Abrir menu principal

Castelo de Monterrei

fortificação medieval na Espanha

O castelo de Monterrei é uma fortificação medieval, declarada Monumento Nacional, das melhor conservadas da Comunidade Autónoma da Galiza (Espanha).

Situa-se na capital do concelho auriense de Monterrei, paróquia de Santa Maria, no cume duma colina que domina o amplo vale do rio Támega, na confluência entre os caminhos de Puebla de Sanabria e Ourense.

Castelo de Monterrei, Espanha: vista do conjunto

HistóriaEditar

 
Cruceiro

Esta fortificação esteve em poder de algumas das mais poderosas linhagens da Galiza: os Ulloa, os Zúñiga, os Viedma, os Fonseca, os Acevedo e finalmente a Casa de Alba.

O lugar foi vila do conde D. Gutiérrez Menéndez, pai de São Rosendo, a princípios do século X, sendo a primeira notícia documental sobre o castelo de 950.

No século XII, o primeiro rei de Portugal Afonso Henriques, neto de Afonso VI de Castela e Leão, edificou o castelo, porém este rapidamente passou para o reino de Leão e Castela com a assinatura do Tratado de Tui em 1137, renunciando Afonso Henriques a possessões e pretensões na Galiza.

A comarca fazia parte do senhorio do Mosteiro de Celanova. Os seus abades consideravam o castelo de Monterrei como uma ameaça para a sua autoridade; isto fez que procurassem a protecção da Coroa, chegando a obter, em 1213, do rei Afonso X o privilégio que ordenava a demolição das defesas do castelo.

Em 1366 o castelo serviu de refúgio para o rei Pedro I o Cruel no transcurso da guerra civil que o enfrentou a Henrique de Trastâmara.

Anos mais tarde, o rei João I de Castela concedeu os direitos sobre o castelo a Diego López de Zúñiga. Seu filho levou o título de Visconde de Monterrei, não sendo até a nomeação dos Reis Católicos que lhe concederam o título de 1º Conde de Monterrei a Sancho Sánchez de Ulloa e Monterroso, que herdara o património em 1461 após recorrer aos tribunais durante quase vinte anos com Francisco de Zúñiga.

Neste lugar entrevistaram-se em 1506 Filipe I de Castela e o Cardeal Cisneros.

Na Idade Moderna construíram-se sob a direção dos engenheiros da Coroa Juan de Villaroel e Carlos de Grunemberg dois recintos abaluartados auxiliares que fechavam e defendiam o convento dos franciscanos e o dos jesuítas.

Neste lugar foi impresso o primeiro incunábulo galego, com a primeira imprensa de tipos móveis: a 3 de Fevereiro de 1494 foi estampado o "Missale Auriense", o primeiro livro editado em Galiza. A vida cultural desta pequena corte nobiliária teve a sua importância, chegando a dar docência em gramática, artes e teologia.

CaracterísticasEditar

 
Pazo dos Condes

É considerada por muitos autores como a acrópole maior da Galiza, tendo sido durante toda a Idade Média um enclave estratégico para a defesa da fronteira com Portugal.

Os elementos mais antigos conservados correspondem aos anos do reinado de Afonso IX, correspondendo a maior parte dos elementos ao mandato do 1º conde de Monterrei Sancho Sánchez de Ulloa.

Recintos muradosEditar

Estrutura-se em três recintos murados levantados sobre uma alongada lomba.

No primeiro recinto levanta-se o atual Parador Nacional e próximo a este se conserva um cruzeiro do século XVII.

Ao segundo recinto acede-se por meio de uma porta ladeada por dois corpos de guarda com frestas, reforçando o restante do recinto com diversos baluartes.

Ao último recinto, acede-se por meio de uma porta com arco apontado formado por grandes aduelas, seno a porta melhor conservada do complexo. Sobre ela encontra-se o escudo de Monterrei, formado por quatro quartéis com as armas dos Acevedo, os Ulloa, os Viedma e os Zúñiga, e, sobre eles, o escudo dos Fonseca.

Hospital de PeregrinosEditar

Outra das construções destacadas do conjunto é o Hospital de Peregrinos fundado por Gaspar de Zúñiga, construção de 1429[1] dedicada à Santíssima Trindade. Tem a sua origem num albergue dependente do Mosteiro de Montederramo levantado em 1327.

Trata-se de um pequeno edifício de dois pavimentos, que foi objeto de recentes obras de restauração. Na sua portada gótica de arco ogival afunilado com quatro arquivoltas e na chave do arco adorna-se com um anjo cabeça abaixo. Conserva no tímpano esculpido um tetramorfos e às beiras as figuras da Anunciação sob doseis ogivais

O CasteloEditar

Situado no último recinto a sua porta de acesso situa-se na Praça de Monterrei. Esta porta remata-se com arco de volta perfeita e apresenta os escudos dos condes. É ladeado por duas torres cilíndricas, parcialmente conservadas, abertas com seteiras.

Através desta porta acede-se ao pátio de armas, no qual se conserva um poço e um túnel que servia de algibe, apesar de que a lenda conte que comunicava o pátio com a Atalaia. Durante as obras de restauração levadas a cabo nos últimos anos a entrada para o túnel foi tampada. Porém, conserva-se o próximo poço de 14 metros de profundeza. No lado Oeste da muralha conservam-se uns grandes fornos de pedra.

Torre de menagemEditar

 
Torre de menagem

Como elementos mais destacáveis conservam-se a torre de menagem, construção do século XV também conhecida como Torre de Dom Sancho, levantada pelo Conde na época dos Reis Católicos. Trata-se de uma construção de planta quadrada construída com cantaria granítica de boa lavra, perfeitamente enquadrada e atinge os 22 metros de altura. Nos seus perpianhos conserva grande quantidade de marcas de canteiro.

Sobre a sua porta de acesso, que se situa à altura do primeiro andar e a que se acede por meio de uma ponte levadiça, pode-se contemplar o escudo dos Ulloa e os Zúñiga, ladeado por grifos e a seguinte inscrição no lintel:

“(...) Esta / Torre mandaron faser Don Sa(n)cho de Ulloa / e Dona Teresa De Zúñiga su muger conde / e condesa de Mo(n)terrey. acabose an(n)o de / mil e CCCC e LXXX e II an(n)os”

Conserva-se em bom estado tendo sofrido poucas alterações na Idade Moderna, a jeito de aberturas que permitissem a saída dos canhões.

No interior uma ampla escada permite o acesso aos diferentes andares nos quais se podem ver frestas, uma chaminé, assim como vitrais com palratórios. No último piso uma estreita escada de pedra serve de acesso ao terraço.

O terraço é aberto e remata com uma barbacã composta por oito cubos redondos nos seus extremos e na metade dos lados apêndices semicirculares.

Paço dos Condes e Torre das DamasEditar

 
Castelo de Monterrei, Espanha: Igreja de Santa Maria Gracia e Torre das Damas

O Paço dos Condes foi restaurado em tempos atuais e conserva em bom estado galerias e os seus pátios. Foi erguido entre os séculos XV a XVII em estilo renascentista.

Situa-se no lado direito do pátio de armas e forma um conjunto harmônico com a conhecida como Torre das Damas, do século XIV ou finais do século XIII, sendo o elemento mais antigo do conjunto. Possivelmente fosse a anterior torre de Menagem, sendo de dimensões mais reduzidas que as da atual torre de Menagem.

O palácio abre-se para o pátio dividido em dois andares, o inferior com uma arcada de arcos rebaixados com os penachos (enxutas) decorados com os escudos das diferentes linhagens que possuíram a praça-forte. O andar superior apresenta o mesmo número de colunas, e sobre estas foi apoiada, directamente, a coberta.

Na fachada Sul apresenta o mesmo esquema construtivo, mas com um andar mais devido às diferenças do nível do terreno. No andar inferior os arcos são ligeiramente apontados.

A fachada Oeste integra-se na muralha defensiva.

Igreja de Santa Maria GraciaEditar

 
Castelo de Monterrei, Espanha: Igreja de Santa Maria Gracia

Outro elemento do conjunto é a igreja de Santa Maria Gracia, templo erguido na primeira metade do século XIV ou finais do século XIII em estilo românico ogival. Insere-se no complexo por meio do muro lateral sul da nave, esta com coberta de madeira, e a abside retangular coberta com abóbada de cruzaria. A abside não se encontra alinhada com a nave pela irregularidade do terreno sobre o qual se assenta. Sua fachada é de feitura mais moderna.

A torre campanário erguida entre 1660 e 1661 [2] situa-se na esquina noroeste.

A porta lateral da fachada norte apresenta um arco e arquivoltas apontadas em jambas sobre colunas, bom expoente da transição do românico ao gótico. No interior conservam-se arcos sepulcrais, a Capela dos Condes aberta no muro sul e na qual se conservam pinturas de finais do século XIV e um formoso retábulo gótico.

No século XVII, durante as obras de ampliação das defesas, a abside foi reforçada por meio de potentes esteios.

A AtalaiaEditar

No extremo oeste do conjunto encontram-se as ruínas de uma construção quadrangular erguida no século XVII com o objeto de defender a acrópole desde este flanco. Conserva parte dos altos muros e algumas guaritas.

Próxima a esta se encontra uma fonte.

O Museu da AcrópoleEditar

Localizado no interior do Paço dos Condes estrutura-se em sete salas com os seguintes conteúdos:

  1. A comarca e os seus monumentos.
  2. Caminhos Jacobeus na Galiza.
  3. Restos epigráficos de Monterrei.
  4. Elementos da Semana Santa e livros da paróquia junto com o Missal Auriense.
  5. Coleção de esculturas dos séculos XVII e XVIII.
  6. Coleção de esculturas dos séculos XVII e XVIII.
  7. Coleção de calcografias do Via Crucis.

Notas

  1. Data que pode contemplar-se no friso que vai ao longo da cornija: ”VASCO PERES ABAD ME FEZ AN.º DE MCCCCXXIX”.
  2. Segundo consta numa inscrição conservada na sua base.

BibliografiaEditar

  • (em galego) BOGA MOSCOSO, Ramón (2003). Guía dos castelos medievais de Galicia, págs. 209-211. Guías Temáticas Xerais. Edicións Xerais de Galicia, S.A. [S.l.: s.n.] ISBN 84-9782-035-5 

Ver tambémEditar

Ligações externasEditar

  Este artigo sobre um castelo é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.
 
O Commons possui uma categoria contendo imagens e outros ficheiros sobre Castelo de Monterrei