Abrir menu principal

Baride (em árabe: بريد‎; transl.: barīd), foi o serviço de correio estatal do Califado Omíada e depois do Califado Abássida. Uma grande instituição do começo do Estado islâmico, o serviço postal não foi apenas responsável pela entrega terrestre da correspondência oficial através do império, mas adicionalmente funcionou como agência de inteligência doméstica, que informou aos califas eventos nas províncias e atividades dos oficiais do governo.

Segundo as fontes islâmicas, foi criado pelo primeiro califa omíada, Moáuia I (r. 661–680). O califa Abdal Malique (r. 685–705) expandiu-o e os demais omíadas estabeleceram um divã para geri-lo. Após a Revolução Abássida de 750, o Baride recebeu novas melhoria e sob o califa abássida Almançor (r. 754–775) tornar-se-ia um serviço de obtenção de informação para o monarca. Foi abolido pelo sultão seljúcida Alparslano (r. 1063–1072).

Índice

EtimologiaEditar

 
Dinar de ouro de Abdal Malique (r. 685–705)
 
Dinar de ouro de Almançor (r. 754–775)

A etimologia da palavra árabe Baride foi descrita pelo historiador Richard N. Frye como "incerta".[1] Uma origem babilônica foi sugerida pelos estudiosos do século XIX, que ofereceram a seguinte explicação disputada: berīd = Babyl. buridu (do mais antigo *(p)burādu) = 'correio' e 'cavalo rápido'.[2] Tem sido proposto que, uma vez que a instituição postal parece ter sido adotada dos sistemas de correia anteriormente mantidos pelo Império Bizantino e pelo Império Sassânida, a palavra Baride poderia ser derivada do latim tardio veredus ("cavalo postal")[3][4][5] ou do persa buridah dum ("tendo uma cauda cortada", em referência aos cavalos postais).[6]

HistóriaEditar

O serviço postal muçulmano aparentemente baseou-se nas organizações de correio de seus antecessores, os bizantinos e sassânidas.[7] Sistemas postais estiveram presentes no Oriente Médio através da Antiguidade, com vários Estados pré-islâmicos tendo operado seus próprios serviços. A tradição local de obrigar a população que vivia próximo às estradas a transportar a bagagem de soldados e oficiais em trânsito, ou a população toda fornecendo bestas de carga para o Estado como no Reino Ptolemaico, tem sido documentada desde o tempo do Império Aquemênida e foi executado pela legislação romana no século IV.[8][9]

O Baride operou dos tempos omíadas, com os créditos por seu desenvolvendo sendo creditados ao primeiro califa omíada Moáuia I (r. 661–680). Um sucessor de Moáuia, Abdal Malique (r. 685–705), fortaleceu a organização, fazendo melhorias adicionais nele após o fim da Segunda Guerra Civil.[3][10][11] Os omíadas criaram um divã ou departamento governamental para gerir o sistema[12] e um orçamento separado foi alocado para custeá-lo.[13]

 
Dinar de ouro de Alparslano (r. 1063–1072)

Após a Revolução Abássida em 750, o Baride foi ainda mais fortalecido pela nova dinastia e tornou-se uma das mais importantes instituições do governo. O segundo califa abássida Almançor (r. 754–775) colocou particular importância no serviço e utilizou-o como uma ferramenta de inteligência com a qual poderia monitorar questões através do império.[14] Sob seus sucessores, a fiscalização do Baride foi frequentemente confiada a um proeminente oficial ou associado próximo ao califa, tal como os barmecidas Jafar ibne Iáia e Itaque.[3][15]

Após a fragmentação política do Califado Abássida nos séculos IX e X, o divã do correio central foi supervisionado pelos buídas (945–1055),[16] mas a organização parece ter declinado durante este período.[3] O serviço foi posteriormente abolido pelo sultão seljúcida Alparslano (r. 1063–1072), que considerou diminuta sua capacidade de obtenção de inteligência.[17] Alguns outros Estados muçulmanos, como o Império Samânida da Transoxiana, mantiveram seus próprios sistemas postais em vários períodos,[18] e no século XIII um novo Baride foi criado no Egito e no Levante pelo sultão mameluco Baibars (r. 1260–1277).[19]

FunçõesEditar

Correspondências e viagemEditar

 
Estações da Baride no Iêmen segundo ibn Khurradadhbih. Cada ponto representa uma estação

O Baride forneceu aos califas a habilidade de comunicar-se com seus oficiais nas várias regiões sob sua autoridade.[20] Seus mensageiros eram capazes de entregar massivas por todo o império com grande eficiência, com velocidades de deslocação relatados tão rápido quanto quase 100 milhas diárias.[21] O Baride não foi um serviço de correio, e normalmente não transportou cartas privadas enviadas por particulares; em vez disso, normalmente só levado correspondência, tais como relatórios e decretos oficiais, entre agentes do governo.[22]

Para facilitar a rápida entrega das mensagens, o Baride manteve uma extensa rede de estações de descanso, que abrigavam montarias descansadas, alojamento e outros recursos para seus mensageiros. A distância média entre cada estação era, ao menos em teoria, dois para quatro parasangas (10 a 20 quilômetros);[11][23] segundo o geógrafo do século IX ibn Khurradadhbih, havia um total de 930 estações por todo o império.[13] Essa rede de retransmissão foi flexível e estações postais temporárias podiam ser estabelecidas como necessário; durante campanhas militares, por exemplo, novos estações postais eram estabelecidas de modo que a linha de comunicação podia ser mantida com o avanço do exército.[3][24]

 
Dirrã do califa Alhadi (r. 785–786)

"Quando eu preciso de quatro pessoas em minha porta [...] Eles são os pilares do Estado e o Estado não estaria a salvo sem eles [...] o primeiro deles é um juiz a quem nenhum opróbrio pode desviar-se o que agrada a Deus. O segundo é um oficial de polícia que defende os direitos do fraco do forte. O terceiro é o chefe da tributação que investiga e não oprime os camponeses, pois eu posso administrar sem a opressão deles. O quarto [...] um chefe do correio que escreve informação fiável sobre estes [três primeiros] homens."

Califa Almançor, sobre a importância atribuída a ele às atividades de vigilância do Baride.[25]

Além de transportar correspondência, o Baride foi às vezes utilizado para transportar certos agentes do Estado, fornecendo uma forma de viagem rápida para governadores e outros oficiais situados nas províncias.[3][11] O califa abássida Alhadi (r. 785–786), por exemplo, utilizou o Baride para fazer a jornada de Jurjam à Bagdá após receber as notícias da morte de seu pai.[26] O uso dos recursos do Baride foi rigorosamente controlado, contudo, e autorização especial era requerida para outros agentes do governo para usar suas montarias ou provisões.[27]

VigilânciaEditar

Além de seu papel como um serviço de transporte, o Baride operou como uma rede de inteligência dentro do Estado islâmico. Chefes dos correiro (axabe albaride) de cada distrito efetivamente atuaram como informantes para o governo central, e regularmente submeteram relatórios à capital do estado de suas localidades respectivas.[28] Cada eventos de significância, como os procedimentos legais locais,[29] flutuações em preços de produtos essenciais,[30] ou mesmo atividade climática incomum,[31] seriam escritos sobre e enviados para o diretor do divã central, que resumiria a informação e apresentaria-a ao califa.[32]

Além dos assuntos das províncias em geral, os agentes do Baride também monitoraram a conduta de outros oficiais do governo.[14] Chefes do correio tinham de procurar qualquer casos de má conduta ou incompetência e informar ao califa de tal comportamento. Eles também relatavam sobre atos e decretos do governador e juiz local, bem como o balanço do tesouro.[30] Esta informação permitiu ao califa avaliar o desempenho de seus agentes, e demitir qualquer um que se tornasse corrupto ou rebelde.[28][33]

Ver tambémEditar

Referências

  1. Frye 1949, p. 585.
  2. Horn 1893, p. 29.
  3. a b c d e f Sourdel 1960, p. 1045.
  4. Atabari 1985–2007, v. 5: p. 51 n. 147.
  5. Goitein 1964, p. 118.
  6. Glassé 2008, p. 85.
  7. Silverstein 2006, p. 631.
  8. Rostowzew 1906, p. 249.
  9. Preisigke 1907.
  10. Akkach 2010, p. 15.
  11. a b c Silverstein 2006, p. 631.
  12. Hawting 1986, p. 64.
  13. a b Ibn Khurradadhbih 1889, p. 153.
  14. a b Kennedy 2004, p. 15.
  15. Atabari 1985–2007, v. 34: p. 81.
  16. Donahue 2003, p. 143.
  17. Lambton 1968, p. 266-67.
  18. Negmatov 1997, p. 80.
  19. Silverstein 2006, p. 632.
  20. Silverstein 2006, p. 631-32.
  21. Atabari 1985–2007, v. 31: p. 2 n. 8..
  22. Hodgson 1974, p. 302.
  23. Yaqut 1959, p. 54 n. 1.
  24. Goitein 1964, p. 119.
  25. Atabari 1985–2007, v. 29: p. 100.
  26. Atabari 1985–2007, v. 30: pp. 8-9.
  27. Goitein 1964, p. 118-19.
  28. a b Atabari 1985–2007, v. 31: p. 2 n. 5.
  29. Atabari 1985–2007, v. 34: pp. 135-36.
  30. a b Atabari 1985–2007, v. 29: p. 140.
  31. Atabari 1985–2007, v. 38: p. 71.
  32. Cudama ibne Jafar 1889, p. 184.
  33. Atabari 1985–2007, v. 29: p. 101.

BibliografiaEditar

  • Akkach, Samer (2010). Letters of a Sufi Scholar: The Correspondence of 'Abd al-Ghani al-Nabulusi (1641-1731). Leida: Koninklijke Brill NV. ISBN 978-90-04-17102-2 
  • Cudama ibne Jafar, Abu al-Faraje (1889). Kitab al-Kharadj, ed. Kitab al-Kharadj (Excerpta). Leida: Brill 
  • Donahue, John J. (2003). The Buwayhid Dynasty in Iraq 334 H./945 to 403 H./1012: Shaping Institutions for the Future. Leida: Koninklijke Brill NV. ISBN 90-04-12860-3 
  • Frye, Richard N. (1949). «Reviews: P.K. Hitti, History of the Arabs». Speculum. 24 (4): 582–587. doi:10.2307/2854655 
  • Glassé, Cyril (2008). The New Encyclopedia of Islam, Third Edition. Lanham: Rowman & Littlefield Publishers. ISBN 0-7425-6296-4 
  • Goitein, S.D. (1964). «The Commercial Mail Service in Medieval Islam». Journal of the American Oriental Society. 84 (2): 118–123. doi:10.2307/597098 
  • Hawting, G.R. (1986). The First Dynasty of Islam: The Umayyad Caliphate AD 661-750. Nova Iorque: Routledge. ISBN 0-415-24072-7 
  • Hodgson, Marshall G.S. (1974). The Venture of Islam: Conscience and History in a World Civilization, Volume 1: The Classical Age of Islam. Chicago: University of Chicago Press. ISBN 0-226-34683-8 
  • Horn, Paul (1893). Sammlung indogermanischer Wörterbücher. IV. Grundriss der neupersischen Etymologie. Estrasburgo: Karl J. Trübner 
  • Ibn Khurradadhbih, Abu Alcacim Abdalá (1889). De Goeje, M.J., ed. Kitab al-Masalik wa'l-Mamalik. Leida: E.J. Brill 
  • Kennedy, Hugh (2004). When Baghdad Ruled the Muslim World: The Rise and Fall of Islam's Greatest Dynasty. Cambridge, MA: De Capo Press. ISBN 0-306-81480-3 
  • Lambton, A.K.S. (1968). «The Internal Structure of the Saljuq Empire». In: Boyle, J.A. The Cambridge History of Iran, Volume 5: The Saljuq and Mongol Periods. Cambridge: Cambridge University Press. pp. 203–282. ISBN 0-521-06936-X 
  • Negmatov, N.N. (1997). «The Samanid state». History of Civilizations of Central Asia, Volume IV. Déli: BRILL. pp. 77–94. ISBN 81-208-1595-5 
  • Preisigke, Friedrich (1907). «Die ptolemäische Staatspost [The Ptolemaic state post]». Beiträge zur alten Geschichte. VII. Lípsia: Dieterich'sche Verlagsbuchhandlung. pp. 241–277 
  • Rostowzew, M. (1906). «Angariae». Beiträge zur alten Geschichte. VI. Lípsia: Dieterich'sche Verlagsbuchhandlung. pp. 249–258 
  • Silverstein, Adam (2006). «Post, or Barid». In: Meri, Josef W. Medieval Islamic Civilization, An Encyclopedia, Volume 2: L-Z, Index. Leida e Nova Iorque: Routledge. pp. 631–632. ISBN 0-415-96692-2 
  • Sourdel, D. (1960). «Barid». The Encyclopedia of Islam, New Edition, Volume I: Ned–Sam. Leida e Nova Iorque: BRILL. pp. 1045–1046. ISBN 90-04-08114-3 
  • Yaqut, Ibn 'Abdallah al-Hamawi (1959). Jwaideh, Wadie, ed. The Introductory Chapters of Yaqut's Mu'jam al-Buldan. Leida: Brill. ISBN 90-04-08268-9