Brasão do Rio Grande do Norte

O brasão do Rio Grande do Norte é o emblema heráldico e um dos símbolos oficias do estado brasileiro do Rio Grande do Norte, conforme estabelece o artigo 12 da Constituição Estadual.[1]

Brasão do estado do Rio Grande do Norte
Brasão do estado do Rio Grande do Norte
Detalhes
Adoção 1º de julho de 1909
Escudo Campo aberto, dividido a dois terços de altura, tendo no plano inferior o mar, onde navega uma jangada de pescadores, que representam as indústrias do sal e da pesca. No terço superior, também em campo de prata, há duas flores aos lados e ao centro dois capulhos de algodoeiro.
Suportes Coqueiro à destra, carnaubeira à sinistra, tendo os troncos ligados por duas canas-de-açúcar, presas por um laço com as cores nacionais.

HistóriaEditar

Foi criado pelo decreto 201 de 1º de julho de 1909, durante a gestão do governador Alberto Maranhão (1908-1914), desenhado e organizado pelo escultor Corbiniano Vilaça.[2] É composto por um coqueiro à esquerda, uma carnaúba à direita, uma cana-de-açúcar e um algodão, estes dois últimos representando a flora. Há ainda um mar, com a jangada, representando a pesca e a extração de sal.[3][4]

Descrição heráldicaEditar

O brasão do Rio Grande do Norte é assim descrito pelo artigo 1º do decreto nº 201/1909:[5]

O brasão de armas do Estado do Rio Grande do Norte é um escudo de campo aberto, dividido a dois terços de altura, tendo no plano inferior o mar, onde navega uma jangada de pescadores, que representam as industrias do sal e da pesca. No terço superior, em campo de prata, duas flores aos lados e ao centro dois capulhos de algodoeiro. Ladeiam o escudo, em toda sua altura, um coqueiro à esquerda e uma carnaubeira à direita, tendo os troncos ligados por duas canas de açúcar, presas por um laço com as côres nacionaes. Tanto os móveis do escudo, como os emblemas, em cores naturais, representam a flora principal do Estado. Cobre o escudo uma estrella branca, simbolizando o Rio Grande do Norte na União Brasileira.

Brasões anterioresEditar

Durante o domínio Holandês do Nordeste, o governo do então Conde Maurício de Nassau organizou e concedeu brasões às capitanias e câmaras de justiça em 1638.[6] Para a capitania do Rio Grande (atual Rio Grande do Norte), foi concedido um brasão onde:[6][7]

"Rio Grande é symbolisado pelo respectivo rio, tendo á margem um (sic) avestruz [ema], de que ha muitos ali."

A ema, ave caraterística da região, tendo a seus pés três ondas, em referência provável ao Rio Potenji ou ao Rio Açu.[8] A ema é uma ave típica do bioma de cerrado, que na época também se encontrava em grande abundância naquelas paisagens.[9] Acima do escudo um exemplar da coroa alusiva ao domínio holandês, e circundado por uma grinalda de flores e frutos de laranjeira - uma clara referência à Casa de Orange-Nassau de importante papel político na vida política dos República das Sete Províncias Unidas dos Países Baixos.[6]

Não é possivel determinar com os metais ou tinturas dos brasões de armas do Brasil Holandês, pois as gravuras não apresentam os indicativos de esmaltes por meio pontuados ou fundos convencionais da heráldica.[6] Em alguns exemplares da edição princeps da obra Rerum per octennium in Brasilia de Gaspar Barléu apresentam os escudos coloridos em aquarela, mas, de modo, arbitrario e, por vezes, em flagrante contravenção das regras heráldicas.[6] No exemplar dessa obra disponível na Biblioteca Nacional do Brasil, o escudo do Rio Grande do Norte aparece pintado em ouro, com as ondas em azul, branco e azul.[7]

Ver tambémEditar

Referências

  1. RIO GRANDE DO NORTE. Constituição estadual do Rio Grande do Norte.
  2. Governo. «Símbolos». Consultado em 21 de abril de 2011. Cópia arquivada em 22 de maio de 2011 
  3. Ache Tudo e Região. «BANDEIRA DO RIO GRANDE DO NORTE». Portal Brasil. Consultado em 14 de maio de 2011. Cópia arquivada em 22 de maio de 2011 
  4. «RIO GRANDE DO NORTE – RN». Girafamania. Consultado em 14 de maio de 2011. Cópia arquivada em 22 de maio de 2011 
  5. O Brazão de Armas. A Republica, Curitiba, 23 de julho de 1909.
  6. a b c d e f Alfredo de Carvalho (1904), «Os Brazões d'Armas do Brasil Hollandez», Revista do Instituto Arqueológico, Histórico e Geográfico Pernambucano, 11, Wikidata Q105611673 
  7. a b Clóvis Ribeiro (1933), Brazões e Bandeiras do Brasil, São Paulo: São Paulo Editora, OCLC 1297560, Wikidata Q105417680 
  8. BERG, T. J. (2011). Os brasões de armas do Brasil Holandês. [S.l.]: Revista de Cultura Artística. pp. 37–48 
  9. a b Gaspar Barléu (1647), Rerum per octennium in Brasilia et alibi gestarum, sub præfectura illustrissimi Comitis I. Mauritii Nassaviæ &c. comitis, historia (em latim) 1 ed. , Amesterdão: Joan Blaeu, OCLC 66882625, Wikidata Q59420426 
Brasões das unidades federativas do Brasil
 
AC
 
AL
 
AP
 
AM
 
BA
 
CE
 
DF
 
ES
 
GO
 
MA
 
MG
 
MS
 
MT
 
PA
 
PB
 
PE
 
PI
 
PR
 
RJ
 
RN
 
RO
 
RR
 
RS
 
SC
 
SE
 
SP
 
TO