Abrir menu principal
Disambig grey.svg Nota: Se procura pelo rei da Trácia, dono das éguas capturadas por Hercules, veja Diómedes da Trácia. Se procura as ilhas localizadas no estreito de Bering, veja ilhas Diomedes.
Question book-4.svg
Esta página ou secção cita fontes confiáveis e independentes, mas que não cobrem todo o conteúdo, o que compromete a verificabilidade (desde novembro de 2010). Por favor, insira mais referências no texto. Material sem fontes poderá ser removido.
Encontre fontes: Google (notícias, livros e acadêmico)
Diomedes
Progenitores Mãe:Deipile
Pai:Tideu
Atena aconselhando Diomedes pouco antes deste entrar na batalha
Escultura de Albert Wolff, 1853

Diomedes (em grego antigo: Διομήδης; Transliteração Diomēdēs; trad. "astúcia divina" ou "aconselhado por Zeus") era príncipe de Argos antes e depois do reinado de Agamenon (por ser o único herói da cidade-Estado, recebeu o título de príncipe) e o mais valente herói grego na Guerra de Troia, somente depois de Aquiles. Foi ajudado por Atena, feriu a deusa Afrodite e também o deus Ares que reclama a Zeus sobre a ousadia de Diomedes.

Ele era filho de Tideu com Deipile, uma das filhas de Adrasto, rei de Argos[1]. Diomedes foi um dos epígonos[2].

Foi também um dos prentedentes de Helena[3] e é companheiro usual de Odisseu. São os dois que matam Dolon, um espião troiano.

Ao voltar a Argos, Egialeia, sua mulher, o trai aprontado várias armadilhas na tentativa de matá-lo, ele foge então para a corte do rei Dauno, em que o anfitrião dá mão de sua filha em casamento a Diomedes. [carece de fontes?]

Na versão de Ovídio, Diomedes, na Itália, se casou com a filha do rei Dauno[4]. Quando Venulus, companheiro de Eneias, pediu ajuda em homens, Diomedes negou, justificando com a história de que seus homens haviam sido transformados em aves[5].

Na história, contada por Diomedes para Venulus, ele, como os demais gregos, não teve um retorno fácil para sua cidade natal Argos, e chegou seguro com a ajuda de Minerva, mas Vênus resolveu vingar-se dele, por ele tê-la ferido, e ele, com seus companheiros, partiu de Argos[5]. Durante a viagem, seus companheiros reclamaram da deusa e a desafiaram, dizendo que ela não podia mais fazer nada contra eles, mas eles foram transformados em aves[4].

Referências

  1. Pseudo-Apolodoro, Biblioteca, 1.8.5
  2. Pseudo-Apolodoro, Biblioteca, 3.7.2
  3. Pseudo-Apolodoro, Biblioteca, 3.10.8
  4. a b Ovídio, Metamorfoses, Livro XIV, 483-511, Os seguidores de Diomedes transformados
  5. a b Ovídio, Metamorfoses, Livro XIV, 460-482, Os seguidores de Diomedes transformados