Abrir menu principal
Batalha de Tinchebray
Parte das invasões da Normandia por Henrique I de Inglaterra
Tinchebray.jpg
Imagem do século XV da Batalha de Tinchebray
Data 28 de setembro de 1106
Local Tinchebray, Normandia
Desfecho Vitória de Henrique I de Inglaterra
Beligerantes
Roberto Curthose, o Duque de Normandia Henrique I de Inglaterra
Comandantes
Guilherme, conde de Mortain
Roberto de Bellême, 3° conde de Shrewsbury
Ranulfo de Bayeux
Roberto de Beaumont, 1º conde de Leicester
Guilherme de Warenne, 2° conde de Surrey
Elias I do Maine
Alano IV, duque da Bretanha
Guilherme, conde de Évreux
Raul II de Tosny
Roberto de Montfort
Hugo de Grandmesnil
Forças
Desconhecido Desconhecido
Baixas
Desconhecido Desconhecido

A batalha de Tinchebray (grafias alternativas Tinchebrai ou Tenchebrai) foi travada em 28 de setembro de 1106, na cidade de Tinchebray (no atual departamento de Orne, França), Normandia, entre uma força invasora liderada pelo rei Henrique I de Inglaterra, e seu irmão mais velho Roberto Curthose, o Duque de Normandia.[1] Cavaleiros de Henrique obtiveram uma vitória decisiva, capturando Roberto e aprisionando-o na Inglaterra (no Castelo de Devizes) e, em seguida, no País de Gales até sua morte (no Castelo de Cardiff).[2]

No ano anterior, Henrique tinha invadido a Normandia, capturando Bayeux e Caen. Foi forçado a interromper sua campanha devido a problemas políticos decorrentes da Controvérsia das Investiduras.[3] Com estes resolvido, voltou para a Normandia, na primavera de 1106.[3] Depois de tomar rapidamente a abadia fortificada de Saint-Pierre-sur-Dives (perto de Falaise), Henrique virou para o sul e cercou o castelo de Tinchebray, em uma colina acima da cidade.[1] Tinchebray está na fronteira do condado de Mortain, no sudoeste da Normandia, e foi realizada por Guilherme, conde de Mortain, que era um dos poucos importantes barões normandos ainda leais a Roberto.[4] Duque Roberto então trouxe suas forças para romper o cerco e, depois de algumas negociações infrutíferas, decidiu que uma batalha em campo aberto era sua melhor opção.[4]

O exército de Henrique foi organizado em três grupos.[5] Os dois principais eram comandados por Ranulfo de Bayeux, Roberto de Beaumont, 1º conde de Leicester, e Guilherme de Warenne, 2° conde de Surrey.[5] Além disso, tinha uma reserva, comandada por Elias I do Maine, fora da vista no flanco.[5] Também do lado de Henrique estavam Alano IV, duque da Bretanha, Guilherme, conde de Évreux, Ralfo de Tosny, Roberto de Montfort, e Robert de Grandmesnil. No lado de Roberto Curthose estavam Guilherme, conde de Mortain, e Roberto de Bellême, 3° conde de Shrewsbury.[6]

A batalha em si durou apenas uma hora.[7] Notavelmente, Henrique ordenou grande parte de sua força de cavaleiros para desmontar, como ele mesmo fez: incomum para normandos, táticas de batalha de infantaria desempenharam um papel decisivo.[8] O conde de Évreux investiu na linha da frente, compreendendo tropas de Bayeux, Avranches e o Cotentin.[9] A intervenção da reserva do rei inglês foi decisiva. A maioria do exército de Roberto foi capturada ou morto. Além do próprio Roberto, os capturados incluem Edgar, o Atelingo (tio da esposa de Henrique), e Guilherme, conde de Mortain.[10] Roberto de Bellême, comandando a retaguarda de Roberto, virou as costas e conduziu o retiro para salvar a si mesmo da captura ou morte.[11] A maioria dos prisioneiros foram libertados, mas Roberto Curthose e Guilherme de Mortain passaram o resto de suas vidas em cativeiro.[12] O duque normando teve um filho legítimo, Guilherme Clito, cujas pretensões ao ducado da Normandia levou a várias rebeliões que continuou pelo resto do reinado de Henrique.[13]

Na ficçãoEditar

A batalha é retratada no romance de ficção histórica de Rosemary Sutcliff Knight's Fee, de 1960.

Referências

  1. a b C. Warren Hollister, Henry I, ed. Amanda Clark Frost (New Haven; Londres, Yale University Press, 2003), p. 199
  2. David Crouch, The Normans; The History of a Dynasty (Londres. Nova Iorque: Hambledon Continuum, 2007), pp. 178-79
  3. a b David Crouch, The Normans; The History of a Dynasty (Londres. Nova Iorque: Hambledon Continuum, 2007), pp. 176-77
  4. a b Charles Wendell David, Robert Curthose (Cambridge: Harvard University Press, 1920), p. 172
  5. a b c H. W. C. Davis, 'A Contemporary Account of the Battle of Tinchebrai', The English Historical Review, Vol. 24, No. 96 (outubro de 1909), p. 731
  6. Charles Wendell David, Robert Curthose (Cambridge: Harvard University Press, 1920), p. 174
  7. H. W. C. Davis, 'A Contemporary Account of the Battle of Tinchebrai', The English Historical Review, Vol. 24, No. 96 (outubro de 1909), p. 729
  8. H. W. C. Davis, 'A Contemporary Account of the Battle of Tinchebrai', The English Historical Review, Vol. 24, No. 96 (outubro de 1909), pp. 731-32
  9. Matthew Strickland, Anglo-Norman Warfare: Studies in Late Anglo-Saxon and Anglo-Norman Military Organization and Warfare (Woodbridge: Boydell Press, 1993), p. 187
  10. Charles Wendell David, Robert Curthose (Cambridge: Harvard University Press, 1920), p. 175
  11. Kathleen Thompson, 'Orderic Vitalis and Robert of Bellême', Journal of Medieval History, Vol. 20 (1994), p. 137
  12. Charles Wendell David, Robert Curthose (Cambridge: Harvard University Press, 1920), p. 179
  13. François Neveux, The Normans; The Conquests the Changed the Face of Europe, trans. Howard Curtis (Londres: Constable & Robinson Ltd., 2008), p. 177