Bangalor

cidade indiana

Bangalor[2] (ಬೆಂಗಳೂರು Bengaluru em canará e oficialmente[nota 1]; Bangalore em inglês) é uma cidade da Índia, capital e maior cidade do estado de Carnataca, localizado no sul do país. Situada no planalto de Decão, na parte sudeste de Carnataca, a cidade, com cerca de 8.474.970 habitantes[3] residindo dentre de seus limites (dados de 2011), é a terceira cidade mais populosa da Índia, e uma das mais populosas do mundo, atrás apenas de Mumbai, a oeste do país, e de Deli, no norte. Já sua região metropolitana é a quinta maior aglomeração urbana do país.[4]

Índia Bangalor (Bengaluru) 
  Cidade  
Bangalor
Bangalor
Gentílico Bangaloriano(a)
Localização
Bangalor (Bengaluru) está localizado em: Índia
Bangalor (Bengaluru)
Localização de Bangalor (Bengaluru) na Índia
Coordenadas 12° 58' N 77° 34' E
Estado Carnataca
História
Fundação 1537
Prefeito Venkatesh Murthy
Características geográficas
Área total 741 km²
População total (2011) [1] 8 474 970 hab.
Densidade 11 437,2 hab./km²
Altitude 920 m
Código postal 560xxx
Prefixo telefónico 080
Sítio https://bengaluruurban.nic.in/en/

Bangalor, conhecida internacionalmente por ser a principal cidade de alta tecnologia e telecomunicação da Índia (e um dos principais da Ásia), está entre as 10 cidades consideradas mais "empreendedoras" do mundo[5]. Aliado a isso, e por ser uma metrópole em franco crescimento localizada em um país emergente, a cidade enfrenta diversos tipos de problemas, incluindo poluição, especulação imobiliária, transito caótico e conflitos socioeconômicos.[6]

Diversas dinastias do subcontinente onde hoje se localiza a Índia tiveram suas áreas de influência na região onde hoje se situa Bangalor. No século XVI d.C., o imperador Kempe Gowda I, líder supremo do Império Vijayanagara foi o primeiro a estabelecer um forte na região da cidade que muitos historiadores apontam como o início da fundação da cidadela que hoje corresponde à Bangalor moderna. Nos séculos seguintes, a região passou a ser controlada inicialmente pelo Império Marata, depois pelos Império Mogol, até ser finalmente anexada ao Reino de Maiçor, e por fim, passar para o domínio britânico ainda no século XIX. Com a independência da Índia em 1947, Bangalor se tornou capital do província de Maiçor, continuando a exercer o papel de capital provincial do então recém-formado estado de Carnataca, que substituí Maiçor em 1956.

Na atualidade, Bangalor é sede de diversas instituições de ensino e universidades, algumas delas entre as mais renomadas da Índia. Bangalor é hoje apelidada como o coração do chamado "Vale do Silício Indiano".[7][8] Reconhecida como uma gigantesca cidade com alto nível de diversidade demográfica, Bangalor é na atualidade um importante hub econômico-social na Índia, bem como em toda Ásia Meridional, e a segunda metrópole indiana que mais cresce, tantos em termos populacionais como econômicos.[9]

Foi classificada como a cidade indiana mais habitável, com uma população de mais de um milhão de acordo com o Índice de Facilidade de Vida de 2020.[10]

EtimologiaEditar

Bangalor é a versão aportuguesada do nome da cidade na língua canará, ಬೆಂಗಳೂರು (da qual pronuncia-se: Bengaluru). A primeira referência ao nome foi encontrada numa inscrição em pedra datada do século IX d.C, a qual declara que o local fazia parte do Reino Ganga e era conhecido como Bengaval-Uru, que, em canará arcaico pode ser traduzido como "Cidade dos Guardas".

Segundo uma história popular (não apoiada em provas históricas), Bangalor teria sido chamada Bendakalooru ("Cidade dos Feijões Cozidos") após um marajá do século XI d.C., perdido pela região na sequência de uma caçada, aí comeu um prato de feijão cozido oferecido por uma mulher. O monarca de tal modo gostou do prato que decidiu dar o seu nome ao local onde iria surgir a cidade.[11][12]

O governo do estado indiano de Carnataca anunciou que alteraria a versão inglesa do nome ("Bangalore") dado pelos britânicos para cidade, para "Bengaluru" a partir de 1 de novembro de 2006[13] — tal como já aconteceu como Bombaim, que passou a se chamar, oficialmente, Mumbai. O governo da União aprovou este pedido, junto com mudanças de nome para outras 11 cidades de Karnataka, em Outubro de 2014, portanto, Bangalore foi renomeado para "Bengaluru" em 1 de novembro de 2014.[14]

HistóriaEditar

História antiga e medievalEditar

 
O Templo Begur Nageshwara foi construído em Bangalore por volta de c. 860 , durante o reinado da dinastia Ganga Ocidental.

Uma descoberta de artefatos da Idade Pedra durante o censo de 2001 da Índia em Jalahalli , Sidhapura e Jadigenahalli, todos localizados nos arredores de Bangalore hoje, sugerem provável assentamento humano por volta de 4000 AC.[15] Por volta de 1.000 AC (Idade do Ferro), cemitérios foram estabelecidos em Koramangala e Chikkajala, nos arredores de Bangalore. Moedas dos imperadores romanos Augusto, Tibério e Cláudio encontradas em Yeswanthpur e HAL indicam que a região estava envolvida no comércio transoceânico com os romanos e outras civilizações em 27 aC.[16]

O Begur Templo Nageshwara foi comissionado por volta de 860, durante o reinado do Rei Ganga Ocidental Ereganga Nitimarga I e estendido por seu sucessor Nitimarga II.

De acordo com Edgar Thurston houve vinte e oito reis que governaram Gangavadi desde o início da era cristã até sua conquista pelos Cholas. Esses reis pertenciam a duas dinastias distintas: a linha anterior da raça Solar, que teve uma sucessão de sete reis da tribo Ratti ou Reddi, e a linha posterior da raça Ganga.[17]

Fundação e início da história modernaEditar

 
Forte de Bangalore em 1860 mostrando fortificações e quartéis. O forte foi originalmente construído por Kempe Gowda I como um forte de barro em 1537.

A Bangalore moderna foi iniciada em 1537 por um vassalo do Império Vijayanagara, Kempe Gowda I, que se aliou ao império Vijayanagara para fazer campanha contra Gangaraja (a quem ele derrotou e expulsou para Kanchi), e que construiu um forte de tijolos para o povo em o local que se tornaria a parte central da Bangalore moderna. Kempe Gowda era restringido por regras feitas por Achuta Deva Raya, que temia o poder potencial de Kempe Gowda e não permitia um forte de pedra formidável. Kempe Gowda se referiu à nova cidade como sua "gandubhūmi" ou "Terra dos Heróis"[18]. Dentro do forte, a cidade foi dividida em divisões menores - cada uma chamada de "pete" ( pronúncia Kannada: [peːteː] ). A cidade tinha duas ruas principais - a rua Chikkapeté, que ia de leste a oeste, e a rua Doddapeté, que ia de norte a sul. Seu cruzamento formava a Praça Doddapeté - o coração de Bangalore. Durante o governo Vijayanagara, muitos santos e poetas se referiram a Bangalore como "Devarāyanagara" e "Kalyānapura" ou "Kalyānapuri" ("Cidade Auspiciosa").[19]

O Forte de Bangalore foi capturado pelos exércitos britânicos sob o comando de Lord Cornwallis em 21 de março de 1791 durante a Terceira Guerra Anglo-Mysore e formou um centro de resistência britânica contra o sultão Tipu.[20] Após a morte de Tipu na Quarta Guerra Anglo-Mysore (1799), os britânicos devolveram o controle administrativo de Bangalore "pētē" ao Marajá de Mysore e foram incorporados ao Reino de Mysore, que existia como uma entidade nominalmente soberana do Raj britânico. A cidade velha ("pētē") desenvolveu-se nos domínios do Maharaja de Mysore. A Residência do Estado de Mysore foi estabelecida pela primeira vez na cidade de Mysore em 1799 e depois transferida para Bangalore em 1804. Foi abolida em 1843 apenas para ser revivida em 1881 em Bangalore e fechada permanentemente em 1947, com a independência da Índia[21]. Os britânicos acharam Bangalore um lugar agradável e apropriado para posicionar sua guarnição e, portanto, mudaram seu acantonamento de para Bangalore Seringapatam em 1809 perto de Ulsoor , cerca de 6 km (4 milhas) a nordeste da cidade.

GeografiaEditar

 
O rio Bangalor, que corta e dá o nome à cidade

A cidade de Bangalore está situada no sudoeste do estado de Karnataka, que por sua vez, está localizado no sul da Índia. A cidade se desenvolveu sobre o planalto de Decão, numa média de altitude de 900 metros,[22] ocupando uma área de aproximadamente 741km². O ponto mais alto dentro do território de Bangalor é o pico do morro Vidyaranyapura Doddabettahalli, a 962 metros acima do nível do mar, situado numa área pouco urbanizada a noroeste do centro da cidade.[23]

Bangalore tem um punhado de lagos de água doce e tanques de água, os maiores dos quais são o tanque Madivala, o Lago Yediyur e o Tanque Sankey . A água subterrânea ocorre em arenosas camadas dos aluviais sedimentos. O Complexo Gnáissico Peninsular (PGC) é a unidade rochosa mais dominante na área e inclui granitos, gnaisses e migmatitos, enquanto os solos de Bangalore consistem em laterita vermelha e vermelhos, finos solos argilosos a argilosos.[24]

ClimaEditar

Bangalor possuí um clima tropical de altitude do tipo savana, sem estações do ano distintas e marcada por períodos secos com baixa umidade relativa do ar, e por períodos úmidos e chuvosos, com altos níveis de umidade. Devido a sua altitude, de cerca de 900 metros em média em relação ao nível do mar, Bangalor apresenta normalmente temperaturas mais amenas, principalmente entre dezembro e fevereiro, do que outras regiões do estado de Karnataka situadas em áreas menos elevadas, e do que o litoral do estado, ao nível do mar. De fato, a temperatura média anual da cidade é de cerca de 25°C, variado entre aproximadamente 35°C, durante o mês mais quente, abril, e 15°C, durante o mês mais frio, janeiro. Em comparação, outras importantes cidades de Karnataka, como Gulbarga, na região nordeste do estado, situado a uma altitude de cerca de 450 metros, apresenta uma temperatura anual média de 28°C (entre 20°C no inverno e 36°C no verão), e Mangalore, principal cidade do litoral de Karnataka, que apresenta uma temperatura média anual de 30°C (variado de 23°C no inverno e 37°C no verão).[25]

Ocasionalmente, as temperaturas em Bangalor podem passar dos 38°C nos últimos dias de abril, e cair abaixo de 12°C na penúltima semana de janeiro, normalmente. A maior temperatura já registrada em Bangalor foi de 41.1°C em 24 de abril de 2016 (com sensação térmica superior a 44°C), e a menor já registrada foi de 7.8°C em 21 e 22 de janeiro de 1884.[26]

O maior acúmulo de chuvas em apenas 24 horas se deu em 1° de outubro de 1997, quando choveu um total de 179 mm[27]

DemografiaEditar

Crescimento populacional

de Bangalor

Ano Pop. ±%
1971 1.654.900
1981 2.922.000 +76.7%
1991 4.130.000 +41.3%
2001 5.101.000 +23.5%
2011 8.425.970 +65.2%

Com cerca de 8.425.970 habitantes residindo dentre de seus limites (segundo dados de 2011),[28] Bangalor é terceira cidade mais populosa da Índia, sendo superada somente por Bombaim e por Déli, e a 18ª cidade mais populosa do mundo.[3] Entretanto, se consideramos sua região metropolitana, a população da cidade pula para 10.456.000 pessoas,[3] figurando desse modo como a quinta região metropolitana mais populosa do país, atrás somente das regiões metropolitanas de Delhi, Mumbai, Calcutá e Chennai. Bangalor teve a segunda mais rápida expansão populacional entre todas as "principais cidades indianas" em termos de porcentagem (atrás somente de Nova Délhi) entre 1991-2001, com um crescimento demográfico de 38% nos anos 90. Bangalor, por tanto, concentra, sozinha, segundo dados de 2011, cerca de 14% da população do estado de Karnataka, e sua região metropolitana, pouco menos de 14,5%.

A natureza cosmopolita da população bangaloriana é fruto da intensa imigração (principalmente de pessoas vindas de zonas rurais de Karnataka e também de outros estados indianos) que a cidade sofreu nos últimos 30 anos, e que fortaleceram ainda mais seu crescimento populacional.[29]A Língua canaresa é a mais falada entre os moradores da cidade no dia-a-dia em termos de porcentagem, muito embora o hindi, o inglês, o telugu e o kammil também sejam falados constantemente por boa parte dos moradores.[30]

Cerca de 47% da população de Bangalor (cerca de 3,9 milhões de pessoas) é do sexo feminino, enquanto pessoas do sexo masculino correspondem pelos 53% restantes (aproximadamente 4,4 milhões de habitantes). Ainda de acordo com dados recentes, 11% da população da cidade é analfabeta,[28] um índice alto, mas bem abaixo dos 40% nacionais. Cerca de 10% da população da cidade (cerca de 840 mil pessoas) vivem em favelas, um número bem baixo se comparado à Mumbai, por exemplo, a maior metrópole indiana, em que 50% da população vivem nos mais diversos locais desse tipo.[31] De fato, Bangalor está entre as cidades com melhor Índice de Desenvolvimento Humano (IDH) da Índia, com um índice que é praticamente o dobro da média nacional.[carece de fontes?] Segundo dados de 2008, de todos os crimes registrados pela polícia nas 35 mais populosas cidades do país naquele ano, 8.5% aconteceram em Bangalor.[32]

De acordo com o Census 2001, 79.4% da população da cidade segue a religião hindu, aproximadamente a mesma porcentagem da média nacional naquele ano. Muçulmanos correspondem por 13.4% da população, cristãos formam 5.8%, jainistas, 1.1%, e demais segmentos religiosos, pessoas sem religião e/ou ateus, 1% da população restante. A população cristã em Bangalor é bem significativa se comparado à média nacional indiana de cristãos (que é de 2,3%), correspondendo por cerca de 490 mil pessoas em números absolutos em 2011.[33]

Vista parcial da região central de Bangalor

EconomiaEditar

 
Modernos edifícios no centro de Bangalor do centro financeiro de UB City, um dos maiores e mais importantes da Índia.

Bangalor é um dos principais centros financeiros, industriais e comerciais da Índia[34], núcleo de um dos mais importantes complexos de alta tecnologia e tecnologia de informação da Ásia[35], Os confrontos ideológicos às vezes ocorrem entre os magnatas da TI da cidade, que exigem uma melhoria na infraestrutura da cidade, e o governo estadual, cuja base eleitoral é principalmente a população da zona rural de Karnataka[36]. O incentivo à indústria de alta tecnologia em Bangalore, por exemplo, não favoreceu o desenvolvimento de empregos locais, mas, em vez disso, aumentou o valor da terra e expulsou as pequenas empresas.[37]

É um dos destinos de negócios favoráveis. É a quinta cidade da Índia a hospedar um número máximo de empresas da Fortune, ao lado de Mumbai, Delhi, Calcutá e Chennai.[38]

 
World Trade Center Bangalore

Bangalor é um destino favorável para desenvolvimentos industriais. O United Breweries Group está sediada em Bangalore[39]. A cidade é um centro automotivo[40]. Tata Hitachi Construction Machinery, Mahindra Electric, Bharat Earth Movers, Toyota Kirloskar Motor, Tesla Índia , Ather Energy estão sediadas em Bangalore dentro de suas operações.[41] Indústrias aeroespaciais também são populares em torno de Bangalore, o que a tornou a capital do Monopólio da Aviação da Índia[42]. Airbus, Boeing, Tata Advanced Systems, Organização de Pesquisa Espacial Indiana, Liebherr Aerospace têm unidades em Bangalore. Bangalore também emergiu como um centro de fabricação de eletrônicos e hardware da Índia, como Dell, Nokia, Philips, Wistron. A SKF tem uma fábrica em Bangalore.[43]

Com um Produto Interno Bruto (PIB) da região metropolitana de Bangalor em 2008 calculado segundo sua Paridade de Poder de Compra em 378 bilhões de rúpias indianas (cerca de US$70 bilhões),[44] tem um PIB per capita no mesmo ano de 46,6 mil rúpias indianas (cerca de US$8,6 mil) aproximadamente 8 vezes superior a média nacional em 2008. O PIB da "Grande Bangalor", desse modo, corresponde a mais de 50% do PIB de Carnataca no mesmo período.

TransporteEditar

 
Linha verde do Metrõ de Bangalor.

Bangalore é servida pelo Aeroporto Internacional de Kempegowda (IATA : BLR, ICAO : VOBL), localizado em Devanahalli, a cerca de 40 km (25 milhas) do centro da cidade.[45]

O aeroporto é o terceiro mais movimentado da Índia depois de Delhi e Mumbai em termos de tráfego de passageiros e o número de movimentos de tráfego aéreo (ATMs).[46]

Um sistema de Metrô de denominado Metrô Namma está sendo construído em etapas. Inicialmente inaugurada com o trecho de 7 km (4,3 mi) de Baiyappanahalli à MG Road em 2011[47], fase 1 cobrindo uma distância de 42,30 km (26,28 mi) para as linhas norte-sul e leste-oeste foi operacionalizada em junho de 2017[48]. Fase 2 do metro cobrindo 72,1 km (44,8 mi) está em construção e inclui duas novas linhas, juntamente com a extensão das linhas norte-sul e leste-oeste existentes. Também há planos para estender a linha norte-sul até o aeroporto, cobrindo uma distância de 29,6 km (18,4 milhas). Espera-se que esteja operacional em 2021.[49]

Embora Bangalore não tenha trens suburbanos no momento, tem havido demandas por um serviço de trens suburbanos, tendo em mente o grande número de funcionários que trabalham nas áreas do corredor de TI de Whitefield, Outer Ring Road e Electronics City. A Rail Wheel Factory é o segundo maior fabricante de rodas e eixos para ferrovias da Ásia e está sediada em Yelahanka, Bangalor.[50]

 
Os ônibus da BMTC Vajra são populares no corredor de TI. Foi introduzido em 2005

Os ônibus operados pela Bangalore Metropolitan Transport Corporation (BMTC) são um meio importante e confiável de transporte público disponível na cidade[51]. Embora os passageiros possam comprar passagens a bordo desses ônibus, o BMTC também oferece a opção de passe de ônibus para usuários frequentes. BMTC opera ônibus de luxo com ar-condicionado nas principais rotas e também opera serviços de transporte de várias partes da cidade para o Aeroporto Internacional de Kempegowda[52]. O BMTC também possui um aplicativo móvel que fornece a localização em tempo real de um ônibus usando o sistema posicionamento global de do dispositivo móvel do usuário[53]. A Karnataka State Road Transport Corporation opera 6.918 ônibus em 6.352 horários, conectando Bangalore com outras partes de Karnataka, bem como outros estados vizinhos. Os principais terminais de ônibus que o KSRTC mantém são a Estação Rodoviária de Kempegowda, localmente conhecida como " ônibus Majestic", de onde partem a maioria dos ônibus da estação. Alguns dos ônibus KSRTC para Tamil Nadu, Telangana e Andhra Pradesh dobram da Estação Rodoviária de Shantinagar Estação de ônibus de satélite em Mysore Road e estação de ônibus de satélite de Baiyappanahalli.


CulturaEditar

Bangalore é conhecida como a "Cidade Jardim da Índia" por causa de sua vegetação, ruas largas e a presença de muitos parques públicos, como o Lal Bagh e o Parque Cubbon.

Em maio de 2012, a Lonely Planet classificou Bangalore em terceiro lugar entre as dez melhores cidades do mundo para se visitar.[54]

A diversidade da culinária reflete a diversidade social e econômica de Bangalor[55]. Bangalore tem uma ampla e variada mistura de tipos de restaurantes e cozinhas e os bangalorianos consideram comer fora como uma parte intrínseca de sua cultura. Vendedores de rua, barracas de chá do sul da Índia, do norte da Índia, da China e fast food e do oeste são muito populares na cidade[56]. Os restaurantes udupi são muito populares e servem cozinha regional predominantemente vegetariana.[57]

Bangalore é o lar da indústria cinematográfica Kannada[58], que produz cerca de 80 longas-metragens Kannada a cada ano. Bangalore também tem uma cultura teatral muito ativa e vibrante com teatros populares sendo Ravindra Kalakshetra[59] e o mais recentemente inaugurado Ranga Shankara A cidade tem uma cena de teatro vibrante em inglês e língua estrangeira com lugares como Ranga Shankara e Chowdiah Memorial Hall[60] abrindo caminho para apresentações que levaram ao estabelecimento da indústria de filmes amadores. O teatro Kannada é muito popular em Bangalore e consiste principalmente em sátira política e comédia leve. As peças são organizadas principalmente por organizações comunitárias, mas existem alguns grupos amadores que encenam peças em Kannada. Companhias teatrais em turnê pela Índia sob os auspícios do British Council e Max Müller Bhavan também encenam apresentações na cidade com frequência. A Alliance Française de Bangalore também hospeda inúmeras peças ao longo do ano.

EducaçãoEditar

 
Indian Institute of Management Bangalore, um dos principais institutos de gestão da Índia.

Na Índia pós-independente, as escolas para crianças pequenas (16 meses a 5 anos) são chamadas de creche, jardim de infância ou escola lúdica, que são amplamente baseadas na Montessori ou inteligência múltipla[61]. primário, ensino médio e ensino secundário em Bangalore é oferecido por várias escolas que são filiados a um dos governamental ou governo reconheceu placas privadas de ensino.

.As escolas em Bangalore são administradas pelo governo ou privadas (com ou sem auxílio do governo)[62]. Bangalore tem um número significativo de escolas internacionais devido a expatriados e multidão de TI[63]. Depois de concluir o ensino médio, os alunos frequentam Curso pré-universitário ou continuar um curso equivalente de segundo grau em uma das três áreas - artes, comércio ou ciências com várias combinações[64]. Alternativamente, os alunos também podem se inscrever em cursos de diploma. Ao concluir os cursos exigidos, os alunos matriculam-se em graus gerais ou profissionais nas universidades por meio de entrada lateral.[65]

EsportesEditar

O críquete e o futebol são, de longe, os esportes mais populares da cidade. Bangalor tem muitos parques e jardins que oferecem excelentes campos para jogos improvisados. Um número significativo de jogadores de críquete nacionais veio de Bangalore, incluindo os ex-capitães Rahul Dravid e Anil Kumble.

Estádio de críquete internacional de Bangalore é a M. Chinnaswamy Stadium, que tem uma capacidade para 55.000 pessoas[66] e já sediou partidas durante a Copa do Mundo de Críquete de 1987, Copa do Mundo de Críquete de 1996 e a Copa do Mundo de Críquete de 2011. O Estádio Chinnaswamy é a casa da Academia Nacional de Críquete.[67]

A franquia Royal Challengers Bangalore da Premier League indiana e o Bengaluru FC da Superliga Indiana estão sediados na cidade. A cidade sediou alguns jogos da Copa do Mundo Unity 2014.[68]

Ver tambémEditar

Notas

  1. Oficialmente, desde 2014, o nome oficial da cidade é Bengaluru.

Referências

  1. [1]
  2. Paulo, Correia (Verão de 2020). «Toponímia da Índia — breve análise» (PDF). Bruxelas: a folha — Boletim da língua portuguesa nas instituições europeias. p. 4. ISSN 1830-7809. Consultado em 8 de outubro de 2020 
  3. a b c «Karnataka (India): Districts, Cities and Towns - Population Statistics, Charts and Map». www.citypopulation.de. Consultado em 17 de dezembro de 2021 
  4. «Press Information Bureau: Government of India news site, PIB Mumbai website, PIB Mumbai, Press Information Bureau, PIB, India's Official media agency, Government of India press releases, PIB photographs, PIB photos, Press Conferences in Mumbai, Union Minister Press Conference, Marathi press releases, PIB features, Bharat Nirman Public Information Campaign, Public Information Campaign, Bharat Nirman Campaign, Public Information Campaign, Indian Government press releases, PIB Western Region». pibmumbai.gov.in. Consultado em 17 de dezembro de 2021 
  5. «Can the 'American Dream' be reversed in India?». BBC News (em inglês). 5 de novembro de 2012. Consultado em 17 de dezembro de 2021 
  6. «DNA India | Latest News, Live Breaking News on India, Politics, World, Business, Sports, Bollywood». DNA India (em inglês). Consultado em 17 de dezembro de 2021 
  7. agencies. «Karnataka IT exports up by 52%». siliconindia. Consultado em 17 de dezembro de 2021 
  8. Rai, Saritha (20 de março de 2006). «Is the Next Silicon Valley Taking Root in Bangalore?». The New York Times (em inglês). ISSN 0362-4331. Consultado em 17 de dezembro de 2021 
  9. «rediff.com: India's 10 fastest growing cities». ia.rediff.com. Consultado em 17 de dezembro de 2021 
  10. Sen, Meghna (4 de março de 2021). «Ease of Living Index: Bengaluru is the best city to live in India, Pune next». mint (em inglês). Consultado em 17 de dezembro de 2021 
  11. «The Hindu : The City of Boiled Beans». web.archive.org. 5 de maio de 2012. Consultado em 17 de dezembro de 2021 
  12. «Many miles to go from Bangalore to Bengalooru - Deccan Herald - Internet Edition». web.archive.org. 16 de setembro de 2012. Consultado em 17 de dezembro de 2021 
  13. «It'll be 'Bengaluru' from Nov 1 - Deccan Herald - Internet Edition». web.archive.org. 6 de abril de 2012. Consultado em 17 de dezembro de 2021 
  14. Variyar, Mugdha (18 de outubro de 2014). «Bangalore, Mysore, Other Karnataka Cities to be Renamed on 1 November». www.ibtimes.co.in (em inglês). Consultado em 17 de dezembro de 2021 
  15. «Bangalore dates from 4,000 BC - Times Of India». web.archive.org. 21 de setembro de 2013. Consultado em 17 de dezembro de 2021 
  16. «The Hindu : Bangalore had human habitation in 4000 B.C.». web.archive.org. 21 de setembro de 2013. Consultado em 17 de dezembro de 2021 
  17. Rangachari, K. (1909). Castes And Tribes Of Southern India. [S.l.: s.n.] 
  18. «Archives Top and Latest News». mint (em inglês). Consultado em 17 de dezembro de 2021 
  19. Vagale, Uday Kumar (6 de maio de 2004). «Bangalore-Future Trends In Public Open Space Usage. Case Study: Mahatma Gandhi Road, Bangalore» (em inglês). Consultado em 17 de dezembro de 2021 
  20. Sandes, EWC (1933). O engenheiro militar na Índia, vol I . Chatham: The Institution of Royal Engineers. pp. 163–165. ISBN 978-1-84734-071-9.
  21. «Raj Bhavan Karnataka - From 'Residency' to 'Raj Bhavan'». web.archive.org. 6 de fevereiro de 2012. Consultado em 17 de dezembro de 2021 
  22. «Wayback Machine» (PDF). web.archive.org. 28 de junho de 2007. Consultado em 17 de dezembro de 2021 
  23. «Studyarea- Bangalore». web.archive.org. 16 de julho de 2012. Consultado em 17 de dezembro de 2021 
  24. «Wayback Machine» (PDF). web.archive.org. 20 de março de 2006. Consultado em 17 de dezembro de 2021 
  25. «Bangalore». web.archive.org. Consultado em 17 de dezembro de 2021 
  26. «The Hindu : Karnataka / Bangalore News : `Set up rain gauges in areas prone to flooding'». web.archive.org. 16 de dezembro de 2007. Consultado em 17 de dezembro de 2021 
  27. «Frontline.in». www.frontline.in. Consultado em 17 de dezembro de 2021 
  28. a b Censo de 2011.pdf
  29. «The Hindu : Karnataka News : Kannadigas assured of all support». web.archive.org. 30 de junho de 2011. Consultado em 17 de dezembro de 2021 
  30. «Banglori Dakhni: How a language associated with Hyderabad thrives in Bengaluru too». The News Minute (em inglês). 13 de setembro de 2019. Consultado em 17 de dezembro de 2021 
  31. «Slum population». web.archive.org. Consultado em 17 de dezembro de 2021 
  32. «Wayback Machine» (PDF). web.archive.org. 22 de junho de 2011. Consultado em 17 de dezembro de 2021 
  33. «Census of India Website : Office of the Registrar General & Census Commissioner, India». www.censusindia.gov.in. Consultado em 17 de dezembro de 2021 
  34. Briefing, India (22 de março de 2019). «Bengaluru: Economy, Industries, and Infrastructure». India Briefing News (em inglês). Consultado em 17 de dezembro de 2021 
  35. Bureau, Our. «'Bangalore will become the world's largest IT cluster by 2020'». @businessline (em inglês). Consultado em 17 de dezembro de 2021 
  36. «Bengaluru world's fastest growing tech hub, London second: Report». The Economic Times. Consultado em 17 de dezembro de 2021 
  37. «Wayback Machine» (PDF). web.archive.org. 27 de março de 2009. Consultado em 17 de dezembro de 2021 
  38. «Bengaluru has become the hotspot for Fortune 500 giants, global companies to set up innovation centres». Business Insider. Consultado em 17 de dezembro de 2021 
  39. «UB City is finally here - Times Of India». web.archive.org. 6 de novembro de 2012. Consultado em 18 de dezembro de 2021 
  40. «Indian Automobile Market in Bangalore- companies and more». business.mapsofindia.com. Consultado em 18 de dezembro de 2021 
  41. Rai, Saritha (15 de fevereiro de 2021). «Tesla comes to India, picks EV hub Bengaluru for its first plant». ThePrint (em inglês). Consultado em 18 de dezembro de 2021 
  42. PricewaterhouseCoopers. «Karnataka - Aerospace Hub of India». PwC (em inglês). Consultado em 18 de dezembro de 2021 
  43. Briefing, India (22 de março de 2019). «Bengaluru: Economy, Industries, and Infrastructure». India Briefing News (em inglês). Consultado em 18 de dezembro de 2021 
  44. «The top 15 Indian cities by GDP | India's top 15 cities with the highest GDP - Yahoo India Finance». web.archive.org. 9 de outubro de 2014. Consultado em 18 de dezembro de 2021 
  45. «Expressway for airport drive - Deccan Herald - Internet Edition». web.archive.org. 29 de setembro de 2007. Consultado em 18 de dezembro de 2021 
  46. «Passenger traffic tops 9.3m at Bangalore airport - Times Of India». web.archive.org. 12 de junho de 2013. Consultado em 18 de dezembro de 2021 
  47. Sastry, Anil Kumar (20 de outubro de 2011). «South India's first metro flagged off». Bangalore. The Hindu (em inglês). ISSN 0971-751X. Consultado em 18 de dezembro de 2021 
  48. «All of Bangalore Metro Phase-1 will be up and running from June 18». The New Indian Express. Consultado em 18 de dezembro de 2021 
  49. «Kempegowda airport in Bengaluru to get metro rail connectivity by 2021». Special Correspondent Bengaluru. The Hindu (em inglês). 12 de dezembro de 2017. ISSN 0971-751X. Consultado em 18 de dezembro de 2021 
  50. «Bangalore Transport Bangalore - Kojano - Know Everything». web.archive.org. 29 de novembro de 2014. Consultado em 18 de dezembro de 2021 
  51. «Deccan Herald - Loyalty may pay for Volvo commuters!». web.archive.org. 19 de agosto de 2007. Consultado em 18 de dezembro de 2021 
  52. «Bangalore-city.com, Bangalore Bus Information, City Buses, Volvo Buses, Long Distance Buses». web.archive.org. 25 de janeiro de 2010. Consultado em 18 de dezembro de 2021 
  53. «BMTC launches mobile app | Bengaluru Metropolitan Transport Corporation». web.archive.org. 24 de novembro de 2016. Consultado em 18 de dezembro de 2021 
  54. «Lonely Planet's Best in Travel: top 10 cities for 2012 - travel tips and articles - Lonely Planet». web.archive.org. 12 de setembro de 2012. Consultado em 18 de dezembro de 2021 
  55. «The Hindu : Metro Plus Bangalore / Food : Explore the continent». web.archive.org. 26 de fevereiro de 2013. Consultado em 18 de dezembro de 2021 
  56. «International cuisine pushes retailers' margins - The Times of India». web.archive.org. 17 de maio de 2013. Consultado em 18 de dezembro de 2021 
  57. «Breakfast in Bangalore». web.archive.org. 17 de junho de 2012. Consultado em 18 de dezembro de 2021 
  58. «A chauvinistic turn». web.archive.org. 10 de dezembro de 2007. Consultado em 18 de dezembro de 2021 
  59. «It's Yakshagana season - The Hindu». web.archive.org. 21 de setembro de 2013. Consultado em 18 de dezembro de 2021 
  60. «Deccan Herald - An experience called 'Ranga Shankara'». web.archive.org. 29 de outubro de 2013. Consultado em 18 de dezembro de 2021 
  61. «Pre-schools work on developing multiple intelligence - The Times of India». web.archive.org. 2 de outubro de 2016. Consultado em 18 de dezembro de 2021 
  62. «Trimester system in all Karnataka schools from June 1 - Times Of India». web.archive.org. 11 de agosto de 2011. Consultado em 18 de dezembro de 2021 
  63. «IT crowd, elite prefer international schools - The Times of India». web.archive.org. 20 de junho de 2015. Consultado em 18 de dezembro de 2021 
  64. «The Hindu : Karnataka / Bangalore News : Students, parents throng PU colleges in city». web.archive.org. 21 de setembro de 2007. Consultado em 18 de dezembro de 2021 
  65. «PUC is not the only option - Times Of India». web.archive.org. 2 de dezembro de 2013. Consultado em 18 de dezembro de 2021 
  66. «Cricinfo - Grounds - M.Chinnaswamy Stadium, Bangalore». web.archive.org. 8 de fevereiro de 2009. Consultado em 18 de dezembro de 2021 
  67. «CONTACT | NCA | National Cricket Academy (NCA) | NCA Bangalore | BCCI's Premier Cricket Academy |». web.archive.org. 17 de março de 2013. Consultado em 18 de dezembro de 2021 
  68. «Expo 2014 Unity World Cup in Goa (India)». www.laici.va. Consultado em 18 de dezembro de 2021 

Ligações externasEditar

O Commons possui imagens e outros ficheiros sobre Bangalor