Codificação queer

A codificação queer (do inglês: queer coding) é a representação subtextual de um personagem queer na mídia cuja identidade não é explicitamente confirmada no cânone. Esse conceito se refere a um personagem que encapsula o que pode ser considerado "traços queer" (ou estranhos) reconhecíveis para o público, mas nunca são rotulados ou reivindicados pelo criador do conteúdo. A própria identificação de "características queer" (ou "estranhas") está constantemente em debate nas comunidades queer,[1] mas um exagero no comportamento masculino ou feminino parece estar na vanguarda. Esse conceito é especialmente útil na discussão do retrato da mídia sobre pessoas LGBT e a representação queer como um todo. A codificação queer pode aplicar-se tanto à singularidade queer (por vezes transliterada como ou queeridade) quanto à sexualidade e à narrativa queer, embora seja principalmente usada culturalmente para se aplicar à primeira. É um termo útil não apenas nas discussões sobre a representação LGBTQ+ na mídia, mas na condução de pesquisas acadêmicas envolvendo a teoria queer ou estudos de gênero.[2]

ImpactoEditar

A codificação queer é semelhante ao queerbaiting, pois ambas envolvem tons implícitos de queeridade, mas, diferentemente da conotação negativa de queerbaiting, a codificação queer é um tipo de neutralidade, ela pode ser subliminar ou subentendida. Dito isto, sua neutralidade não exclui seu impacto negativo, como a tendência de os vilões serem codificados estereotipadamente como opostos queers do herói masculino padrão. Alguns membros da comunidade queer argumentaram que a Walt Disney Company atribuiu características e comportamentos queer a personagens vilânicos ou antagônicos.[3] Muitos acreditam que Andreas Deja, um gay e animador de Scar e Jafar, os baseou em si mesmo. No entanto, Andreas realmente baseou Scar em seu dublador Jeremy Irons, em inglês, e na aparição de Jafar por Conrad Veidt, um ator famoso por seus papéis de vilão que era bissexual.[4][5] Jonathan Freeman, o dublador de Jafar, afirma que sua voz foi inspirada por Vincent Price e Boris Karloff, dois atores famosos por seus papéis vilões.[6]

Os críticos da cultura afirmaram que essa atribuição pode levar a uma associação negativa entre estranheza e comportamento imoral e licencioso.[7][8] Mesmo que os vilões não tenham sido retratados como "maus" por causa de sua queeritude, a associação entre características estranhas e figuras antiéticas permanece.

HistóriaEditar

A ideia de codificação queer implícita provavelmente decorre dos regulamentos estritos de como os personagens queer podiam ser retratados nos primeiros dias da produção de filmes. Em 1930, o Código Hays foi estabelecido como um padrão para o que era permitido mostrar na tela grande.[9] Segundo o código, não foi permitido aos filmes retratar assuntos "perversos", como a homossexualidade, o que inevitavelmente levou à representação de personagens queer não explícitos. A tendência da inclusão de caracteres queer de maneira sub-textual provavelmente se transformou em retratos modernos de caracteres queer. Comentários sobre o tratamento de personagens LGBT+ no filme são feitos no documentário The Celluloid Closet de 1995, e é um dos primeiros casos em que a ideia de codificação por queer é apresentada ao público.[10]

Ver tambémEditar

Referências

  1. Keywords for Media Studies. [S.l.]: NYU Press. 2017 
  2. «10 Queer-Coded, Gay Villains from Our Childhood». www.pride.com (em inglês). 5 de fevereiro de 2020. Consultado em 6 de julho de 2020 
  3. «Fabulously Fiendish: Disney Villains and Queer-Coding | Margins Magazine» (em inglês). Consultado em 6 de julho de 2020 
  4. Animator Andreas Deja: Disney artist on creating Scar for The Lion King(2 of 5), consultado em 6 de setembro de 2021 
  5. Deja, Andreas (30 de novembro de 2012). «Deja View: The Evolution of Jafar». Deja View. Consultado em 6 de setembro de 2021 
  6. Berman, Rachel (13 de outubro de 2015). «8 Things You Didn't Know About Aladdin». Oh My Disney (em inglês). Consultado em 6 de julho de 2020 
  7. «Queer-Coding and Horror Films». Control FOREVER (em inglês). Consultado em 6 de setembro de 2021 
  8. «10 Queer-Coded, Gay Villains from Our Childhood». www.pride.com (em inglês). 5 de fevereiro de 2020. Consultado em 6 de setembro de 2021 
  9. “Origins of the Code.” Hitchcock and the Censors, by JOHN BILLHEIMER, University Press of Kentucky, Lexington, Kentucky, 2019, pp. 9–23. JSTOR, www.jstor.org/stable/j.ctvfjcx5v.4.
  10. “Youth, Realism and Form.” Straight Girls and Queer Guys: The Hetero Media Gaze in Film and Television, by Christopher Pullen, Edinburgh University Press, Edinburgh, 2016, pp. 147–168. JSTOR, www.jstor.org/stable/10.3366/j.ctt1bgzbtn.12.