Bispo auxiliar

O bispo auxiliar é um bispo titular da Igreja Católica, que tem a função de auxiliar o bispo diocesano.[nota 1][1]

O bispo auxiliar, diferentemente do bispo coadjutor, não tem direito a sucessão em caso de sede vacante.[1] O bispo diocesano deve nomear o bispo auxiliar como vigário-geral, ou pelo menos, vigário-episcopal.[2]

Pertence ao Bispo Diocesano a indicação da terna, ou seja, do conjunto de três candidatos à nomeação para bispo auxiliar, ao contrário do processo de nomeação dos bispos diocesanos e dos bispos coadjutores em que a indicação da terna compete ao Núncio Apostólico.[3]

Catolicismo RomanoEditar

Na Igreja Católica, existem bispos auxiliares tanto na Igreja Latina como nas Igrejas Orientais Católicas. Os deveres particulares de um bispo auxiliar são dados pelo bispo diocesano e podem variar muito dependendo do bispo auxiliar, do ordinário e das necessidades da diocese. Em uma arquidiocese maior, eles podem ser designados para servir uma parte da arquidiocese (às vezes chamados de deados, regiões ou vicariatos) ou para atender a uma população específica, como imigrantes ou pessoas de uma herança ou idioma específico. O direito canônico exige que o bispo diocesano nomeie cada bispo auxiliar como vigário geral ou vigário episcopal da diocese.

Em maio de 2017, Gregorio Rosa Chávez foi um dos primeiros bispos auxiliares católicos romanos a ser nomeados à dignidade de cardeal. Naquela época, era bispo auxiliar de José Luis Escobar Alas, arcebispo de San Salvador[4] (que não foi elevado à mesma dignidade).

Ortodoxia OrientalEditar

Nas Igrejas Ortodoxas Orientais , os bispos auxiliares também são chamados de bispos vicários ou simplesmente bispos vigários.[5] Na Igreja Ortodoxa Sérvia, o cargo de bispo auxiliar (vigário) é confiado aos bispos titulares, que são designados para auxiliar os bispos diocesanos em vários aspectos da administração diocesana. A palavra grega protossincelo define um bispo auxiliar que foi elevado à dignidade de vigário de outro bispo titular, e que é designado para assistir e agir em nome de sua autoridade episcopal sobre a jurisdição da sé episcopal.[6] Por exemplo, Teodosije Šibalić (bispo titular de Lipljan) foi nomeado bispo auxiliar da Eparquia de Raška e Prizren em 2004.[7]

Ver tambémEditar

Notas e referências

Notas

  1.   O conteúdo deste artigo incorpora material da Enciclopédia Católica de 1913, que se encontra no domínio público.

Referências

  1. a b Código de Direito Canônico, Cânon 403, § 1, "quando as necessidades pastorais da diocese o aconselharem, sejam constituídos, a pedido do Bispo diocesano, um ou vários Bispos auxiliares; o Bispo auxiliar não goza de direito de sucessão."
  2. Código de Direito Canônico, Cânon 406, § 2, "o Bispo diocesano constitua o auxiliar ou os auxiliares seus Vigários gerais ou ao menos Vigários episcopais."
  3. Código de Direito Canônico, Cânon 377, § 4, "O Bispo diocesano que julgue dever dar-se à sua diocese um auxiliar, proponha à Sé Apostólica um elenco ao menos de três presbíteros mais aptos para este ofício, se não tiver sido legitimamente providenciado de outro modo."
  4. Caiffa, Patrizia (24 de maio de 2017). «New Cardinals. Mons. Gregorio Rosa Chavez (El Salvador): "I dedicate this appointment to the Blessed Romero"» (em inglês). AgenSIR. Consultado em 5 de abril de 2021. Cópia arquivada em 4 de janeiro de 2019 
  5. Constitution of the Serbian Orthodox Church (em inglês)
  6. Kazhdan, Alexander Petrovich (1991). The Oxford Dictionary of Byzantium (em inglês). Nova Iorque e Oxford: Oxford University Press. p. 1993. ISBN 0-19-504652-8 
  7. «Bishop Tedosije of Raska-Prizren» (em inglês). Site da Eparquia de Raška e Prizren 

BibliografiaEditar