Abrir menu principal

O Circuito da Gávea, também conhecido como "Trampolim do Diabo", foi um circuito de rua que abrigou o Grande Prêmio Cidade do Rio de Janeiro.

Circuito da Gávea
[[]]
[[Ficheiro:|200px]]
Mapa do circuito.
Informações da corrida
Localização Rio de Janeiro, Brasil
Voltas De 20 a 30
Percurso 11.160 km (6.935 mi)
Total km ( mi)
Curvas 100 (aprox)
Pole
Volta mais rápida
na prova
Brasil Chico Landi
7min 03s
1952
Anos disputados 13 (16 edições)
Primeira disputa 1932
Última disputa 1954
Maior vencedor (pilotos) Brasil Chico Landi (3)
Maior vencedor (equipe)
Última corrida (1954):
Pole Position
Piloto
Tempo
Volta mais rápida
Piloto
Tempo
Pódio
Primeiro

Segundo

Terceiro

No Grande Prêmio Cidade do Rio de Janeiro de 1952, Chico Landi registrou a volta mais rápida da história do circuito, com 7min03s.[1]

Índice

O CircuitoEditar

O circuito possuía um traçado de rua com mais de 11 quilômetros que contornava o Morro Dois Irmãos. A largada era na Rua Marquês de São Vicente, quase em frente a então sede antiga do A.C.B. O trajeto seguia pelas Avenidas Bartolomeu Mitre, Visconde de Albuquerque, Niemeyer e Estrada da Gávea, onde atualmente é o bairro da Rocinha. Com mais de 100 curvas e diferentes tipos de piso (asfalto, cimento, paralelepípedo e areia), o traçado era um verdadeiro desafio à perícia e ao arrojo dos pilotos. O local de largada, em que os carros cruzavam os escorregadios trilhos de bonde, aumentavam o nível de periculosidade. Tudo isso junto rendeu o apelido de “Trampolim do Diabo” ao Circuito da Gávea. A dificuldade do circuito, que exigia grande perícia dos pilotos, aliados à beleza da paisagem, contribuíam para sua fama. A subida pelo atual Parque da Cidade, com curvas de grande periculosidade, aliadas ao traçado da avenida Niemeyer, faziam desta prova um verdadeiro desafio. No entanto, o próprio circuito da prova destacava as belezas da cidade, que se mostrava assim como um possível destino turístico internacional.[2][3]

A subida da Rocinha, com 2 km de distância e 170 metros de altura, continha um dos locais mais desafiadores do circuito: os cotovelos em Z, chamados de trampolins, daí a origem do apelido da corrida.[4]

Melhor VoltaEditar

Referências

  1. gptotal.com.br/ Arquivado em 24 de setembro de 2015, no Wayback Machine. Pergunte ao GPTotal
  2. acervo.oglobo.globo.com/ O Trampolim do Diabo nas ruas do Rio
  3. historiadoesporte.com/ O Circuito da Gávea
  4. quatrorodas.abril.com.br/ Levamos um Jaguar 1950 para uma volta no antigo Circuito da Gávea. Entre prédios modernos, favelas e praias, ele conserva até hoje o charme do traçado original

Links ExternosEditar