tobago.

EcologiaEditar

 
Mapa de distribuição da espécie

Este eremita habita a vegetação rasteira de florestas baixas (abaixo de 600 metros),[6] muitas vezes perto de água corrente. O alimento do balança-rabo-de-bico-torto é o néctar, obtido de uma variedade de flores do sub-bosque, e de alguns pequenos invertebrados.

G. hirsuta tem hábitos alimentares muito exigentes. Só visita flores cujo comprimento da corola e curvatura correspondam precisamente aos de seu bico, enquanto a maioria dos outros beija-flores são mais flexíveis. Assim, as plantas de que se alimenta são encontradas em quase toda a diversidade de angiospermas. Muito populares com esta ave são os Zingiberales, como Costus scaber (Costaceae), ou Heliconia standleyi e Heliconia stricta (Heliconiaceae). Outras plantas de interesse para este colibri incluem Gentianales como Duroia hirsuta, Palicourea lasiantha, Psychotria bahiensis e Psychotria platypoda (Rubiaceae), Lamiales tais como Sanchezia peruviana (Acanthaceae) ou Drymonia semicordata (Gesneriaceas), e Myrtales como Cuphea melvilla (Lythraceae). Por outro lado, até mesmo plantas congêneres com flores de comprimento e curvatura ligeiramente diferentes são evitadas.[4]

Dada a diferença na curvatura do bico entre machos e fêmeas, parece provável que os sexos evitem competir pelo mesmo recurso alimentar visitando plantas diferentes, mas houve poucos estudos aprofundados. A maioria das plantas visitadas por este colibri também são polinizadas por outras espécies menos discriminadoras. Mas para algumas (como Cuphea melvilla, Psychotria bahiensis e P. platypoda), o balança-rabo-de-bico-torto parece ser um polinizador de importância crucial, indicando que – embora com menos frequência do que sugere o formato de bico característico – fortes mutualismos entre esta ave e alguns de seus alimentos existem de fato.[4]

A fêmea dessa espécie põe dois ovos em um pequeno ninho em forma de xícara com um apêndice caudal, que dá equilíbrio ao ninho.[3] O ninho é feito de radículas e preso à parte inferior de uma palmeira, samambaia ou folha de Heliconia, um ou dois metros acima do solo. Os ninhos geralmente ficam perto de um riacho, cachoeira ou beira de estrada e são surpreendentemente fáceis de encontrar. A incubação é de 17 dias, com mais 23 para a emplumação, e esta espécie pode nidificar até quatro vezes por temporada. O macho deste agressivo e curioso colibri ajuda a construir e defender o ninho, mas não choca os ovos. Pelo menos regionalmente (por exemplo, na Colômbia ), a espécie se reproduz o ano todo. [8]

Leitura adicionalEditar

Links externosEditar


Referências

  1. «Balança-rabo-de-bico-torto». Michaelis On-Line. Consultado em 10 de julho de 2021 
  2. «ARA - Atlas de Registros de Aves». ara.cemave.gov.br. Consultado em 10 de julho de 2021 
  3. a b c d «Balança-rabo-de-bico-torto (Glaucis hirsutus) | WikiAves - A Enciclopédia das Aves do Brasil». www.wikiaves.com.br. Consultado em 5 de julho de 2021 
  4. a b c Rodríguez-Flores, Claudia Isabel; Gary Stiles. «ANÁLISIS ECOMORFOLÓGICO DE UNA COMUNIDAD DE COLIBRÍES ERMITAÑOS (TROCHILIDAE, PHAETHORNINAE) Y SUS FLORESEN LA AMAZONIA COLOMBIANA» (PDF). Ornitología Colombiana 
  5. Mallet-Rodrigues, Francisco. «Táxons de aves de validade questionável com ocorrência no Brasil. III – Trochilidae (I)» (PDF). Seção do Comitê Brasileiro de Registros Ornitológicos 
  6. a b Mello, Daniel; Mello, Gabriel; Mallet-Rodrigues, Francisco; Lima, Luciano (2020). Aves do Sudeste do Brasil – Guia de Identificação. Rio de Janeiro: Edições do autor. p. 58. ISBN 978-85-919157-1-2 
  7. «Avibase – The World Bird Database». Consultado em 30 de junho de 2021 
  8. «Wayback Machine» (PDF). web.archive.org. 25 de julho de 2008. Consultado em 10 de julho de 2021