Abrir menu principal
A página está num processo de expansão ou reestruturação.
Esta página está em processo de expansão ou reestruturação durante um curto período.
Isso significa que o conteúdo está instável e pode conter erros que estão a ser corrigidos. Por isso, não convém editar desnecessariamente ou nomear para eliminação durante esse processo, para evitar conflito de edições; ao invés, exponha questionamentos na página de discussão. Caso a última edição tenha ocorrido há vários dias, retire esta marcação.
Recriação moderna em Puy du Fou

Corrida de bigas (em grego: ἁρματοδρομία; transl.: harmatodromía; em latim: ludi circenses) foi um dos mais populares esportes iranianos, gregos antigos, romanos e bizantinos. As corridas eram perigosas para os pilotos e cavalos, já que muitas vezes sofriam ferimentos graves e até a morte, mas esses perigos aumentavam a excitação e o interesse dos espectadores. Podiam ser vistas por mulheres que foram proibidas de assistir a muitos outros esportes. Na forma romana, as equipes representavam diferentes grupos de financiadores e às vezes competiam pelos serviços de motoristas particularmente habilidosos.

Como em esportes modernos, os espectadores geralmente optavam por apoiar um único time, identificando-se fortemente com suas fortunas, e a violência às vezes irrompe entre facções rivais. As rivalidades às vezes eram politizadas, quando as equipes se associavam a idéias sociais ou religiosas concorrentes. Isso ajuda a explicar por que imperadores romanos e bizantinos tomaram o controle das equipes e nomearam muitos funcionários para supervisioná-los. O esporte perdeu importância no Ocidente após a queda de Roma. Sobreviveu por um tempo no Império Bizantino, onde as facções romanas tradicionais continuaram a desempenhar papel proeminente durante vários séculos, ganhando influência em questões políticas. Sua rivalidade culminou na Revolta de Nica, que causou o declínio gradual do esporte.

Índice

HistóriaEditar

Grécia AntigaEditar

Primeiras corridasEditar

Não se sabe exatamente quando as corridas de bigas começaram, mas pode ter sido tão antigo quanto os próprios carros. Sabe-se da evidência artística na cerâmica que o esporte existiu no mundo micênico,[a] mas a primeira referência literária a uma corrida de carro é descrita por Homero, nos jogos fúnebres de Pátroclo.[1] Os participantes desta corrida foram Diomedes, Eumelo, Antíloco, Menelau e Meríones. A corrida, que foi uma volta ao redor do tronco de uma árvore, foi vencida por Diomedes, que recebeu uma escrava e um caldeirão como prêmio. Também se diz que Uma corrida de carros foi o evento que fundou os Jogos Olímpicos; segundo uma lenda, mencionada por Píndaro, o rei Enomau desafiou os pretendentes de sua filha Hipodâmia para uma corrida, mas foi derrotado por Pélope, que fundou os jogos em homenagem a sua vitória.[2]

Jogos OlímpicosEditar

 
Corrida de bigas numa hídria de figuras negras da Ática. Ca. 510 a.C.. Museu do Louvre

Nos Jogos Olímpicos, assim como nos outros jogos Pan-helênicos, havia corridas de bigas de quatro cavalos (tetraippon, grego: τέθριππον) e dois-cavalo (sináiora, grego: συνωρὶς), que eram essencialmente as mesmas, exceto o número de cavalos.[b] O evento de corrida de bigas foi adicionado pela primeira vez às Olimpíadas em 680 a.C., com os jogos expandindo de um dia para dois dias para acomodar o novo evento (mas não era, na realidade, o evento fundador).[3][4] A corrida de bigas não era tão prestigiada quanto a corrida a pé de 195 metros (stadion, Greek: στάδιον), mas era mais importante do que outros eventos equestres, como corridas a cavalo, que foram retiradas dos Jogos Olímpicos muito cedo.[5]

As corridas foram realizadas no hipódromo, que realizou corridas de bigas e de equitação. A corrida de um cavalo era conhecida como queles (keles, grego: κέλης).[c] O hipódromo ficava no canto sudeste do santuário de Olímpia, na grande área plana ao sul do estádio e corria quase paralelo a este último. Até há pouco tempo, a sua localização exata era desconhecida, já que está enterrado por vários metros de material sedimentar do rio Alfeu. Em 2008, no entanto, Annie Muller e a equipe do Instituto Arqueológico Alemão usaram o radar para localizar uma estrutura grande e retangular semelhante à descrição de Pausânias. Pausânias, que visitou Olímpia no século II, descreve o monumento como um espaço grande, alongado e plano, com aproximadamente 780 metros de comprimento e 320 metros de largura (quatro estádios de comprimento e um estádio e quatro pletros de largura). O hipódromo alongado foi dividido longitudinalmente em duas faixas por uma barreira de pedra ou madeira, o êmbolo. Todos os cavalos ou carruagens corriam numa pista para o leste, depois viraram o êmbolo e voltaram para o oeste. As distâncias variaram de acordo com o evento. O hipódromo era cercado por bancos naturais (para o norte) e artificiais (para o sul e leste) para os espectadores; um lugar especial foi reservado para os juízes no lado oeste da margem norte.[6]

A corrida foi iniciada por uma procissão no hipódromo, enquanto um arauto anunciou os nomes dos condutores e proprietários. A tétrepo consistia em doze voltas ao redor do hipódromo,[7] com curvas acentuadas em torno dos postes em cada extremidade. Vários dispositivos mecânicos foram usados, incluindo os portões de partida (hyspleges, grego: ὕσπληγγες; singular: hysplex, grego: ὕσπληγξ) que foram rebaixados para iniciar a corrida.[8] De acordo com Pausânias, foram inventados pelo arquiteto Cleoitas, e cambalearam para que os carros do lado de fora começassem a corrida mais cedo do que os do lado de dentro. A corrida não começou propriamente até que o portão final fosse aberto, ponto em que cada carro seria mais ou menos alinhado ao lado do outro, embora os que começaram do lado de fora estivessem viajando mais rápido que os do meio. Outros dispositivos mecânicos conhecidos como "águia" e "golfinho" foram levantados para significar que a corrida havia começado e eram rebaixados à medida que a corrida passou a significar o número de voltas restantes. Estas eram provavelmente esculturas em bronze desses animais, colocadas em postes na linha de partida.[9]

Na maioria dos casos, o proprietário e o condutor da carruagem eram pessoas diferentes. Em 416 a.C., o general ateniense Alcibíades tinha sete carruagens na corrida e chegou em primeiro, segundo e quarto lugares; obviamente, não poderia ter corrido todos os sete carros ele mesmo.[10] Filipe II da Macedônia também venceu uma corrida de bigas olímpicas numa tentativa de provar que não era um bárbaro.[11] O poeta Píndaro, no entanto, louvou a coragem de Heródotes de Tebas por dirigir sua própria carruagem.[12] Esta regra também significava que as mulheres poderiam ganhar a corrida através da propriedade, apesar do fato de que não podiam participar ou mesmo assistir aos jogos.[3] Isso aconteceu raramente, mas um exemplo notável é a espartana Cinisca, filha de Arquídamo II, que venceu a corrida de bigas duas vezes.[13] As corridas de bigas eram uma maneira de os gregos demonstrarem sua prosperidade nos jogos. O caso de Alcibíades indica também que as corridas de biga eram uma rota alternativa para a exposição pública e fama para os ricos.[14]

O cocheiro era geralmente um membro da família do dono da carruagem ou, na maioria dos casos, um escravo ou um profissional contratado.[4] Dirigir uma carruagem de corrida exigia força, habilidade e coragem incomuns. No entanto, se sabe os nomes de muito poucos cocheiros,[d] e canções de vitória e estátuas regularmente deixam-os de fora.[15] Ao contrário dos outros eventos olímpicos, os cocheiros não se apresentavam nus, provavelmente por razões de segurança, devido à poeira levantada pelos cavalos e carruagens e à probabilidade de acidentes sangrentos. Os pilotos usavam uma roupa de manga chamada xistis que caia sobre os tornozelos e era amarrada na altura da cintura com um cinto simples. Duas tiras que cruzaram alto na parte superior das costas impediram que o xistis "inflasse" durante a corrida.[16]

Os próprios carros eram carros de guerra modificados, essencialmente carrinhos de madeira com duas rodas e uma traseira aberta,[17] embora as carruagens já não fossem mais usadas em batalha. Os pés do cocheiro estavam presos no lugar, mas o carrinho repousava no eixo, pois o passeio estava acidentado. A parte mais excitante da corrida de bigas, pelo menos para os espectadores, foram as curvas nas extremidades do hipódromo. Essas curvas eram muito perigosas e muitas vezes mortais. Se uma carruagem ainda não tivesse sido derrubada por um oponente antes da volta, poderia ser derrubada ou esmagada (junto com os cavalos e o motorista) pelos outros carros enquanto passavam pelo poste. Correr deliberadamente contra um oponente para derrubá-lo era tecnicamente ilegal, mas nada poderia ser feito a respeito; por exemplo, nos jogos fúnebres de Pátroclo, Antíloco de fato faz com que Menelau caia dessa maneira.[18]

Outros festivaisEditar

Como resultado da ascensão das cidades gregas na Época Clássica, outros grandes festivais surgiram na Ásia Menor, na Magna Grécia e no continente proporcionando a oportunidade para os atletas ganharem fama e riquezas. Além dos Jogos Olímpicos, os mais respeitados foram os Jogos Ístmicos em Corinto, os Jogos Nemeanos, os Jogos Píticos em Delfos e os Jogos Panatenaicos em Atenas, onde o vencedor da corrida de bigas recebeu 140 ânforas de azeite (muito procurado e precioso nos tempos antigos). Os prêmios em outras competições incluíam cereais em Elêusis, escudos de bronze em Argos e embarcações de prata em Maratona.[e] Outra forma de corrida de carros nos Jogos Panatenaicos era conhecida como apóbatas, na qual o competidor usava armadura e periodicamente pulava de um carruagem em movimento e corria ao lado dela antes de pular de volta.[19] Nestas corridas, havia um segundo cocheiro (um "titular") enquanto os apóbatos pulavam para fora; nos catálogos com os vencedores, mencionam-se os nomes dos apóbatos e do segurador das rédeas.[20] Imagens deste concurso mostram guerreiros, armados com capacetes e escudos, empoleirados nas costas de seus carros de corrida.[21] Alguns estudiosos acreditam que o evento preservou as tradições da guerra homérica.[22]

Roma AntigaEditar

 Ver artigo principal: Equírria
 
Plano do Circo Máximo
 
Baixo relevo de uma quadriga no Circo Máximo (século II-III)

Os romanos provavelmente incorporaram as corridas de biga dos etruscos, bem como as pistas de corrida, que eles próprios incorporaram dos gregos, mas os romanos também foram influenciados diretamente pelos gregos.[23][24][e] De acordo com a lenda romana, a corrida de bigas foi usada por Rômulo logo depois que fundou Roma em 753 a.C., como uma forma de distrair os homens sabinos. Rômulo enviou convites às cidades vizinhas para celebrar o festival do Consuália, que incluía corridas de cavalos e corridas de bigas. Enquanto os sabinos estavam aproveitando o espetáculo, Rômulo e seus homens se apoderaram e levaram as mulheres sabinas, que se tornaram esposas dos romanos.[25][26] As corridas de bigas faziam parte de vários festivais religiosos romanos, e nessas ocasiões eram precedidas por um desfile (pompa circense) que mostrava os cocheiros, música, dançarinos fantasiados e imagens dos deuses. Embora o valor de entretenimento das corridas tendesse a ofuscar qualquer propósito sagrado, na Antiguidade Tardia, os padres da Igreja ainda os viam como uma prática "pagã" tradicional e aconselhavam os cristãos a não participar.[27]

Na Roma Antiga, as corridas geralmente aconteciam num circo.[28] O principal centro de corridas era o Circo Máximo no vale entre o monte Palatino e o monte Aventino,[f] que podia acomodar 250 000 pessoas.[25] Foi o primeiro circo da cidade de Roma.[27] O circo supostamente datava dos primeiros tempos da cidade, mas Júlio César o reconstruiu por volta de 50 a.C., com comprimento e largura de cerca de 650 metros e 125 metros, respectivamente.[29] Uma das extremidades da pista era mais aberta que a outra, pois era ali que os bigas faziam fila para começar a corrida. Os romanos usavam uma série de portões conhecidos como cárceres, equivalentes ao hísplex grego. Estes eram cambaleantes como o hísplex, mas de uma maneira um pouco diferente, já que o centro das pistas de corrida romanas também incluía medianas (as espinhas).[30] Os cárceres tomaram o fim angulado da pista,[31] onde - antes de uma corrida - as bigas eram carregadas por trás de portões com mola. Tipicamente, quando as bigas estavam prontas, o imperador (ou quem era anfitrião das corridas, se fora de Roma) derrubava um pano conhecido como mapa, sinalizando o início da corrida.[32] Os portões se abririam ao mesmo tempo, permitindo um começo justo para todos os participantes.[carece de fontes?]

NotasEditar

[a] ^ Alguns fragmentos de cerâmica mostram dois ou mais carros, obviamente no meio de uma corrida. Bennett afirma que esta é uma indicação clara de que as corridas de bigas existiam como esporte desde o século XIII a.C.. Corridas de bigas também são representadas em vasos geométricos tardios.[2]
[b] ^ Sínoris sucedeu o tétripo em 384 a.C., mas o último foi reintroduzido em 268 a.C..[4]
[c] ^ Pouco se sabe sobre a construção dos hipódromos antes do período romano.[33]
[d] ^ Um deles é Carroto, que é elogiado por Píndaro por manter sua carruagem ilesa (Píndaro. Pítias, 5.25-5.53). Ao contrário da maioria dos cocheiros, Carroto era amigo e cunhado do homem por quem dirigia, Arcesilau de Cirene; assim, seu sucesso confirmou o sucesso do modo aristocrático tradicional de organização da sociedade[34]
[d] ^ Os atletas que retornavam também ganhavam vários benefícios em suas cidades nativas, como isenções de impostos, roupas e refeições gratuitas e até mesmo prêmios em dinheiro.[2]
[e] ^ En Roma, a corrida de bigas constituiu um dos dois tipos de jogos públicos, os ludos circenses. O outro tipo, os ludos escênicos, consistiam sobretudo em apresentações teatrais.[35][36]
[f] ^ Havia muitos outros circos em todo o Império Romano. O Circo de Maxêncio, outro grande circo, foi construído no início do século IV a.C., perto de Roma, perto da Via Ápia. Houve grandes circos em Alexandria e Antioquia, e Herodes, o Grande construiu quatro circos na Judeia. Arqueólogos que trabalham num complexo habitacional em Essex desenterraram o que acreditam ser a primeira arena romana de corridas de bigas a ser encontrada na Grã-Bretanha.[37]

Referências

  1. Homero século VIII a.C., 23.257–23.652..
  2. a b c Bennett 1997, p. 41–48.
  3. a b Polidoro 1996, p. 41–46.
  4. a b c Valettas 1955, p. 613.
  5. Adkins 1998a, p. 350, 420.
  6. Vikatou 2007.
  7. Adkins 1998a, p. 420.
  8. Golden 2004, p. 86.
  9. Pausânias século II, 6.20.13.
  10. Tucídides século V a.C., 6.16.2.
  11. Danien 1990, p. 67.
  12. Píndaro século V a.C., 1.1.
  13. Golden 2004, p. 46.
  14. Kyle 2007, p. 172.
  15. Golden 2004, p. 34.
  16. Adkins 1998a, p. 416.
  17. Valettas 1955, p. 614.
  18. Gagarin 1983, p. 35–39.
  19. Camp 1998, p. 40.
  20. Apobates 1955.
  21. Neils 2003, p. 25.
  22. Kyle 1993, p. 189.
  23. Golden 2004, p. 35.
  24. Harris 1972, p. 185.
  25. a b Boatwright 2004, p. 383.
  26. Scullard 1981, p. 177–178.
  27. a b Beard 1998, p. 262.
  28. Adkins 1998b, p. 141–142.
  29. Kyle 2007, p. 305.
  30. Kyle 2007, p. 306.
  31. Balsdon 1974, p. 314–319.
  32. Harris 1972, p. 215.
  33. Adkins 1998a, p. 218-219.
  34. Dougherty 2003, p. 116.
  35. Balsdon 1974, p. 248.
  36. Mus 2001–2011.
  37. Prudames 2005.

BibliografiaEditar

Fontes primáriasEditar

  • Píndaro (século V a.C.). Odes Ístmicas 

Fontes secundáriasEditar

  • Adkins, Lesley; Adkins, Roy A. (1998a). Handbook to Life in Ancient Greece. Nova Iorque e Oxônia: Oxford University Press. ISBN 0-19-512491-X 
  • «Apobates». Encyclopedia "The Helios". III. Atenas. 1955 
  • Bennett, Dirk (1997). «Chariot Racing in the Ancient World». History Today. 47 (12): 41–48 
  • Camp, John Mck (1998). Horses and Horsemanship in the Athenian Agora. Princeton, NJ: Escola Americana de Estudos Clássicos em Atenas. ISBN 0-87661-639-2 
  • Danien, Elin C. (1990). The World of Philip and Alexander: A Symposium on Greek Life and Times. Filadélfia: Museu de Arqueologia e Antropologia da Universidade da Pensilvânia 
  • Dougherty, Carol; Kurke, Leslie (2003). The Cultures Within Ancient Greek Culture: Contact, Conflict, Collaboration. Cambrígia: Imprensa da Universidade de Cambrígia. ISBN 0-521-81566-5 
  • Gagarin, Michael (1983). «Antilochus' Strategy: The Chariot Race in Iliad 23». Chicago: Imprensa da Universidade de Chicago. Classical Philology. 78 (1): 35–39. doi:10.1086/366744 
  • Golden, Mark (2004). Sport in the Ancient World from A to Z. Nova Iorque: Routledge. ISBN 0-415-24881-7 
  • Kyle, Donald G. (2007). Sport and Spectacle in the Ancient World. Malden, MA e Oxônia, RU: Blackwell Publishing Limited. ISBN 0-631-22971-X 
  • Kyle, Donald G. (1993) [1987]. Athletics in Ancient Athens. Leida: Brill. ISBN 90-04-09759-7 
  • Neils, Jenifer; Tracy, Stephen V. (2003). Games at Athens. Atenas: Escola Americana de Estudos Clássicos em Atenas. ISBN 0-87661-641-4 
  • Polidoro, J.; Richard; Simri, Uriel (1996). «The Games of 676 BC: A Visit to the Centenary of the Ancient Olympic Games». Aliança Americana à Saúde, Educação Física, Recreação e Dança. The Journal of Physical Education, Recreation & Dance. 67 (5): 41–46 
  • Valettas, G. M.; Ioannis, Passas (1955). «Chariot Racing». Encyclopedia "The Helios". III. Atenas