Bergantino (oficial)

Bergantino (em latim: Bergantinus) foi um aristocrata romano do século VI, ativo no Reino Ostrogótico. Um homem ilustre segundo uma carta de Cassiodoro endereçada a ele, aparece pela primeira vez em 527, quando tornar-se-ia conde dos patrimônios sob o rei Atalarico (r. 526–534).[1] Em 536, no contexto da Guerra Gótica com o Império Bizantino, esteve entre senadores levados reféns pelo rei Vitige (r. 536–540) de Roma para Ravena e também entre os poucos que conseguiram escapar antes do massacre deles ocorrido na primavera de 537; sabe-se que ele e Reparato conseguiram fugir para a Ligúria.[2]

Bergantino
Nacionalidade Império Bizantino
Ocupação Oficial
Religião Catolicismo
1/4 de síliqua de Vitige (r. 536–540)

Em 537-538, tornar-se-ia líder da resistência aos ostrogodos na Ligúria e seria mencionado numa carta do rei franco Teodeberto I (r. 533–548) de 538 endereçada ao imperador Justiniano (r. 527–565) como patrício. Sabe-se através do relato de Procópio de Cesareia que esteve em Mediolano (atual Milão) durante o cerco gótico de junho de 538 e março de 539 e que teria conseguido escapar com seus apoiantes quando a cidade foi tomada. Dali, escapou pela Venécia rumo a Dalmácia e então para a capital imperial de Constantinopla, onde relatou ao imperador as notícias da conquista da cidade.[1]

Referências

  1. a b Martindale 1980, p. 225.
  2. Martindale 1980, p. 225; 939-940.

BibliografiaEditar

  • Martindale, J. R.; A. H. M. Jones (1980). The prosopography of the later Roman Empire. 2. A. D. 395 - 527. Cambridge e Nova Iorque: Cambridge University Press