Bolchevique

facção de extrema esquerda do Partido Operário Social-Democrata Russo
(Redirecionado de Bolchevismo)

Bolchevique (russo: большевик; transliteração francesa: "bolchevik"; transliteração inglesa: "bolshevik") é o nome dado aos integrantes de um dos dois grupos que se formaram a partir da divisão do Partido Operário Social-Democrata Russo (POSDR), fundado em 1898. Os apoiantes de Vladmir Lenin ficaram conhecidos como bolcheviques, enquanto os apoiantes de Julius Martov e Georgy Plekanov ficaram conhecidos como mencheviques. Em russo, a palavra bolchevismo (bolscinstvó) significa maioria.[1]

Bolshevik, por Boris Kustodiev, 1920

Os bolcheviques defendiam a revolução socialista, a instalação da ditadura do proletariado, com a aliança de operários e camponeses, enfim, acreditavam que o governo deveria ser diretamente controlado pelos trabalhadores. O segundo grupo, os mencheviques, ou minoria, (em russo: menscinstvó) acreditava em uma maneira mais moderada de socialismo, que deveria ser implantado após o pleno amadurecimento do capitalismo em terras russas.[1]

No início do século XX, tanto em Portugal como no Brasil, foram inicialmente designados maximalistas.

HistóriaEditar

Os bolcheviques ficaram assim conhecidos no Segundo Congresso do POSDR em 1903 da cisão do Partido Operário Social-Democrata Russo (POSDR). Os mencheviques se opuseram a Lenin quando este propôs que o partido deveria constituir-se de uma elite revolucionária profissional, que deveria se dedicar exclusivamente ao ativismo político, e que seria sustentada por apoiadores e simpatizantes não-membros do partido. Os mencheviques se opuseram porque preferiam um partido com grande representação. Os mencheviques obtiveram o apoio da maioria dos delegados ao congresso, que se juntaram àquela facção, enquanto que a maior parte do comitê central, que era a instância máxima de decisão do partido, optou por apoiar as ideias de Lenin.[2]

Os bolcheviques defendiam uma mudança radical de política para o povo, defendendo uma revolução socialista armada, caso necessário. Os mencheviques defendiam uma revolução moderada, permitindo primeiro a democracia e o pleno desenvolvimento do capitalismo para só depois implantar o socialismo.

Os bolcheviques acompanharam geralmente as exigências do movimento operário: para a indexação dos salários à inflação, contra a deterioração das condições de trabalho, ou para evitar que os patrões despedissem os seus trabalhadores. Também encorajaram os soldados a desafiar a autoridade dos seus oficiais e camponeses para partilharem a terra.[3]

A decisão do Governo Provisório que emergiu da Revolução de Fevereiro de continuar a guerra - dois milhões de russos tinham morrido como resultado - e a sua recusa em responder às exigências do movimento operário tornou-a gradualmente impopular, reforçando os seus opositores como resultado.[3]

Em Petrogrado, o voto bolchevique nas eleições municipais e parlamentares aumentou de 20% em Maio para 33% em Agosto e 45% em Novembro. Em Moscovo, aumentou de 11% em Junho para 51% em Setembro. No campo, no entanto, o Partido Bolchevique era muito menos influente. Os camponeses, que constituíam a maioria da população, simpatizavam geralmente com o Partido Socialista Revolucionário (o partido participou no governo provisório, mas ocorreu uma cisão, que levou à criação do partido Socialistas Revolucionários de Esquerda, anti-guerra, que era próximo dos bolcheviques).[3]

Em Julho de 1917, manifestações maciças de trabalhadores e soldados contra o governo provisório e a sua decisão de prosseguir a guerra levaram a uma nova onda de repressão bolchevique. O partido foi temporariamente banido e muitos dos seus representantes foram atirados para a prisão. Lenine e a maioria dos líderes de topo conseguiram ir para a clandestinidade, onde permaneceram até à Revolução de Outubro. O General Lavr Kornilov tentou um golpe de Estado para estabelecer um regime ditatorial e nacionalista. Para os bolcheviques, o passo final para a conquista do poder consistiu paradoxalmente em organizar a defesa do governo provisório, mas de tal forma que este último, que não sabia como se opor à tentativa de putsch, perdeu muita legitimidade. Com Kornilov derrotado, os bolcheviques decidiram derrubar o governo. Alguns dos seus líderes, contudo, como Grigory Zinoviev e Lev Kamenev, opuseram-se, argumentando em vez disso por um compromisso com o governo.[3]

A Revolução de Outubro foi mais pacífica do que a de Fevereiro. Havia menos caos e menos tiros. Por esta razão, alguns historiadores consideram que foi mais um golpe de Estado. O Comité Revolucionário Militar do Soviete Petrogrado foi favorável aos bolcheviques e as suas decisões foram seguidas por um grande número de trabalhadores e soldados, porque era um soviete que eles tinham eleito e cujos membros podiam substituir. Assim, a maioria dos soldados da capital reagiu à decisão de derrubar o governo provisório, forçando os seus membros a fugir.[3]

Pouco depois de os bolcheviques terem chegado ao poder durante a Revolução Russa de 1917, eles mudaram o seu nome para o Partido Comunista de Toda a Rússia (Bolcheviques) em 1918 e passaram a ser conhecidos apenas como Partido Comunista da União Soviética - PCUS após esse ponto. No entanto, não seria antes de 1952 que esse partido removeria formalmente a palavra bolchevique do seu nome.

Velha GuardaEditar

A Velha Guarda Bolchevique era formada pelos primeiros membros do grupo, que fundaram em 1900 ou que ingressaram antes da Revolução de 1917. O termo Velho Bolchevista (старый большевик) ficou como designação não-oficial dos membros do partido pré-1917.

Durante o governo de Stalin, grande parte da velha guarda foi removida do poder, durante os expurgos da década de 1920. Nos anos seguintes, inúmeros foram julgados, condenados, sentenciados à morte e executados por supostos crimes de traição à União Soviética e à revolução proletária. Outros foram enviados para prisões onde eram torturados e sofriam de trabalho forçado (Gulags).

Alguns, como Alexandra Kollontai e Anatóli Lunatcharski, foram enviados ao exterior como diplomatas. Vários opositores, notoriamente os trotskistas, estavam entre os supostos "criminosos" e "contra-revolucionários".

Por outro lado, o termo "Velho Bolchevique" e a expressão "Velha Guarda Bolchevique" também foram utilizados como autodescrição pelos líderes do Partido que se opuseram a Trotsky imediatamente após a Revolução de Outubro de 1917, aludindo ao fato de que, até às vésperas do evento, Trotsky não era membro do Partido Bolchevique, tendo se juntado ao pequeno grupo social-democrata dos Mejraiontsi e tendo entrado no partido de Lenin, a convite deste, apenas no fim do primeiro semestre de 1917.

Vários estabelecimentos e objetos na União Soviética e na Rússia foram batizados com o nome "Velho Bolchevique", como editoras, navios, embarcações, kolkhozes e assentamentos.

Ver tambémEditar

ReferênciasEditar

  1. a b «Bolcheviques - História». InfoEscola. Consultado em 18 de maio de 2021 
  2. Suny, Ronald Grigor (1998). The Soviet Experiment. Londres: Oxford University Press. p. 57. ISBN 978-0-19-508105-3 
  3. a b c d e Mike Haynes, ''Was there a Parliamentary Alternative in 1917'', 1977

BibliografiaEditar

Ligações externasEditar

 
O Commons possui uma categoria com imagens e outros ficheiros sobre Bolchevique