Abrir menu principal
Cristóvão Clávio
Nascimento 25 de março de 1538
Bamberg
Morte 2 de fevereiro de 1612 (73 anos)
Roma, Itália
Nacionalidade Alemão

Cristóvão Clávio (Bamberg, 25 de março de 1538Roma, 2 de fevereiro de 1612) foi um sábio e matemático jesuíta alemão. Seu nome é grafado de diversas maneiras: Christoph Clau, Christopher Clau, Christophorus Clavius ou Christopher Clavius.

Índice

BiografiaEditar

Clávio estudou no colégio dos jesuítas em Coimbra, entre 1556 e 1560, atraído certamente pela fama do filósofo Pedro da Fonseca.

Pode admitir-se que nesses anos tenha conhecido Pedro Nunes, mas é seguro afirmar-se que nunca foi seu discípulo.

Foi um dos maiores responsáveis pela difusão da obra de Pedro Nunes na Europa.

Como admirador incondicional do matemático português, Clávio cita-o em várias das suas obras, sempre em termos elogiosos. Para o jesuíta alemão, Nunes foi "summo ingenio", "geometriae scientissimus", "nullo hac nostra aetate in Mathematicis inferior" [inferior a nenhum outro em matemática no nosso tempo].

Enquanto chefe de fila dos matemáticos jesuítas, a admiração de Clávio por Pedro Nunes transmitiu-se também aos discípulos do jesuíta, entrando assim nos colégios e na abundante produção científica da Companhia de Jesus.

ObraEditar

 
In Sphaeram Ioannis de Sacro Bosco commentarius, 1585

Clávio deixou uma abundante produção matemática. Escreveu sobre um leque de temas muito amplo, em obras que foram editadas várias vezes :

Enquanto matemático, redigiu, em 1574, uma versão latina dos Elementos de Euclides, que incluiu muitos elementos resultates das suas pesquisas. Esta versão ficou a ser uma versão de base para todos os matemáticos do Renascimento, como Descartes e Leibniz.

Clávio foi o autor de um livro de Álgebra (Roma, 1608), onde foram introduzidos pela primeira vez em Itália os símbolos « + » et « - ». Foi igualmente o primeiro a utilizar o ponto decimal.

Adversário de Nicolau Copérnico, Clávio teve grande importância na reforma do calendário gregoriano, o que fez dele o inimigo de vários matemáticos, como François Viète. Este último, numa série de satiras como o Adversus C. Clavium expostulatio, acusou Clávio de se ter enganado a propósito do significado do trabalho de seu antecessor junto do papa Gregório XIII, o matemático Aloysius Lilius.

Clavius foi chamado o Euclides do século XVI. O seu nome foi dado à cratera Clavius, a segunda maior da face visível da lua.

Obras do padre ClávioEditar

 
Refutatio Cyclometriae Iosephi Scaligeri
  • Explicação do calendário gregoriano (Roma, 1603)
  • Comentários sobre Euclides, 1574.
  • Tratado de Gnomonica, 1581.

BibliografiaEditar

  • Sabine Rommevaux, Clavius, une clé pour Euclide au XVI ème siècle. Paris, J. Vrin, 2005. (Mathesis). ISBN 2-7116-1787-4.
  • Pierre Thuillier, Les Jésuites ont-ils été des pionniers de la science? (1988), in D'Archimède à Einstein, Livre de Poche, coll. Biblio-Essais n°4237. ISBN 2-253-94237-5

Fonte parcialEditar

  • Bouillet note
  • Bibliotéca Nacional de Portugal

Ver tambémEditar

Ligações externasEditar