Chavismo

Chavismo é a ideologia de esquerda política baseadas nas ideias, programas e estilo de governo associados com o ex-presidente da Venezuela, Hugo Chávez, que governou o país entre 1999 e 2013.[1] Chavista é um termo utilizado para descrever fortes apoiantes de Chávez, que está intimamente associado com o apoio do chavismo.[2]

Hugo Chávez, presidente da Venezuela de 1999 a 2013.

O chavismo, nas palavras de alguns dos seus principais partidários, é composto por três fontes básicas: as ideias de Simón Bolívar, Ezequiel Zamora e Simón Rodríguez,[3] e também um socialismo revisado que é definido como o "socialismo do século XXI" . Da mesma forma, o chavismo incorpora ideias de Ernesto Guevara, Fidel Castro, Gamal Abdel Nasser, Augusto César Sandino e Camilo Cienfuegos, entre outros.

Chávez também manifestou que se inspirava no cristianismo,[4], inclusive chamando Jesus de Nazaré de socialista.[5]

Vários partidos políticos da Venezuela apoiam o chavismo. Mas o partido principal, diretamente relacionado com Chávez, é o Partido Socialista Unido de Venezuela (PSUV). Outros partidos e movimentos de apoio ao chavismo incluem Pátria para Todos e Tupamaros.

CríticasEditar

Segundo artigo de opinião publicado no New York Sun em 2006, a vitória de candidatos "anti-Chávez" no Peru,[6] na Colômbia[7] e no México seria uma demonstração da baixa popularidade de Chávez na América Latina.[8] No mesmo ano, segundo o jornal El Universal, de Caracas, o então presidente brasileiro, Luiz Inácio Lula da Silva, distanciava-se do chavismo, tendo declarado que ele próprio não era Chávez, que o Brasil não era a Venezuela, e que as instituições brasileiras são "tradicionais".[9]

Em abril de 2018, a principal revista de esquerda da França, Les Temps Modernes, fundada por Sartre e Simone de Beauvoir em 1945, apontou seu rompimento com o regime chavista venezuelano ao denunciar que a revolução bolivariana havia se revelado um grande fracasso. Em uma série de ensaios e entrevistas, a revista aborda os aspectos políticos, econômicos e sociais que levaram ao fracasso do modelo[10].

Ver tambémEditar

Referências

  1. Morsbach, Greg. Chavez opponents face tough times. BBC News (6 December 2005).
  2. VHeadline.com | Politics & Culture: An anthropological perspective on Venezuela's political confrontation
  3. Richard Gott, Hugo Chávez and the Bolivarian Revolution (2005), Verso. ISBN 1-84467-533-5.
  4. Chávez instó a funcionarios de la Iglesia Católica venezolana a ocupar su lugar Arquivado em 27 de setembro de 2007, no Wayback Machine.
  5. «Chávez reitera "carácter socialista" de Jesucristo». El Universal. 17 de abril de 2011. Consultado em 24 de febrero de 2014  Verifique data em: |acessodata= (ajuda)
  6. Ex-presidente Alan García vence eleição peruana. Folha de S. Paulo, 5 de junho de 2006.
  7. Alvaro Uribe é reeleito para a Presidência da Colômbia. Folha de S. Paulo, 28 de maio de 2006.
  8. Barone, Michael. Good News. The New York Sun, 31 de julho de 2006.
  9. Lula says he is not like Chávez. El Universal, 22 de agosto de 2006.
  10. Andrei Netto (3 de abril de 2018). «Intelectuais na França decidem romper com o chavismo». Estadão