Missal Romano

Disambig grey.svg Nota: Para a cidade, veja Missal.

O Missal Romano (em latim: Missale Romanum) é o livro litúrgico que contém os textos e rubricas para a celebração da missa no Rito Romano da Igreja Católica.

Missal Romano
Missale Romanum
O Missal Romano sobre a mesa do altar
Autor(es) Congregação para o Culto Divino e Disciplina dos Sacramentos
Idioma Latim
Assunto Orações próprias do sacerdote e dos fiéis nas missas
Gênero Religioso
Lançamento 1 de janeiro de 1997 (25 anos)
Páginas 1088
Edição brasileira
Tradução Comissão Episcopal de Liturgia da CNBB
Editora Paulus

HistóriaEditar

Antes do Concílio de Trento (1570)Editar

Antes da alta Idade Média diversos livros eram utilizados na missa: um Sacramentário com as orações católicas, um ou mais livros para a liturgia da palavra, e um ou mais livros para as antífonas e demais cantos. Gradualmente, foram surgindo manuscritos que incorporavam partes de mais de um destes livros, levando, finalmente, às versões completas. O resultado disto acabou por chamar-se Missale Plenum (em português: "Missal Pleno").

Em 1223, São Francisco de Assis instruiu os seus frades a adotar a forma que estava em uso na corte papal. Eles adaptaram o missal para as necessidades do seu apostolado itinerante. O papa Gregório IX ponderou, mas não pôs em prática, a ideia de estender este missal, conforme a revisão franciscana, para toda a Igreja Ocidental; em 1227 o papa Nicolau III ordenou que este fosse aceite em todas as igrejas da cidade de Roma. O seu uso espalhou-se pela Europa, principalmente após a invenção da prensa móvel; porém os editores introduziam variações oriundas de suas próprias preferências, algumas delas consideráveis. A imprensa também favoreceu a propagação de outros textos litúrgicos de ortodoxia suspeita. O Concílio de Trento determinou que um fim deveria ser posto à estas disparidades.

O primeiro Missale Romanum (Missal Romano), contendo a Ordo Missalis secundum consuetudinem Curiae Romanae (Ordem do Missal segundo o costume da Cúria Romana), foi produzido em Milão em 1474.[1] Quase um século passou-se antes de uma edição oficialmente publicada pela Santa Sé. Durante este intervalo, a edição milanesa de 1474 foi sucedida por pelo menos quatorze edições: dez impressas em Veneza, três em Paris e uma em Lyon.[2] Por falta de uma autoridade controladora, estas edições diferem, por vezes consideravelmente.[3]

Anotações à mão efetuadas pelo cardeal Guglielmo Sirleto numa cópia da edição veneziana de 1494[4] mostram que ela foi utilizada para a confecção da edição oficial de 1570 do papa Pio V. Em essência, o texto de 1494 é idêntico à versão milanesa de 1474.[3]

De 1570 à 1960Editar

 
"Missale Romanum": Versão impressa em 1911 da edição típica de 1884

Implementando a decisão do Concílio de Trento, o papa Pio V promulgou, na Constituição Apostólica Quo Primum Tempore de 14 de julho de 1570, uma edição do Missal Romano de uso obrigatório na Igreja Latina, exceto onde houvesse outros ritos litúrgicos que pudessem ser comprovados em uso há pelo menos dois séculos.

Algumas correções ao texto de Pio V provaram-se necessárias, e o papa Clemente VIII substituiu-o com uma nova edição típica do Missal Romano em 7 de julho de 1604. (Neste contexto, a palavra "típica" indica o texto que deve ser seguido pelas demais impressões.) Outra revisão da edição típica foi promulgada pelo papa Urbano VIII em 2 de setembro de 1634.

Começando no final do século XVI, a França e os países vizinhos sofreram com uma enxurrada de missais independentes publicados por bispos influenciados pelo Galicanismo e pelo Jansenismo. Isto findou-se quando o bispo Pierre Louis Parisis de Langres e o abade Prosper Guéranger iniciaram, no século XIX, um movimento de retorno ao Missal Romano. O papa Leão XIII então, tomou a oportunidade de emitir, em 1884, uma nova edição típica, que considerava todas as mudanças introduzidas desde o pontificado de Urbano VIII. O papa São Pio X também empreendeu uma revisão do Missal Romano, publicado e declarado típico por seu sucessor, Bento XV, em 25 de julho de 1920.

 
Um livro de orações francês de 1905 contendo extratos do Missal Romano e do Breviário Romano da época

Ainda que a revisão do papa São Pio X efetuou poucas correções, omissões ou adições ao texto das orações do Missal Romano, houveram grandes mudanças nas rubricas. Mudanças estas que não foram incorporadas na secção intitulada "Rubricae Generalis", mas foram, em vez disso, publicadas sob o título "Additiones et variationes in rubricis Missalis".

Em contraste, a revisão do papa Pio XII, ainda que limitada a somente cinco dias do ano litúrgico, foi mais corajosa, exigindo mudanças até mesmo no Código de Direito Canónico, que até então prescrevia que, com exceção da Missa do Galo à meia-noite, a missa não deveria começar mais do que uma hora antes do alvorecer ou mais tarde que uma hora após o meio-dia. Portanto, na parte do Missal meticulosamente modificada, ele antecipou algumas das mudanças que afetariam todos os dias do ano após o Concílio Vaticano II. Dentre estas novidades incluíam a primeira introdução oficial das línguas vernáculas na liturgia para a renovação das promessas do batismo durante a celebração da Vigília Pascal.[5][6]

O papa Pio XII não publicou uma nova edição do Missal Romano, mas autorizou os tipógrafos a substituir os textos anteriores do Domingo de Ramos, Quinta-feira Santa, Sexta-feira da Paixão e da Vigília Pascal com aqueles que ele começou a introduzir em 1951 e que se tornaram universalmente obrigatórios em 1955.[7] O papa também removeu da Vigília de Pentecostes a série de seis leituras do Velho Testamento, com seus respectivos folhetos e coletas de acompanhamento, mas estes continuaram a ser impressos até 1962.

Cedendo aos desejos de muitos dos bispos, o papa Pio XII julgou ser conveniente reduzir as rubricas do Missal, uma simplificação foi promulgada por decreto pela Sagrada Congregação dos Ritos em 23 de março de 1955.

No ano seguinte, em 1956, enquanto estudos preparatórios estavam a ser conduzidos para uma reforma litúrgica geral, o papa Pio XII consultou a opinião dos bispos sobre um aperfeiçoamento litúrgico do Breviário Romano. Após a devida ponderação das respostas dos bispos, ele julgou ser hora de abordar a necessidade de uma geral e sistemática revisão das rubricas do Breviário e do Missal. Esta questão foi referida ao comité especial de especialistas apontados para estudar a reforma litúrgica geral.

O seu sucessor, o papa São João XXIII, emitiu uma nova edição típica do Missal Romano em 1962. Esta incorporou o Código de Rubricas que a comissão do papa Pio XII havia preparado, e que o papa São João XXIII tornou obrigatório a partir do dia 1 de janeiro de 1961. No Missal, este Código de Rubricas substituiu dois dos documentos da edição de 1920; e o motu proprio do papa Rubricarum Instructum tomou o lugar da suplantada constituição apostólica Divino Afflatu do papa São Pio X.

Outras notáveis revisões foram a omissão do adjetivo "Perfidis" na oração pela conversão dos judeus na Sexta-feira da Paixão e a inserção do nome de São José no cânon da missa.

Revisão em decorrência do Concílio Vaticano IIEditar

Entre 1965 e 1967 algumas mudanças foram oficialmente introduzidas à Missa do Rito Romano em decorrência do documento Sacrosanctum Concilium, mas nenhuma nova edição do Missal Romano havia sido produzida de modo a incorporar tais mudanças. Estas alterações foram refletidas nas provisórias traduções em vernáculo confeccionadas em vários países quando as línguas locais começaram a ser utilizadas em conjunto com o Latim. Alguns países de mesma língua por vezes acabaram por usar distintas traduções que variavam até mesmo na quantidade de vernáculo admitido.

Uma nova edição do Missal Romano foi promulgada pelo papa São Paulo VI com a constituição apostólica Missale Romanum de 3 de abril de 1969. O texto inteiro do Missal revisado só foi publicado no ano seguinte, e versões completamente em vernáculo só surgiriam anos mais tarde, mas partes do Missal em Latim já estavam disponíveis desde 1964 em formato não-definitivo, e traduções provisórias surgiram sem demora.

Em sua constituição apostólica, o papa São Paulo VI fez menção particular das seguintes mudanças significativas que ele efetuou no Missal Romano:

  • Além da única Oração Eucarística da edição anterior (que, com parvas mudanças, foi preservada como "Oração Eucarística I ou Cânon Romano") ele acrescentou outras três Orações Eucarísticas, aumentando também o número de prefácios.
  • Os ritos do Ordinário da Missa (em Latim, Ordo Missae)—isto é, a majoritariamente imutável parte da liturgia—foram "simplificados, embora o devido cuidado foi tomado para preservar a sua substância." "Elementos que, com o passar do tempo, tornaram-se duplicados, ou foram adicionados desnecessariamente" foram eliminados, especialmente nos ritos para a preparação do pão e do vinho, o partir do pão e a Comunhão.
  • "'Outros elementos que sofreram prejuízo por acidentes da História agora devem ser restaurados à norma original dos Santos Padres' (Sacrosanctum Concilium, art. 50), Por exemplo, a homilia (cf. Sacrosanctum Concilium, art. 52) E a 'Oração Comum' ou 'Oração dos Fiéis' (cf. Sacrosanctum Concilium, art. 53)."[8] São Paulo VI também adicionou a opção de "um rito penitencial ou ato de reconciliação com Deus e os irmãos, ao início da missa," ainda que isto não fizesse parte nem das versões antigas dos Ritos Iniciais, nem estivesse presente no Sacrosanctum Concilium.[9]
  • Ele ampliou grandemente a proporção da Bíblia lida na missa. Mesmo antes de Pio XII reduzir ainda mais a porcentagem, somente 1% do Velho Testamento e 16.5% do Novo Testamento eram lidos na missa. Após a revisão do papa São Paulo VI, aproximadamente 13.5% do Velho Testamento e 71.5% do Novo Testamento são lidos.[10] Ele conseguiu realizar isto acrescentando leituras à missa e introduzindo um ciclo trienal de leituras aos domingos e um ciclo bienal nos dias de semana.

Além destas mudanças, o papa notou que sua revisão modificou consideravelmente outras secções do Missal, como o Próprio do Tempo, o Próprio dos Santos, o Comum dos Santos, as Missas Rituais e as Missas Votivas, dizendo: "Em todas estas alterações, tivemos cuidado em particular com as orações: não apenas seu número foi aumentado, para que os novos textos possam corresponder melhor às novas necessidades, mas também seu texto foi restaurado com base no testemunho das evidências mais antigas."

Revisões Posteriores ao Concílio Vaticano IIEditar

Em 1970, a primeira edição típica do Missal Romano (em Latim) contendo o título Missale Romanum ex decreto Sacrosancti Oecomenici Concilii Vaticani II instauratum foi publicada, após ter sido formalmente promulgada pelo papa São Paulo VI no ano anterior. Uma reimpressão que corrigiu erros tipográficos surgiu em 1971. Uma segunda edição típica, com pequenas mudanças, foi emitida em 1975. Em 2000, o papa São João Paulo II aprovou uma terceira edição típica, publicada em 2002. Esta terceira edição adicionou festas, especialmente de santos recém-canonizados, novos prefácios das Orações Eucarísticas, missas e orações adicionais para variadas necessidades e revisou e ampliou a Instrução Geral do Missal Romano.[11]

Em 2008, sob o papa Bento XVI, uma reimpressão emendada da terceira edição foi emitida, corrigindo falhas de impressão e outros erros (como a inserção, no início do Credo Apostólico, do vocábulo "unum", como no Credo Niceno). O apêndice adicionou celebrações, como a de São Padre Pio, ao Calendário Romano Geral após a impressão original de 2002.

Três alterações requiriram a aprovação pessoal do papa Bento XVI:

  • Uma mudança na ordem em que um bispo, celebrando missa fora de sua própria diocese, menciona o bispo local a si próprio.
  • Omissão do Missal Romano das Orações Eucarísticas especiais para missas com crianças (que não foram abolidas).
  • A adição de três alternativas à forma padrão de despedida ao fim da missa, Ite, missa est.:
    • Ite ad evangelium Domini annuntiandum
    • Ite in pace, glorificando vita vestra Dominum
    • Ite in pace[12]

A edição do Missal de 1962 pelo papa São João XXIII inaugurou um período de preferência estética por um número reduzido de ilustrações em preto-e-branco em vez das muitas gravuras coloridas anteriormente utilizadas. As primeiras edições pós-Vaticano II, tanto no original em Latim, quanto nas versões traduzidas, continuaram esta tendência. A primeira edição latina de 1970 continha doze xilogravuras em preto-e-branco feitas por Gian Luigi Uboldi. As edições alemãs de 1975 e 1984 não continham ilustrações, procurando enfatizar a clareza e a beleza da tipografia. As edições francesas de 1974 e 1978 também não se utilizaram de ilustrações, enquanto as edições italianas de 1973 e 1983 continham tanto reproduções de miniaturas no estilo do século XI e figuras estilizadas. As versões espanholas de 1978 e 1988 também recorriam a ilustrações. A presentação minimalista destes missais contrasta fortemente com a opulência das edições americanas do período de 2005 a 2011 com suas diversas e coloridas reproduções de pinturas e outras obras de arte.[13]

A primeira tradução em vernáculo da terceira edição típica do Missal Romano (2002) a ser publicada foi em língua grega, que surgiu no ano 2006.[14] A tradução em inglês, considerando as alterações de 2008, entrou em uso em 2011. Outras traduções levaram mais tempo para serem confeccionadas: a versão italiana foi decidida pela Conferência Episcopal Italiana em reunião em novembro de 2018 e só foi confirmada pela Santa Sé no ano seguinte, conforme o anúncio do presidente da conferência no dia 22 de maio de 2019. Ela substituiu a tradução italiana de 1983 da segunda edição latina de 1975. O novo texto inclui alterações ao Pai-Nosso e ao hino Glória. No Pai-Nosso, e non c'indurre in tentazione ("e não nos deixeis cair em tentação") tornou-se non abbandonarci alla tentazione ("não nos abandone à tentação") e come noi li rimettiamo ai nostri debitori ("como nós perdoamos os nossos devedores") se tornou come anche noi li rimettiamo ai nostri debitori ("como nós também perdoamos os nossos devedores"). No Glória, pace in Terra agli uomini di buona volontà ("paz na Terra aos homens de boa vontade") tornou-se pace in Terra agli uomini, amati dal Signore ("paz na Terra aos homens, amados pelo Senhor").[15][16][17][18][19] A tradução portuguesa da terceira edição foi aprovada pela Conferência Episcopal Portuguesa (CEP) em novembro de 2019 e validada pelo papa Francisco no início de 2021, mas só foi entrar em vigor no dia 14 de abril de 2022, Quinta-feira santa. Já a tradução brasileira do Missal ainda está em processo de confecção pela Comissão Episcopal para os Textos Litúrgicos (CETEL), tendo sido findada a sua tradução em 2019.

Uso Contínuo de Edições AnterioresEditar

 
A Edição de 1962 do Missal Romano

Em seu motu proprio Summorum Pontificum de 7 de julho de 2007, o papa Bento XVI estabeleceu que a edição de 1962 do Missal Romano jamais havia sido juridicamente ab-rogada e que poderia, portanto, ser utilizada livremente por qualquer padre do Rito Latino em missas sem congregação.[20] O uso da edição de 1962 em missas com congregação é permitida, com a autorização do pároco da igreja, para grupos apegados a esta forma anterior do Rito Romano, desde que o padre que o utilize seja "qualificado para tal e desimpedido juridicamente" (como, por exemplo, por suspensão). Portanto, muitas dioceses agendam missas regularmente celebradas conforme a edição de 1962, que também é habitualmente usada por padres de fraternidades tradicionalistas em total comunhão com a Santa Sé como a Fraternidade Sacerdotal de São Pedro, o Instituto de Cristo Rei e Sumo Sacerdote, a Administração Apostólica São João Maria Vianney, os Cônegos Regulares de São João Cantius e os Cônegos Regulares da Mãe de Deus[21] em Lagrasse na França.

Considerando que a principal diferença entre o Missal de 1962 e as edições anteriores é a liturgia da Semana Santa, a Igreja permitiu que as paróquias de Missa Tridentina adotassem estas edições em suas celebrações.[carece de fontes?]

Em julho de 2021, o papa Francisco ab-rogou porções do Summorum Pontificum com o motu proprio Traditionis custodes, que estabeleceu novas circunstâncias para a celebração segundo o Missal de 1962.

Grupos em disputa com a Santa Sé, como a Fraternidade Sacerdotal de São Pio X e a Congregação de Maria Imaculada Rainha, continuaram a usar a versão de 1962 ou anterior.

Para informações sobre os calendários inclusos nas edições pré-1969/1970 ver: Calendário tridentino.

Abordagem do Papa FranciscoEditar

Em 9 de setembro de 2017, o papa Francisco emitiu o motu proprio Magnum Principium ("Magno Princípio") que concedeu às conferências episcopais locais maior autoridade sobre a tradução de documentos litúrgicos. O motu proprio "dá às conferências episcopais a competência de julgar o valor e a coerência de uma ou outra frase nas traduções do original."[22] O papel do Vaticano também foi modificado de acordo com o decreto do Vaticano II,[23] para confirmar textos previamente preparados pelas conferências episcopais locais, em contraste com o "reconhecimento" no estrito senso do Código Canônico no. 838.[24]

ComposiçãoEditar

Orações eucarísticasEditar

TradicionaisEditar

Das diversas circunstânciasEditar

Para missas com criançasEditar

Formulários fora do Ano LitúrgicoEditar

Apêndice geral do Missal RomanoEditar

  • Apêndice, que abrange:
  • Vigília de Pentecostes
  • Bênção da Água
  • Exemplos de Orações dos Fiéis
  • Cantos da Celebração Eucarística

Ver tambémEditar

Ligações externasEditar

  1. Catholic Church (1899). Missale romanum Mediolani, 1474 (em latim). [S.l.]: [Printed for the Society by Harrison and sons] 
  2. Manlio Sodi and Achille Maria Triacca, Missale Romanum: Editio Princeps (1570) (Vatican City: Libreria Editrice Vaticana, 1998), p. XV
  3. a b Celiński, Łukasz. «Per una rilettura della storia della formazione e dello sviluppo del Messale Romano. Il caso del Messale di Clemente V.» (em inglês) 
  4. Missale secundum morem Sanctae Romanae Ecclesiae (Missal in line with the use of the Holy Roman Church)
  5. Thomas A. Droleskey. «Presaging a Revolution». ChristorChaos.com. Consultado em 27 de novembro de 2011 
  6. Rev. Francesco Ricossa. «Liturgical Revolution». TraditionalMass.org. Consultado em 27 de novembro de 2011 
  7. Decree Maxima redemptionis nostrae mysteria Arquivado 12 março 2011 no Wayback Machine (Acta Apostolicae Sedis 47 (1955) 838-847
  8. Missale Romanum. As referências internas ao Sacrosanctum Concilium são referentes à Constituição do Concílio Vaticano II sobre a Sagrada Liturgia.
  9. «CATHOLIC ENCYCLOPEDIA: Confiteor». www.newadvent.org. Consultado em 17 de maio de 2017 
  10. Felix Just, S.J. (2 de janeiro de 2009). «Lectionary Statistics». Catholic-resources.org. Consultado em 27 de novembro de 2011 
  11. «Frequently Asked Questions». United States Conference of Catholic Bishops. Consultado em 12 de dezembro de 2011. Arquivado do original em 20 de dezembro de 2011 
  12. Um relato completo das correções, adições e emendas é dado nas páginas 367-387 da edição de julho-agosto de 2008 de "Notitiae", o boletim da Congregation for Divine Worship and the Discipline of the Sacraments. Algumas informações muito menos detalhadas também podem ser encontradas em uma entrevista dada pelo cardeal Francis Arinze.
  13. «Ralf van Bühren, "Die Bildausstattung des „Missale Romanum" nach dem Zweiten Vatikanischen Konzil (1962−1965)", in Hans Peter Neuheuser (editor), Liturgische Bücher in der Kulturgeschichte EuropasHans Peter Neuheuser Hans Peter Neuheuser Hans Peter Neuheuser Hans Peter Neuheuser Hans Peter Neuheuser Hans Peter Neuheuser Hans Peter Neuheuser Hans Peter Neuheuser Hans Peter Neuheuser (Wiesbaden: Harrassowitz, 2018), pp. 173–181» 
  14. «Επιστολή της Ι. Συνόδου Ιεραρχίας προς τους Ιερείς (Carta da Conferência Episcopal Grega aos padres 7 de setembro de 2006». Consultado em 17 de junho de 2019. Arquivado do original em 17 de junho de 2019 
  15. Gambassi, Giacomo (22 de maio de 2019). «Liturgia. Via libera del Papa alla nuova traduzione italiana del Messale» [Liturgy. Pope okays new Italian translation of the Missal] (em italiano). Consultado em 7 de junho de 2019 
  16. uCatholic (3 de junho de 2019). «Pope Francis Approves Changes to Lord's Prayer & Gloria of Italian Missal». uCatholic (em inglês). Consultado em 14 de junho de 2019 
  17. «Pope Francis Approves Updated Translation of Lord's Prayer: 'Do Not Let Us Fall Into Temptation'». CBN News (em inglês). 4 de junho de 2019. Consultado em 14 de junho de 2019 
  18. enquiries@thetablet.co.uk, The Tablet-w. «'Lead us not into temptation' falls out of Lord's Prayer». The Tablet (em inglês). Consultado em 14 de junho de 2019 
  19. «Francis approves revised translation of Italian Missal- La Croix International». international.la-croix.com. Consultado em 14 de junho de 2019 
  20. «Motu Proprio Summorum Pontificum on the "Roman liturgy prior to the reform of 1970" (July 7, 2007) | BENEDICT XVI». w2.vatican.va. Consultado em 14 de junho de 2019 
  21. «Accueil - Abbaye». Abbaye (em francês). Consultado em 17 de maio de 2017. Arquivado do original em 25 de maio de 2017 
  22. McElwee, Joshua J. (22 de outubro de 2017). «Francis corrects Sarah: Liturgical translations not to be 'imposed' from Vatican». National Catholic Reporter. Consultado em 14 de junho de 2019 
  23. «Sacrosanctum Concilium, 39,40». 4 de dezembro de 1963. Consultado em 14 de junho de 2019 
  24. Carstens, Christopher (4 de janeiro de 2018). «What is the current status of the translation document Liturgiam Authenticam?». Adoremus. Consultado em 14 de junho de 2019. Arquivado do original em 26 de fevereiro de 2020