Conclave de 1303

Conclave de 1303
O Papa Bento XI
Data e localização
Pessoas-chave
Decano Giovanni Boccamazza
Camerlengo Teodorico Ranieri[1][2]
Protodiácono Matteo Orsini Rosso (ausente)[2][3]
Eleição
Eleito Papa Bento XI
(Nicola Boccasini)
Participantes 18 presentes[4]
Escrutínios 1
Cronologia
Conclave de 1294
Conclave de 1304–1305
Brasão papal de Sua Santidade o Papa Bento XI

O conclave papal ocorrido entre 21 a 22 de outubro de 1303 resultou na eleição do cardeal Nicola Boccasini como Papa Bento XI depois da morte do Papa Bonifácio VIII[3].

A morte de Bonifácio VIIIEditar

Papa Bonifácio VIII, durante seu pontificado, predicou a superioridade do espiritual sobre a autoridade secular, que era uma expressão da bula papal Unam Sanctam de 1302. As ideias proclamadas pelo Papa levaram a um grave conflito com o rei Filipe IV da França, cujo comportamento minaram o desejo do Papa de uma posição dominante na Europa. Felipe iniciou uma campanha de propaganda contra Bonifácio, acusando-o de heresia, simonia e várias transgressões morais. Em 7 de setembro de 1303, os agentes do rei sequestraram Bonifácio VIII em Anagni, o que foi um duro golpe para o prestígio da Santa Sé, além de ser um constrangimento para o Papa, já que um dos sequestradores, Sciarra Colonna, o esbofeteou publicamente. O rei da França pediu a abdicação do Papa, mas ele se negou e excomungou aos perpetradores do ataque. Depois de três dias, o Papa foi posto em liberdade e um mês depois (11 de outubro de 1303) faleceu.

Felipe IV contou com o apoio da poderosa família romana dos Colonna, que caíram em conflito com Bonifácio VIII. Como resultado do conflito os dois cardeais da família, (Giacomo e Pietro Colonna) foram excomungados e excluídos do Colégio Cardinalício.

Entre os aspectos positivos do pontificado de Bonifácio VIII, inclui a celebração pela primeira vez do ano jubilar de 1300, a publicação do direito canônico Liber Sextus e seu apoio à coroação do rei Premislau II da Polônia.

Cardeais eleitoresEditar

O Colégio dos cardeais em outubro de 1303 tinha uma distribuição de 18 cardeais, incluindo 15 italianos, 2 franceses e 1 espanhol.[3]

Cardeais presentesEditar

UIV = nomeado cardeal pelo Papa Urbano IV
HIV = nomeado cardeal pelo Papa Honório IV
NIV = nomeado cardeal pelo Papa Nicolau IV
CV = nomeado cardeal pelo Papa Celestino V
BVIII = nomeado cardeal pelo Papa Bonifácio VIII

Dos eleitores, 11 foram nomeados por Bonifácio VIII (1294-1303), 4 por Celestino V (1294) e 1 por Nicolau IV (1288-1292), Honório IV (1285-1287) e Urbano IV (1261-1264).

Devido à excomunhão aplicada em 1297, os cardeais Colonna foram excluídos da participação no conclave, já que não foram considerados como membros legítimos do Colégio cardinalício.

O conclaveEditar

O conclave teve início em 21 de outubro de 1303. Os cardeais se dividiram em partidários da política dura e inflexível contra a França de Bonifácio VIII e os pró-franceses, que culpavam ao Papa falecido de causar um conflito desnecessário com o rei. Apesar destas divisões, um acordo foi rapidamente alcançado. Já no segundo dia de deliberações, em 22 de outubro, foi eleito por unanimidade ao dominicano Nicola Boccasini, o cardeal-bispo de Ostia. Apesar de que era um colega leal e defensor de Bonifácio VIII (entre outros, se opôs abertamente ao sequestro em Anagni e acompanhou Bonifácio durante o cativeiro), também tinha a reputação de possuir um temperamento fraco e de ser conciliador, o que o converteu num candidato ideal para um compromisso. Cinco dias mais tarde a cerimônia de coroação foi celebrada na São Pedro do Vaticano.

O novo papa, apesar da boa vontade manifestada (entre outras coisas, eliminando a excomunnhão de Filipe IV e os cardeais Colonna), não poderia chegar a uma solução do conflito, que finalmente pôs fim às aspirações da Santa Sé para exercer a soberania sobre os reis de católicos do Ocidente.

Referências

Ligações externasEditar

BibliografiaEditar