Abrir menu principal

Carlos Emanuel III da Sardenha

o Laborioso
Carlos Emanuel III
Rei da Sardenha
Reinado 3 de setembro de 1730
a 20 de fevereiro de 1773
Antecessor(a) Vítor Amadeu II
Sucessor(a) Vítor Amadeu III
 
Esposas Ana Cristina de Sulzbach
Polixena de Hesse-Rotemburgo
Isabel Teresa de Lorena
Descendência Vítor Amadeu, Duque de Aosta
Vítor Amadeu III da Sardenha
Leonor de Saboia
Maria Luísa de Saboia
Maria Felicidade de Saboia
Emanuel Felisberto, Duque de Aosta
Carlos, Duque de Chablais
Carlos, Duque de Aosta
Maria Vitória de Saboia
Benedito, Duque de Chablais
Casa Saboia
Nascimento 27 de abril de 1701
  Turim, Saboia, Sacro Império Romano-Germânico
Morte 20 de março de 1773 (71 anos)
  Turim, Sardenha
Enterro Basílica de Superga, Turim, Itália
Pai Vítor Amadeu II da Sardenha
Mãe Ana Maria de Orleães
Religião Catolicismo

Carlos Emanuel III (Turim, 27 de abril de 1701 – Turim, 20 de março de 1773) foi o Rei da Sardenha de 1730 até sua morte. Era o filho mais novo do rei Vítor Amadeu II e sua esposa Ana Maria de Orleães.

Pouco depois da morte do pai, concluiu com o imperador romano-germânico um tratado de aliança assinado em Turim pelo conde Philippi por parte do imperador. A base era a Pragmática Sanção pela qual o rei da Sardenha se obrigava com respeito ao imperador, que por sua vez garantia ao monarca a posse de seus Estados hereditários, e dos que lhe haviam sido cedidos pelo Tratado de Londres de 1718. Além disso, o rei da Sardenha, acedendo ao Tratado de Viena de 16 de março de 1731, se comprometia ainda, como o fizera pelo Tratado da Quádrupla Aliança, e pelo estipulado no Tratado de Sevilha, a manter a tranquilidade na Itália e a fazer causa comum com o imperador contra os que perturbassem tal tranquilidade.

Suas alianças com a França na Guerra de Sucessão da Polônia (1733-1738) e da Guerra de Sucessão Austríaca (1742-1748) fizeram-no obter os territórios italianos de Novara e Tortona e alguns distritos no Milanês como Anghiera, Bobbio e parte do principado de Pavia. Defendeu os direitos do Estado contra a Igreja e buscou promover o progresso econômico e social. Promulgou um novo código em 1770.

Fez novas convenções com Benedito XIV (papa de 1740 a 1759), que antes apoiara o marquês de Ormea, e sempre lhe manifestara amizade. Por duas convenções em 1741, o rei da Sardenha recebeu o vicariato apostólico pelos feudos papais, mediante pagamento de uma renda, e nas questões dos benefícios eclesiásticos, as rendas dos benefícios vagos e sua administração. Apesar de sua amizade, o comissário papal tinha posição difícil em suas relações com o presidente do senado, Caissotti. Finalmente em 6 de janeiro de 1742, o papa deu instruções aos bispos, nas quais ficou sendo dever dos bispos estrangeiros indicar vigários para as partes de suas dioceses no território do Piemonte, diminuindo a jurisdição eclesiástica, e a propriedade da Igreja em terras que fora obtida após 1620 ficou sujeita aos impostos civis ordinários.

Carlos Emanuel III
Por Maria Giovanna Clementi

Em 1750, o papa desistiu de numerosas rendas que obtinha no Piemonte em troca de pequena indenização. Carlos Emanuel III permaneceu em excelentes relações com Roma, apesar de dificuldades ocasionais. Merlini foi de novo recebido em Turim como núncio e o rei, cuja inclinação era piedosa, buscou promover os interesses da religião, promover a disciplina cristã e apoiar os direitos da Igreja em outras terras.

Casamentos e descendênciaEditar

  1. Casou por procuração em 16 de fevereiro de 1722 e em pessoa em Vercelli em 15 de março de 1722 com Ana Cristina Luísa de Sulzbach, filha de Teodoro de Wittelsbach-Deux-Ponts, Conde palatino de Sulzbach; tiveram um filho.
  2. Casou depois em Thonon-les-Bains em 23 de julho de 1724 com Polixena de Hesse-Rotemburgo (21 de setembro de 1706-13 de janeiro de 1735 Turim), condessa de Hesse-Rheinfels-Rotenburg, da dinastia de Hesse; era filha de Ernesto Leopoldo, conde de Hesse-Rheinfels-Rotenburg; tiveram sete filhos.
  3. Casou em Turim em 1 de abril de 1737 com Isabel Teresa de Lorena, filha de Leopoldo I, Duque de Lorena, e de Isabel Carlota de Orleães, filha do duque de Orleães e de Madame Palatine. Era irmã do imperador Francisco I. Herdeiro jacobita legítimo. Tiveram três filhos.

Filhos com Ana Cristina:

  1. Vítor Amadeu (7 de março de 1723 - 11 de agosto de 1725), Duque de Aosta.

Filhos com Polixena Cristina:

  1. Vítor Amadeu III (26 de junho de 1726 - 16 de outubro de 1796), rei da Sardenha de 1773 a 1796.
  2. Leonor (28 de fevereiro de 1728 - 15 de agosto de 1781)
  3. Maria Luísa (25 de março de 1729 - 22 de junho de 1767), freira.
  4. Maria Felicidade (19 de merço de 1730 - 13 de maio de 1801)
  5. Emanuel Felisberto (17 de maio de 1731 - 23 de abril de 1735), Duque de Aosta.
  6. Carlos (23 de julho de 1733 - 29 de dezembro de 1733), Duque de Chablais.

Filhos com Isabel Teresa de Lorena:

  1. Carlos (1 de dezembro de 1738 - 25 de março de 1745), Duque de Aosta.
  2. Maria Vitória (22 de junho de 1740 - 14 de julho de 1742)
  3. Benedito (21 de junho de 1741 - 4 de janeiro de 1808); Duque de Chablais em 1796, Marquês de Ivrea em 1796. Casou em Turim em 19 de março de 1775 com sua sobrinha Maria Ana, princesa de Saboia, filha de seu irmão Vítor Amadeu II da Sardenha.
 
O Commons possui uma categoria contendo imagens e outros ficheiros sobre Carlos Emanuel III da Sardenha
Precedido por
Vítor Amadeu II
Rei da Sardenha
1730-1773
 
Sucedido por
Vítor Amadeu III