Abrir menu principal

A CPI do HSBC ou CPI do Suiçalão é uma investigação instalada em 24 de março de 2015, em curso no Senado Federal do Brasil, sobre denúncias de irregularidades envolvendo evasão fiscal por correntistas brasileiros por meio da instituição financeira internacional do HSBC na Suiça.[1]

A CPI foi criada para investigar evasão fiscal de brasileiros no Swiss Leaks, um esquema de corrupção fiscal de proporções internacionais envolvendo 8.867 clientes residentes no Brasil que são titulares de 6.606 contas do HSBC, cujo saldo total, no final de 2013, estava em torno de 7 bilhões de dólares. Segundo o jornalista brasileiro Fernando Rodrigues, que recebeu do International Consortium of Investigative Journalists (ICIJ) a lista de clientes brasileiros do HSBC, as informações sobre essas contas foram passadas às autoridades brasileiras para que seja apurado se houve ilegalidade nessas operações bancárias ou se os valores envolvidos foram devidamente declarados à Receita Federal do Brasil.[2] O Brasil é o 4º país em número de clientes envolvidos.[3]

O escândalo de corrupção fiscal foi admitido pelo HSBC por conta de gestão fraudulenta no sentido de não denunciar se as origens dos recursos vieram de operações ilícitas. A parte brasileira do escândalo se dá devido o quarto maios numero de clientes com contas desse tipo serem de clientes brasileiros, que envolve pessoas dos meios artístico, político, empresarial e da alta sociedade.[4]

No dia 25 de março, os jornalistas Fernando Rodrigues e Chico Otávio depuseram na CPI por serem os jornalistas brasileiros que tiveram acesso à lista.[5]

De acordo com a Agência Senado, a CPI pode repatriar o dinheiro, fruto de contravenções.[6]

Referências

  1. «CPI do HSBC». Agência Senado. Consultado em 27 de março de 2015 
  2. Fernando Rodrigues (8 de fevereiro de 2015). «Clientes do Brasil tinham US$ 7 bilhões em 5.549 contas secretas». UOL. Consultado em 9 de fevereiro de 2015 
  3. O Globo (9 de fevereiro de 2015). «SwissLeaks: Brasil é o 4º país em número de clientes envolvidos em operações do HSBC». O Globo. Consultado em 10 de fevereiro de 2015 
  4. «Visados na CPI do HSBC, tucanos voam para o mais longe possível». Correio do Brasil. Consultado em 26 de março de 2015 
  5. «CPI do HSBC pode desvendar formas de operação de paraísos fiscais, dizem jornalistas». Senado Federal. Consultado em 26 de março de 2015 
  6. «Começa reunião da CPI do HSBC com Jorge Rachid». Agência Senado. Consultado em 3 de abril de 2015