Bravo (canal de televisão)

canal de televisão por assinatura estadounidense
Disambig grey.svg Nota: Este artigo é sobre um canal de televisão por assinatura estadunidense. Para o extinto canal de televisão por assinatura brasileiro, veja Bravo Brasil.


Bravo é um canal de televisão por assinatura estadunidense, lançado em 8 de dezembro de 1980. É de propriedade da divisão NBCUniversal Television and Streaming, da NBCUniversal, subsidiária da Comcast. O canal originalmente se concentrava na programação relacionada às artes plásticas e ao cinema. Atualmente, concentra-se principalmente em reality shows voltados para mulheres de 25 a 54 anos, bem como para a comunidade LGBT.

Bravo Network

 Estados Unidos
Sede Comcast Building, New York City, New York
Pertence a NBCUniversal Cable Entertainment Group (NBCUniversal Television and Streaming)
Proprietário(s) NBCUniversal
Fundação 8 de dezembro de 1980 (41 anos)
Emissora(s) irmã(s)
Cobertura Nacional
Página oficial www.bravotv.com

Em maio de 2018, aproximadamente 88.27 mil lares americanos recebiam o sinal do Bravo.[1]

HistóriaEditar

O Bravo foi lançado originalmente como um canal premium sem comerciais em 8 de dezembro de 1980.

Foi originalmente co-propriedade da divisão Rainbow Media, da Cablevision, e Warner-Amex Satellite Entertainment; o canal afirmou ser "o primeiro serviço de televisão dedicado ao cinema e às artes cênicas".[2][3][4] O canal originalmente transmitia sua programação dois dias por semana e - como o ex-canal irmão de Bravo, Nickelodeon, que compartilhava seu espaço de canal com o Alpha Repertory Television Service - compartilhava seu espaço com o canal pago voltado para adultos Escapade, que apresentava filmes pornográficos softcore.[5] Em 1981, o Bravo estava disponível para 48.000 assinantes nos Estados Unidos; esse total aumentou quatro anos depois para cerca de 350.000 assinantes.[6] Um perfil de 1985 da Bravo no The New York Times observou que a maior parte de sua programação consistia em filmes internacionais, clássicos e independentes. Celebridades como E.G. Marshall e Roberta Peters forneceram comentários de abertura e encerramento dos filmes transmitidos no canal.[6]

Os programas de artes cênicas vistos no Bravo incluíam o show Jazz Counterpoint.[6] Em meados da década de 1980, o Bravo passou de um serviço premium para um canal a cabo básico, embora permanecesse sem comerciais.[7] Bravo assinou um contrato de subscrição com a Texaco em 1992 e dentro de um mês transmitiu a primeira produção Texaco Showcase, uma adaptação teatral de Romeu e Julieta.[8] Em meados da década de 1990, a Bravo começou a incorporar mais patrocínios de subscrição no estilo PBS e, em seguida, começou a aceitar a publicidade comercial tradicional em 1998.[5]

Em Encyclopedia of Television, Megan Mullen percebeu certos programas do Bravo como "considerados muito arriscados ou ecléticos para os canais convencionais". Esses programas foram Karaoke e Cold Lazarus, os seriados finais do dramaturgo britânico Dennis Potter exibidos pela Bravo em junho de 1997, e a série documental de Michael Moore, The Awful Truth, de 1999.[8]

Em 1º de junho de 1996, foi lançada a versão brasileira do canal através de uma parceria com a TVA, do Grupo Abril, e a TV Cultura.[9] O canal foi renomeado para Film&Arts em 1999 e, em seguida, vendido para a Pramer.[10][11][12]

Em 1999, a Metro-Goldwyn-Mayer adquiriu uma participação de 20% no canal, que posteriormente vendeu de volta à Rainbow Media em 2001. A NBC comprou o canal em 2002 por US$ 1,25 bilhão; ela possuía uma participação no canal e em suas redes irmãs por vários anos até aquele momento.[13] A então controladora da NBC, General Electric, fundiu a rede e suas outras propriedades de radiodifusão e TV por assinatura com a Vivendi Universal Entertainment em maio de 2004 para formar a NBC Universal.

Bravo teve um enorme sucesso em 2003 com o reality show Queer Eye for the Straight Guy, que conquistou 3,5 milhões de espectadores.[3] O canal começou a adicionar mais reality shows à sua programação, alguns deles também muito bem sucedidos, incluindo Project Runway em 2004, e Million Dollar Listing, The Real Housewives of Orange County e Top Chef, todos em 2006. Todos geraram vários derivados, e alguns até viraram franquias internacionais. O sucesso de todos esses shows levou a Bravo a mudar seu formato com foco em artes cênicas, drama e cinema independente para reality shows, cultura pop, moda e celebridades. Em 2009, a Entertainment Weekly colocou reality shows da Bravo em sua lista de melhores do final da década, dizendo: "Desde o Fab Five de Queer Eye for the Straight Guy aos fashionistas ferozes do Project Runway até a franquia Real Housewives, a peculiar programação de realidade de Bravo mistura alta cultura e baixos escrúpulos para criar uma televisão deliciosamente viciante".[14]

Um estudo divulgado em maio de 2008 classificou a Bravo como a marca mais identificada como gay-friendly entre os consumidores gays.[15] A faixa etária de Bravo é de pessoas de 18 a 54 anos, de acordo com os perfis de televisão a cabo do Cable Television Advertising Bureau.[2]

Referências

  1. «Estimated number of cable TV network households in the U.S. 2018». Statista (em inglês). Consultado em 13 de junho de 2022 
  2. a b «Time Warner Cable Media Sales :: Bravo Cable TV Advertising». CableMediaSales.com. 2 de maio de 2008. Consultado em 13 de junho de 2022. Arquivado do original em 2 de maio de 2008 
  3. a b «A Tale of Two Networks.». Entertainment Weekly (1001): 42. 11 de julho de 2008 
  4. «About Bravo». BravoTV.com. 4 de janeiro de 2010. Consultado em 13 de junho de 2022. Arquivado do original em 4 de janeiro de 2010 
  5. a b «Nexttv | Programming| Busines | Multichannel Broadcasting + Cable | www.nexttv.com». NextTV (em inglês). Consultado em 13 de junho de 2022 
  6. a b c Schneider, Steve (15 de dezembro de 1985). «CABLE TV NOTES; BRAVO THRIVES ON CULTURE». The New York Times (em inglês). ISSN 0362-4331. Consultado em 13 de junho de 2022 
  7. «CABLE NETWORKS». The Museum of Broadcast Communications. Consultado em 13 de junho de 2022. Arquivado do original em 27 de novembro de 2010 
  8. a b Mullen, Megan (2004) [1997]. «Bravo (U.S. cable network)». In: Newcomb, Horace. Encyclopedia of television 2ª ed. Chicago: Fitzroy Dearborn. pp. 308–310. OCLC 54462093 
  9. «Folha de S.Paulo - TVA estréia canal especializado em artes - 1/6/1996». www1.folha.uol.com.br. Consultado em 13 de junho de 2022 
  10. «Folha de S.Paulo - Outro Canal: Falência do Moinho atrapalha "Amigos" - 15/07/99». www1.folha.uol.com.br. Consultado em 13 de junho de 2022 
  11. «Bravo Brasil muda e vira Film&Arts». Estado de S. Paulo. 18 de julho de 1999. Consultado em 23 de abril de 2022 
  12. «Eurochannel e Film & Arts: sob o domínio da Liberty». Pay TV. 1 de dezembro de 2000. Consultado em 17 de junho de 2022 
  13. Romano, Allison (17 de fevereiro de 2003). «NBC Puts Its Stamp on Bravo». Broadcasting Cable (em inglês). Consultado em 13 de junho de 2022 
  14. December 04, EW Staff Updated; EST, 2009 at 05:00 AM. «100 greatest movies, TV shows, and more». EW.com (em inglês). Consultado em 13 de junho de 2022 
  15. «Bravo tops survey of gay-friendly companies». Reuters (em inglês). 13 de maio de 2008. Consultado em 13 de junho de 2022