Abrir menu principal
Um Missal Romano aberto na página com o texto e as rubricas da primeira oração do Cânon Romano, o Te Igitur. Missal impresso por Renatus Beck, Estrasburgo, em 1511. Museu de Bremen, Alemanha.

O Texto e rubricas do Cânon Romano referem-se às orações, normas e instruções do Missal Romano para a sua primeira anáfora, chamada oficialmente de Oração Eucarística I, também referida como o Cânon Romano ou o Cânon da Missa. Antes da revisão de 1970 do Missal Romano, a missa teve apenas essa Oração Eucarística; desde a revisão, algumas mudanças mínimas no texto foram feitas, embora com maior proeminência nas rubricas. No Missal Anglicano, essa oração é chamada de "O Cânon da Missa Romana".

O texto e as rubricas do Cânon começam com a oração Te Igitur, até o Pater Noster; antes do Te Igitur, há ainda o diálogo introdutório, o Prefácio, e o Sanctus, partes que não foram alterados em 1970, exceto pela adição de novos prefácios. Na tradução do Missal Romano na forma ordinária, feita pela CNBB em 1970, foi incluído após cada oração do Cânon, feita pelo sacerdote, um responso dito pelo povo; essa prática, porém, só existe na Igreja do Brasil, e não encontra justificativa histórica ou doutrinal.

Recitação inaudível do CânonEditar

Na Missa Tridentina, o sacerdote fala o Cânon de maneira inaudível,[1] com apenas duas exceções: ele pronuncia a frase Nobis quoque peccatoribus com a voz um pouco audível, e diz ou canta em voz alta a frase final da doxologia: per omnia saecula saeculorum, de modo a permitir que o acólito-coroinha, ou o coro, saibam quando dizer ou cantar Amém. Este silêncio por parte do sacerdote está associado ao fato de que, na Missa Tridentina, o sacerdote diz todas as partes da Missa (exceto as respostas como Et cum spiritu tuo, e Amém), mesmo que o coro as cante também. Tornou-se habitual para o sacerdote dizer o "Sanctus" rapidamente, não esperando o coro terminar o canto, e continuar imediatamente, em voz baixa, o resto da Cânon.

Razões místicas eram atribuídas às orações silenciosas do Cânon, puramente sacerdotais, pertencentes exclusivamente e apenas ao sacerdote, com o silêncio crescente sendo uma reverência ao momento mais sagrado da missa, e removendo a Consagração do uso vulgar comum.

Na Missa do Vaticano II, é proibido recitar o Cânon em silêncio, sendo considerado parte de sua natureza ser dito de forma audível, bem como recomenda o canto de suas partes. A Instrução Geral do Missal Romano, n. 147, afirma: "É muito conveniente que o sacerdote cante as partes da Oração Eucarística para os quais a notação musical é fornecida".

Te IgiturEditar

Na Missa Tridentina, o padre começa a oração levantando um pouco as mãos, juntando-as, olhando rapidamente para o céu, e depois se curvando profundamente diante do altar e colocando as mãos sobre ele. Ele então diz: "Te Igitur, clementissime Pater, por Iesum Christum Dominum nostrum Filium tuum, supplices rogamus, ac petimus" ("A vós, Pai clementíssimo, por Jesus Cristo vosso Filho e Senhor nosso, humildemente rogamos e pedimos"). Em seguida, ele beija o altar, junta as mãos diante de seu peito e continua: "Uti accepta habeas et benedicas" ("aceiteis e abençoeis"). Em seguida, ele faz o sinal da cruz três vezes sobre a hóstia e o cálice, enquanto diz: "haec   dona, haec   munera, haec sancta   sacrificia illibata" (estes   dons, estas   dádivas, este   santo sacríficio ilibado.).

Na Missa do Vaticano II, o sacerdote apenas abre os braços e ao dizer "benedicas" faz um só sinal da cruz (o único em todo o curso do Cânon) sobre a hóstia e o cálice.

Na Missa Tridentina, o sacerdote, ao abrir os braços, adota uma variação da postura de oração (a postura "Orantes") representada em pinturas das catacumbas: o Ritus servandus in celebratione Missae, V, 1, prescreve manter as mãos diante de seu peito, nem acima nem mais largo que os ombros, com os dedos polegar e indicador unidos e as palmas voltadas uma para a outra. No Missal Romano, tal como revisto em 1970, ele não é obrigado a manter as mãos diante de seu peito e pode adotar a verdadeira postura "Orantes".

In primis - Oração da IgrejaEditar

O sacerdote então com os braços abertos continua:

A expressão "juntamente com" (una cum), ligada ao verbo "offerimus", indica que o sacerdote está oferecendo a Missa em união com o Papa e o Bispo, não por eles. Variações passadas desta oração incluíam a menção ao governante civil (imperador ou rei), que o Papa Pio V removeu em sua revisão de 1570 do Missal, mas que continuou em uso no Sacro Império Romano até 1806 e depois no Império da Áustria até 1918. A oração também incluía, ao mesmo tempo, uma menção especial ao próprio sacerdote, embora não citasse seu nome.

O "Ritus servandus in celebratione Missae" do Missal tridentino dizia que, na oração pelo Papa, o sacerdote abaixasse a cabeça ao falar o nome do Papa.[2] O Missal, revisto em 1970, requer tal gesto só "quando as três Pessoas Divinas são nomeadas em conjunto e com os nomes de Jesus, da Virgem Maria, e do Santo em cuja honra se celebra missa ("Instrução Geral ", 275).

Primeiro Memento - Memória dos vivosEditar

"O sacrifício de louvor" é uma frase tirada do Livro dos Salmos 49/50, 23. A palavra "salus" pode se referir tanto à saúde do corpo, como à salvação espiritual.

No ponto em que são mencionados os nomes daqueles pelos quais o padre deve, o sacerdote junta as mãos e, por eles, reza breve e silenciosamente.

Em uma missa concelebrada, essa oração e a seguinte são ditas individualmente pelos concelebrantes.

Communicantes: Memória dos SantosEditar

No Missal Tridentino, a oração seguinte é precedida pela rubrica "Infra Actionem" (Dentro da Ação), que foi originalmente uma indicação para esta oração, colocada então entre outras orações para certas festas, que ela estava a ser inserida no Cânon. As festas em que essas variações são usadas ainda são o Natal, Epifania, Páscoa, Ascensão e Pentecostes, e durante toda as suas Oitavas. Desde 1970, só o Natal e a Páscoa têm oitavas.

Em sua revisão do Missal, o Papa Pio V removeu alguns nomes de santos e outras cláusulas que foram incluídas tardiamente, apesar de alguns casos sobreviveverem localmente. As palavras beati Joseph, eiusdem Virginis Sponsi foram adicionados pelo Papa João XXIII, profundamente devoto de São José. Desde 1970, as partes entre parênteses podem ser omitidas.

Hanc IgiturEditar

Esta oração, como a precedente, tem variações em muitas poucas celebrações. Tais ocasiões eram originalmente muito mais numerosas: o Sacramentário gelasiano tem como 38 formas especiais a serem intercaladas para todos os tipos de intenções especiais, incluindo missas de Réquiem e de Casamento.

O texto usual é:

A conclusão entre parênteses pode ser omitida, porém as rubricas continuam a exigir que o sacerdote junte as mãos aos pontos em todo o Cânon nos quais ele pode dizer o omitir Per Christum Dominum nostrum e que abra os braços novamente no início da seguinte oração.

Em uma missa concelebrada, a oração é dita só pelo celebrante principal.

No Missal Tridentino, o sacerdote estende as mãos sobre as oferendas durante esta oração. No Missal do Vaticano II, é durante a próxima parte do Cânon que o padre, juntamente com quaisquer sacerdotes concelebrantes, realiza este gesto, como na epiclese pré-Consagração de outras Orações Eucarísticas.

Quam oblationem: Epiclese pré-consagraçãoEditar

Segue-se a oração:

O texto Tridentino insere cruzes assim: bene dictam, adscrip tam, ra tam, rationabilem, acceptabilemque facere digneris: ut nobis Cor pus et San guis; e o sacerdote faz o sinal sobre as ofertas em cada uma das palavras indicadas.

Na Missa do Vaticano II, a partir desta epiclese pré-consagração até a epiclese pós-consagração, as palavras são faladas ou cantadas por todos os concelebrantes juntos.

Embora esta oração não mencione explicitamente o Espírito Santo, trata-se de uma epiclese, na qual, o Espírito Santo é invocado para efetuar a mudança do pão e do vinho no Corpo e Sangue de Cristo. Assim, a edição 1970 do Missal Romano dirige o sacerdote para estender as mãos sobre as oferendas enquanto a recita. Na forma tridentina da Missa, o sacerdote diz a oração com as mãos juntas, com exceção ao fazer os cinco sinais da cruz prescrito dessa forma do rito.

ConsagraçãoEditar

Qui pridie: Consagração do pãoEditar

Em seguida, vem a primeira parte do relato da Última Ceia:

Esta oração admite um acréscimo no ano: na Quinta-Feira Santa a oração começa assim: "No dia anterior ele estava sofrendo para a nossa salvação e a salvação de todos, que é hoje ...", etc.

O sacerdote se inclina ligeiramente ao falar as palavras de Jesus. As rubricas tridentinas dizem também que o sacerdote deve olhar para a Cruz ou para o Céu quando diz as palavras que retratam essa ação de Jesus e abaixar a cabeça com as palavras tibi gratias agens, e fazer o sinal da cruz com a palavra bene dixit.

Então ele mostra a hóstia consagrada para o povo, depositando-o na patena (forma do Vaticano II) ou no corporal (forma tridentina), e se ajoelha em adoração.

Simili modo: Consagração do vinhoEditar

Missa do Vaticano IIEditar

Missa TridentinaEditar

As palavras mysterium fidei (o mistério da fé) são presentes apenas no texto tridentino. No mesmo texto a frase Hæc quotiescumque fecérit, in mei memóriam faciétis é uma fusão das palavras de Jesus com as de São Paulo em I Coríntios 11:26. A frase correspondente no texto do Vaticano II, Hoc facite in meam commemorationem foram ditas por Jesus na Última Ceia (Lucas 22:19; I Coríntios 11:24-25).

As otras palavras da consagração do vinho vêm principalmente de Mateus 26:16; calix Sanguinis mei provém de Lucas e I Coríntios; pro vobis vêm de Lucas, e "pro multis" de Mateus. A frase et aeterni provém da tradição oral.

 
Após a Consagração do pão, o sacerdote mostra a hóstia, para adoração dos fiéis.
 
A página de um Missal Romano editado pelo Papa Pio XII em 1956, com o texto e as rubricas da Consagração.
 
O sacerdote eleva o cálice, para adoração dos fiéis, após a Consagração do vinho.

RubricasEditar

Tanto antes como depois de 1970, as rubricas do Missal ordenam que o sacerdote, após a Consagração do Pão e depois a do Vinho, "mostrá-la/lo para o povo" (em latim, "ostendit populo"). Se a assembleia está atrás do sacerdote, por este adotar a posição ad orientem, a maneira tradicional de mostrar a hóstia consagrada e o vinho consagrado é, elevando cada um acima do nível da cabeça do sacerdote.

Na forma tridentina da missa o padre deve se ajoelhar tanto antes, como depois, de mostrar o hóstia e o cálice para o povo, na forma ordinária, ele se ajoelha somente depois da elevação.

A Instrução Geral, n. 150 orienta: "Um pouco antes da consagração, quando apropriado, um servidor toca um sino como um sinal para os fiéis de acordo com o costume local, o servidor também toca a campainha como o sacerdote mostra o hóstia e depois o cálice." O Missal tridentino não menciona o primeiro toque, mas, desde 1604, afirma que o sino deve ser tocado ou três vezes ou continuamente enquanto a hóstia e o cálice estão sendo mostrados (Ritus servandus in celebratione Missae, VIII, 6).

Aclamação memorial do povoEditar

Na Missa do Vaticano II, as palavras mysterium fidei, inseridas antes na fórmula de consagração do vinho, são usadas depois da consagração como meio de começar a aclamação memorial do povo, ausente na forma tridentina.

Oferece-se três formas de aclamação memorial do povo, as duas primeiras dos quais foram retiradas de I Coríntios 11:26. A primeira e a terceira fazem referência explícita a da ressurreição de Cristo, que é apenas implícita na segunda:

  • Mortem tuam annuntiamus, Domine, et tuam resurrectionem confitemur, donec venias (Nós proclamamos, Senhor, Vossa morte, e anunciamos Vossa ressurreição, até que venhas).
  • Quotiescumque manducamus panem hunc et calicem bibimus, mortem tuam annuntiamus, Domine, donec venias (Quando comemos este pão e bebemos deste cálice, anunciamos, Senhor a Vossa morte, até que venhas).
  • Salvator mundi, salva nos, qui per crucem et resurrectionem tuam liberasti nos (Salva-nos, Salvador do mundo, que por sua Cruz e Ressurreição nos tornastes livres).

Fórmula da oblaçãoEditar

Unde et memores - AnamneseEditar

Nas Orações Eucarísticas de todas as liturgias, as palavras da instituição do sacramento, concluindo com "Fazei isto em memória de mim", são seguidas por uma solene oração lembrando da morte e ressurreição de Cristo, chamade de anamnese. A anamnese, em seguida, se torna em uma oração de oferta e oblação. O texto no Cânon é:

Na forma tridentina desta oração o sacerdote faz cinco sinais da cruz sobre o pão e o vinho consagrados (hostiam   puram, hostiam   sanctam, hostiam   immaculatam, Panem   sanctum vitæ æternæ, et Calicem   salutis perpetuæ), os primeiros de um total de quinze a ser feitos após a consagração. Todos os quinze foram omitidos após o Conc

Supra quaeEditar

O Cânon continua com uma oração pedindo a Deus que aceite o sacrifício da Igreja, como ele aceitou o sacrifício das três maiores personagens do Antigo Testamento. Em outras palavras, ele pede que a devoção da Igreja possa ser como a deles. O texto é:

Supplices te rogamus: Epiclese pós-consagraçãoEditar

O sacerdote se curva ao dizer esta oração e fica ereto ao fazer o sinal da cruz sobre si mesmo ao dizer a frase final, "et gratia repleamur. Na forma tridentina, o sacerdote coloca suas mãos juntas à beira do altar ao se curvar, beija o altar com as palavras hac altaris participatione, e faz um sinal da cruz sobre nas palavras Cor pus e sobre o cálice com o vinho consagrado na palavra San guinem .

Memento dos mortosEditar

As rubricas dizem que após as palavras "dormiunt in somno pacis" (descansem no sono da paz), o sacerdote une as mãos e reza brevemente e silenciosamente por eles.

O Missal tridentino tem no final desta oração uma rubrica sem outras semelhantes no resto do livro: a cláusula final, "Per Christum eundem Dominum nostrum Amen.", que é obrigatória nessa forma da Missa, o sacerdote deve inclinar sua cabeça, embora a cláusula não contenha o nome de Jesus. A única explicação proposta é de caráter místico: após a oração pelos mortos o sacerdote inclina sua cabeça, como fez Cristo quando morreu.

Em uma missa concelebrada, esta oração e os seguintes são ditas por concelebrantes individualmente.

Segundo Memento dos vivosEditar

Assim como no Communicantes, as partes entre parênteses podem ser omitidas na Missa do Vaticano II.

Os santos deste segundo memento pelos vivos são chefiadas por João Batista, que está acompanhado por sete homens e sete mulheres santas, todos eles mártires.

As palavras de abertura, Nobis quoque peccatoribus, são as únicos do Cânon, além do Per omnia saecula saeculorum, que conclui o Cânon, que, na forma tridentina do Missal Romano, são faladas em voz alta depois do Sanctus. Elas devem, porém, ser ditas em voz muito baixa, uma vez que a rubrica diz que o sacerdote deve "levantar a voz um pouco".

Nessas mesmas palavras, tanto antes como depois de 1970, o padre bate no peito, como fazem todos os sacerdotes, se a Missa é concelebrada.

Per quemEditar

O "Per Christum Dominum nostrum" no final do Segundo Memento dos vivos não é seguido pelo habitual "Amém". O que vem em seguida, é uma oração curta (reservada para o celebrante principal, em uma missa concelebrada):

Na Missa Tridentina o sacerdote faz sinais da cruz às palavras sancti ficas, vivi ficas, bene dicis

Não está claro o que é referido pela frase "nos concedeis todos estes bens". Uma teoria é que ela se refere aos frutos da terra e alimentos preparados para serem abençoados nesse ponto do Cânon, que é quando o bispo abençoa o óleo dos enfermos com uma fórmula especial na Missa do Crisma na Quinta-feira Santa.

Per ipsum - Doxologia com elevaçãoEditar

A última oração do Cânon é a doxologia:

No Missal tridentino o sacerdote descobre o cálice, se ajoelha, toma a hóstia entre o polegar e o dedo indicador direitos e, segurando o cálice na mão esquerda, faz o sinal da cruz três vezes na boca do cálice, ao dizer silenciosamente: Per   ipsum, et cum   ipso, et in   ipso, ele então, faz o sinal da cruz duas vezes no espaço entre ele e o cálice, dizendo: est tibi Deo Patri   omnipotenti, in unitate   Spiritus Sancti; em seguida, ele eleva o cálice, ao dizer: omnis honor et gloria e, finalmente, ele pousa a hóstia sobre o corporal, cobre o cálice com a pala, se ajoelha, se levanta e diz ou canta em voz alta: Per omnia saecula saeculorum.

Na Missa do Vatican II, o sacerdote pronuncia em voz alta (eventualmente cantando) toda a doxologia, e com o diácono, se houver, eleva a patena com a hóstia consagrada e o cálice contendo o vinho consagrado.

A resposta do povo é Amen (Amém).

Referências

  1. Em latim, secreto (Ritus servandus in celebratione Missae, VIII, 1)
  2. V - De Oratione, 2

Ligações externasEditar