Abrir menu principal

Açafrão-da-terra

Planta herbácea
(Redirecionado de Curcuma longa)
Text document with red question mark.svg
Este artigo ou secção contém fontes no fim do texto, mas que não são citadas no corpo do artigo, o que compromete a confiabilidade das informações (desde novembro de 2011). Ajude a melhorar este artigo inserindo fontes.
Como ler uma infocaixa de taxonomiaAçafrão-da-terra
Curcuma longa
Curcuma longa
Classificação científica
Reino: Plantae
Divisão: Magnoliophyta
Classe: Liliopsida
Subclasse: Zingiberidae
Ordem: Zingiberales
Família: Zingiberaceae
Género: Curcuma
Espécie: C. longa
Nome binomial
Curcuma longa
Linnaeus

O açafrão-da-terra (Curcuma longa), conhecido também como cúrcuma, turmérico, raiz-de-sol, açafrão-da-índia, açafroa e gengibre amarelo, é uma planta herbácea da família do gengibre (Zingiberaceae), originária da Ásia (Índia e Indonésia). Da sua raiz seca e moída se obtém uma especiaria homónima, utilizada como condimento ou corante de cor amarela e brilhante, na culinária e no preparo de medicamentos.

Não deve ser confundido com a especiaria extraída das flores de Crocus sativus, chamada somente de açafrão.

Índice

EtimologiaEditar

O nome cúrcuma provém do sânscrito kuṅkuma, através do árabe كركم, curcum ou do hebraico כרכֹם carcom. A palavra turmérico, por sua vez, tem seu primeiro registro no século XVI, oriunda do latim terra meritare, ou "terra meritória".[1]

PropriedadesEditar

É uma planta perene com ramificações laterais compridas. A parte utilizada da planta é o rizoma (caule parcialmente ou totalmente subterrâneo, horizontal, com reservas, capaz de formar raízes, folhas e flores/fruto), que externamente apresenta uma coloração esbranquiçada ou acinzentada e internamente amarelada. Do rizoma saem as folhas e as hastes florais. Reproduz-se por pedaços do rizomas que apresentam gemas (olhos) com plantio em solo argiloso, fértil e de fácil drenagem. Depois da planta adaptada ao local, alastra-se, pois o rizoma principal emite numerosos rizomas laterais. É uma planta difícil de ser destruída. A colheita deve ocorrer na época em que a planta perde a parte aérea, depois da floração. Nesta fase, os rizomas apresentam pigmentos amarelos intensos.

Usos na culináriaEditar

Sua característica principal é a forte cor amarela que transfere aos alimentos. Usado para colorir laticínios, bebidas e mostarda, em cozidos, sopas, ensopados, molhos, peixes, pratos à base de feijão, receitas com ovos, maioneses, massas, frango, batatas, couve-flor e até pães. Deve ser dissolvido em um caldo quente antes de ser incorporado a uma receita. É ingrediente essencial para acentuar o sabor e dar cor a muitos pratos da cozinha indiana, principalmente arroz.

É um dos componentes do tempero pó de caril, típico das culinárias do sul da Ásia e indo-portuguesa.

Propriedades medicinaisEditar

Possui o composto ativo curcumina, que, juntamente com outros curcuminóides, têm sido estudado pela medicina para a prevenção e o tratamento de diversas condições médicas.[2] Porém, a qualidade de muitos estudos e da interpretação dos resultados têm sido contestados.[3]

Os potenciais benefícios alegados incluem: atividade anti-inflamatória;[4] ação antioxidante;[5] redução do nível de glicose no sangue em pacientes com diabetes;[6] redução de fatores de risco associados a doenças cardiovasculares;[7] tratamento do mal de Alzheimer;[8] e prevenção de câncer.[9]

Apesar dos potenciais benefícios para a saúde, a curcumina é mal absorvida pelo trato gastrointestinal, sendo quase totalmente excretada nas fezes; portanto o consumo por via oral produz apenas traços da substância no sangue.[10]

BibliografiaEditar

  • Joaquim de Almeida Pinto. Diccionario de botanica brasileira. 1873.

ReferenciasEditar

  1. Littré. «Dictionnaire de la langue française (Littré)» (em francês). Consultado em 15 de Agosto de 2018 
  2. Pagano, Ester; Romano, Barbara; Izzo, Angelo A.; Borrelli, Francesca (agosto de 2018). «The clinical efficacy of curcumin-containing nutraceuticals: An overview of systematic reviews». Pharmacological Research. 134: 79–91. ISSN 1043-6618. doi:10.1016/j.phrs.2018.06.007 
  3. Nelson, Kathryn M.; Dahlin, Jayme L.; Bisson, Jonathan; Graham, James; Pauli, Guido F.; Walters, Michael A. (11 de janeiro de 2017). «The Essential Medicinal Chemistry of Curcumin». Journal of Medicinal Chemistry (em inglês). 60 (5): 1620–1637. ISSN 0022-2623. PMC PMC5346970  Verifique |pmc= (ajuda). PMID 28074653. doi:10.1021/acs.jmedchem.6b00975 
  4. Sahebkar, Amirhossein; Cicero, Arrigo F.G.; Simental-Mendía, Luis E.; Aggarwal, Bharat B.; Gupta, Subash C. (maio de 2016). «Curcumin downregulates human tumor necrosis factor-α levels: A systematic review and meta-analysis ofrandomized controlled trials». Pharmacological Research. 107: 234–242. ISSN 1043-6618. doi:10.1016/j.phrs.2016.03.026 
  5. Panahi, Yunes; Hosseini, Mahboobeh Sadat; Khalili, Nahid; Naimi, Effat; Majeed, Muhammed; Sahebkar, Amirhossein (dezembro de 2015). «Antioxidant and anti-inflammatory effects of curcuminoid-piperine combination in subjects with metabolic syndrome: A randomized controlled trial and an updated meta-analysis». Clinical Nutrition. 34 (6): 1101–1108. ISSN 0261-5614. doi:10.1016/j.clnu.2014.12.019 
  6. Melo, Ingrid Sofia Vieira de; Santos, Aldenir Feitosa dos; Bueno, Nassib Bezerra (fevereiro de 2018). «Curcumin or combined curcuminoids are effective in lowering the fasting blood glucose concentrations of individuals with dysglycemia: Systematic review and meta-analysis of randomized controlled trials». Pharmacological Research. 128: 137–144. ISSN 1043-6618. doi:10.1016/j.phrs.2017.09.010 
  7. Qin, Si; Huang, Lifan; Gong, Jiaojiao; Shen, Shasha; Huang, Juan; Ren, Hong; Hu, Huaidong (11 de outubro de 2017). «Efficacy and safety of turmeric and curcumin in lowering blood lipid levels in patients with cardiovascular risk factors: a meta-analysis of randomized controlled trials». Nutrition Journal (em inglês). 16 (1). ISSN 1475-2891. PMC PMC5637251  Verifique |pmc= (ajuda). PMID 29020971. doi:10.1186/s12937-017-0293-y 
  8. Mishra, Shrikant; Palanivelu, Kalpana (2008). «The effect of curcumin (turmeric) onAlzheimer′s disease: An overview». Annals of Indian Academy of Neurology (em inglês). 11 (1). 13 páginas. ISSN 0972-2327. PMC PMC2781139  Verifique |pmc= (ajuda). PMID 19966973. doi:10.4103/0972-2327.40220 
  9. Youssef, Khairia M.; El-Sherbeny, Magda A. (maio de 2005). «Synthesis and Antitumor Activity of Some Curcumin Analogs». Archiv der Pharmazie (em inglês). 338 (4): 181–189. ISSN 0365-6233. doi:10.1002/ardp.200400939 
  10. Ammon, Hermann; Wahl, Martin (fevereiro de 1991). «Pharmacology ofCurcuma longa». Planta Medica (em inglês). 57 (01): 1–7. ISSN 0032-0943. doi:10.1055/s-2006-960004 

Ligações externasEditar

  Este artigo sobre monocotiledóneas, integrado no Projeto Plantas é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.