Abrir menu principal
Celso Luís Rodrigues
Data de nascimento 3 de junho de 1961 (58 anos)
Nacionalidade(s) brasileiro
Crime(s) tráfico de drogas
formação de quadrilha
Pena Em julgamento
Situação Preso

Celso Luís Rodrigues (3 de julho de 1961) vulgo Celsinho da Vila Vintém, é um criminoso brasileiro, sendo traficante de drogas, co-fundador da facção criminosa Amigos dos Amigos, atuante na favela da Vila Vintém em Padre Miguel zona oeste do Rio de Janeiro.[1][2]

Celsinho começou a vida do crime promovendo assaltos a caminhões de carga na Av.Brasil e distribuindo as mercadorias para os moradores da comunidade da Vila Vintém, essa atitude fez com que seu prestígio aumentasse frente a comunidade.

Em meados da década de 90, o Celso Russo (como também é conhecido na comunidade) assume o domínio do tráfico e conquista o respeito dos principais líderes do Comando Vermelho com o bons resultados de suas bocas de fumo.

Em consequência de suas conquistas no crime, Celsinho é perseguido pela Polícia Militar do Estado do Rio de Janeiro e começa a se espalhar o folclore que envolve suas fugas mirabolantes, são atribuídas histórias de passagens subterrâneas equipadas e de pactos com o demônio.

Com o passar do tempo, a busca da polícia se torna implacável, a ponto de a Rede Globo exibir um programa especial sobre a vida do líder do tráfico na Vila vintém, logo Celsinho é preso, mas como outros traficantes continua a comandar as ações de dentro da cadeia.

Amigos dos AmigosEditar

Na prisão Celsinho se une outros criminosos para fundar a facção criminosa Amigos dos Amigos, vendo na criação da facção a oportunidade de ampliar o seu poder por toda a zona oeste do Rio de Janeiro. Anos mais tarde Celsinho consegue fugir da cadeia e voltar a viver o dia a dia da favela, mas por pouco tempo, pois retornaria a ser encarcerado em Bangu 1.

Em 11 de setembro de 2002, em meio a rebelião orquestrada pelo traficante Fernandinho Beira-Mar, do comando vermelho, diversos presos das facções rivais foram brutalmente assassinados, incluindo , líder do Terceiro Comando. De maneira até hoje inexplicada Celsinho conseguiu sair vivo da rebelião, sendo algumas hipoteses levantadas a de que Celsinho teria fingido mudar de lado ou feito um acordo financeiro com Fernandinho. Há fontes que citam também um suposto alerta dado por Celsinho a Beira-Mar, sobre um suposto plano para assassiná-lo, plano este que teria motivado o massacre, que seria, segundo esta teoria, uma reação.[1] O fato é que após esta rebelião, houve o racha dentro do Terceiro Comando, então um aliado da ADA. Devido a este racha, todos os traficantes desta facção migraram para o Terceiro Comando Puro ou para a ADA, sendo o TC extinto.

Atualmente, Celsinho está preso aguardando julgamento de sua progressão de pena, é sabido que continua a controlar as ações na Vila Vintém através de seus aliados.

Referências

  1. a b CLÓVIS SAINT-CLAIR E IVAN PADILLA, para Revista Época. «Rebelião em Bangu 1 e desativação do Carandiru refletem uma mudança nas cadeias. Agora, quem manda é o crime». Consultado em 5 de dezembro de 2010 
  2. MARIO HUGO MONKEN, para a Folha de S.Paulo (17 de setembro de 2001). «Saiba quem é Celsinho da Vila Vintém». Consultado em 5 de dezembro de 2010