Casamento branco

Casamento sem consumação sexual
Disambig grey.svg Nota: Não confundir com White wedding.

Casamento branco (do francês: Mariage blanc) é um casamento sem consumação.[1] As pessoas podem ter-se casado por várias razões, por exemplo, um casamento por conveniência é geralmente celebrado para ajudar ou resgatar um dos cônjuges de perseguição ou ameaça; ou para vantagem econômica, social ou de visto. Outro exemplo é um casamento de lavanda, realizado para disfarçar a homossexualidade de um ou ambos os parceiros. Um casamento sem sexo, por outro lado, pode ter começado como as expectativas padrão.

EtimologiaEditar

A expressão pode derivar da ausência de sangue himenal nos lençóis de cama do casamento (branco) do casal;[2] no entanto, a palavra francesa blanc também significa em branco no sentido de vazio, e.g. cartouche à blanc = um cartucho em branco, um sem uma bala.

CasosEditar

Um exemplo é o casamento de um Gentio com um Judeu para protegê-lo em épocas de extremo antissemitismo, como o período que antecedeu a Segunda Guerra Mundial, em áreas da Europa ameaçadas pelo nazismo: "Barão Federico von Berzeviczy-Pallavicini. . . durante os anos trinta. . . teve um casamento branco com a sobrinha dos proprietários judeus de Demel, o que lhe permitiu entrar em um convento sob o seu nome e sobreviver à guerra."[3]

No Irã, "casamentos brancos" descrevem exatamente o contrário de um mariage blanc: um casal que coabita e faz sexo sem ser casado. Apesar do governo xiita conservador, essa prática está se tornando comum no começo do século XXI.[4][5][6]

Outras razõesEditar

Um mariage blanc também pode resultar se um ou ambos os parceiros descobrirem, depois de seu casamento, que são incapazes ou não querem participar de relações sexuais (produtivas), por exemplo, devido à assexualidade, impotência ou frigidez, doença crônica ou deficiência. Os casamentos de Thomas Carlyle,[7] John Ruskin, Freya Stark and Max Beerbohm supostamente não foram consumados pela impotência. O breve casamento de Tchaikovsky pode ser descrito como um "casamento de lavanda".

Referências

  1. Bliss, Alan. (1996) A Dictionary of Foreign Words and Phrases in Current English. Routledge, London. ISBN 0-415-05905-4
  2. Ayto, John. (1993) Euphemisms. Bloomsbury, London. ISBN 0-7475-1294-9.
  3. uma nota de rodapé em The Grand Surprise: The Journals of Leo Lerman, editado por Stephen Pascal
  4. Ramin Mostaghim; Sarah Parvini (29 de maio de 2015). «'White marriage' a growing trend for young couples in Iran». Los Angeles Times. Consultado em 29 de maio de 2016 
  5. «'White marriages': Iran's cohabiting couples defy Sharia law». The Week. 10 de dezembro de 2014. Consultado em 29 de maio de 2016 
  6. «Can Iran 'control' its cohabiting couples?». BBC. 10 de dezembro de 2014. Consultado em 29 de maio de 2016 
  7. Harris, Frank. (1973) 'My Life and Loves'. London, Corgi. p232 -243. ed. John F. Gallagher. O autor Frank Harris afirma que Carlyle confessou sua impotência para ele pessoalmente, e registra uma conta do médico da Sra. Carlyle, que a examinou e descobriu que ela era virgem depois de 25 anos de casamento. A informação de Harris é posta em dúvida por vários estudiosos, o editor John Gallagher observou em uma nota de rodapé.