Os hindus (Hindustani: [ˈɦɪndu] (escutar); /ˈhɪndz/) são pessoas que aderem religiosamente ao hinduísmo.[66][67] Historicamente, o termo também tem sido usado como identificador geográfico, cultural e, posteriormente, religioso para pessoas que vivem no subcontinente indiano.[68][69]

Hindus
Pintura do início do século XX de M.V. Dhurandhar de devotos hindus em satsanga e ouvindo o pravachana dos Puranas.
População total
1,2 bilhão em todo o mundo (2023) Aumento[1][2][3][4][5]
(15% da população mundial)
Regiões com população significativa
 Índia 1.106.000.000 [1][2][3][6][7][8]
Nepal 28.600.000 [3][9][10]
 Bangladesh 4.444.870 - 8.000.000 [11][12][13][14][15][16]
Indonésia 4.646.357 - 18.000.000 [17][18][19][20]
Paquistão 4.444.870 - 8.000.000 [21][22][23][24]
 Estados Unidos 3.230.000 [25]
Sri Lanka 3.090.000 [3][26]
 Malásia 1.949.850 [27][28]
 Emirados Árabes Unidos 1.239.610 [29]
 Reino Unido 1.030.000 [3][30]
 Canadá 828.100 [31]
 Austrália 684.000 [32]
Ilhas Maurícias 670.327 [33][34]
África do Sul 505.000 [35]
Arábia Saudita 451.347 [36]
Singapura Singapura 280.000 [37][38]
Fiji 261.136 [39][40]
Myanmar Myanmar 252.763 [41]
Trinidad e Tobago 240.100 [42][43][44]
Guiana 190.966 [45]
 Butão 185.700 [46][47]
 Itália 180.000 [48]
 Países Baixos 160.000 [49]
 França 150.000 [50]
 Rússia 143.000 [51]
Suriname 128.995 [52]
 Nova Zelândia 123.534 [53]
Línguas
Religiões
Hinduísmo
(Sanātana Dharma)
[55]

[56][57][58]

[59]
Escrituras
Smriti

[61][62][63][64][65]

O termo "hindu" remonta ao persa antigo, que derivou esses nomes do nome sânscrito sindhu (सिन्धु), referindo-se ao rio Indo. Os cognatos gregos dos mesmos termos são "Indus" (para o rio) e "India" (para a terra do rio).[70][71][72] O termo "Hindu" também implicava em um identificador geográfico, étnico ou cultural para as pessoas que viviam no subcontinente indiano ao redor ou além do rio Sindhu (Indo).[73] Por volta do século XVI d.C., o termo começou a se referir aos residentes do subcontinente que não eram turcos ou muçulmanos.[73][a][b] Hindoo é uma variante da grafia arcaica, cujo uso hoje é considerado depreciativo.[74][75]

O desenvolvimento histórico da autoidentidade hindu dentro da população indiana local, em um sentido religioso ou cultural, não é claro.[68][76] Teorias concorrentes afirmam que a identidade hindu se desenvolveu na era colonial britânica ou que pode ter se desenvolvido após o século VIII d.C., depois das invasões muçulmanas e das guerras medievais entre hindus e muçulmanos.[76][77][78] Um senso de identidade hindu e o termo hindu aparecem em alguns textos datados entre os séculos XIII e XVIII em sânscrito e bengali.[77][79] Os poetas indianos dos séculos XIV e XVIII, como Vidyapati, Kabir, Tulsidas e Eknath, usaram a frase Hindu dharma (hinduísmo) e a contrastaram com Turaka dharma (islamismo).[76][80] O frade cristão Sebastião Manrique usou o termo "hindu" em um contexto religioso em 1649.[81] No século XVIII, os comerciantes e colonos europeus começaram a se referir aos seguidores das religiões indianas coletivamente como hindus, em contraste com os mohamedans para grupos como turcos, mogóis e árabes, que eram adeptos do Islã.[68][73] Em meados do século XIX, os textos orientalistas coloniais distinguiam ainda mais os hindus dos budistas, siques e jainistas,[68] mas as leis coloniais continuaram a considerar todos eles como pertencentes ao escopo do termo hindu até meados do século XX.[82] Os estudiosos afirmam que o costume de distinguir entre hindus, budistas, jainistas e siques é um fenômeno moderno.[83][84][c]

Com aproximadamente 1,2 bilhão de pessoas,[87] os hindus são o terceiro maior grupo religioso do mundo, depois dos cristãos e muçulmanos. A grande maioria dos hindus, aproximadamente 966 milhões (94,3% da população hindu global), vive na Índia, de acordo com o censo indiano de 2011.[88] Depois da Índia, os próximos nove países com as maiores populações hindus são, em ordem decrescente: Nepal, Bangladesh, Indonésia, Paquistão, Sri Lanka, Estados Unidos, Malásia, Emirados Árabes Unidos e Reino Unido.[89] Esses países juntos representavam 99% da população hindu do mundo, e as demais nações do mundo juntas tinham cerca de 6 milhões de hindus em 2010.[89]

Etimologia editar

A palavra Hindu é um exônimo.[90][91] Essa palavra Hindu é derivada da palavra indo-ariana[92] e sânscrita[92][72] Sindhu, que significa "um grande corpo de água", abrangendo "rio, oceano".[93][d] Ela era usada como nome do rio Indo e também se referia a seus afluentes. O termo "hindu" ocorre pela primeira vez, afirma Gavin Flood, como "um termo geográfico persa para as pessoas que viviam além do rio Indo (sânscrito: Sindhu)",[72] mais especificamente na inscrição de Dario I do século VI a.C.[94] A região de Punjab, chamada Sapta Sindhu nos Vedas, é chamada Hapta Hindu no Zend Avesta. A inscrição de Dario I, do século VI a.C., menciona a província de Hi[n]dush, referindo-se ao noroeste da Índia.[95][96][97] O povo da Índia era chamado de Hinduvān e hindavī era usado como adjetivo para a língua indiana no texto Chachnama, do século VIII.[97] De acordo com D. N. Jha, o termo "hindu" nesses registros antigos é um termo etno-geográfico e não se refere a uma religião.[98]

Cultura hindu em Bali, Indonésia. A escultura de Krishna-Arjuna inspirada no Bhagavad Gita em Denpasar (acima) e dançarinos hindus em trajes tradicionais.

Um dos primeiros registros conhecidos de "Hindu" com conotações de religião pode estar no texto chinês do século VII d.C., Records on the Western Regions, do estudioso budista Xuanzang. Xuanzang usa o termo transliterado In-tu, cuja "conotação transborda para o religioso", de acordo com Arvind Sharma.[99] Embora Xuanzang tenha sugerido que o termo se refere ao país que recebeu o nome da lua, outro estudioso budista, I-tsing, contradisse a conclusão dizendo que In-tu não era um nome comum para o país.[100]

O texto do século XI de Al-Biruni, Tarikh Al-Hind, e os textos do período do Sultanato de Delhi usam o termo "hindu", que inclui todos os povos não islâmicos, como os budistas, e mantém a ambiguidade de ser "uma região ou uma religião".[95] A comunidade "hindu" aparece como o "outro" amorfo da comunidade muçulmana nas crônicas da corte, de acordo com a historiadora indiana Romila Thapar.[101] O estudioso de religião comparada Wilfred Cantwell Smith observa que o termo "hindu" manteve sua referência geográfica inicialmente: "indiano", "indígena, local", virtualmente "nativo". Aos poucos, os próprios grupos indianos começaram a usar o termo, diferenciando a si mesmos e suas "formas tradicionais" das dos invasores.[102]

O texto Prithviraj Raso, de Chand Bardai, sobre a derrota de Prithviraj Chauhan em 1192 d.C. nas mãos de Muhammad Ghori, está repleto de referências a "hindus" e "turcos" e, em um determinado momento, diz que "ambas as religiões desembainharam suas espadas curvas"; no entanto, a data desse texto não é clara e a maioria dos estudiosos o considera mais recente.[103] Na literatura islâmica, a obra persa de 'Abd al-Malik Isami, Futuhu's-salatin, composta no Deccan sob o domínio bahmani em 1350, usa a palavra 'hindi' para significar indiano no sentido etno-geográfico e a palavra 'hindu' para denotar 'hindu' no sentido de seguidor da religião hindu.[103] O Kirtilata (1380) do poeta Vidyapati usa o termo hindu no sentido de uma religião, contrastando as culturas dos hindus e dos turcos (muçulmanos) em uma cidade e conclui: "Os hindus e os turcos vivem juntos; cada um zomba da religião do outro (dhamme)".[104][105][106]

Um dos primeiros usos da palavra "hindu" em um contexto religioso, em um idioma europeu (espanhol), foi a publicação de Sebastio Manrique em 1649.[81] No ensaio do historiador indiano D. N. Jha, "Looking for a Hindu identity", ele escreve: "Nenhum indiano se descrevia como hindu antes do século XIV" e que "Os britânicos tomaram emprestada a palavra 'hindu' da Índia, deram a ela um novo significado e importância, e a reimportaram para a Índia como um fenômeno reificado chamado hinduísmo".[107] No século XVIII, os comerciantes e colonos europeus começaram a se referir aos seguidores das religiões indianas coletivamente como hindus.[107]

Outras menções proeminentes de "hindu" incluem as inscrições epigráficas dos reinos de Andhra Pradesh que lutaram contra a expansão militar das dinastias muçulmanas no século XIV, em que a palavra "hindu" implica parcialmente uma identidade religiosa em contraste com "turcos" ou identidade religiosa islâmica.[108] Posteriormente, o termo hindu foi usado ocasionalmente em alguns textos em sânscrito, como os Rajataranginis da Caxemira (Hinduka, c. 1450) e alguns textos Bengali Gaudiya Vaishnava dos séculos XVI a XVIII, incluindo Chaitanya Charitamrita e Chaitanya Bhagavata. Esses textos o usaram para contrastar os hindus dos muçulmanos, que são chamados de Yavanas (estrangeiros) ou Mlecchas (bárbaros), com o texto Chaitanya Charitamrita do século XVI e o texto Bhakta Mala do século XVII usando a frase "Hindu dharma".[79]

Terminologia editar

 
Hindus em Har Ki Pauri, Haridwar, perto do rio Ganges, no estado de Uttarakhand, na Índia.

Uso na era medieval (século 8 a 18) editar

O acadêmico Arvind Sharma observa que o termo "hindus" foi usado no "assentamento de Brahmanabad" que Muhammad ibn Qasim fez com os não muçulmanos após a invasão árabe da região noroeste de Sindh, na Índia, em 712 d.C. O termo "hindu" significava pessoas que não eram muçulmanas e incluía os budistas da região.[109] No texto de Al Biruni, do século XI, os hindus são chamados de "antagonistas religiosos" do Islã, como aqueles que acreditam no renascimento, apresenta uma diversidade de crenças e parece oscilar entre hindus com visões religiosas centralistas e pluralistas.[109] Nos textos da época do Sultanato de Délhi, afirma Sharma, o termo hindu permanece ambíguo quanto a significar pessoas de uma região ou religião, dando o exemplo da explicação de Ibn Battuta sobre o nome "Hindu Kush" para uma cadeia de montanhas no Afeganistão. Foi assim chamada, escreveu Ibn Battuta, porque muitos escravos indianos morreram lá de frio da neve, quando foram marchados através dessa cadeia de montanhas. O termo hindu é ambivalente e pode significar região geográfica ou religião.[110]

O termo hindu aparece nos textos da época do Império Mogol. Jahangir, por exemplo, chamou o sique Guru Arjan de hindu:[111]

Havia um hindu chamado Arjan em Gobindwal, às margens do rio Beas. Fingindo ser um guia espiritual, ele havia conquistado como devotos muitos indianos de mente simples e até mesmo alguns muçulmanos ignorantes e estúpidos, divulgando suas alegações de ser um santo. (...) Quando Khusraw parou em sua residência, Arjan saiu e teve uma entrevista com Khusraw. Dando a ele alguns preceitos espirituais elementares colhidos aqui e ali, ele fez uma marca de açafrão em sua testa, o que é chamado de qashqa no idioma dos hindus e que eles consideram uma sorte. Quando isso me foi relatado, percebi como ele era perfeitamente falso e ordenei que o trouxessem para mim. Concedi suas casas e moradias e as de seus filhos a Murtaza Khan e ordenei que suas posses e bens fossem confiscados e que ele fosse executado.
— Imperador Jahangir, Jahangirnama, 27b-28a (Traduzido por Wheeler Thackston)[112][e]

O estudioso sique Pashaura Singh afirma que "nos escritos persas, os siques eram considerados hindus no sentido de indianos não muçulmanos".[113] No entanto, estudiosos como Robert Fraser e Mary Hammond opinam que o siquismo começou inicialmente como uma seita militante do hinduísmo e foi formalmente separado do hinduísmo somente no século XX.[114]

Uso na era colonial (século 18 a 20) editar

A distribuição das religiões indianas na Índia (1909). O mapa superior mostra a distribuição dos hindus, e o inferior, dos budistas, jainistas e siques.
 
Um ritual de casamento hindu na Índia.

The distribution of Indian religions in India (1909). The upper map shows distribution of Hindus, the lower of Buddhists, Jains and Sikhs.Durante a era colonial, o termo hindu tinha conotações de religiões nativas da Índia, ou seja, religiões que não fossem o cristianismo e o islamismo.[115] No século XVIII, o termo gentoo também era usado junto com o termo hindu.[116] Nas leis anglo-hindus do início da era colonial e no sistema judiciário da Índia Britânica, o termo hindu se referia a pessoas de todas as religiões indianas, bem como a duas religiões não indianas: judaísmo e zoroastrismo.[115] No século XX, foram formuladas leis pessoais para os hindus, e o termo "hindu" nessas "leis hindus" coloniais se aplicavam a budistas, jainistas e siqueiros, além dos hindus denominacionais.[82][f]

Além das estipulações da lei colonial britânica, os orientalistas europeus e, particularmente, a influente Asiatick Researches fundada no século XVIII, mais tarde chamada de The Asiatic Society, identificaram inicialmente apenas duas religiões na Índia: o Islã e o hinduísmo. Esses orientalistas incluíam todas as religiões indianas, como o budismo, como um subgrupo do hinduísmo no século XVIII.[68] Esses textos chamavam os seguidores do Islã de maometanos e todos os outros de hindus. O texto, no início do século XIX, começou a dividir os hindus em grupos separados, para estudos de cronologia das várias crenças. Entre os primeiros termos a surgir estavam Seeks and their College (mais tarde grafados como siques por Charles Wilkins), Boudhism (mais tarde grafado como budismo) e, no nono volume do relatório Asiatick Researches sobre as religiões da Índia, o termo jainismo foi mencionado.[68]

Uso contemporâneo editar

 
Uma jovem devota hindu nepalêsa durante uma cerimônia de oração tradicional na praça Darbar de Katmandu.

Na era contemporânea, o termo hindu é usado para designar as pessoas que se identificam com um ou mais aspectos do hinduísmo, sejam elas praticantes, não praticantes ou outras.[119] O termo não inclui as pessoas que se identificam com outras religiões indianas, como o budismo, o jainismo, o siquismo ou várias religiões tribais animistas encontradas na Índia, como o sarnaismo.[120][121] O termo hindu, na linguagem contemporânea, inclui pessoas que se aceitam como cultural ou etnicamente hindus, em vez de um conjunto fixo de crenças religiosas dentro do hinduísmo.[66] Não é necessário ser religioso no sentido mínimo, afirma Julius Lipner, para ser aceito como hindu pelos hindus ou para se descrever como hindu.[122]

Os hindus aderem a uma diversidade de ideias sobre espiritualidade e tradições, mas não têm nenhuma ordem eclesiástica, nenhuma autoridade religiosa inquestionável, nenhum órgão governamental, nem um único profeta fundador; os hindus podem escolher ser politeístas, panteístas, monoteístas, monistas, agnósticos, ateus ou humanistas.[123][124][125] Devido à ampla gama de tradições e ideias abrangidas pelo termo hinduísmo, é difícil chegar a uma definição abrangente.[72] A religião "desafia nosso desejo de defini-la e categorizá-la".[126] Um hindu pode, por sua escolha, utilizar ideias de outros pensamentos religiosos indianos ou não indianos como recurso, seguir ou desenvolver suas crenças pessoais e ainda se identificar como hindu.[66]

Em 1995, o presidente do Supremo Tribunal P. B. Gajendragadkar foi citado em uma decisão do Supremo Tribunal da Índia:[127][128]

Quando pensamos na religião hindu, ao contrário de outras religiões do mundo, a religião hindu não reivindica nenhum profeta; não adora nenhum deus; não adota nenhum dogma; não acredita em nenhum conceito filosófico; não segue nenhum conjunto de ritos ou performances religiosas; de fato, não parece satisfazer as características tradicionais estreitas de nenhuma religião ou credo. De fato, não parece satisfazer as características tradicionais estreitas de nenhuma religião ou credo. Pode ser descrito, em linhas gerais, como um modo de vida e nada mais.

Embora o hinduísmo contenha uma ampla gama de filosofias, os hindus compartilham conceitos filosóficos, como dharma, karma, kama, artha, moksha e samsara, mas não se limitam a eles, mesmo que cada um deles assine uma diversidade de pontos de vista.[129] Os hindus também compartilham textos como os Vedas com Upanishads incorporados e uma gramática ritual comum (Sanskara, rito de passagem), como rituais durante um casamento ou quando um bebê nasce ou rituais de cremação.[130][131] Alguns hindus fazem peregrinações a locais compartilhados que consideram espiritualmente significativos, praticam uma ou mais formas de bhakti ou puja, celebram a mitologia e os épicos, os principais festivais, o amor e o respeito pelo guru e pela família e outras tradições culturais.[129][132] Um hindu poderia:

  • seguir qualquer uma das escolas de filosofia hindu, como Advaita (não-dualismo), Vishishtadvaita (não-dualismo do todo qualificado), Dvaita (dualismo), Dvaitadvaita (dualismo com não-dualismo), etc.[133][134]
  • seguir uma tradição centrada em qualquer forma específica do Divino, como Shivaismo, Vishnuísmo, Shaktismo, etc.[135]
  • praticar qualquer uma das várias formas de sistemas de ioga para alcançar moksha, ou seja, liberdade na vida atual (jivanmukti) ou salvação na vida após a morte (videhamukti);[136]
  • praticar bhakti ou puja por motivos espirituais, que podem ser direcionados ao guru ou a uma imagem divina;[137] uma forma pública visível dessa prática é a adoração diante de um ídolo ou estátua. Jeaneane Fowler afirma que os observadores não hindus costumam confundir essa prática como "adoração de pedras ou ídolos e nada além disso", enquanto que para muitos hindus, trata-se de uma imagem que representa ou é uma manifestação simbólica de um Absoluto espiritual (Brahman).[137] Essa prática pode se concentrar em uma estátua de metal ou pedra, ou em uma imagem fotográfica, ou em um linga, ou em qualquer objeto ou árvore (pipal) ou animal (vaca) ou ferramentas de sua profissão, ou no nascer do sol ou em uma expressão da natureza ou em nada, e a prática pode envolver meditação, japa, oferendas ou canções.[137][138] Inden afirma que essa prática tem significados diferentes para hindus diferentes e tem sido mal compreendida, deturpada como idolatria, e várias racionalizações foram construídas por indólogos ocidentais e nativos.[139]

Disputas editar

Na Constituição da Índia, a palavra "hindu" tem sido usada em alguns lugares para designar pessoas que professam qualquer uma dessas religiões: hinduísmo, jainismo, budismo ou siquismo.[140] Isso, no entanto, foi contestado pelos siques[120][141] e por neobudistas que antes eram hindus.[142] De acordo com Sheen e Boyle, os jainistas não se opuseram a serem abrangidos por leis pessoais denominadas "hindus",[142] mas os tribunais indianos reconheceram que o jainismo é uma religião distinta.[143]

A República da Índia se encontra em uma situação peculiar em que o Supremo Tribunal da Índia tem sido repetidamente chamado para definir "hinduísmo" porque a Constituição da Índia, embora proíba a "discriminação de qualquer cidadão" com base na religião no artigo 15, o artigo 30 prevê direitos especiais para "todas as minorias, seja com base na religião ou no idioma". Como consequência, os grupos religiosos têm interesse em serem reconhecidos como distintos da maioria hindu para se qualificarem como uma "minoria religiosa". Assim, a suprema corte foi forçada a considerar a questão se o jainismo faz parte do hinduísmo em 2005 e 2006.

História da identidade hindu editar

A partir do século X e principalmente após a invasão islâmica do século XII, afirma Sheldon Pollock, a resposta política se fundiu com a cultura e as doutrinas religiosas indianas.[77] Templos dedicados à divindade Rama foram construídos do norte ao sul da Índia, e registros textuais, bem como inscrições hagiográficas, começaram a comparar o épico hindu do Ramayana com reis regionais e sua resposta aos ataques islâmicos. O rei Yadava de Devagiri chamado Ramacandra, por exemplo, afirma Pollock, é descrito em um registro do século XIII como: "Como esse Rama deve ser descrito... que libertou Varanasi da horda mleccha (bárbara, turco-muçulmana) e construiu ali um templo dourado de Sarngadhara".[77] Pollock observa que o rei Yadava Ramacandra é descrito como um devoto da divindade Shiva (Shivaismo), mas suas realizações políticas e o patrocínio da construção de templos em Varanasi, longe da localização de seu reino na região de Deccan, são descritos nos registros históricos em termos Vishnuvistas de Rama, um avatar da divindade Vishnu.[77] Pollock apresenta muitos desses exemplos e sugere uma identidade política hindu emergente que foi fundamentada no texto religioso hindu do Ramayana, que continuou até os tempos modernos, e sugere que esse processo histórico começou com a chegada do Islã à Índia.[144]

Brajadulal Chattopadhyaya questionou a teoria de Pollock e apresentou evidências textuais e de inscrições.[145] De acordo com Chattopadhyaya, a identidade hindu e a resposta religiosa à invasão islâmica e às guerras se desenvolveram em diferentes reinos, como as guerras entre os sultanatos islâmicos e o reino de Vijayanagara e os ataques islâmicos aos reinos de Tamil Nadu. Essas guerras foram descritas não apenas usando a história mítica de Rama do Ramayana, afirma Chattopadhyaya, mas os registros medievais usaram uma ampla gama de simbolismo religioso e mitos que agora são considerados parte da literatura hindu.[78][145] Esse surgimento de terminologia religiosa com terminologia política começou com a primeira invasão muçulmana de Sindh no século VIII d.C. e se intensificou a partir do século XIII. O texto sânscrito do século XIV, Madhuravijayam, um livro de memórias escrito por Gangadevi, a esposa do príncipe Vijayanagara, por exemplo, descreve as consequências da guerra usando termos religiosos:[146]

Lamento muito o que aconteceu com os bosques em Madhura,
Os coqueiros foram todos cortados e em seu lugar podem ser vistos,
  fileiras de espigões de ferro com crânios humanos pendurados em suas pontas,
Nas rodovias que antes eram charmosas com tornozeleiras, ouve-se o som de belas mulheres,
  agora se ouvem ruídos de Brahmins sendo arrastados, amarrados com grilhões de ferro,
As águas do Tambraparni, que antes eram brancas com pasta de sândalo,
  estão agora fluindo vermelhas com o sangue de vacas abatidas por malfeitores,
A Terra não é mais a produtora de riqueza, nem Indra dá chuvas em tempo hábil,
O Deus da morte cobra seu preço indevido das vidas que restaram se não forem destruídas pelos Yavanas muçulmanos,[147]
A era de Kali agora merece os mais profundos parabéns por estar no auge de seu poder,
desapareceu o aprendizado sagrado, oculto está o refinamento, abafada está a voz do Dharma.

— - Madhuravijayam, traduzido por Brajadulal Chattopadhyaya[146] pro inglês e traduzido para o português.

Os escritos historiográficos no idioma telugo do período da dinastia Kakatiya dos séculos XIII e XIV apresentam um contraste semelhante de "outro estrangeiro (turco)" e "auto-identidade (hindu)".[148] Chattopadhyaya e outros estudiosos[149] afirmam que a campanha militar e política durante as guerras da era medieval na península de Deccan, na Índia, e no norte da Índia, não era mais uma busca por soberania, mas sim uma animosidade política e religiosa contra a "alteridade do Islã", o que deu início ao processo histórico de formação da identidade hindu.[78][g]

Andrew Nicholson, em sua análise dos estudos sobre a história da identidade hindu, afirma que a literatura vernácula dos santos do movimento Bhakti do século XV ao XVII, como Kabir, Anantadas, Eknath e Vidyapati, sugere que identidades religiosas distintas, entre hindus e turcos (muçulmanos), se formaram durante esses séculos.[149] A poesia desse período contrasta as identidades hindu e islâmica, afirma Nicholson, e a literatura difama os muçulmanos juntamente com um "senso distinto de uma identidade religiosa hindu".[149]

Identidade hindu em meio a outras religiões indianas editar

Hindus comemorando seus principais festivais, Holi (acima) e Diwali.

Os estudiosos afirmam que as identidades hinduísta, budista e jainista são construções modernas introduzidas retrospectivamente.[84] Evidências de inscrições do século VIII em diante, em regiões como o sul da Índia, sugerem que a Índia da era medieval, tanto no nível das práticas religiosas da elite quanto no nível das práticas religiosas populares, provavelmente tinha uma "cultura religiosa compartilhada",[84] e suas identidades coletivas eram "múltiplas, em camadas e confusas".[150] Mesmo entre as denominações do hinduísmo, como o Shivaísmo e o Vishnuísmo, as identidades hindus, afirma Leslie Orr, careciam de "definições firmes e limites claros".[150]

As sobreposições nas identidades jainista e hindu incluem jainistas adorando divindades hindus, casamentos entre jainistas e hindus e templos jainistas da era medieval com ícones e esculturas religiosas hindus.[151][152][153] Além da Índia, na ilha de Java, na Indonésia, registros históricos atestam casamentos entre hindus e budistas, arquitetura de templos da era medieval e esculturas que incorporam simultaneamente temas hindus e budistas,[154] onde o hinduísmo e o budismo se fundiram e funcionaram como "dois caminhos separados dentro de um sistema geral", de acordo com Ann Kenney e outros estudiosos.[155] Da mesma forma, há uma relação orgânica entre os siques e os hindus, afirma Zaehner, tanto no pensamento religioso quanto em suas comunidades, e praticamente todos os ancestrais dos siques eram hindus.[156] Os casamentos entre siques e hindus, especialmente entre os khatris, eram frequentes.[156] Algumas famílias hindus criaram um filho como sique, e alguns hindus veem o siquismo como uma tradição dentro do hinduísmo, embora a fé sique seja uma religião distinta.[156]

Julius Lipner afirma que o costume de distinguir entre hindus, budistas, jainistas e sique é um fenômeno moderno, mas que é uma abstração conveniente.[83] Distinguir as tradições indianas é uma prática bastante recente, afirma Lipner, e é o resultado "não apenas dos preconceitos ocidentais sobre a natureza da religião em geral e da religião na Índia em particular, mas também com a consciência política que surgiu na Índia" em seu povo e um resultado da influência ocidental durante sua história colonial.[83]

Geografia sagrada editar

Estudiosos como Fleming e Eck afirmam que a literatura da era pós-épica do primeiro milênio d.C. demonstra amplamente que havia um conceito histórico do subcontinente indiano como uma geografia sagrada, onde a sacralidade era um conjunto compartilhado de ideias religiosas. Por exemplo, os doze Jyotirlingas do Shivaísmo e os cinquenta e um Shaktipithas do Shaktismo são descritos nos Puranas do início da era medieval como locais de peregrinação em torno de um tema.[157][158][159] Essa geografia sagrada e os templos Shiva com a mesma iconografia, temas compartilhados, motivos e lendas incorporadas são encontrados em toda a Índia, do Himalaia às colinas do sul da Índia, das Grutas de Ellora a Varanasi, por volta da metade do primeiro milênio.[157][160] Os templos Shakti, datados de alguns séculos mais tarde, são verificáveis em todo o subcontinente. Varanasi como um local sagrado de peregrinação está documentado no texto Varanasimahatmya, incorporado ao Skanda Purana, e as versões mais antigas desse texto são datadas dos séculos VI a VIII d.C.[161][162]

A ideia de doze locais sagrados na tradição hindu de Shiva espalhados pelo subcontinente indiano aparece não apenas nos templos da era medieval, mas também em inscrições em placas de cobre e selos de templos descobertos em diferentes locais.[163] De acordo com Bhardwaj, textos não hindus, como as memórias de viajantes chineses budistas e persas muçulmanos, atestam a existência e a importância da peregrinação à geografia sagrada entre os hindus no final do primeiro milênio d.C.[164]

De acordo com Fleming, aqueles que questionam se o termo hindu e o hinduísmo são uma construção moderna em um contexto religioso apresentam seus argumentos com base em alguns textos que sobreviveram até a era moderna, seja de tribunais islâmicos ou de literatura publicada por missionários ocidentais ou indólogos da era colonial, visando a uma construção razoável da história. No entanto, a existência de evidências não textuais, como templos em cavernas separados por milhares de quilômetros, bem como listas de locais de peregrinação da era medieval, é uma evidência de uma geografia sagrada compartilhada e da existência de uma comunidade que tinha consciência das premissas religiosas e da paisagem compartilhadas.[162][165] Além disso, é uma norma em culturas em evolução que haja uma lacuna entre as "realidades vividas e históricas" de uma tradição religiosa e o surgimento de "autoridades textuais" relacionadas.[163] A tradição e os templos provavelmente já existiam bem antes do surgimento dos manuscritos hindus da era medieval que os descrevem e a geografia sagrada. Isso, afirma Fleming, é evidente, dada a sofisticação da arquitetura e dos locais sagrados, juntamente com a variação nas versões da literatura purânica.[165][166] De acordo com Diana L. Eck e outros indólogos, como André Wink, os invasores muçulmanos estavam cientes da geografia sagrada hindu, como Mathura, Ujjain e Varanasi, por volta do século XI. Esses locais se tornaram alvo de seus ataques em série nos séculos seguintes.[162]

Perseguição aos hindus editar

Os hindus foram perseguidos durante as eras medieval e moderna. A perseguição medieval incluiu ondas de saques, assassinatos, destruição de templos e escravização pelos exércitos muçulmanos turco-mongóis da Ásia Central. Isso está documentado na literatura islâmica, como as relacionadas a Muhammad bin-Qasim, do século VIII,[167] Mahmud de Ghazni, do século XI,[168][169] o viajante persa Al Biruni,[170] a invasão do exército islâmico do século XIV liderada por Timur,[171] e vários governantes islâmicos sunitas do Sultanato de Delhi e do Império Mogol. [172][173][174] Houve exceções ocasionais, como Akbar, que interrompeu a perseguição aos hindus,[175] e perseguições severas ocasionais, como sob Aurangzeb,[175]Erro de citação: Elemento de fecho </ref> em falta para o elemento <ref>

A perseguição durante o período islâmico também teve como alvo os não hindus. Avari escreve: "A política religiosa de Aurangzeb causou atrito entre ele e o nono guru sique, Tegh Bahadur. Tanto em Punjab quanto na Caxemira, o líder sique foi levado à ação pelas políticas islâmicas excessivamente zelosas de Aurangzeb. Capturado e levado para Délhi, Aurangzeb pediu-lhe que abraçasse o Islã e, ao se recusar, foi torturado por cinco dias e depois decapitado em novembro de 1675. Assim, dois dos dez gurus sique morreram como mártires nas mãos dos mogóis. (Avari (2013), página 155)</ref>[h] que destruiu templos, converteu à força não muçulmanos ao Islã e proibiu a celebração de festivais hindus como Holi e Diwali.[176]

Outros registros de perseguição aos hindus incluem aqueles sob o reinado de Tipu Sultan, no século XVIII, no sul da Índia,[177] e durante a era colonial.[178][179][180] Na era moderna, a perseguição religiosa aos hindus foi relatada fora da Índia, no Paquistão e em Bangladesh.[181][182][183]

Nacionalismo hindu editar

 Ver artigos principais: Nacionalismo hindu e Hindutva

Christophe Jaffrelot afirma que o nacionalismo hindu moderno nasceu em Maharashtra, na década de 1920, como uma reação ao movimento islâmico Khilafat, em que os muçulmanos indianos defenderam e assumiram a causa do sultão turco otomano como o califa de todos os muçulmanos, no final da Primeira Guerra Mundial.[184][185] Os hindus consideraram esse desenvolvimento como uma divisão de lealdades da população muçulmana indiana, de hegemonia pan-islâmica, e questionaram se os muçulmanos indianos faziam parte de um nacionalismo indiano anticolonial inclusivo.[185] A ideologia do nacionalismo hindu que surgiu, afirma Jeffrelot, foi codificada por Savarkar enquanto ele era prisioneiro político das autoridades coloniais britânicas.[184][186]

Chris Bayly atribui as raízes do nacionalismo hindu à identidade hindu e à independência política conquistada pela confederação Maratha, que derrubou o Império Mogol islâmico em grande parte da Índia, permitindo aos hindus a liberdade de seguir qualquer uma de suas diversas crenças religiosas e restaurou lugares sagrados hindus como Varanasi.[187] Alguns estudiosos consideram que a mobilização hindu e o consequente nacionalismo surgiram no século XIX como uma resposta ao colonialismo britânico por parte de nacionalistas indianos e gurus do neo-hinduísmo.[188][189][190] Jaffrelot afirma que os esforços dos missionários cristãos e dos proselitistas islâmicos, durante a era colonial britânica, cada um deles tentando ganhar novos convertidos para sua própria religião, estereotipando e estigmatizando os hindus a uma identidade de inferiores e supersticiosos, contribuíram para que os hindus reafirmassem sua herança espiritual e contra-analisassem o Islã e o Cristianismo, formando organizações como as Hindu Sabhas (associações hindus) e, por fim, um nacionalismo orientado pela identidade hindu na década de 1920.[191]

O revivalismo e a mobilização hindus da era colonial, juntamente com o nacionalismo hindu, afirma Peter van der Veer, foram principalmente uma reação e uma competição com o separatismo muçulmano e o nacionalismo muçulmano.[192] Os sucessos de cada lado alimentaram os temores do outro, levando ao crescimento do nacionalismo hindu e do nacionalismo muçulmano no subcontinente indiano.[192] No século XX, o sentimento de nacionalismo religioso cresceu na Índia, afirma van der Veer, mas somente o nacionalismo muçulmano foi bem-sucedido com a formação do Paquistão Ocidental e Oriental (posteriormente dividido em Paquistão e Bangladesh), como "um estado islâmico" após a independência.[193][194][195] Houve tumultos religiosos e traumas sociais quando milhões de hindus, jainistas, budistas e siques saíram dos recém-criados estados islâmicos e se estabeleceram na Índia pós-britânica, de maioria hindu.[196] Após a separação da Índia e do Paquistão em 1947, o movimento do nacionalismo hindu desenvolveu o conceito de hindutva na segunda metade do século XX.[197]

O movimento do nacionalismo hindu procurou reformar as leis indianas, que, segundo os críticos, tentam impor valores hindus à minoria islâmica da Índia. Gerald Larson afirma, por exemplo, que os nacionalistas hindus buscaram um código civil uniforme, no qual todos os cidadãos estão sujeitos às mesmas leis, todos têm direitos civis iguais e os direitos individuais não dependem da religião do indivíduo.[198] Por outro lado, os oponentes dos nacionalistas hindus observam que a eliminação da lei religiosa da Índia representa uma ameaça à identidade cultural e aos direitos religiosos dos muçulmanos, e que as pessoas de fé islâmica têm o direito constitucional de adotar leis pessoais oriundas da shariah islâmica.[198][199] Uma lei específica, controversa entre os nacionalistas hindus e seus oponentes na Índia, diz respeito à idade legal para o casamento de meninas.[200] Os nacionalistas hindus buscam que a idade legal para o casamento seja dezoito anos, universalmente aplicada a todas as meninas, independentemente de sua religião, e que os casamentos sejam registrados no governo local para verificar a idade do casamento. Os clérigos muçulmanos consideram essa proposta inaceitável porque, de acordo com a lei pessoal derivada da shariah, uma menina muçulmana pode se casar em qualquer idade depois de atingir a puberdade.[200]

O nacionalismo hindu na Índia, afirma Katharine Adeney, é um assunto político controverso, sem consenso sobre o que ele significa ou implica em termos de forma de governo e direitos religiosos das minorias.[201]

Dados demográficos editar

 
Hinduísmo por país, mapa mundial (estimativa de 2010).[202]

Hinduism by country, worldmap (estimate 2010).

Há 1,2 bilhão de hindus em todo o mundo (15% da população mundial), sendo que cerca de 95% deles estão concentrados somente na Índia.[1][203] Juntamente com os cristãos (31,5%), muçulmanos (23,2%) e budistas (7,1%), os hindus são um dos quatro principais grupos religiosos do mundo.[204]

A maioria dos hindus encontra-se em países asiáticos. Os vinte e cinco principais países com o maior número de residentes e cidadãos hindus (em ordem decrescente) são Índia, Nepal, Bangladesh, Indonésia, Paquistão, Sri Lanka, Estados Unidos, Malásia, Mianmar, Reino Unido, Ilhas Maurício, África do Sul, Emirados Árabes Unidos, Canadá, Austrália, Arábia Saudita, Trinidad e Tobago, Cingapura, Fiji, Catar, Kuwait, Guiana, Butão, Omã e Iêmen.[89][203]

Os quinze principais países com a maior porcentagem de hindus (em ordem decrescente) são Nepal, Índia, Ilhas Maurício, Fiji, Guiana, Butão, Suriname, Trinidad e Tobago, Catar, Sri Lanka, Kuwait, Bangladesh, Reunião, Malásia e Cingapura.[205]

A taxa de fertilidade, ou seja, filhos por mulher, para os hindus é de 2,4, que é menor do que a média mundial de 2,5.[206] A Pew Research projeta que haverá 1,4 bilhão de hindus até 2050.[207]

Hinduísmo por continentes (2017-18)
Continentes População hindu % de hindus

pop

% do continente

pop

Dinâmica dos seguidores Dinâmica mundial
Ásia 1.074.728.901 99,3 26,0   Crescente   Crescente
Europa 2.030.904 0,2 0,3   Crescente   Crescente
Américas 2.806.344 0,3 0,3   Crescente   Crescente
África 2.013.705 0,2 0,2   Crescente   Crescente
Oceania 791.615 0,1 2,1   Crescente   Crescente
Cumulativo 1.082.371.469 100 15,0   Crescente   Crescente

Em tempos mais antigos, surgiram reinos hindus que difundiram a religião e as tradições no Sudeste Asiático, especialmente na Tailândia, Nepal, Birmânia, Malásia, Indonésia, Camboja,[208] Laos,[208] Filipinas,[209] e no que hoje é o Vietnã central.[210]

Há mais de 3 milhões de hindus em Bali, na Indonésia, uma cultura cujas origens remontam às ideias trazidas pelos comerciantes hindus para as ilhas indonésias no primeiro milênio EC. Seus textos sagrados também são os Vedas e os Upanishads.[211] Os Puranas e o Itihasa (principalmente o Ramayana e o Mahabharata) são tradições duradouras entre os hindus indonésios, expressas em danças comunitárias e apresentações de marionetes de sombra (wayang). Assim como na Índia, os hindus indonésios reconhecem quatro caminhos de espiritualidade, chamando-os de Catur Marga.[212] Da mesma forma, assim como os hindus na Índia, os hindus balineses acreditam que há quatro objetivos adequados para a vida humana, chamando-os de Catur Purusartha - dharma (busca de uma vida moral e ética), artha (busca de riqueza e atividade criativa), kama (busca de alegria e amor) e moksha (busca de autoconhecimento e libertação).[213][214]

Cultura editar

Cultura hindu é um termo usado para descrever a cultura e a identidade dos hindus e do hinduísmo, incluindo o povo védico histórico.[215] A cultura hindu pode ser vista intensamente na forma de arte, arquitetura, história, dieta, vestuário, astrologia e outras formas. A cultura da Índia e o hinduísmo são profundamente influenciados e assimilados entre si. Com a indianização do sudeste asiático e da Grande Índia, a cultura também influenciou uma longa região e outras religiões dessa área.[216] Todas as religiões indianas, incluindo o jainismo, o sikhismo e o budismo, são profundamente influenciadas e alimentadas pelo hinduísmo.[217]

Veja também editar

Notas editar

  1. Flood (1996, p. 6) acrescenta: "(...) 'Hindu', ou 'Hindoo', foi usado no final do século XVIII pelos britânicos para se referir ao povo do 'Hindustão', o povo do noroeste da Índia. Por fim, "hindu" tornou-se praticamente equivalente a um "indiano" que não fosse muçulmano, sique, jainista ou cristão, abrangendo assim uma série de crenças e práticas religiosas. O '-ismo' foi acrescentado a hindu por volta de 1830 para denotar a cultura e a religião dos brâmanes de alta casta em contraste com outras religiões, e o termo logo foi apropriado pelos próprios indianos no contexto da construção de uma identidade nacional oposta ao colonialismo, embora o termo 'hindu' tenha sido usado em textos hagiográficos sânscritos e bengalis em contraste com 'yavana' ou muçulmano já no século XVI".
  2. von Stietencron (2005, p. 229): Por mais de 100 anos, a palavra hindu (plural) continuou a designar os indianos em geral. Mas quando, a partir de 712 d.C., os muçulmanos começaram a se estabelecer permanentemente no vale do Indo e a se converter entre os hindus de casta inferior, os autores persas fizeram uma distinção entre hindus e muçulmanos na Índia: Os hindus eram indianos que não eram muçulmanos. Sabemos que os estudiosos persas eram capazes de distinguir várias religiões entre os hindus. Mas quando os europeus começaram a usar o termo hindu, eles o aplicaram às massas não muçulmanas da Índia sem essas diferenciações acadêmicas.
  3. Apesar do uso comum do termo "hindu" para os seguidores da religião hindu, o termo também continua a designar uma identidade cultural, a propriedade da herança cultural milenar da Índia. Arvind Sharma observa que a concepção exclusivista da religião era estranha à Índia, e os indianos não se renderam a ela durante os séculos de domínio muçulmano, mas somente sob o domínio colonial britânico. A resistência à concepção exclusivista levou ao "Hindutva" de Savarkar, em que o hinduísmo era visto tanto como religião quanto como cultura.[85] O "Hindutva" é um hinduísmo nacional, segundo o qual um hindu é aquele que nasce na Índia e se comporta como um hindu. M. S. Golwalkar chegou a falar de "muçulmanos hindus", ou seja, "hindus por cultura, muçulmanos por religião".[86]
  4. Flood (2008, p. 3): A palavra indo-ariana "Sindhu" significa "rio", "oceano".
  5. O príncipe Khusrau, filho de Jahangir, desafiou o imperador no primeiro ano de seu reinado. A rebelião foi reprimida e todos os colaboradores foram executados. (Pashaura Singh, 2005, pp. 31–34)
  6. De acordo com Ram Bhagat, o termo foi usado pelo Governo colonial britânico no censo pós-1871 da Índia colonial, que incluía uma pergunta sobre a religião do indivíduo, especialmente após a Rebelião Indiana de 1857.[117][118]
  7. (Lorenzen 2010, p. 29): "Quando se trata de fontes antigas escritas em idiomas indianos (e também em persa e árabe), a palavra 'hindu' é usada em um sentido claramente religioso em um grande número de textos, pelo menos desde o século XVI. (...) Embora o texto árabe original de al-Biruni use apenas um termo equivalente à religião do povo da Índia, sua descrição da religião hindu é, de fato, notavelmente semelhante às dos orientalistas europeus do século XIX. Por sua vez, Vidyapati, em seu texto Apabhransha Kirtilata, usa a frase "dharmas hindus e turcos" em um sentido claramente religioso e destaca os conflitos locais entre as duas comunidades. Nos textos do início do século XVI atribuídos a Kabir, as referências a 'hindus' e a 'turcos' ou 'muçulmanos' (musalamans) em um contexto claramente religioso são numerosas e inequívocas".
  8. Consulte também Aurangzeb, as he was according to Mughal Records; mais links no final dessa página. Para ver o registro do historiador muçulmano sobre as principais campanhas de destruição de templos hindus, de 1193 a 1729 d.C., consulte Richard Eaton (2000), Temple Desecration and Indo-Muslim States', Journal of Islamic Studies, Vol. 11, Edição 3, páginas 283-319

Referências editar

  1. a b c «Can Muslims surpass Hindus in population numbers? Experts say practically not possible». 24 de abril de 2022 
  2. a b «Hindu Countries 2023». World Population Review (em inglês). 2023. Consultado em 29 de setembro de 2023 
  3. a b c d e «The Future of World Religions: Population Growth Projections, 2010–2050». Pew Research Center. 1 de janeiro de 2020. Consultado em 22 de fevereiro de 2017. Cópia arquivada em 22 de fevereiro de 2017 
  4. «The Global Religious Landscape – Hinduism». A Report on the Size and Distribution of the World's Major Religious Groups as of 2010. Pew Research Foundation. 18 de dezembro de 2012. Consultado em 31 de março de 2013 
  5. «Christianity 2015: Religious Diversity and Personal Contact» (PDF). gordonconwell.edu. Janeiro de 2015. Consultado em 29 de maio de 2015. Cópia arquivada (PDF) em 25 de maio de 2017 
  6. «India at 75: Dreams of a Hindu nation leave minorities worried». 13 de agosto de 2022 
  7. «1. Population growth and religious composition». 21 de setembro de 2021 
  8. «Központi Statisztikai Hivatal». Nepszamlalas.hu. Consultado em 2 de outubro de 2013 
  9. «The World Factbook». CIA, United States. 2013 
  10. «Nepal». US Department of State 
  11. «Bangla minister underscores Hindu safety» 
  12. «Census 2022: Bangladesh population now 165 million». 27 de julho de 2022 
  13. «Atrocities on Hindus in Bangladesh: Now, 1.8 crore Hindu Bengali citizens of Bangladesh are ready to go to India, said Ravindra Ghosh, Chairman of Bangladesh Hindu Janajagruti Samiti.| APN News» 
  14. «Introduction – Bangladesh». tradeinfolink.com.my. Consultado em 9 de maio de 2021 
  15. «Hindu population in Bangladesh grew by 1 per cent in 2015: Report». The Economic Times. 23 de junho de 2016. Consultado em 7 de janeiro de 2021 
  16. Bangladesh 2012 International Religious Freedom Report, US State Department (2012), p. 2
  17. «Hindu Countries 2022» 
  18. Indonesia: Religious Freedoms Report 2010, US State Department (2011), Citação: "O Ministério de Assuntos Religiosos estima que 10 milhões de hindus vivem no país e representam aproximadamente 90% da população de Bali. As minorias hindus também residem em Kalimantan Central e Oriental, na cidade de Medan (Sumatra do Norte), em Sulawesi do Sul e Central e em Lombok (Nusa Tenggara Ocidental). Grupos hindus, como os Hare Krishna e os seguidores do líder espiritual indiano Sai Baba, estão presentes em pequeno número. Alguns grupos religiosos indígenas, inclusive os "Naurus" da ilha de Seram, na província de Maluku, incorporam crenças hindus e animistas, e muitos também adotaram alguns ensinamentos protestantes."
  19. Indonesia International Religious Freedom Report 2005 – US State Department, Citação: "A associação hindu Parishada Hindu Dharma Indonesia (PHDI) estima que 18 milhões de hindus vivam no país, um número que excede em muito a estimativa do governo de 4 milhões. Os hindus representam quase 90% da população de Bali."
  20. United Nations High Commissioner for Refugees. «Refworld | 2010 Report on International Religious Freedom – Indonesia». United Nations High Commission for Refugees. Consultado em 27 de maio de 2014. Cópia arquivada em 19 de outubro de 2012 
  21. «Hindu population in Pakistan has grown at a faster pace than in India». 26 de março de 2019 
  22. «Hindu Population (PK)». pakistanhinducouncil.org.pk. Consultado em 11 de janeiro de 2022. Cópia arquivada em 15 de março de 2018 
  23. Population by religion Arquivado em 2006-06-17 no Wayback Machine
  24. Two years after it counted population, Pakistan silent on minority numbers, The Indian Express, 7 January 2020. "Mangla Sharma estima que a população hindu no Paquistão seja de quase um milhão de pessoas e a dos siques, 40.000."
  25. «2014 Religious Landscape Study – Pew Forum on Religion & Public Life». 12 de maio de 2015. Consultado em 15 de maio de 2015 
  26. Department of Census and Statistics,The Census of Population and Housing of Sri Lanka-2011
  27. «The World Factbook – Central Intelligence Agency». cia.gov. 21 de junho de 2022 
  28. «Malaysia». U.S. Department of State 
  29. Table: Religious Composition by Country, in Numbers – Pew Research Center. [S.l.: s.n.] 2012. ISBN 978-2-02-419434-7 
  30. UK Government (27 de março de 2009). «Religion in England and Wales 2011». Office of National Statistics (11 December 2012). Consultado em 7 de setembro de 2014 
  31. «2011 National Household Survey». www12.statcan.gc.ca. Statistics Canada. 8 de maio de 2013. Consultado em 21 de abril de 2016 
  32. «Australian Bureau of Statistics : 2021 Census of Population and Housing : General Community Profile» (XLSX). Abs.gov.au. Consultado em 2 de julho de 2022 
  33. «The World Factbook – Central Intelligence Agency». cia.gov. 21 de junho de 2022 
  34. «Resident population by religion and sex» (PDF). Statistics Mauritius. p. 68. Consultado em 1 de novembro de 2012. Cópia arquivada (PDF) em 16 de outubro de 2013 
  35. «Table: Religious Composition by Country, in Numbers (2010)». Pew Research Center's Religion & Public Life Project. 18 de dezembro de 2012. Consultado em 14 de fevereiro de 2015. Cópia arquivada em 1 de fevereiro de 2013 
  36. «Religions in Saudi Arabia». globalreligiousfutures.org 
  37. «The World Factbook – Central Intelligence Agency». cia.gov. 21 de junho de 2022 
  38. Department Of State. The Office of Electronic Information, Bureau of Public Affairs. «Singapore». 2001-2009.state.gov 
  39. «Fiji». State.gov. 10 de setembro de 2012. Consultado em 2 de julho de 2020 
  40. «The World Factbook». Cia.gov. Consultado em 2 de julho de 2020 
  41. «The 2014 Myanmar Population and Housing Census» (PDF). Department of Population, Ministry of Labour, Immigration and Population, Myanmar. Consultado em 2 de outubro de 2018. Cópia arquivada (PDF) em 29 de março de 2018 
  42. «The World Factbook – Central Intelligence Agency». cia.gov. 21 de junho de 2022 
  43. «Trinidad and Tobago». U.S. Department of State 
  44. Department Of State. The Office of Electronic Information, Bureau of Public Affairs. «Trinidad and Tobago». 2001-2009.state.gov 
  45. «Religious Composition (Census of Guyana – 2012)». Bureau of Statistics – Guyana. Julho de 2016. Consultado em 16 de dezembro de 2017 
  46. «CIA – The World Factbook». Cia.gov. Consultado em 5 de março de 2012 
  47. «Bhutan». State.gov. 2 de fevereiro de 2010. Consultado em 5 de março de 2012 
  48. «religion in Italy». globalreligiousfuture.org 
  49. «hindus in the Netherlands». the hindu perspective. 23 de março de 2013 
  50. «religion in France». globalreligiousfuture.org 
  51. «Arena – Atlas of Religions and Nationalities in Russia». Sreda.org 
  52. «The World Factbook – Central Intelligence Agency». cia.gov. 22 de setembro de 2022 
  53. «2018 Census totals by topic – national highlights» 
  54. Johnson, Todd M.; Grim, Brian J. (2013). The World's Religions in Figures: An Introduction to International Religious Demography (PDF). Hoboken, NJ: Wiley-Blackwell. 10 páginas. Consultado em 24 de novembro de 2015. Cópia arquivada (PDF) em 20 de outubro de 2013 
  55. Knott (1998, pp. 3, 5)
  56. Hatcher (2015, pp. 4–5, 69–71, 150–152)
  57. Bowker (2000)
  58. Harvey (2001, p. xiii)
  59. a b c d «Chapter 1 Global Religious Populations» (PDF). Janeiro de 2012. Cópia arquivada (PDF) em 20 de outubro de 2013 
  60. Pandey, Anjali (2019). «Re‐Englishing 'flat‐world' fiction». World Englishes. 38 (1–2): 200–218. doi:10.1111/weng.12370 
  61. Dominic Goodall (1996), Hindu Scriptures, University of California Press, ISBN 978-0-520-20778-3, pp. ix–xliii
  62. RC Zaehner (1992), Hindu Scriptures, Penguin Random House, ISBN 978-0-679-41078-2, pp. 1–11 and Preface
  63. Ludo Rocher (1986), The Puranas, Otto Harrassowitz Verlag, ISBN 978-3-447-02522-5
  64. Moriz Winternitz (1996). A History of Indian Literature. [S.l.]: Motilal Banarsidass. pp. xv–xvi. ISBN 978-81-208-0264-3 
  65. Yajna, a Comprehensive Survey. Gyanshruti, Srividyananda. [S.l.]: Yoga Publications Trust. 2007. p. 338. ISBN 978-81-86336-47-2 
  66. a b c Jeffery D. Long (2007), A Vision for Hinduism, IB Tauris, ISBN 978-1-84511-273-8, pp. 35–37
  67. Lloyd Ridgeon (2003). Major World Religions: From Their Origins to the Present. [S.l.]: Routledge. pp. 10–11. ISBN 978-1-134-42935-6 , Citações: "Costuma-se dizer que o hinduísmo é muito antigo e, de certa forma, isso é verdade (...). Ele foi formado pela adição do sufixo inglês -ism, de origem grega, à palavra hindu, de origem persa; foi mais ou menos na mesma época que a palavra hindu, sem o sufixo -ism, passou a ser usada principalmente como termo religioso. (...) O nome hindu foi primeiramente um nome geográfico, não religioso, e originou-se nas línguas do Irã, não da Índia. (...) Eles se referiam à maioria não muçulmana, juntamente com sua cultura, como 'hindu'. (...) Como as pessoas chamadas hindus diferiam dos muçulmanos principalmente na religião, a palavra passou a ter implicações religiosas e a denotar um grupo de pessoas que eram identificáveis por sua religião hindu. (...) No entanto, é como um termo religioso que a palavra hindu é usada atualmente em inglês, e hinduísmo é o nome de uma religião, embora, como vimos, devamos tomar cuidado com qualquer falsa impressão de uniformidade que isso possa nos dar."
  68. a b c d e f Pennington, Brian K. (2005), Was Hinduism Invented?: Britons, Indians, and the Colonial Construction of Religion, ISBN 978-0-19-803729-3, Oxford University Press, pp. 111–118 
  69. Lorenzen (2006, pp. xx, 2, 13–26)
  70. Mihir Bose (2006). The Magic of Indian Cricket: Cricket and Society in India. [S.l.]: Routledge. pp. 1–3. ISBN 978-1-134-24924-4 
  71. «India». Online Etymology Dictionary 
  72. a b c d Flood (1996, p. 6)
  73. a b c Hawley, John Stratton; Narayanan, Vasudha (2006), The Life of Hinduism, ISBN 978-0-520-24914-1, University of California Press, pp. 10–11 
  74. Herbst, Philip (1997), The color of words: an encyclopaedic dictionary of ethnic bias in the United States, ISBN 978-1-877864-97-1, Intercultural Press, pp. 106–107, 'Hindu, Hindoo'. Termo emprestado da palavra persa 'hindu' ... 'hindu' é usado atualmente para designar um adepto do hinduísmo, a religião comum da Índia. ... 'Hindoo' está listado nos dicionários como uma grafia variante, mas que pode se prestar a uso depreciativo. ; Dasgupta, Shamita Das (1998), A patchwork shawl: chronicles of South Asian women in America, ISBN 0-8135-2518-7, Rutgers University Press, p. 121, Sofri repetidos e constantes insultos raciais na escola, desde 'nigger' até 'injun' e 'Hindoo'. Eu, como uma das poucas crianças de cor, era o alvo de igual oportunidade. ; University of South Dakota, English Department (1989), «link to article», University of South Dakota, South Dakota Review: 27, Nas ruas, também, palavras de baixo calão como 'hindu' e 'paki' - usadas quase que impunemente nos anos 70 - ressaltam como a linguagem inclui ou exclui. 
  75. Rosenblatt, Roger (1999), Consuming desires: consumption, culture, and the pursuit of happiness, ISBN 1-55963-535-5, Island Press, p. 81, Por exemplo, embora a maioria desses recém-chegados fosse, de fato, hinduísta praticante, em meados da década de 1960, os agitadores anti-imigração haviam abandonado o uso do termo "hindu" como xingamento. ; Bhatia, Sunil; Ram, Anjali (2004), «Culture, hybridity, and the dialogical self: Cases of the South Asian diaspora», Mind, Culture, and Activity, 11 (3): 224–240, doi:10.1207/s15327884mca1103_4, Não conseguir viver de acordo com as imagens 'inatingíveis' de 'Charlie's Angels' e das garotas douradas de 'The Brady Bunch', e enfrentar insultos raciais 'repetidos e constantes' na escola, como 'nigger', 'injun' e 'hindoo', combinados com a falta de modelos ... ; Yule, Valerie (1989), «Children's dictionaries: spelling and pronunciation», English Today, 5 (1): 13–17, doi:10.1017/S0266078400003655, Suspeito que a resposta possa ser a longa tradição de usar esse tipo de "ortografia simplificada" para indicar a fala de pessoas vulgares e baixas. No entanto, há uma espécie de onomatopeia visual; um hindu tem dignidade, enquanto um hindu parece um pouco ridículo. .
  76. a b c Lorenzen 2006, pp. 24–33
  77. a b c d e Sheldon Pollock (1993), Rāmāyaṇa and political imagination in India, Journal of Asian studies, Vol. 52, No. 2, pp. 266–269
  78. a b c Brajadulal Chattopadhyaya (1998), Representing the other?: Sanskrit sources and the Muslims (eighth to fourteenth century), Manohar Publications, ISBN 978-81-7304-252-2, pp. 92–103, Cap. 1 e 2
  79. a b O'Connell, Joseph T. (julho de 1973). «The Word 'Hindu' in Gauḍīya Vaiṣṇava Texts». Journal of the American Oriental Society. 93 (3): 340–344. JSTOR 599467. doi:10.2307/599467 
  80. Lorenzen (2010, p. 29)
  81. a b Lorenzen (2006, p. 15)
  82. a b Rachel Sturman (2010), Hinduism and Law: An Introduction (Editors: Timothy Lubin et al), Cambridge University Press, ISBN 978-0-521-71626-0, pag 90
  83. a b c Julius J. Lipner (2009), Hindus: Their Religious Beliefs and Practices, 2nd Edition, Routledge, ISBN 978-0-415-45677-7, pp. 17–18
  84. a b c Leslie Orr (2014), Donors, Devotees, and Daughters of God, Oxford University Press, ISBN 978-0-19-535672-4, pp. 25–26, 204
  85. Sharma (2008, pp. 25-26)
  86. Sridharan (2000, pp. 13-14)
  87. Hindu Population projections Pew Research (2015), Washington DC
  88. Rukmini S Vijaita Singh Muslim population growth slows The Hindu, 25 de agosto de 2015; 79,8% dos mais de 121 milhões de indianos (de acordo com o censo de 2011) são hindus
  89. a b c 10 Countries With the Largest Hindu Populations, 2010 and 2050 Pew Research Center (2015), Washington DC
  90. Herman Siemens, Vasti Roodt (2009). Nietzsche, Power and Politics: Rethinking Nietzsche's Legacy for Political Thought. [S.l.]: Walter de Gruyter. p. 546. ISBN 978-3-11-021733-9 
  91. Murray J. Leaf (2014). The Anthropology of Eastern Religions: Ideas, Organizations, and Constituencies. [S.l.]: Lexington Books. p. 36. ISBN 978-0-7391-9241-2 
  92. a b Flood (2008, p. 3)
  93. Takacs, Sarolta Anna; Cline, Eric H. (17 de julho de 2015), The Ancient World, ISBN 978-1-317-45839-5, Routledge, pp. 377– 
  94. Sharma (2002, p. 2) "Uma inscrição de Dario I, que é 'considerada como tendo sido esculpida entre c. 518 e 515 a.C., acrescenta Hidu [hindu] à lista de países sujeitos' (Raychaud-huri 1996:584). Da mesma forma, tabletes de argila de Persépolis, em elamita, 'datáveis de diferentes anos, do décimo terceiro ao vigésimo oitavo ano real de Dario', mencionam Hi-in-tu (Índia) (ib. 585). Esses exemplos, que estabelecem a primazia do significado territorial, são confirmados por Heródoto (Historiae III, 91, 94, 98-102) em seu emprego da palavra como 'Indoi' em grego, que, 'sem um caráter alfabético do som do h, não o preservou nesse caso' (Narayanan 1996:14)".
  95. a b Sharma (20020, pp. 1-36)
  96. Thapar (2003, p. 38)
  97. a b Jha (2009, p. 15)
  98. Jha (2009, p. 16)
  99. Sharma (20020, p. 3) " A palavra hindu deriva, de comum acordo, da palavra Sindhu. É notável que a direção da transformação de Sindhu - Hindu - Ind tenha paralelo no relato do peregrino budista Xanzuang (= Hiuen Tsang, século VII), pelas palavras Shin-tu-Hien-tau-Tien-chu, e ainda mais surpreendente que ela se torne In-tu, momento em que sua conotação transborda para o religioso, pelo menos na interpretação de Xanzuang (Beal 1969 [1884]:69)".
  100. Jha (2009, p. 14) "Mas a afiliação religiosa, se houver, desses "homens santos e sábios" permanece desconhecida, o que dificilmente apoia a visão de que Hsian Tsang usou a palavra In-tu (hindu) em um sentido especificamente religioso: de fato, o peregrino chinês posterior I-tsing questionou a veracidade da declaração de que era um nome comum para o país".
  101. Thapar, Romila (setembro de 1996), «The Tyranny of Labels», Social Scientist, 24 (9/10): 3–23, JSTOR 3520140, doi:10.2307/3520140 
  102. Wilfred Cantwell Smith (1981, p. 62)
  103. a b Lorenzen (2006, p. 33)
  104. Lorenzen (2006, p. 31)
  105. Esther Bloch, Marianne Keppens, Rajaram Hegde, ed. (2009). Rethinking Religion in India: The Colonial Construction of Hinduism. [S.l.]: Routledge. p. 29. ISBN 9781135182793. Por sua vez, Vidyapati, em seu texto Apabhransha Kirtilata, usa a frase "dharmas hindus e turcos" em um sentido claramente religioso e destaca os conflitos locais entre as duas comunidades 
  106. Rajat Kanta Ray (2003). The Felt Community. [S.l.]: Oxford University Press. p. 189. ISBN 978-0-19-565863-7. Diz-se que o Kirtilata foi composto em 1380. 
  107. a b Dube, Mukul. «A short note on the short history of Hinduism». Scroll.in 
  108. Lorenzen (2006, pp. 32-33)
  109. a b Arvind Sharma (2002), On Hindu, Hindustān, Hinduism and Hindutva Numen, Vol. 49, Fasc. 1, pp 5–9
  110. Arvind Sharma (2002), On Hindu, Hindustān, Hinduism, and Hindutva Numen, Vol. 49, Fasc. 1, p. 9
  111. Pashaura Singh (2005), Understanding the Martyrdom of Guru Arjan, Journal of Punjab Studies, 12(1), pp. 29–31
  112. Wheeler Thackston (1999). The Jahangirnama: Memoirs of Jahangir, Emperor of India. [S.l.]: Oxford University Press. p. 59. ISBN 978-0-19-512718-8 
  113. Pashaura Singh (2005), Understanding the Martyrdom of Guru Arjan, Journal of Punjab Studies, 12(1), p. 37
  114. R. Fraser, M. Hammond (10 de julho de 2008). Books Without Borders, Volume 2: Perspectives from South Asia (em English). [S.l.]: Springer. p. 21. ISBN 978-0230289130. Os siques surgiram inicialmente como uma seita militante do hinduísmo em oposição e resistência ao domínio muçulmano e, especialmente, ao domínio mogol e suas políticas e práticas discriminatórias e opressivas. Foi somente no século XX que eles se separaram legal e formalmente do hinduísmo para constituir uma religião distinta seguida por cerca de 1% da população atual da Índia. 
  115. a b Gauri Viswanathan (1998), Outside the Fold: Conversion, Modernity, and Belief, Princeton University Press, ISBN 978-0-691-05899-3, p. 78
  116. «A Code of Gentoo Laws, or Ordinations of the Pundits, from a Persian Translation, Made from the Original, Written in the Sanscrit Language». INDIAN CULTURE (em inglês). Consultado em 12 de janeiro de 2023 
  117. Bhagat, Ram. «Hindu-Muslim Tension in India: An Interface between census and Politics during Colonial India» (PDF). iussp.org. IIPS. Consultado em 17 de abril de 2019 
  118. «Archive of All Colonial India documents». arrow.latrobe.edu.au. The Centre for Data Digitisation and Analysis at The Queen's University of Belfast. Consultado em 17 de abril de 2019 
  119. Bryan Turner (2010), The New Blackwell Companion to the Sociology of Religion, John Wiley & Sons, ISBN 978-1-4051-8852-4, pp. 424–425
  120. a b Martin E. Marty (1 de julho de 1996). Fundamentalisms and the State: Remaking Polities, Economies, and Militance. [S.l.]: University of Chicago Press. pp. 270–271. ISBN 978-0-226-50884-9 
  121. James Minahan (2012), Ethnic Groups of South Asia and the Pacific: An Encyclopedia, ISBN 978-1-59884-659-1, pp. 97–99
  122. Julius J. Lipner (2009), Hindus: Their Religious Beliefs and Practices, 2ª Edição, Routledge, ISBN 978-0-415-45677-7, p. 8
  123. Julius J. Lipner (2009), Hindus: Their Religious Beliefs and Practices, 2ª edição, Routledge, ISBN 978-0-415-45677-7, p. 8; Citação: "(...) não é necessário ser religioso no sentido mínimo descrito para ser aceito como hindu pelos hindus, ou descrever-se de forma perfeitamente válida como hindu. A pessoa pode ser politeísta ou monoteísta, monista ou panteísta, até mesmo agnóstica, humanista ou ateísta, e ainda assim ser considerada hindu".
  124. Lester Kurtz (Ed.), Encyclopedia of Violence, Peace and Conflict, ISBN 978-0-12-369503-1, Academic Press, 2008
  125. MK Gandhi, The Essence of Hinduism, Editor: VB Kher, Navajivan Publishing, ver p. 3; De acordo com Gandhi, "um homem pode não acreditar em Deus e ainda assim se chamar de hindu".
  126. Knott, Kim (1998). Hinduism: A Very Short Introduction. Oxford: Oxford University press. p. 117. ISBN 978-0-19-285387-5 
  127. Supreme Court of India, "Bramchari Sidheswar Shai and others Versus State of West Bengal", 1995, Arquivado em 30 outubro 2006 no Wayback Machine.
  128. Supreme Court of India 1966 AIR 1119, Sastri Yagnapurushadji vs Muldas Brudardas Vaishya Arquivado em 12 maio 2014 no Wayback Machine (pdf), p. 15, 14 de janeiro de 1966
  129. a b Frazier, Jessica (2011). The Continuum companion to Hindu studies. London: Continuum. pp. 1–15. ISBN 978-0-8264-9966-0 
  130. Carl Olson (2007), The Many Colors of Hinduism: A Thematic-historical Introduction, Rutgers University Press, ISBN 978-0-8135-4068-9, pp. 93–94
  131. Rajbali Pandey (2013), Hindu Saṁskāras: Socio-religious Study of the Hindu Sacraments, 2nd Edition, Motilal Banarsidass, ISBN 978-81-208-0396-1, pp. 15–36
  132. Flood, Gavin (7 de fevereiro de 2003). The Blackwell Companion to Hinduism. [S.l.]: Wiley. ISBN 978-0-631-21535-6 – via Google Books 
  133. Muller, F. Max. Six Systems of Indian Philosophy; Samkhya and Yoga; Naya and Vaiseshika. 1899. Essa obra clássica ajudou a estabelecer os principais sistemas de classificação como os conhecemos hoje. Edição de reimpressão: (Kessinger Publishing: Fevereiro de 2003) ISBN 978-0-7661-4296-1.
  134. Radhakrishnan, S.; Moore, CA (1967). A Sourcebook in Indian Philosophy. [S.l.]: Princeton. ISBN 0-691-01958-4 
  135. Tattwananda, Swami (1984). Vaisnava Sects, Saiva Sects, Mother Worship First revised ed. Calcutta: Firma KLM Private Ltd.  Este trabalho apresenta uma visão geral de muitos subconjuntos diferentes dos três principais grupos religiosos da Índia.
  136. TS Rukmani (2008), Theory and Practice of Yoga (Editor: Knut Jacobsen), Motilal Banarsidass, ISBN 978-81-208-3232-9, pp. 61–74
  137. a b c Jeaneane Fowler (1996), Hinduism: Beliefs and Practices, Sussex Academic Press, ISBN 978-1-898723-60-8, pp. 41–44
  138. Stella Kramrisch (1958), Traditions of the Indian Craftsman, The Journal of American Folklore, Vol. 71, No. 281, pp. 224–230
  139. Ronald Inden (2001), Imagining India, Indiana University Press, ISBN 978-0-253-21358-7, pp. 110–115
  140. India-Constitution:Religious rights Artigo 25: "Explicação II: Na subcláusula (b) da cláusula (2), a referência a hindus deve ser interpretada como incluindo uma referência a pessoas que professam a religião sique, jaina ou budista"
  141. Tanweer Fazal (1 de agosto de 2014). "Nation-state" and Minority Rights in India: Comparative Perspectives on Muslim and Sikh Identities. [S.l.]: Routledge. pp. 20, 112–114. ISBN 978-1-317-75179-3 
  142. a b Kevin Boyle; Juliet Sheen (7 de março de 2013). Freedom of Religion and Belief: A World Report. [S.l.]: Routledge. pp. 191–192. ISBN 978-1-134-72229-7 
  143. para 25, Committee of Management Kanya Junior High School Bal Vidya Mandir, Etah, Uttar Pradesh v. Sachiv, U.P. Basic Shiksha Parishad, Allahabad, U.P. e Ors., Per Dalveer Bhandari J., Recurso Civil nº 9595 de 2003, decidido em: 21 de agosto de 2006, Superior Tribunal da Índia
  144. Sheldon Pollock (1993), Rāmāyaṇa and political imagination in India, Journal of Asian studies, Vol. 52, No. 2, pp. 261–297
  145. a b Brajadulal Chattopadhyaya (2004), Other or the Others? in The World in the Year 1000 (Editors: James Heitzman, Wolfgang Schenkluhn), University Press of America, ISBN 978-0-7618-2561-6, pp. 303–323
  146. a b Brajadulal Chattopadhyaya (2004), Other or the Others? in The World in the Year 1000 (Editors: James Heitzman, Wolfgang Schenkluhn), University Press of America, ISBN 978-0-7618-2561-6, pp 306–307
  147. os termos eram persas, tajiques ou árabes e turushkas ou turcos, afirma Brajadulal Chattopadhyaya (2004), Other or the Others? em The World in the Year 1000 (Editores: James Heitzman, Wolfgang Schenkluhn), University Press of America, ISBN 978-0-7618-2561-6, páginas 303-319
  148. Cynthia Talbot (2000), Beyond Turk and Hindu: Rethinking Religious Identities in Islamicate South Asia (Editors: David Gilmartin, Bruce B. Lawrence), University Press of Florida, ISBN 978-0-8130-2487-5, pp. 291–294
  149. a b c Talbot, Cynthia (outubro de 1995). «Inscribing the other, inscribing the self: Hindu-Muslim identities in pre-colonial India». Comparative Studies in Society and History. 37 (4): 701–706. JSTOR 179206. doi:10.1017/S0010417500019927 
  150. a b Leslie Orr (2014), Donors, Devotees, and Daughters of God, Oxford University Press, ISBN 978-0-19-535672-4, pp. 42, 204
  151. Paul Dundas (2002), The Jains, 2nd Edition, Routledge, ISBN 978-0-415-26605-5, pp. 6–10
  152. K Reddy (2011), Indian History, Tata McGraw Hill, ISBN 978-0-07-132923-1, p. 93
  153. Margaret Allen (1992), Ornament in Indian Architecture, University of Delaware Press, ISBN 978-0-87413-399-8, p. 211
  154. Trudy King et al. (1996), Historic Places: Asia and Oceania, Routledge, ISBN 978-1-884964-04-6, p. 692
  155. Ann Kenney et al (2003), Worshiping Siva and Buddha: The Temple Art of East Java, University of Hawaii Press, ISBN 978-0-8248-2779-3, pp. 24–25
  156. a b c Robert Zaehner (1997), Encyclopedia of the World's Religions, Barnes & Noble Publishing, ISBN 978-0-7607-0712-8, p. 409
  157. a b Fleming (2009, pp. 51–56)
  158. Knut A. Jacobsen (2013). Pilgrimage in the Hindu Tradition: Salvific Space. [S.l.]: Routledge. pp. 122–129. ISBN 978-0-415-59038-9 
  159. André Padoux (2017). The Hindu Tantric World: An Overview. [S.l.]: University of Chicago Press. pp. 136–149. ISBN 978-0-226-42412-5 
  160. Linda Kay Davidson; David Martin Gitlitz (2002). Pilgrimage: From the Ganges to Graceland; an Encyclopedia. [S.l.]: ABC-CLIO. pp. 239–244. ISBN 978-1-57607-004-8 
  161. Fleming (2009, p. 56)
  162. a b c Diana L Eck (2012). India: A Sacred Geography. [S.l.]: Harmony. pp. 34–40, 55–58, 88. ISBN 978-0-385-53191-7 
  163. a b Fleming (2009, pp. 57–58)
  164. Surinder M. Bhardwaj (1983). Hindu Places of Pilgrimage in India: A Study in Cultural Geography. [S.l.]: University of California Press. pp. 75–79. ISBN 978-0-520-04951-2 
  165. a b Fleming (2009, pp. 51–58)
  166. Surinder M. Bhardwaj (1983). Hindu Places of Pilgrimage in India: A Study in Cultural Geography. [S.l.]: University of California Press. pp. 58–79. ISBN 978-0-520-04951-2 
  167. André Wink (2002). Al-Hind, the Making of the Indo-Islamic World: Early Medieval India and the Expansion of Islam 7Th-11th Centuries. [S.l.]: BRILL Academic. pp. 154–161, 203–205. ISBN 978-0-391-04173-8 
  168. André Wink (2002). Al-Hind, the Making of the Indo-Islamic World: Early Medieval India and the Expansion of Islam 7Th-11th Centuries. [S.l.]: BRILL Academic. pp. 162–163, 184–186. ISBN 978-0-391-04173-8 
  169. Victoria Schofield (2010). Afghan Frontier: At the Crossroads of Conflict. [S.l.]: Tauris. 25 páginas. ISBN 978-1-84885-188-7 
  170. Sachau, Edward (1910). Alberuni's India, Vol. 1. [S.l.]: Kegan Paul, Trench, Trübner & Co. p. 22 , Citação: "Mahmud arruinou totalmente a prosperidade do país e realizou ali façanhas maravilhosas, pelas quais os hindus se tornaram como átomos de poeira espalhados em todas as direções e como um conto antigo na boca do povo."
  171. Tapan Raychaudhuri; Irfan Habib (1982). Cambridge Economic History of India Vol-1. [S.l.]: Cambridge University Press. 91 páginas. ISBN 978-81-250-2730-0 , Citação: "Quando Timur invadiu a Índia em 1398-99, a coleta de escravos era um objeto importante para seu exército. 100.000 escravos hindus foram confiscados por seus soldados e seguidores no acampamento. Até mesmo um santo piedoso havia reunido quinze escravos. Lamentavelmente, todos tiveram que ser abatidos antes do ataque a Délhi, por medo de que se rebelassem. Mas depois da ocupação de Délhi, os habitantes foram trazidos e distribuídos como escravos entre os nobres de Timur, os cativos incluindo vários milhares de artesãos e profissionais".
  172. Farooqui Salma Ahmed (2011). A Comprehensive History of Medieval India: Twelfth to the Mid-Eighteenth Century. [S.l.]: Pearson. 105 páginas. ISBN 978-81-317-3202-1 
  173. Hermann Kulke; Dietmar Rothermund (2004). A History of India. [S.l.]: Routledge. 180 páginas. ISBN 978-0-415-32919-4 
  174. David N. Lorenzen (2006). Who Invented Hinduism: Essays on Religion in History. [S.l.]: Yoda. 50 páginas. ISBN 978-81-902272-6-1 
  175. a b David N. Lorenzen (2006). Who Invented Hinduism: Essays on Religion in History. [S.l.]: Yoda. 50 páginas. ISBN 978-81-902272-6-1 
  176. Kiyokazu Okita (2014). Hindu Theology in Early Modern South Asia: The Rise of Devotionalism and the Politics of Genealogy. [S.l.]: Oxford University Press. pp. 28–29. ISBN 978-0-19-870926-8 
  177. Kate Brittlebank (1997). Tipu Sultan's Search for Legitimacy: Islam and Kingship in a Hindu Domain. [S.l.]: Oxford University Press. pp. 12, 34–35. ISBN 978-0-19-563977-3 
  178. Funso S. Afọlayan (2004). Culture and Customs of South Africa. [S.l.]: Greenwood. pp. 78–79. ISBN 978-0-313-32018-7 
  179. Singh, Sherry-Ann (2005). «Hinduism and the State in Trinidad». Inter-Asia Cultural Studies. 6 (3): 353–365. doi:10.1080/14649370500169987 
  180. Derek R. Peterson; Darren R. Walhof (2002). The Invention of Religion: Rethinking Belief in Politics and History. [S.l.]: Rutgers University Press. 82 páginas. ISBN 978-0-8135-3093-2 
  181. Paul A. Marshall (2000). Religious Freedom in the World. [S.l.]: Rowman & Littlefield. pp. 88–89. ISBN 978-0-7425-6213-4 
  182. Grim, B. J.; Finke, R. (2007). «Religious Persecution in Cross-National Context: Clashing Civilizations or Regulated Religious Economies?». American Sociological Review. 72 (4): 633–658. doi:10.1177/000312240707200407 , Citação: "Os hindus são fatalmente perseguidos em Bangladesh e em outros lugares".
  183. «Hindus from Pakistan flee to India, citing religious persecution». The Washington Post. 15 de agosto de 2012. Consultado em 15 de julho de 2016 
  184. a b Christophe Jaffrelot (2007), Hindu Nationalism: A Reader, Princeton University Press, ISBN 978-0-691-13098-9, pp. 13–15
  185. a b Gail Minault (1982), The Khilafat Movement: Religious Symbolism and Political Mobilization in India, Columbia University Press, ISBN 978-0-231-05072-2, pp. 1–11 e prefácio
  186. Amalendu Misra (2004), Identity and Religion, SAGE Publications, ISBN 978-0-7619-3226-0, pp. 148–188
  187. CA Bayly (1985), The pre-history of communialism? Religious conflict in India 1700–1860, Modern Asian Studies, Vol. 19, No. 2, pp. 186–187, 177–203
  188. Christophe Jaffrelot (2007), Hindu Nationalism: A Reader, Princeton University Press, ISBN 978-0-691-13098-9, pp. 6–7
  189. Antony Copley (2000), Gurus and their followers: New religious reform movements in Colonial India, Oxford University Press, ISBN 978-0-19-564958-1, pp. 4–5, 24–27, 163–164
  190. Hardy, F. "A radical assessment of the Vedic heritage" in Representing Hinduism: The Construction of Religious and National Identity, Sage Publ., Delhi, 1995.
  191. Christophe Jaffrelot (2007), Hindu Nationalism: A Reader, Princeton University Press, ISBN 978-0-691-13098-9, pp. 13
  192. a b Peter van der Veer (1994), Religious Nationalism: Hindus and Muslims in India, University of California Press, ISBN 978-0-520-08256-4, pp. 11–14, 1–24
  193. Peter van der Veer (1994), Religious Nationalism: Hindus and Muslims in India, University of California Press, ISBN 978-0-520-08256-4, pp. 31, 99, 102
  194. Jawad Syed; Edwina Pio; Tahir Kamran; et al. (2016). Faith-Based Violence and Deobandi Militancy in Pakistan. [S.l.]: Palgrave Macmillan. pp. 49–50. ISBN 978-1-349-94966-3 
  195. Farahnaz Ispahani (2017). Purifying the Land of the Pure: A History of Pakistan's Religious Minorities. [S.l.]: Oxford University Press. pp. 28–37. ISBN 978-0-19-062167-4 
  196. Peter van der Veer (1994), Religious Nationalism: Hindus and Muslims in India, University of California Press, ISBN 978-0-520-08256-4, pp. 26–32, 53–54
  197. Ram-Prasad, C. "Contemporary political Hinduism" in Blackwell companion to Hinduism, Blackwell Publishing, 2003. ISBN 0-631-21535-2
  198. a b GJ Larson (2002), Religion and Personal Law in Secular India: A Call to Judgment, Indiana University Press, ISBN 978-0-253-21480-5, pp. 55–56
  199. John Mansfield (2005), The Personal Laws or a Uniform Civil Code?, in Religion and Law in Independent India (Editor: Robert Baird), Manohar, ISBN 978-81-7304-588-2, p. 121-127, 135–136, 151–156
  200. a b Sylvia Vatuk (2013), Adjudicating Family Law in Muslim Courts (Editor: Elisa Giunchi), Routledge, ISBN 978-0-415-81185-9, pp. 52–53
  201. Katharine Adeney and Lawrence Saez (2005), Coalition Politics and Hindu Nationalism, Routledge, ISBN 978-0-415-35981-8, pp. 98–114
  202. Pew Research Center, Washington DC, Religious Composition by Country (December 2012) (2012)
  203. a b Hindu population totals in 2010 by Country Pew Research, Washington DC (2012)
  204. Table: Religious Composition (%) by Country Global Religious Composition, Pew Research Center (2012)
  205. «The World Factbook – The World Factbook». cia.gov. Consultado em 18 de maio de 2021 
  206. Total Fertility Rates of Hindus by Region, 2010–2050 Pew Research Center (2015), Washington DC
  207. Projected Global Hindu Population, 2010–2050 Pew Research Center (2015), Washington DC
  208. a b Vietnam, Laos, Cambodia. [S.l.]: Hunter Publisher. Inc. 2003. p. 8. ISBN 978-2-88452-266-3 
  209. Philippine History Module-based Learning I' 2002 Ed. [S.l.]: Rex Bookstore.Inc. p. 40. ISBN 978-971-23-3449-8 
  210. Gitesh Sharma (janeiro de 2009). Traces of Indian Culture in Vietnam. [S.l.]: Rajkamal Prakshan Group. p. 74. ISBN 978-81-905401-4-8 
  211. Martin Ramstedt (2003), Hinduism in Modern Indonesia, Routledge, ISBN 978-0-7007-1533-6, pp. 2–23
  212. Murdana, I. Ketut (2008), BALINESE ARTS AND CULTURE: A flash understanding of Concept and Behavior, Mudra – JURNAL SENI BUDAYA, Indonesia; Volume 22, pp. 5–11
  213. Ida Bagus Sudirga (2009), Widya Dharma – Agama Hindu, Ganeca Indonesia, ISBN 978-979-571-177-3
  214. IGP Sugandhi (2005), Seni (Rupa) Bali Hindu Dalam Perspektif Epistemologi Brahma Widya, Ornamen, Vol 2, Number 1, pp. 58–69
  215. Fleming (2009)
  216. Sengupta, Jayshree. «India's cultural and civilisational influence on Southeast Asia». ORF (em inglês). Consultado em 11 de outubro de 2021 
  217. «Religion and Indian Philosophy». Geriatrics (em inglês). 6 de março de 2014. Consultado em 11 de outubro de 2021 

Bibliografia editar

Leitura adicional editar