Burundi

país de África
Republika y'u Burundi (rundi)
République du Burundi (francês)

República do Burúndi
Bandeira do Burúndi
Brasão de armas do Burúndi
Bandeira Brasão de Armas
Lema: "Unité, Travail, Progrès"
("Unidade, Trabalho, Progresso")
Hino nacional: Burundi bwacu ("Hino Nacional")
Gentílico: burundês,[1][2][3] burundiano, burundinense, burundinês[4]

Localização de República do Burundi

Capital Guitega[5][6]
3°22'S 29°21'E
Cidade mais populosa Bujumbura
Língua oficial Francês, inglês e rundi[7][8][9][10]
Governo República presidencialista
 - Presidente Pierre Nkurunziza
 - 1º Vice-presidente Therence Sinunguruza
 - 2º Vice-presidente Gervais Rufyikiri
Independência da Bélgica 
 - Data 1º de julho de 1962 
Área  
 - Total 27 834 km² km² (147.º)
 - Água (%) 7,8
 Fronteira Ruanda (noroeste e norte), Tanzânia (leste) e República Democrática do Congo (oeste)
População  
 - Estimativa para 2019 12 006 000 hab. (79.º)
 - Densidade 429 hab./km² (35.º)
PIB (base PPC) Estimativa de 2017
 - Total US$ 7,985 bilhões (148.º)
 - Per capita US$ 808 (175.º)
IDH (2018) 0,423 (185.º) – baixo[11]
Gini (1998) 42,4[12]
Moeda Franco de Burundi (BIF)
Fuso horário (UTC+2)
Clima Tropical
Org. internacionais ONU, UA, Francofonia
Cód. ISO BDI
Cód. Internet .bi
Cód. telef. +257

Mapa de República do Burundi

O Burundi ou Burúndi,[13][14][15][16][17] oficialmente República do Burúndi,[17][14][13] é um pequeno país de África, encravado entre o Ruanda a norte, a Tanzânia a leste e a sul e a República Democrática do Congo a oeste, neste país se encontra a nascente do rio Nilo. A cidade mais populosa do país é Bujumbura, que foi a capital de Burundi até 24 de dezembro de 2018, quando a sede do governo foi transferida para Guitega.[5] Está entre os países mais pobres da África e do mundo, tendo sido classificado em 2013 como o país com o décimo menor IDH do mundo.[18]

O Burundi continua sendo principalmente uma sociedade rural, com apenas 13,4% da população vivendo em áreas urbanas em 2019. A densidade populacional de cerca de 315 pessoas por quilômetro quadrado é a segunda maior da África Subsaariana. Aproximadamente 85% da população são de origem étnica hutu, 15% são tutsis e menos de 1% são twa. As línguas mais faladas no país são o kirundi, o francês e o inglês, sendo o kirundi reconhecido oficialmente como a língua nacional.

Um dos menores países da África, Burundi tem um clima equatorial. O país fica em um planalto ondulado no centro da África. O pico mais alto, o Monte Heha, com 2.685 metros, fica ao sudeste da maior cidade, Bujumbura. A fonte mais distante do rio Nilo é o rio Ruvyironza, na província de Bururi, no Burundi. O Nilo está ligado do lago Victoria às suas cabeceiras através do rio Kagera ao rio Ruvyironza. Outro lago importante é o lago Tanganyika, localizado em grande parte do canto sudoeste do país. Existem dois parques nacionais, o Parque Nacional Kibira e o Parque Nacional Ruvubu, ao longo do rio Rurubu, estabelecidos em 1982 para conservar as populações de vida selvagem. As terras do Burundi são principalmente agrícolas ou pastagens.

A colonização por populações rurais levou ao desmatamento, erosão do solo e perda de habitat. O desmatamento de todo o país é quase completamente devido à superpopulação, com apenas 600 km² restantes e uma perda contínua de cerca de 9% ao ano. Além da pobreza, os burundianos geralmente precisam lidar com a corrupção, a infraestrutura precária, o acesso precário aos serviços de saúde e educação e a fome. O Burundi é densamente povoado e teve emigração substancial à medida que os jovens buscam oportunidades em outros lugares. O Relatório Mundial da Felicidade classificou o Burundi como a nação menos feliz do mundo em 2018.

HistóriaEditar

 Ver artigo principal: História do Burundi

Em 1885, na Conferência de Berlim, as potências europeias partilham a maior parte da África. O território do atual Burundi é entregue à Alemanha. A chegada dos colonos alemães, a partir de 1906, agrava antigas rivalidades entre os hutus (maioria da população) e a minoria tutsi, que exercia um poder monárquico. Os tutsis ganham status de elite privilegiada, com acesso exclusivo à educação, às Forças Armadas e a postos na administração estatal. Após a Primeira Guerra Mundial, o Burundi é unificado com a vizinha Ruanda, ficando sob tutela da Bélgica, que mantém as prerrogativas dos tutsis. Em 1946, a tutela passa para a Organização das Nações Unidas (ONU).

Em 1962, o país torna-se independente, sob monarquia tutsi. Com a saída da força militar belga, a luta pelo poder transforma-se em conflito étnico e alcança toda a sociedade. Os ressentimentos acumulados desde o período colonial explodem em 1965, quando uma rebelião hutu é esmagada pelo governo. No ano seguinte, a monarquia é derrubada por um golpe de Estado liderado pelo primeiro-ministro, Michel Micombero, que proclama a república e assume a Presidência. As décadas seguintes são marcadas por uma sucessão de golpes de Estado e intrigas palacianas entre os tutsis e pela perseguição aos hutus. Rebeliões entre 1972 e 1988 causam a morte de dezenas de milhares de pessoas.

Uma das piores matanças da história do Burundi tem início em outubro de 1993, quando oficiais tutsis fuzilam o primeiro presidente eleito democraticamente, o oposicionista hutu Melchior Ndadaye, no cargo havia quatro meses. Os hutus reagem e tem início a guerra civil, que dura até hoje, na qual morreram mais de 200 mil pessoas e mais de 1 milhão se tornaram refugiados, boa parte em Ruanda, Tanzânia e República Democrática do Congo. Em fevereiro de 1994, o hutu Cyprien Ntaryamira é escolhido para a Presidência. Dois meses depois, Ntaryamira e o presidente de Ruanda, Juvénal Habyarimana, são mortos num atentado que derruba o avião no qual viajavam. É o estopim para uma nova fase de violência em Burundi e sobretudo em Ruanda. É formado, em setembro de 1994, um governo de transição chefiado pelo hutu Sylvestre Ntibantunganya.

Os embates prosseguem até que o Exército, dominado por tutsis, dá um golpe de Estado, em 1996, e nomeia presidente o major Pierre Buyoya, que já governara de 1987 a 1993. Nações vizinhas impõem sanções econômicas e isolam o Burundi. Piora a situação do país, cuja base econômica, a agricultura, é arrasada pela guerra. O déficit público cresce e a dívida externa passa a consumir mais da metade do valor das exportações. Em 1998, começam as negociações para um processo de pacificação no Burundi.

Desde 2015, esta empobrecida nação africana vem passando por distúrbios internos e uma acentuada crise política e social, que já deixou centenas de mortos e milhares de refugiados.[19]

GeografiaEditar

 
Províncias do Burundi
 Ver artigo principal: Geografia do Burundi

O Burundi é um pequeno país no interior da região dos Grandes Lagos Africanos. É em geral um país montanhoso, especialmente a ocidente, com um planalto a ocupar a zona leste, perto da fronteira com a Tanzânia. A altitude mínima é de 772 m, nas margens do lago Tanganica e a máxima é o Monte Heha, uma montanha que atinge os 2670 m, onde, com o derretimento do gelo, se inicia um curso de água que é considerado a nascente do rio Nilo. A altitude média ronda os 1700 m.

O clima é, em geral, equatorial de altitude, com as temperaturas médias anuais a variarem entre 23 e 17 graus com a altitude. A precipitação média anual ronda os 150 cm, distribuída por duas estações húmidas (Fevereiro - Maio e Setembro - Novembro), intercaladas por duas estações secas (Junho - Agosto e Dezembro - Janeiro).

PolíticaEditar

 Ver artigo principal: Política do Burundi

A Política do Burundi tem lugar num quadro de uma república democrática representativa presidencial de transição, segundo a qual o Presidente do Burundi é simultaneamente chefe de Estado e chefe de Governo, e de um sistema multi-partidário. O poder executivo é exercido pelo governo. O poder legislativo é investido tanto no governo e nas duas câmaras do parlamento, o Senado e a Assembleia Nacional.

SubdivisõesEditar

 Ver artigo principal: Subdivisões do Burundi

O Burundi está dividido em 17 províncias. Por sua vez, as províncias subdividem-se em 117 comunas, e estas em 2.639 colinas (do francês, Colline). As províncias são:

EconomiaEditar

 Ver artigo principal: Economia do Burundi
 
Bujumbura, a maior cidade do país

Apesar dos inúmeros recursos minerais, o Burundi é um dos países mais pobres do mundo. Aliam-se à pobreza os constantes conflitos étnicos locais e entre Uganda e Ruanda.

O Burundi é um país sem saída para o mar, pobre em recursos naturais e com um setor industrial pouco desenvolvido. A economia do Burundi é baseada na agricultura, que correspondia em 1997 a cerca de 58% do PIB do país.[carece de fontes?]

Mais de 90% da força de trabalho concentra-se na agricultura, a maior parte da qual pratica a chamada agricultura de subsistência. Embora o Burundi seja potencialmente capaz de se tornar autossuficiente na produção de alimentos, a guerra civil, a superpopulação e a erosão do solo afastaram para longe a autossuficiência.

O principal produto do país é o café, que correspondia em 1997 a 78,5% das exportações. Esta dependência do café aumentou a vulnerabilidade do Burundi às turbulências econômicas internacionais. Em anos recentes, o governo tentou atrair o investimento privado para este setor com algum sucesso. Outras exportações principais incluem o chá e o algodão cru. O Burundi é o maior mercado de banana da África.[carece de fontes?]

DemografiaEditar

  • População: 6 565 000 (1999)
  • Crescimento anual: 2,5 % (1975/1998)
  • Estimativa para o ano 2015: 9 500 000 (1998)
  • Crescimento anual até 2015: 2,3 % (1998/2015)
  • População urbana: 8,4 % (1998)
  • Crescimento da população urbana: 6,8 % (1980/1995)
  • Filhos por mulher: 6,2 (1998)

ReligiãoEditar

Religião no Burundi[20]
Religião % aprox.
Católicos
  
62,1%
Protestantes
  
23,9%
Muçulmanos
  
2,5%
Outras/nenhuma
  
11,5%

Fontes estimam a população cristã no Burundi entre 80 a 90%, com os católicos romanos representando o maior grupo (de 60 a 65%) e o protestantismo e anglicanismo constituindo os outros 20 a 25% restantes.[21]

Os muçulmanos constituem entre 2 a 5%, a maioria dos quais são sunitas e vivem em áreas urbanas.[22]

Estima-se ainda que o restante adere às crenças tradicionais locais ou demais religiões.[23]

Cidades mais populosasEditar

CulturaEditar

 Ver artigo principal: Cultura do Burundi

Ver tambémEditar

Referências

  1. http://www.portalangop.co.ao/angola/pt_pt/noticias/africa/2015/9/43/Burundi-Belgica-sauda-coragem-activista-burundes-refugiado-seu-territorio,76d496e1-25c3-4b3c-9044-4ad466b26180.html Portal Angola
  2. http://www.rm.co.mz/index.php/mundo/item/11332-presidente-burundes-regressa-ao-pais-apos-tentativa-de-golpe-de-estado Arquivado em 18 de novembro de 2015, no Wayback Machine. Rádio Moçambique
  3. http://noticias.uol.com.br/ultimas-noticias/radioonu/2015/08/20/ban-exorta-lider-burundes-a-seguir-a-via-da-inclusao-e-reconciliacao.htm UOL Brasil: Ban Ki-moon exorta líder burundês
  4. «Portal da Língua Portuguesa, Dicionário de Gentílicos e Topónimos do Burundi» 
  5. a b Serviço das Publicações da União Europeia. «Anexo A5: Lista dos Estados, territórios e moedas». Código de Redacção Interinstitucional. Consultado em 22 de agosto de 2019 
  6. «Burundi names Gitega as new capital». theeastafrican (em inglês). 22 de dezembro de 2018. Consultado em 25 de dezembro de 2018 
  7. «What Languages Are Spoken In Burundi?». Consultado em 12 de março de 2018. Cópia arquivada em 13 de março de 2018 
  8. «English is now official language of Burundi». Consultado em 12 de março de 2018. Cópia arquivada em 14 de fevereiro de 2018 
  9. Consulting, Jibril TOUZI, Great Lakes. «Analyse et adoption du projet de loi portant Statut des Langues au Burundi - Assemblée Nationale du Burundi». www.assemblee.bi. Consultado em 12 de março de 2018. Cópia arquivada em 13 de março de 2018 
  10. «Archived copy» (PDF). Consultado em 12 de março de 2018. Cópia arquivada (PDF) em 13 de agosto de 2017 
  11. «Human Development Report 2019» (PDF) (em inglês). Human Development Report (Human Development Report Office) - United Nations Development Programme. Consultado em 12 de dezembro de 2019 
  12. «CIA World Factbook, Lista de Países por Coeficiente de Gini» 
  13. a b «Parlamento Europeu - resolução sobre Burúndi» 
  14. a b «Ministério dos Negócios Estrangeiros de Portugal» 
  15. «Dicionário Priberam da Língua Portuguesa». Consultado em 1 de fevereiro de 2015 
  16. «Presidência da República do Brasil» 
  17. a b «República do Burúndi». www.itamaraty.gov.br. Consultado em 12 de julho de 2015 
  18. 2013 Human Development Report: The Rise of the South: Human Progress in a Diverse World (em inglês)
  19. «West's aid cuts to Burundi worsen crisis as govt suspends free health care». Nation.co.ke. Consultado em 17 de dezembro de 2015 
  20. Central Intelligence Agency (2008 (estimativa)). «Burundi». The World Factbook. Consultado em 10 de julho de 2014  Verifique data em: |ano= (ajuda)
  21. Pew Research Center. «Burundi - Religious Affiliation (estimativa 2010)» (em inglês). Pew Research Center's Religion & Public Life Project. Consultado em 8 de julho de 2014 
  22. The US Department od State (17 de novembro de 2010). «Burundi - International Religious Freedom Report 2010» (em inglês). The US Department od State. Consultado em 10 de julho de 2014 
  23. CIA. «Burundi - The World Factbook (2008 estimativa)» (em inglês). CIA. Consultado em 10 de julho de 2014 
 
O Commons possui uma categoria contendo imagens e outros ficheiros sobre Burundi