Abrir menu principal
Como ler uma infocaixa de taxonomiaCampinasuchus dinizi
Taxocaixa sem imagem
Estado de conservação
Pré-histórica
Classificação científica
Domínio: Eukaryota
Reino: Animalia
Filo: Chordata
Subfilo: Vertebrata
Classe: Reptilia
Superordem: Crocodylomorpha
Infraordem: Notosuchia
Família: Baurusuchidae
Género: Campinasuchus
Nome binomial
Campinasuchus dinizi
(Carvalho et al., 2011)

Campinasuchus dinizi é uma espécie de crocodilo ancestral dos Crocodylia atuais, extinto, e que viveu há cerca de 90 milhões de anos, no Cretáceo.

DescobertasEditar

Paleontólogos encontraram na formação Adamantina um fóssil da nova espécie de crocodilo pré-histórico, em um sítio paleontológico de Campina Verde, Minas Gerais, em 2010. Batizado de Campinasuchus dinizi, teria habitado a região há 90 milhões de anos. O animal media 1,80 metro da ponta do focinho à extremidade da cauda. Ele é o membro mais primitivo do grupo de crocodilos que dominou o interior do país na época dos dinossauros, os Crocodylomorpha. Conforme dados dos paleontólogos, os descendentes do crocodilo teriam dobrado de tamanho e se tornariam os predadores dominantes do semiárido que cobria São Paulo, Minas Gerais e outros Estados há milhões de anos. Segundo o pesquisador Luiz Carlos Borges Ribeiro, da Universidade Federal do Triângulo Mineiro, o sítio onde o fóssil foi encontrado ainda tem muito material. O local da descoberta é próximo da mesma área onde outro grupo de pesquisadores encontrou, em abril, o fêmur do maior dinossauro brasileiro. O titanossauro Uberabatitan ribeiroi, que teria 18 metros de comprimento e pesaria 10 toneladas[1].

O gênero Campinasuchus foi nomeado inicialmente pelos pesquisadores Ismar de Souza Carvalho, Vicente de Paula Antunes Teixeira, Mara Lúcia da Fonseca Ferraz, Luiz Carlos Borges Ribeiro, Agustín Guillermo Martinelli, Francisco Macedo Neto, Joseph J. W. Sertich, Gabriel Cardoso Cunha, Isabella Cardoso Cunha e Patrícia Fonseca Ferraz, e a espécie dinizi foi dado em homenagem ao dono da fazenda onde o fóssil foi encontrado e sua família: Izonel Queiroz Diniz Neto[1].

Os materiais fósseis descritos para Campinasuchus dinizi até 2016 se resumiam a alguns ossos do crânio e mandíbula de quatro espécimes encontrados em Campina Verde, MG. Posteriormente, o pós-crânio de Campinasuchus foi descrito pelos pesquisadores Leonardo Cotts, André Eduardo Piacentini Pinheiro, Thiago da Silva Marinho e Fabio Di Dario[2].

Referências

  1. a b «Campinasuchus dinizi gen. et sp. nov., a new Late Cretaceous baurusuchid (Crocodyliformes) from the Bauru Basin, Brazil» (PDF). Zootaxa. 2871: 19-42. Maio de 2011 
  2. Cotts, Leonardo; Pinheiro, André Eduardo Piacentini; da Silva Marinho, Thiago; de Souza Carvalho, Ismar; Di Dario, Fabio (1 de fevereiro de 2017). «Postcranial skeleton of Campinasuchus dinizi (Crocodyliformes, Baurusuchidae) from the Upper Cretaceous of Brazil, with comments on the ontogeny and ecomorphology of the species». Cretaceous Research. 70: 163–188. doi:10.1016/j.cretres.2016.11.003 
  Este artigo sobre Animal pré-histórico é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.