Cerdeira (Sabugal)

freguesia do município de Sabugal, Portugal

Cerdeira, também designada Cerdeira do Côa, é uma freguesia portuguesa do município de Sabugal, com 24,13 km² de área[1] e 188 habitantes (censo de 2021)[2]. A sua densidade populacional é 7,8 hab./km².

Portugal Portugal Cerdeira 
  Freguesia  
Panorâmica parcial da aldeia com a ponte e a torre do relógio
Panorâmica parcial da aldeia com a ponte e a torre do relógio
Panorâmica parcial da aldeia com a ponte e a torre do relógio
Símbolos
Brasão de armas de Cerdeira
Brasão de armas
Gentílico cerdeirense
Localização
Cerdeira está localizado em: Portugal Continental
Cerdeira
Localização de Cerdeira em Portugal
Coordenadas 40° 30' 51" N 7° 02' 48" O
Região Centro
Sub-região Beiras e Serra da Estrela
Distrito Guarda
Município Sabugal
Código 091113
História
Fundação 1 de maio de 1253
Administração
Tipo Junta de freguesia
Características geográficas
Área total 24,13 km²
População total (2021) 188 hab.
Densidade 7,8 hab./km²
Código postal 6320-131 Cerdeira SBG
Outras informações
Orago Nossa Senhora da Visitação

Demografia

editar

A população registada nos censos foi:[2]

População da freguesia de Cerdeira[3]
AnoPop.±%
1864 297—    
1878 322+8.4%
1890 450+39.8%
1900 495+10.0%
1911 550+11.1%
1920 472−14.2%
1930 517+9.5%
1940 614+18.8%
1950 651+6.0%
1960 576−11.5%
1970 512−11.1%
1981 382−25.4%
1991 385+0.8%
2001 262−31.9%
2011 229−12.6%
2021 188−17.9%
Distribuição da População por Grupos Etários[4]
Ano 0-14 Anos 15-24 Anos 25-64 Anos > 65 Anos
2001 25 30 116 91
2011 20 18 114 77
2021 19 18 84 67

Geografia

editar

A freguesia é atravessada pelo rio Noéme, dista 22 km do Sabugal e inclui a povoação anexa da Redondinha e dois lugares abandonados em meados do século XX: Azinheira e Santo Amaro do Cortelho.

A freguesia tem uma extensão máxima de 9.594 m (NW-SE) e uma largura máxima de 3.780 m (SW-NE), entre a ribeira das Cabras, a norte, e o rio Côa, a sul. A meio, é atravessada pelo vale do rio Noéme (E-W), a uma altitude média de 725 m. Ao longo do vale, segue a linha ferroviária da Beira Alta. Perpendicular ao rio e à ferrovia, passa a Estrada Nacional nº 324 (N-S), que liga Pinhel ao Sabugal. O ponto mais alto da freguesia é a Senhora do Monte, a 847 m.

A flora é predominantemente constituída por freixos (Fraxinus excelsior), pinheiros bravos (Pinus pinaster), carvalhos-negral (Quercus pyrenaica), carrasqueiras (Quercus coccifera), amieiros (Alnus glutinosa), giestas (Cytisus), macieiras, pereiras e cerejeiras. Na fauna, predominam o coelho, a perdiz, a codorniz, o pombo bravo, a lontra e a doninha.

Origem do topónimo

editar

Cerdeira é um sinónimo regional e arcaico de cerejeira e também o seu equivalente em galego contemporâneo. Trata-se de um topónimo frequente na Galiza e em Portugal onde designa 57 locais, em 23 concelhos, de todos os distritos da metade norte do país: Viana do Castelo, Braga, Vila Real, Bragança, Guarda, Viseu, Porto, Aveiro, Coimbra e Castelo Branco. Em 1229-1321, a topónimo escrito era Cerzeira, com o mesmo significado. O primeiro registo escrito, em Portugal, da palavra cerdeira, data de 1102 , e o de cerejeira, data de 1548.

História

editar

A primeira referência escrita ao topónimo Cerdeira na região data de 1229. Trata-se do primeiro foral de Castelo Mendo, concedido por D. Sancho II. Na descrição dos limites do novo concelho, em terras conquistadas aos árabes em meados do século anterior, é designado o Cabeço da Cerdeira, entre Porto Mourisco e o Cabeço do Homem. As igrejas do novo concelho dependiam da diocese de Viseu.

Após a primeira vaga de ordenamento e repovoamento da margem esquerda do rio Coa, na primeira metade do século XIII, D. Afonso III concedeu foral à Cerdeira, a 1 de maio de 1253. Em 1264, o mesmo rei ordenou ao concelho de Castelo Mendo o respeito pela propriedade e pelas prerrogativas que o mosteiro de Santa Maria de Aguiar detinha na Cerdeira . Em 1279, a paróquia da Cerdeira, ao contrário das restantes paróquias do concelho de Castelo Mendo, dependia desse mosteiro, em terras de Ribacôa, leonesas até ao Tratado de Alcanices, em 1297, e na diocese leonesa de Ciudad Rodrigo até 1403.

É portanto provável que sejam da segunda metade do século XIII a ponte românica de seis arcos redondos que continua a atravessar o rio Noéme e o desaparecido reduto com atalaia ou torre de vigia que se situava na pequena colina sobranceira à aldeia e ao rio, na sua margem norte. A ponte era, então, o único ponto permanente e seguro de passagem norte-sul, entre a Guarda e a fronteira, e serviria o caminho medieval que ligava Pinhel a Castelo Branco.

A fortificação foi destruída durante as invasões francesas, no início do século XIX e, segundo a tradição oral local, as casas em redor do outeiro foram construídas com as pedras do chamado castelo e a atual torre do relógio foi construída a partir da antiga atalaia. Em 1770, a Cerdeira integrou a nova diocese de Pinhel que viria a fundir-se com a da Guarda, em 1882.

Entretanto, com a extinção do município de Castelo Mendo, em 1855, a Cerdeira tinha passado a integrar o concelho do Sabugal e, em 1880, com a inauguração da linha ferroviária da Beira Alta, tinha entrado em funcionamento a única estação com serviço de mercadorias, entre a Guarda e Vilar Formoso, junto à ponte que ligava o norte e o sul da margem esquerda do rio Coa. Estes foram fatores determinantes para o desenvolvimento económico e social da freguesia que se tornou, nas décadas seguintes, um importante entreposto regional por onde era escoada a abundante produção de castanha e, principalmente, batata.

Entre 1757 e 1890, os fogos passaram de 74 para 115. Em 1890, a sua população era de 444 habitantes e, passado uma década, era de 524 habitantes. Na primeira metade do século XX, com cerca de 200 fogos, tinha escola masculina e feminina, farmácias, agências bancárias, tabernas, casas de pasto, hospedaria e estação postal. Em 1945, foi reconstruída a estrada entre a Cerdeira e o Sabugal. A maior parte da atividade ligada ao transporte ferroviário desenvolveu-se em redor da estação, criando uma nova área urbanizada na margem sul do rio. A parte antiga é conhecida como Povo, a parte mais nova, como Estação.

Património e cultura

editar
  • Igreja Matriz, no largo da Igreja, dedicada a Nossa Senhora da Visitação, cuja festa é celebrada a 2 de julho. A traça original foi alterada por diversas obras de restauro ao longo do século XX. Na segunda-feira de Pentecostes (maio/junho) a igreja também acolhe as Festas de Santa Ana.
  • Torre do Relógio, no alto do outeiro sobranceiro à parte mais antiga da aldeia. Terá sido construída a partir das ruínas da torre de atalaia medieval.
  • Ponte românica de seis arcos perfeitos, em granito, sobre o rio Noéme. Apesar de ser popularmente designada ponte romana, é provável que seja da segunda metade do século XIII.
  • Capela do Senhor dos Aflitos, junto à entrada norte da ponte sobre o rio Noéme.
  • Forno Comunitário, no largo da Praça.
  • Há ainda um cruzeiro, na Praçaria, cinco chafarizes em pedra e duas fontes na aldeia. No sítio da Fonte Nova, há a Fonte Nova, e no do Chafariz, há um chafariz. Há ainda um cruzeiro no caminho do Seixo e outro no caminho do Jarmelo. Junto ao caminho da Senhora do Monte, encontra-se o Barroco da Massaracana e, no Barroco Gordo, uma sepultura antropomórfica.

A principal festa da freguesia, é a Festa da Nossa Senhora do Monte, celebrada a 15 de Agosto. Segundo a lenda, a mãe de Cristo apareceu no Cabeço da Cerdeira e, em sua honra, começou a ser construída uma ermida a 200 m do local definitivo. Cada vez que eram colocadas pedras no primeiro local, no dia seguinte elas reapareciam no local onde acabou por ser construída, no topo do monte. Nossa Senhora quereria o ponto mais alto para poder ver as suas sete irmãs. Dali avistam-se todos os cumes em redor da bacia do rio Côa.

A ermida, que em tempos teve o seu ermitão, apresenta características românicas semelhantes às da capela do Mileu, na Guarda, e das igrejas da Misericórdia, em Alfaiates e no Sabugal. Nas festas do passado, os pastores levavam os seus rebanhos à Senhora do Monte e davam com eles três voltas à ermida por crerem nos poderes da Senhora na cura de animais.

Em redor da Capela de Santo Amaro, no lugar abandonado de Santo Amaro do Cortelho, junto à ribeira das Cabras, celebra-se, a 15 de janeiro, a festa do padroeiro das doenças dos ossos, com missa e procissão. Junto à capela podem ver-se muitos ex-votos em madeira, deixados pelos devotos em agradecimento de curas conseguidas por interceção de Santo Amaro. Junto ao largo da capela há um forno comunitário. A festa também é conhecida como Festa das Chouriças.

Na Redondinha há a Capela da Senhora do Desterro e um forno comunitário.

Junto ao extremo sul da freguesia, encontra-se a ponte de Sequeiros, ponte românica fortificada, sobre o rio Côa.

Gastronomia

editar
  • Sopa de vagens secas, sopa de chícharos (feijão frade) e sopa de feijão com couve galega.
  • Cabrito e borrego guisado ou grelhado, pratos típicos da matança como alhos assados ou guisados, burzigada (sarapatel), arroz de espenilha (ossos da espinha), chichorros do redanho (torresmos) e enchidos;
  • Arroz-doce, aletria, papas de carolo (milho amarelo ou branco partido), farófias, biscoitos, esquecidos, filhós e rabanadas; a especialidade própria da páscoa é o bolo podre, espécie de pão com ovos e azeite.

Economia e infraestruturas

editar
  • Escola Regional Dr. José Dinis da Fonseca, colégio fundado em 1931
  • IPSS Sede Cultural Ensino e Trabalho – Centro de Dia para Idosos
  • Associação Desportiva e Social “Os Amigos de Cerdeira”
  • Jardim de infância, creche, ATL, parque infantil, ringue polidesportivo, salão de festas, posto de saúde, farmácia, mercearias, cafés, bomba de gasolina, panificação, serralharia, produção de caracol, construção civil, destilação e pirotecnia;

Referências

  1. «Carta Administrativa Oficial de Portugal CAOP 2013». descarrega ficheiro zip/Excel. IGP Instituto Geográfico Português. Consultado em 10 de dezembro de 2013. Arquivado do original em 9 de dezembro de 2013 
  2. a b Instituto Nacional de Estatística (23 de novembro de 2022). «Censos 2021 - resultados definitivos» 
  3. Instituto Nacional de Estatística (Recenseamentos Gerais da População) - https://www.ine.pt/xportal/xmain?xpid=INE&xpgid=ine_publicacoes
  4. INE. «Censos 2011». Consultado em 11 de dezembro de 2022 

Bibliografia

editar
  • Azevedo, Carlos Moreira (dir) (2000). História Religiosa de Portugal, vol. 1. Lisboa: Círculo de Leitores.
  • Azevedo, Carlos Moreira (dir) (2001). Dicionário de História Religiosa de Portugal, J-P. Lisboa: Círculo de Leitores.
  • Azevedo, Francisco Cardoso (org) (1906). Novo Diccionario Chorographico de Portugal Continental e Insular. Porto: Typ José da Silva Mendonça.
  • Barrios García, A. Angel (1998). El Proceso de Ocupación y de Ordenación del Espacio en la Raya Leonesa. In AA.VV. O Tratado de Alcanices e a Importância Histórica das Terras de Riba Côa. Lisboa: Universidade Católica Portuguesa. [pp. 155-184]
  • Correia, Joaquim Manuel (1946). Memórias sobre o Concelho do Sabugal. Lisboa: Federação dos Municípios da Beira-Serra.
  • Gomes, Rita Costa (2001). Castelos da Raia. Vol. I Beira. Lisboa: IPPAR.
  • Houaiss, Antônio (2002). Dicionário Houaiss da Língua Portuguesa. Lisboa: Círculo de Leitores.
  • Leal, Augusto Pinho (1873) Portugal Antigo e Moderno: Diccionário Geográphico, Estatístico, Chorográphico, Heráldico, Archeológico, Histórico, Biográphico & Etymológico de Todas as Cidades, Villas e Freguesias de Portugal e Grande Número de Aldeias, vol.I. Lisboa: Liv. Edit. Mattos Moreira & Companhia.
  • Machado, José Pedro (1993). Dicionário Onomástico e Etimológico da Língua Portuguesa. Lisboa: Horizonte.
  Este artigo sobre freguesias portuguesas é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.