Constantino Lips

Constantino Lips (em grego: Κωνσταντίνος Λίψ; m. 20 de agosto de 917) foi um aristocrata e almirante bizantino que viveu no final do século IX e começo do X. Foi morto em 917 na Batalha de Anquíalo contra a Bulgária. Ele é mais notável por sua fundação do convento que leva seu nome em Constantinopla. Constantino teve um filho, o patrício Bardas Lips, que estava envolvido em uma conspiração contra o imperador Romano II (r. 959–963) em 962. É também o último representante conhecido da família Lips.[1]

Constantino Lips
Morte 20 de agosto de 917
Nacionalidade Império Bizantino
Ocupação General

BiografiaEditar

 
Mesquita de Fenari Issa

Os fatos sobre a vida de Constantino são confusos e sujeitos a conjectura. Sabe-se que no tempo do imperador Leão VI, o Sábio (r. 886–912) restaurou um mosteiro próximo da Igreja dos Santos Apóstolos que hoje em dia é identificado como a Mesquita de Fenari Issa por conta de uma inscrição parcial comemorando a dedicação à Teótoco. A data da inauguração é tradicionalmente colocada em 907/908.[2][3] Ele também participou do fracassado golpe do proeminente general Constantino Ducas contra o infante Constantino VII (r. 913–959) em julho de 913, após a morte do irmão e sucessor de Leão, o imperador Alexandre (r. 912–913). Como resultado, vários nobres que tinha sido ou eram suspeitos de estarem envolvidos no golpe foram executados, enquanto outros fugiram da cidade, entre eles Constantino Lips.[4][5] Em 20 de agosto de 917, ele caiu na batalha de Anquíalo lutando contra as forças búlgaras de Simão I (r. 893–927).[6][7][8]

 
Fólis de Leão VI, o Sábio (r. 886–912)
 
Soldo de Constantino VII Porfirogênito (r. 913–959) e Romano II (r. 959–963)

É também equacionado por estudiosos modernos com duas outras pessoas chamadas Lips, cujas atividades se acredita terem sido erroneamente pós-datadas.[9] O primeiro é recordado pelo imperador Constantino Porfirogênito como tendo ostentado o título de protoespatário e o posto cortesão de doméstico do hipurgia (hypourgia; assistente chefe do mestre da mesa), depois (provavelmente na tentativa de golpe em 913) tornou-se patrício e grande heteriarca.[2][7] Ele também atuou em diversas ocasiões como emissário imperial à Gregório I, o governante do principado armênio de Taraunitis. Em sua primeira embaixada, retornou com Asócio III, o filho de Gregório, que foi recebido por Leão e nomeado protoespatário.[10]

Lips acompanhou Asócio de volta a seu pai e retornou com o irmão de Gregório, Apoganem, que também recebeu o título de protoespatário. Constantino o acompanhou em sua viagem de volta. Quando Apoganem retornou a Constantinopla anos depois, organizou-se seu casamento com a filha Constantino, mas o matrimônio nunca se concretizou pela morte do primeiro.[11] Em outra missão logo depois, Lips persuadiu o próprio Gregório a visitar a cidade, onde foi prodigamente recebido e adquiriu a dignidade suprema de magistro e o título de estratego de Taraunitis. Após uma estada prolongada, foi escoltado para seus domínios por Lips.[10]

O posterior Pátria de Constantinopla também refere-se a um Lips, patrício e drungário da Marinha bizantina, que estabeleceu um mosteiro e uma casa de hóspedes durante o reinado do imperador Constantino VII Porfirogênito, mas é impossível dizer com certeza se este é a mesma pessoa.[2][7] Constantino Lips teve um filho, o patrício Bardas Lips, que esteve envolvido em uma conspiração contra o imperador Romano II (r. 959–963) em 962. Ele é também o último membro representativo da família Lips.[1]

Referências

  1. a b Kazhdan 1991, p. 1233.
  2. a b c Kazhdan 1991, p. 1232-1233.
  3. Van Millingen 1912, p. 123-125; 131.
  4. Kazhdan 1991, p. 657.
  5. Van Millingen 1912, p. 126-127.
  6. Kazhdan 1991, p. 1232.
  7. a b c Guilland 1967, p. 189.
  8. Van Millingen 1912, p. 127.
  9. Whittow 1996, p. 232.
  10. a b Guilland 1967, p. 188.
  11. Lilie 2013, Apoganem (#20545).

BibliografiaEditar

  • Guilland, Rodolphe (1967). Recherches sur les Institutions Byzantines, Tome II. Berlim: Akademie-Verlag 
  • Kazhdan, Alexander Petrovich (1991). The Oxford Dictionary of Byzantium. Nova Iorque e Oxford: Oxford University Press. ISBN 0-19-504652-8 
  • Lilie, Ralph-Johannes; Ludwig, Claudia; Zielke, Beate et al. (2013). Prosopographie der mittelbyzantinischen Zeit Online. Berlim-Brandenburgische Akademie der Wissenschaften: Nach Vorarbeiten F. Winkelmanns erstellt 
  • Van Millingen, Alexander (1912). Byzantine Churches of Constantinople. Londres: MacMillan & Co 
  • Whittow, Mark (1996). The Making of Byzantium, 600–1025. Berkeley e Los Angeles: University of California Press. ISBN 0-520-20496-4