Debian

sistema operacional contendo software livre e grátis criado por Ian Murdock

Debian ( /ˈdɛbiən/),[3][4] também conhecido como Debian GNU/Linux,[5] é uma distribuição Linux feita de software livre e de código aberto e software proprietário[6][7] desenvolvida e mantida oficialmente pelo Projeto Debian, estabelecido por Ian Murdock em 16 de agosto de 1993.[8] Sua primeira versão (0.01) foi lançada em 15 de setembro de 1993,[9] com sua primeira versão estável (1.1) lançada em 17 de junho de 1996.[10]

Debian
Logotipo

Captura de tela
Debian 12.0 com GNOME 43.4
Desenvolvedor Projeto Debian e outros
Arquiteturas alpha arm hppa ia64 loongson m68k mips ppc ppc64 s390 s390x sh sparc32 sparc64 x86 x86-64
Modelo do desenvolvimento Software Livre
Lançado em 16 de agosto de 1993 (30 anos)
Versão estável 12 (Bookworm) / 10 de junho de 2023; há 8 meses[1]
Versão em teste 13 (Trixie) /
Língua natural 76 idiomas[2]
Mercado-alvo Propósito geral
Família Unix-like
Núcleo Linux e Hurd
Método de atualização APT
Gerenciamento de pacotes dpkg
Interface GNOME, Cinnamon , KDE, LXDE, MATE, Xfce e outros.
Licença GNU GPL / Outras seguindo DFSG
Estado do desenvolvimento Corrente
Website www.debian.org
Posição no Distrowatch (em inglês, em castelhano, em francês, em alemão, em tcheco/checo, em japonês e em chinês).
Origem comum  Terra
Portal do Software Livre

a ramificação Debian Stable é a edição mais popular para computadores pessoais e servidores. O Debian Stable procura sempre manter os pacotes mais estáveis, e sendo assim, o Gnome e KDE, por exemplo, são mantidos em versões mais antigas do que muitas outras distribuições GNU/Linux usam por padrão. O fato dele conter pacotes mais antigos garante maior estabilidade e faz com que ele seja muito usado para servidores, bem como por usuários que desejam estabilidade em estações de trabalho ou desktops domésticos. O Debian também é a base de muitas outras distribuições que servem para diferentes propósitos, como o Proxmox para servidores, Ubuntu e Linux Mint para desktops, Kali para testes de penetração e Pardus e Astra para uso governamental.

O Debian é um dos sistemas operacionais mais antigos baseados em Linux kernel, e em setembro de 2023, era a segunda distribuição Linux mais antiga ainda em desenvolvimento, perdendo apenas para o Slackware. O projeto é coordenado pela internet por um time de voluntários guiados pelo Líder de Projeto Debian e três documentos fundamentais: o Contrato Social Debian, a Constituição Debian e a Definição Debian de Software Livre. As novas distribuições são atualizadas continuamente, e elas são selecionadas após um período de congelamento.

O projeto recebe, ainda, apoio de outros indivíduos e organizações de todo o mundo. O grupo distribui núcleos Unix-like, como o Debian GNU/kFreeBSD e o Debian GNU/Hurd. O Debian é especialmente conhecido pelo seu sistema de gestão de pacotes, chamado APT, que permite atualizações relativamente fáceis a partir de versões anteriores, a instalação quase sem esforço de novos pacotes e a remoção limpa de pacotes antigos. O projeto Debian é mantido por meio de doações à organização sem fins lucrativos Software in the Public Interest (SPI).

Desde seu início até 2022,[6][7] o Debian foi desenvolvido abertamente e distribuido sem nenum custo, de acordo com alguns dos princípios do Projeto GNU. Por isso, o projeto recebeu financiamento da Free Software Foundation de novembro de 1994 até novembro de 1995.[11] Em 16 de julho de 1997, o Projeto Debian fundou a organização sem fins lucrativos Software in the Public Interest para continuar financiando seu desenvolvimento.

História editar

Histórico de versões do Debian editar

 Ver artigo principal: Histórico de versões do Debian

Os codinomes das distribuições Debian são baseados nos nomes de personagens da franquia de filmes Toy Story. O ramo instável do Debian é apelidado de Sid, um personagem que sempre destruia seus brinquedos.[12]

Desenvolvimento (1993–1998) editar

O Debian foi criado por Ian Murdock, que inicialmente chamava o sistema de "Debian Linux Release". A distribuição foi anunciada em 16 de agosto de 1993.[13][14] A palavra "debian" surgiu a partir de uma aglutinação entre o nome de sua então namorada (e futura ex-esposa) Debra Lynn e seu próprio nome.[15] Antes de seu lançamento, a Softlanding Linux System (SLS) foi uma distribuição Linux popular e a base do Slackware.[16] A pouca manutenção e a prevalência de bugs motivaram Murdoch a lançar outra distribuição.[17]

O Debian 0.01, lançado em 15 de setembro de 1993, foi o primeiro de muitas versões internas.[9] A primeira versão lançada ao público foi a 0.90,[9] que ganhou suporte através de listas de discussão hospedadas pela Pixar.[18] A distribuição foi lançada junto com o Manifesto Linux Debian, que descrevia a visão de Murdock sobre o novo sistema operacional. Ele afirmou que sua distribuição era mantida "abertamente pelo espírito da Linux e da GNU".[19]

O Projeto Debian lançou as versões 0.9x entre 1994 e 1995.[10] Durante este tempo, a Free Software Foundation (FSF) financiou o projeto por um ano.[20] Ian Murdock delegou a base do sistema, os principais pacotes do Debian, para Bruce Perens e mudou seu foco para o crescimento do projeto.[17] As primeiras portas para arquiteturas não-IA-32 surgiram em 1995, e o Debian 1.1 foi lançado em 1996.[21] Uma pessoa importante para a criação do Debian foi Ian Jackson, o gerente de pacotes dpkg.[22]

Em 1996, Bruce Perens assumiu a liderança do projeto. Perens era considerado uma figura controversa, pois ele era autoritário e muito ligado ao Debian.[23] Ele escreveu um contrato social a partir sugestões que surgiram de discussões que duraram um mês sobre o Contrato Social Debian e a Definição Debian de Software Livre.[24] Depois que a FSF retirou seu financiamento após uma discussão sobre softwares livres contra softwares de código aberto,[25] ao invés de tentar renovar as relações, Perens criou uma organização guarda-chuva conhecida como Software in the Public Interest.[21] Ele liderou a mudança do formato de arquivo de a.out para ELF.[17] Ele programou um novo instalador para o Debian e criou o programa BusyBox, permitindo que ele coubesse em apenas um disquete.[26] Até o lançamento do Debian 1.2, havia quase duzentos colaboradores no projeto.[17] Perens saiu do projeto em 1998.[27]

Ian Jackson se tornou o líder em 1998.[28] A segundo porte oficial, m68k, foi introduzida no Debian 2.0.[10] Durante este tempo, surgiu o Debian GNU/Hurd, o segundo porte para um núcleo não-Linux.[29] A primeira Constituição Debian foi ratificada em 2 de dezembro.[30]

Eleições (1999–2005) editar

A partir de 1999, o líder do projeto passou a ser escolhido em eleições anuais.[31] A ferramenta de pacote avançada surgiu com o Debian 2.1.[10] O número de aplicantes se tornou tão grande que o projeto precisou criar um sistema de seleção.[32][33] As primeiras distribuição derivada do Debian, como o Libranet,[34] Corel Linux e Stormix (da Storm Linux), surgiram em 1999.[21] Em 2020, a versão 2.2 foi dedicada a Joel Klecker, um programador que faleceu devido a distrofia muscular de Duchenne.[35] No fim de 2000, o projeto reorganizou o formato de arquivo com novos pacotes e criou a distribuição Testing (teste em inglês), feita de pacotes considerados estáveis que reduziria a falta de distribuições até o próximo lançamento.[21] No mesmo ano, os desenvolvedores começaram a se reunir em uma conferência anual chamada DebConf, que disponibilizava palestras e oficinas para desenvolvedores e usuários técnicos.[36] Em maio de 2001, a empresa Hewlett-Packard anunciou seus planos de basear o seus desenvolvimentos Linux em Debian.[37]

Em julho de 2002, o projeto lançou a versão 3.0, chamada de Woody, o primeiro lançamento que incluia software criptográfico, a licença KDE e internacionalização.[38] Durante estes ciclos de lançamento, o Projeto Debian foi alvo de diversas críticas da comunidade de software livre pelo longo período de espera entre as versões estáveis.[39][40][41]

Alguns eventos atrapalharam o andamento do projeto. Os servidores da Debian foram atacado por fogo e hackers enquanto eles trabalhavam na distribuição Sarge.[21][42] Depois de uma reunião em Vancouver, o gerente de lançamentos Steve Langasek anunciou o plano de reduzir o número de portes suportados para quatro para diminuir o tempo entre os ciclos de lançamento.[43] A reação foi grande, já que a proposta parecia uma ordem imposta e iria danificar o objetivo do Debian de ser "um sistema operacional universal".[44][45][46]

Em 20 de outubro de 2004, a foi lançada a primeira versão do Ubuntu, uma distribuição baseada em Debian, chamada de 4.10 Warty Warthog.[47] Já que ela foi distribuida online de graça, o Ubuntu se tornou um dos sistemas operacionais mais populares e bem-sucedidos. De acordo com a Canonical Ltd., a distribuição possuia mais de 40 milhões de usuários.[45][46][48] Murdock foi crítico às diferenças entre os pacotes do Ubuntu e do Debian, dizendo que elas levariam a incompatibilidades.[41]

Sarge e lançamentos recentes (2005–presente) editar

 
Debian 4 (Etch), 2007.

Em junho de 2005, o Sarge 3.1 foi lançado. Esta atualização atualizou 73% do software, e incluia mais de 9 mil pacotes novos. O Debian-Installer, um novo instalador com um design modular, permitiu a instalação com suporte de RAID, XFS e LVM, melhorando assim a detecção de hardware e simplificando o processo de instalação para novos usuários. O instalador foi traduzido para quase quarenta línguas diferentes. O manual de instalação e notas de lançamento foram traduzidas respectivamente para dez e quinze línguas diferentes. Skolelinux, Debian-Med e Debian-Accessibility aumentaram o número de pacotes educacionais e criaram uma instituição médica para pessoas com deficiência.[21][49]

 
Logotipo do Iceweasel.

Em 2006, após uma grande disputa, o software Mozilla alterou sua marca registrada para Debian e realocou Iceweasel e Thunderbird para o cliente Icedove. A Mozilla Corporation afirmou que softwares sem com modificações não aprovadas não seriam distribuidas sob a marca registrada Firefox. Os dois motivos para o Debian ter modificado o software da Firefox foram para alterar trabalhos artísticos não-livres e prover pacotes de segurança.[50][51] Em fevereiro de 2006, foi anuciado que a Mozilla e o Debian chegaram em um acordo, e o Iceweasel reverteria seu nome para Firefox. Foi antecipado um acordo similar para o Icedove/Thunderbird.[52]

Dunc-Tank, uma experiência de arrecadação de fundos, foi criada para resolver o problema do ciclo de lançamento, e os gerenciadores de versão foram pagos para trabalhar em tempo integral.[53] Em resposta, os desenvolvedores não pagos diminuiram seu ritmo de trabalho e o lançamento seguinte foi atrasado.[54]

Debian 4.0 (Etch) foi lançado em abril de 2007, contendo porte x86-64 e um instalador gráfico.[10]

Debian 5.0 (Lenny) foi lançado em fevereiro de 2009, suportando a plataforma Orion e netbooks como o ASUS Eee PC.[55] O lançamento foi dedicado a Thiemo Seufer, um desenvolvedor que morreu em um acidente de carro.[56]

 
Debian 6 (Squeeze), 2011.

Em julho de 2009, foi anunciado um congelamento de dois anos na política de ciclo de desenvolvimento. Estes congelamentos são feitos para misturar a previsibilidade dos lançamentos com a política do Debian de lançamentos baseados em recursos, e diminuir os congelamentos em longo termo.[57] O ciclo do Debian Squeeze seria especialmente curto, mas a agenda inicial foi abandonada.[58] O sistema de backport foi oficializado em setembro de 2010, provendo assim as versões mais recentes com algum software para a versão estável.[59]

Debian 6.0 (Squeeze) foi lançado em fevereiro de 2011, apresentando o Debian GNU/kFreeBSD como uma amostra tecnologica, juntamente com um sistema de inicialização baseado em dependência e a mudança de firmwares problemáticos para a seção não-livre.[60]

Debian 7.0 (Wheezy) foi lançado em maio de 2013, apresentando suporte multiarch.[61]

Debian 8.0 (Jessie) foi lançado em abril de 2015, usando systemd para o novo sistema init.[62]

Debian 9.0 (Stretch) foi lançado em junho de 2017, com a substituição de iptables por nftables e MySQL por MariaDB, além de suporte para aplicativos Flatpak.[63][64]

Debian 10.0 (Buster) foi lançado em julho de 2019, adicionando suporte para Secure Boot e habilitando AppArmor como padrão.[65]

Debian 11.0 (Bullseye) foi lançado em agosto de 2021, permitindo persistência no diário do sistema, permitindo o suporte para escaneamento sem a necessidade de drivers e contendo suporte kernel para sistemas de arquivos exFAT.[66]

Debian 12.0 (Bookworm) foi lançado em 10 de junho de 2023, incluindo diversas melhoras e incrementos, melhorando o Linux kernel para a versão 6.1 e alavancando o estilo de arte "emerald".[67] O Debian ainda está em desenvolvimento, e novos pacotes são lançados na versão instável todos os dias.[68]

O Debian costumava a ser lançado em conjuntos muito grandes de CDs para cada uma das arquiteturas, mas com o lançamento do Debian 9 (Stretch) em 2017, muitas das imagens foram abandonadas dos arquivos, apesar de poderem ser compiladas via jigdo.[69]

Durante sua existência, tanto a distribuição quanto seu website ganharam diversos prêmios de diferentes organizações,[70] incluindo Server Distribution of the Year of the Year 2011,[71] The best Linux distro of 2011[72] e Best of the Net em outubro de 1998.[73]

Em 2 de dezembro de 2015, a Microsoft anunciou que ofereceria Debian GNU/Linux como uma distribuição endossada da plataforma Azure.[74][75] A Microsoft também adicionou um ambiente de usuário no sistema operacional Windows 10 chamado de Subsistema Windows para Linux, que oferece um submódulo de Debian.[76]

Características editar

 
Menu de instalação do Debian 10 (modo BIOS).

Debian tem o acesso a repositórios online que contém mais de 51 mil pacotes.[77] Oficialmente, o Debian contém apenas software livre, mas software não-livre pode ser baixado por um dos repositórios e instalado.[78] O Debian contém programas livres populares, como LibreOffice,[79] o navegador Firefox, o e-mail Evolution, o gravador de CD K3b, VCL Media Player, o editor de imagens GIMP e o visualizador de documentos Evince.[78] O Debian é uma escolha popular para servidores. Por exemplo, como o sistema operacional do conjunto de softwares LAMP.[80]

Núcleos editar

 
Versão de texto do instalador Debian.

Existem diversos sabores de Linux kernel para cada porte. Por exemplo, o porte i386 possui sabores para PCs IA-32, performando Extensão de Endereço Físico e sistema de tempo real, x86-64 e PCs antigos.[81] Oficialmente, o Linux kernel não utiliza firmware que não possua código-fonte, apesar de ser possível usá-lo com pacotes não-livres e outras mídias de instalação alternativas.[82][83]

Ambientes de área de trabalho editar

Debian oferece imagens de CD e DVD construidas especificamente para Xfce, GNOME, KDE, MATE, Cinnamon, LXDE e LXQt.[60] O suporte MATE foi adicionado em 2014[84] e Cinnamon foi adicionado junto com o Debian 8.0, Jessie.[85] Também é possível usar gerenciadores de janela menos comuns, como Enlightenment, OpenBox, FluxBox, IceWM, Window Maker e outros.[86]

 
Versão gráfica do instalador Debian.

A área de trabalho padrão da versão 7.0 Wheezy foi temporariamente trocada por Xfce, pois o GNOME 3 não cabia dentro do primeiro CD de instalação.[87] A versão version 8.0 Jessie readotou o Xfce em novembro de 2013[88] e voltou a usar GNOME em setembro de 2014.[89]

Localização editar

Diversas partes do Debian, como descrições de pacotes, mensagens de configuração, documentação e o website oficial, foram traduzidas para diversas línguas que não sejam o inglês americano.[90] O nível da localização do software depende da língua. Há muitas traduções para línguas como o alemão e francês, mas quase nenhuma para grego e salmoano.[91] O instalador do Debian 10 está disponível em 76 línguas.[92]

Suporte multimídia editar

 
Página de login e mensagem de boas-vindas do Debian 10.

Suporte multimídia foi problemático no Debian, pois os codecs estavam ameaçados por possíveis quebras de direito autoral, falta de código-fonte e licenças restritivas demais.[93] Mesmo que os pacotes com algum problema em sua distribuição pudessem virar não-livres, softwares como libdvdcss não são hospedados pelo Debian.[94]

 
Xfce é o padrão em imagens de CD e portes não-Linux.

Existe um repositório notório, o Debian-multimedia.org,[95][96][97] que provia softwares não disponíveis no Debian, como codecs de Windows, libdvdcss e Adobe Flash Player.[98] Apesar de ser mantido por Christian Marillat, um desenvolvedor Debian, o repositório não faz parte do projeto e não está hospedado em um servidor Debian. É provido pacotes que já estão incluídos no Debian, o que interfere com o processo de manutenção oficial. Eventualmente, o líder do projeto, Stefano Zacchiroli, pediu a Marillat que chegassem a um acordo sobre os pacotes ou que parasse de usar o nome "Debian".[99] Marillat escolheu renomear o repositório para deb-multimedia.org. Ele foi tão popular que, após a mudança de nome, foi anunciado pelo blog oficial do projeto Debian.[100]

Distribuição editar

Debian oferece imagens de CD e DVD que podem ser baixadas via BitTorrent e jigdo. Também é possível comprar discos físicos.[101] O conjunto completo é feito de diversos discos (o porte amd64 possui 13 DVDs e 84 CDs),[102] mas apenas o primeiro disco é necessário para a instalação, já que o instalador pode resgatar o software de repositórios online.[103]

Debian oferece uma série de métodos de instalação. Uma instalação mínima está disponível através do netinst CD, ponde apenas a base do Debian é instalada, e o software precisa ser adicionado posteriormente através da internet. Também é possível inicializar o insatalador através da rede.[104]

O carregador de bootstrap padrão é o GNU GRUB versão 2, apesar do pacote se chamar apenas "grub", e a versão 1 ter sido renomeada para grub-legacy. O nome da versão 2 precisou ser nomeada para grub2, evitando assim confusão com os distros (por exemplo, Fedora Linux).

A área de trabalho padrão pode ser escolhida através do DVD de inicialização e do CD disco especial 1. Entre eles, estão GNOME, KDE Plasma, Xfce e LXDE.[105][106]

O Debian disponibiliza CDs e DVDs executáveis além de drives de USB, para as arquiteturas IA-32 e x86-64, que contém uma maior quantidade de ambientes de área de trabalho. Estas imagens permitem que os usuários instalem e rodem Debian sem afetar os dados de seu computador. Também é possível fazer uma instalação completa no disco rígido do computador através da imagem executável.[107] Imagens personalizadas podem ser construídas com ferramentas para CDs e USBs, para fins de inicialização de rede.[108] A instalação de imagens é híbrida, e algumas arquiteturas podem ser usadas para criar um USB executável.[109]

Pacotes editar

 
Usando Aptitude para ver os detalhes dos pacotes Debian.

As operações do sistema gestor de pacotes podem ser realizadas com as diferentes ferramentas disponíveis no Debian, desde os comandos mais simples de dpkg até front-end gráfico como o Synaptic. O conjunto de ferramentas padrão do Debian é o apt.[110]

Dkpg provê a infroestrutura de baixo nível para o administrador de pacotes.[111] O banco de dados do dkpg contém uma lista dos softwares instalados no sistema. Não é possível acessar os repositórios através da ferramenta de comando. O comando funciona com arquivos de pacotes .deb e informação do banco de dados.[112]

 
Pacote instalado com Aptitude.

Ferramentas APT editar

A ferramenta de pacote avançada (APT em inglês) permite a administração para resgatar e resolver dependências de pacotes dos repositórios Debian. As ferramentas APT compartilham informações de dependência e pacotes armazenados em cache.[113]

  • O próprio comando apt foi criado para ser uma interface para o usuário final e disponibiliza algumas opções que são melhores para o uso interativo se comparado com APTs mais especializados, como apt-get e apt-cache.
  • apt-get e apt-cache são ferramentas de comando do pacote apt padrão. apt-get instala e remove pacotes, e apt-cache é usado para buscar pacotes e disponibiliza suas informações.[113]
  •  
    Captura de tela do instalador do GDebi.
    Aptitude é uma linha de comando que oferece uma interface de base texto. O programa vem com melhoras, como uma busca mais eficiente nos metadados dos pacotes.[113]

GDebi e outros front-ends editar

GDebi é uma ferramenta APT que pode ser usado como linha de comando ou por interface gráfica.[114] Assim como o comando dpkg, GDebi instala arquivos .deb locais, mas possui acesso a repositórios para resolver dependências.[115] Outas front-ends gráficas para APT são Software Center,[116] Synaptic[117] e Apper.[118]

GNOME Software é um front-end gráfico para o PackageKit, que por sua vez funciona utilizando outros softwares de sistema de pacotes.

Repositórios editar

A Definição Debian de Software Livre (DFSG, em inglês) é quem define o que "livre" e "software livre e de código aberto" significam.[119] Normalmente, os pacotes que seguem estas definições, como a GNU General Public License, Licença BSD Modificada e Artistic License,[120] são inclusos na área principal.[121] Caso contrário, são inclusos nas áreas de não-livre e contrib. Estas duas áreas não são distribuidas com as mídias de instalação oficiais, mas podem ser adotadas manualmente.[119]

Não-livre inclui pacotes que não seguem a DFSG,[122] como documentação com seções invariantes, software proprietário[123][124] e pacotes legalmente questionáveis.[122] Contrib inclui pacotes que não seguem a DFSG mas seguem outros requisitos. Por exemplo, um pacote pode depender de outros pacotes que sejam não-livres ou que dependam de um para sua instalação.[122]

Richard Stallman e a Free Software Foundation criticaram o projeto Debian por hospedar o repositório não-livre. Porém, já que a não-livre e contrib são tão populares,[125][126] Algumas pessoas ligadas ao Debian, como o ex-líder de projeto Wichert Akkerman, passaram a endossar a ideia.[127] A dissidencia interna do Debian não perdurou.[128] A última votação sobre o assunto aconteceu em 2004, quando foi decidido manter os softwares não-livres.[129]

Gerenciador de pacotes de distribuições cruzadas editar

Os gerenciadores de pacotes gráficos (front-end) são as distribuições cruzadas Linux mais populares. Elas estão disponíveis no repositório Debian oficial, mas não são instaladas por padrão. Esses gerenciadores são muito populares com os usuários e desenvolvedores de software, que estão interessados em instalar com segurança as versões mais recentes de aplicativos ou construir um ambiente sandbox.[130][131]

Os quatro gerenciadores de pacotes de distribuições cruzadas mais populares, em ordem alfabética editar

Ramificações editar

 Ver artigo principal: Histórico de versões do Debian
 
Capa do CD de instalação do Debian 10.0 Buster.

Há três ramificações do Debian (também chamadas de lançamentos, distribuições ou suites) que são mantidas regularmente:[132]

  • Stable é a versão atual do Debian, que possui softwares estáveis e que foram testados.[133] A versão é feita ao congelar a produção do testing por alguns meses, onde bugs são consertados e pacotes com muitas falhas são removidos. O sistema resultante é lançado como stable. Ela é atualizada apenas se for incorporado grandes mudanças de segurança ou usabilidade.[121] Esta ramificação possui serviços adicionais de backport, que provê versões mais recentes de alguns softwares.[59] CDs e DVDs stable podem ser encontrados no website oficial Debian.[102] A versão atual do stable é chamada de Bookworm.[132]
  • Testing é uma ramificação de pré-visualização que eventualmente se tornará uma versão stable. Os pacotes inclusos passaram por alguns testes na unstable, mas ainda não estão prontos para o lançamento. Seus pacotes são mais novos do que os da stable mas mais velhos do que a unstable. Esta ramificação é atualizada continuadamente até que ela seja congelada.[121] Os CDs e DVDs do testing podem ser encontrados no website oficial Debian.[102] A versão atual do testing é chamada de Trixie.[132]
  • Unstable, que sempre é chamada de Cid, é o tronco da ramificação. Os pacotes são aceitos sem checar a distribuição como um todo.[121] Esta ramificação normalmente é mantida por desenvolvedores de software que participam do projeto e precisam dos repositórios mais recentes disponíveis e por aqueles que gostam de usar softwares de ponta.[132] O Debian não provê discos de instalação completos para o Cid, mas sim uma imagem ISO mínima que pode ser usada para a instalação online. Além disso, pode ser instalada a partir de uma atualização do sistema da stable e testing.[134]

Outras ramificações do Debian são:

  • Oldstable é a versão anterior da stable.[121] Ela é mantida pelo Time de Segurança Debian até um ano antes do lançamento da nova stable, e desde o lançamento do Debian 6, por mais dois anos através do projeto Suporte a Longo Termo.[135] Eventualmente, a oldstable é movida para o repositório de lançamentos arquivados.[121] Atualmente, a versão oldstable é o Debian 11.
  • Oldoldstable é a versão anterior da oldstable, mantida pelo projeto de Suporte a Longo Termo. Eventualmente, ela é movida para o repositório de lançamentos arquivados. A última versão da oldoldstable foi o Debian 10.
  • Experimental é uma versão temporária usada para testar softwares altamente experimentais, que provavelmente causarão falhas no sistema. Ela não é uma distribuição completa e suas dependências faltantes são comumente encontradas na unstable, onde os novos softwares que não fazem o sistema cair estão.[121]

O arquivo Snapshot disponibiliza as versões antigas das ramificações. Elas podem ser usadas para a instalação de uma versão específica de um software antigo.[136]

Numeração editar

Desde agosto de 2021, stable e oldstable recebem pequenas atualizações chamadas de point releases (lançamentos pontuais). A versão stable é a 11.8 desde 7 de outubro de 2023,[137] e a oldstable é a versão 10.13, desde 10 de setembro de 2022.[138]

A partir do Debian 4.0, o esquema de numeração dos lançamentos pontuais passou a incluir um r de revision (revisão)[139] após o número da versão principal e inserindo em seguida o número do lançamento pontual. Por exemplo, o último lançamento pontual da versão 4.0 é 4.0r9.[140] Este esquema foi adotado pois caso fosse lançado uma nova versão, os usuários pensariam que a versão anterior estaria obsoleta, atrapalhando assim a venda de CDs.[141]

A partir do Debian 5.0, o esquema de numeração mudou novamente, de acordo com o padrão de numeração de versões do GNU.[142] O primeiro lançamento pontual do Debian 5.0 foi o 5.0.1, ao invés do 5.0r1.[143] O esquema do r caiu em desuso, mas os anúncios de lançamentos pontuais incluem uma nota sobre não jogar os CDs fora.[144]

Logomarca editar

 
O logo "Redemoinho" representa a fumaça mágica.

Debian possui duas logomarcas. A logomarca oficial (também conhecida como "logomarca de uso aberto") contém o famoso redemoinho que melhor representa a identidade visual do projeto. Também existe uma logomarca de uso restrito, para o uso exclusivo do projeto e seus membros. Ao se referir ao Debian, deve-se dar preferência à logomarca oficial.[145] A logomarca "redemoinho" do Debian foi criada por Raul Silva[146][147] em 1999 como parte de um concurso para substituir a logomarca semioficial que estava sendo usada.[148] O vencedor do concurso ganhou um endereço de email @debian.org e um conjunto de CDs de instalação do Debian 2.1 para a arquitetura de sua escolha. Não houve nenhuma declaração oficial do projeto Debian sobre o significado da logomarca, mas no momento da sua eleição, sugeriu-se que representasse a fumaça mágica (fumaça cáustica produzida pela queima de circuitos ou componentes eletrônicos) que faz computadores funcionarem.[149][150][151]

Uma teoria sobre a origem da logomarca do Debian é que Buzz Lightyear — o personagem escolhido para o nome do primeiro lançamento do Debian — tem um redemoinho em seu queixo.[152][153] Stefano Zacchiroli, um dos desenvolvedores da distribuição, também sugeriu que esse redemoinho do personagem tivesse relação com o Debian 1.1.[154] É mais provável que a teoria do Buzz Lightyear esteja certa. Isso porque as versões do Debian possuem nomes de personagens dos filmes de Toy Story. Bruce Perens, o ex-líder do projeto, trabalhava para a Pixar e foi creditado como o engenheiro de ferramentas do estúdio em Toy Story 2 (1999).

Hardware editar

Os requerimentos mínimos de hardware são definidos pelas ferramentas de núcleo e GNU.[155] Os requisitos de sistema mínimos recomendados para o Debian dependem do nível de instalação, que correspondem com o número de componentes instalados:[156]

Tipo Tamanho mínimo de RAM Velocidade mínima do clock do processador (IA-32) Capacidade do HD
Não-área de trabalho 256 MB 2 GB
Área de trabalho 1 GB 1 GHz 10 GB

Os requerimentos reais de memória disponível dependem da arquitetura e podem ser muito menores do que aqueles listados na tabela. É possível instalar o Debian no x86-64 com 170 MB de RAM.[156] O instalador rodará no modo de memória baixa e é recomendado criar uma paginação de memória.[105] O instalador para o z/Architecture requer cerca de 20 MB de RAM, mas depende do hardware da rede.[156][157] Similarmente, os requerimentos de espaço de disco, que dependem dos pacotes que serão instalados, podem ser reduzidas manualmente ao selecionar apenas os pacotes necessários.[156] A partir de maio de 2019, não existia nenhum Pure Blend que reduziria os requisitos de hardware facilmente.[158]

É possível rodar a interface gráfica de utilizador em sistemas antigos ou low-end, mas a instalação de gerenciadores de janela e ambientes de área de trabalho é recomendada, já que ambientes de desktop usam mais recursos. Requisitos para softwares individuais variam, mas precisam ser considerados juntos com os requisitos do ambiente operacional de base.[156]

Arquitetura editar

 
Estação de trabalho HP 9000 C110 PA-RISC inicializando o Debian Lenny.

Com o lançamento de Trixie, os portes oficiais são:[159]

  • amd64: Arquitetura x86-64 com espaço de usuário de 64-bit e suportando softwares de 32-bit
  • arm64: Arquitetura ARMv8-A
  • armel: Arquitetura ARM de pequena-extremidade (instruções em ARMv4T)[160] presente em diversos sistemas embutidos (interface binária de aplicação imbutida (EABI em inglês)). Seu suporte terminou com o Buster
  • armhf: Arquitetura de flutuação rígida ARM (instruções em ARMv7) que requer hardware com unidade de ponto flutuante
  • i386: Arquitetura IA-32 com espaço de usuário de 32-bit, compatível com arquitetura x86-64[155]
  • mips64el: pequena-extremidade com com MIPS de 64-bit
  • mipsel: pequena-extremidade com com MIPS de 32-bit
  • ppc64el: pequena-extremidade com arquitetura PowerPC que suporta CPUs POWER7+ e POWER8[161]
  • riscv64: RISC-V de 64-bit[162]
  • s390x: z/Architeture com espaço de usuário de 64-bit, que foi planejada para substituir o s390[163]

O Debian suporta uma série de dispositivos baseados em ARM e NAS. O NSLU2 rodava o instalador do Debian 4.0 e 5.0,[164] e Martin Michlmayr provê a instalação de tars desde o Debian 6.0.[165] Outros dispositivos suportados por NAS são o Buffalo Kurobox Pro,[166] GLAN Tank, Thecus N2100[167] e QNAP Turbo Stations.[166]

Dispositivos baseados no sistema em um chip Kirkwood também possuem suporte, como o computador de plugue SheevaPlug e os produtos OpenRD.[168] Há esforços para rodar o Debian em dispositivos móveis, mas ainda não foi criado um projeto pois os mantenedores do Debian Linux kernel não aplicaram os patches necessários.[169] Mesmo assim, há pacotes para sistemas com recursos limitados.[170]

Há esforços para que o Debian suporte pontos de acesso sem fio.[171] O Debian é conhecido por rodar descodificadores.[172] Também há esforços para dar suporte ao processador AM335x,[173] que é usado em soluções de POS.[174] O Debian pode ser customizado para rodar em caixas eletrônicos.[175]

Organização editar

As políticas e o foco do time é o processo colaborativo de desenvolvimento e teste de softwares.[176] Como resultado, uma nova versão costuma a ser lançada a cada dois anos, além dos lançamentos de revisão, que corrige problemas de segurança e outros tópicos importantes.[57][177] O projeto Debian é uma organização composta de voluntários, que se baseia em três documentos principais:

  • O Contrato Social Debian define um conjunto de princípios básicos de como o projeto e os desenvolvedores devem pautar seus atos.[119]
  • A Definição Debian de Software Livre define o significado de "software livre" e quais softwares podem ser distribuidos. O documento serve de base para a Definição de Código Aberto. Apesar de poder ser considerado um documento separado, ele faz parte do Contrato Social Debian.[119]
  • A Constituição Debian descreve a estrutura organizacional e a lógica formal de tomada de decisão do projeto, além de enumerar os poderes e responsabilidades do líder de projeto, secretário e outros cargos.[30]

Os desenvolvedores do Debian organizam-se em uma rede de confiança.[178] Atualmente, há cerca de mil desenvolvedores ativos,[179][180] mas é possível contribuir sem ser um desenvolvedor oficial.[181]

O projeto mantém grupos de notícias oficiais e conferências para a comunicação e coodernação entre os desenvolvedores.[121][182] Para problemas como pacotes unitários e outras tarefas,[183] foi criado um sistema público que detecta bugs, usado tanto pelos desenvolvedores quanto pelos usuários. O Internet Relay Chat é usado para a comunicação entre os desenvolvedores[121] e para prover ajuda em tempo real.[184]

O Debian se sustenta através de doações feitas por organizações autorizadas pelo líder de projeto.[30] O maior doador é a Software in the Public Interest, dona da marca registrada Debian e organizadora das doações em geral.[185] Ela serve como uma organização guarda-chuva para diversos projetos de software livre.[186]

O líder de projeto é eleito uma vez ao ano pelos desenvolvedores. O líder possui poderes especiais e é o responsável por apontar pessoas para realizar tarefas especializadas, mas estes poderes não são absolutos. As pessoas apontadas pelo líder resolvem problemas de acordo com sua vontade, mas elas devem levar em conta os critérios técnicos e consenso. De acordo com a Resolução Geral, os desenvolvedores podem retirar o líder do cargo, reverter uma decisão, criar documentos de base ou realizar decisões vinculantes.[30] O método de votação baseia-se no método de Schulze.[31]

Ocasionalmente, a liderança do projeto é distribuida. Branden Robinson foi auxiliado pelo projeto Scud,[187] mas havia preocupações que o grupo criaria duas classes distintas entre os desenvolvedores Debian.[188] Anthony Towns criou o cargo de segundo em comando (2IC, em inglês), que compartilhava alguns dos poderes do líder.[189] Steve McIntyre foi um 2IC e também foi auxiliado por um.[190]

Outro cargo importante do projeto Debian é o gerenciador de versões.[191] Seu time define os objetivos da próxima versão, supervisiona o processo de criação e define a data de lançamento. O time é liderado pelos gerenciadores da versões futuras e da versão estável.[192] Os assistentes de versões foram introduzidos em 2003.[193]

Desenvolvedores editar

Muitas pessoas almejam ser desenvolvedores Debian.[194] Estas pessoas precisam passar por um processo de veto, onde se estabelece suas identidades, motivações, entendimento dos princípios do projeto e competência técnica.[195] O processo se tornou gradualmente mais difícil com o passar dos anos.[196]

Os desenvolvedores Debian se juntam ao projeto por muitos motivos. Alguns deles são:

  • Debian é o seu sistema operacional principal e eles gostariam de promovê-lo[197]
  • Melhorar o suporte de seu software preferido[198]
  • Envolvimento com um dos derivados do Debian[199]
  • Desejo de contribuir com a comunidade do software livre[200]
  • Para tornar o trabalho de manutenção do Debian mais simples[201]

Os desenvolvedores Debian podem sair de seus cargos a qualquer momento, ou serem expulsos, se necessário.[30] Aqueles que seguem o protocolo de aposentadoria recebem o título de "emérito" e podem recuperar seu cargo por uma versão simplificada do processo de membros novos.[202]

Desenvolvimento editar

Cada pacote de software possui um mantenedor, que pode ser uma pessoa ou um time de desenvolvedores e não-desenvolvedores.[203][204] Ele mantém o controle dos lançamentos upstream e garante que o pacote seja compatível com a distribuição e atenda os padrões de qualidade Debian. Os pacotes podem conter modificações introduzidas pelo Debian para seguir a Política Debian ou até mesmo para consertar bugs que não são responsabilidade do time, apesar dos desenvolvedores upstream serem avisados.[202]

O mantenedor lança a nova versão ao carregar o pacote do sistema vindouro, que verifica a integridade de todos os pacotes e suas assinaturas digitais. Se o pacote for válido, ele é instalado no arquivo de pacotes em uma área chamada de "pool" e distribuido para centenas de mirrors espalhados pelo mundo. O pacote precisa ser assinado com softwares compatíveis com OpenPGP.[121] Todos os desenvolvedores Debian possuem pares de chaves criptográficas.[205] Eles são responsáveis por todos os pacotes carregados, mesmo que ele tenha sido preparado por outro contribuidor.[206]

Inicialmente, um pacote aceito fica disponível apenas na versão unstable.[121] Para ele se tornar um candidato para o próximo lançamento, precisa migrar para a versão testing ao obter os seguintes critérios:[207]

  • Esteve na versão unstable por determinado período de tempo, dependendo da urgência das mudanças
  • Não possui bugs críticos para o lançamento, exceto por aqueles já presentes no testing. Estes bugs são os considerados sérios o suficiente para tornar o pacote inusável após seu lançamento
  • Não há nenhuma versão obsoleta no unstable para nenhum porte de lançamento
  • A migração não inutiliza nenhum pacote no testing
  • Seus pacotes dependentes precisam estar todos no testing ou que sejam transferidos ao mesmo tempo
  • Sua transferência não pode ter sido bloqueada por um congelamento

Logo, um bug crítico para o lançamento de uma nova versão de uma biblioteca compartilhada no qual muitos pacotes dependem pode não entrar no testing, pois a a biblioteca também precisa cumprir os requesitos.[208] Do ponto de vista da ramificação, o processo de mitigação acontece duas vezes ao dia, tornando assim o testing um beta perpétuo.[121]

O time publica diretrizes periodicamente para os desenvolvedores para preparar o lançamento. Um novo lançamento ocorre após um período de congelamento, quando todos os softwares importantes são razoavelmente atualizados na ramificação testing, e outros problemas significativos são resolvidos. Eventualmente, todos os pacotes no testing vão para o stable.[121] Apesar do período de congelamento ser regular,[209] as datas de lançamento não são. Eles são anunciados pelos gerenciadores de versões com algumas semanas de antecedência.[210]

Uma versão de pacote pode pertencer a mais de uma ramificação, normalmente em ambas testing e unstable. É possível que um pacote mantenha a mesma versão entre dois lançamentos mas continue fazendo parte do oldstable, stable, testing e unstable.[211] Cada ramificação pode ser vista como uma coleção de indicadores no pool.[121]

Uma maneira de resolver os bugs críticos para o lançamento em uma nova versão do aplicativo é o uso de gerenciadores de pacotes opcionais. Eles permitem que os desenvolvedores de software usem ambientes de caixa de areia e ao mesmo tempo mantém a segurança do sistema.[130][131] Outro benefício é a possibilidade dos desenvolvedores de aplicativos lancem atualizações para os usuários sem que eles tenham que ir nas distribuições manualmente, ou sem precisar empacotar e testar o aplicativo separadamente para cada distribuição.[212]

Ciclo de lançamento editar

Um novo ramo stable do Debian é lançado aproximadamente a cada dois anos. Ele será atualizado com, entre outras coisas, pacotes de segurança e usabilidade por cerca de três anos. Lançamentos pontuais são disponibilizados após alguns meses, de acordo com o que foi determinado pelo Gerente de Lançamentos Estáveis.[213]

O Debian também lançou o projeto Suporte de Longo Termo (LTS, em inglês) desde o Debian 6 (Squeeze). Cada lançamento Debian passou a receber dois anos de atualizações de segurança extras pelo time LTS após seu fim de vida. Mas não há lançamentos pontuais. Agora, cada Debian recebe cinco anos de suporte de segurança.[214]

Segurança editar

O Debian lida com a segurança através de revelação pública. Os consultores de segurança Debian são compatíveis com o dicionário do Common Vulnerabilities and Exposures, e normalmente são coordenados por outros vendedores de software e publicados no mesmo dia em que determinada vulnerabilidade se torna pública.[215][216] Havia um projeto de auditoria de segurança focada em procurar bugs nos pacotes da versão stable.[217] Steve Kemp, criador do projeto, se aposentou em 2011, mas voltou em 2014.[218][219]

O ramo stable recebe suporte do time de segurança Debian, e o oldstable recebe suporte apenas por um ano.[135] Apesar de oficialmente o Squeeze não receber suporte, houve uma iniciativa para dar suporte de longo prazo até fevereiro de 2016, cinco anos após seu lançamento, mas apenas para as plataformas IA-32 e x86-64.[220] Testing recebe suporte do time de segurança testing, mas suas atualizações não são regulares, como no stable.[221] A segurança do unstable é feita pelos gerenciadores de pacotes.[135]

O projeto Debian oferece documentação e ferramentas para "endurecer" a instalação Debian tanto no modo automático quanto no manual.[222] Suporte pela AppArmor está disponível e é o padrão do Debian desde a versão Buster.[223] O Debian provê um "invólucro de endurecimento" opcional utilizando ferramentas gcc como código de posição independente e proteção contra estouro de buffer (diferente de sistemas operacionais como OpenBSD), mas não proteje todos os softwares,[224] apesar de tentar cobrir o maior número de pacotes possível com marcadores.[225]

Em maio de 2008, um desenvolvedor Debian descobriu queo pacote OpenSSL distribuido para o Debian e derivados, como o Ubuntu, criou uma série de chaves de segurança vulneráveis a ataque de gerador de números aleatórios, já que foram geradas apenas 32.767 chaves.[226][227][228] A vulnerabilidade foi causada por mudanças feitas em 2006 por outro desenvolvedor Debian responsável pelos avisos dos depuradores de memória.[228][229] O procedimento de solução da vulnerabilidade foi bastante desajeitado, pois apenas corrigir os problemas de segurança não foi o sucifiente. Todas as chaves e certificados afetados precisaram ser restaurados.[230]

Valor editar

O custo para desenvolver todos os pacotes inclusos no Debian 5.0 Lenny (323 milhões de linhas de código) foi estimado em cerca de US$ 8 bilhões, usando um método baseado no modelo COCOMO.[231] Em 2016, a Black Duck Open Hub estimou que o desenvolvimento da base de código daquele ano (74 milhões de linhas de código) custaria cerca de US$ 1.4 bilhão, usando outro método baseado no modelo COCOMO.[232][233]

Bifurcações e derivações editar

Com o passar dos anos, surgiram inúmeras bifurcações e derivações do Debian. Entre as mais notáveis estão o Ubuntu, lançado em 2004 e desenvolvido pela Canonical Ltd., que superou o Debian em popularidade com usuários de desktop,[234] Knoppix, lançado em 2000, e foi uma das primeiras distribuições a otimizar a inicialização do sistema por uma memória externa, e Devuan, que ganhou notoriedade em 2014 quando bifurcou do Debian por discordâncias pela adoção do pacote de software systemd, e vem copiando os lançamentos do Debian desde 2017.[235][236] O Linux Mint Debian Edition (LMDE) usa o Debian stable como fonte de software desde 2014.

Derivados e sabores editar

 Ver artigo principal: Lista de distribuições de Linux

Debian é uma das distribuições Linux mais populares, e seu código foi usado na criação de muitas outras distribuições.[237] Em 2021, o DistroWatch listou 121 derivados do Debian ativos.[238] O projeto Debian provê às suas derivações orientações de boas práticas e as encorajam a se fundirem novamente com o Debian.[239][240]

Os Debian Pure Blend são subconjuntos de lançamentos Debian configurados para usuários com interesses e habilidades em particular.[241] Por exemplo, o Debian Jr. foi criado para crianças e o Debian Science para cientistas e pesquisadores.[242] "Debian Blend" (Sem o "Pure") é um termo para distribuições baseadas em Debian que almejam ser parte dos lançamentos mainstream, e têm suas características extras incluidas no futuro.[243]

Debian GNU/Hurd editar

 
Debian GNU/Hurd rodando no Xfce.
 
Logotipo do GNU Hurd.

Debian GNU/Hurd é um sabor baseado no sistema operacional Hurd (que por sua vez roda no micronúcleo GNU Mach) ao invés de Linux. O sistema operacional está em desenvolvimento desde 1998[244] e estreou em maio de 2013, com 78% dos pacotes de software para Debian GNU/Linux transferidos para GNU Hurd.[245] Hurd ainda não é um lançamento Debian oficial, e é mantido e desenvolvido por uma porta não-oficial. Debian GNU/Hurd é distribuido por um CD de instalação (que roda no instalador oficial Debian) ou pode ser rodado em uma imagem de disco virtual (CD- ou USB-executável). O CD usa arquitetura IA-32, sendo compatível com computadores IA-32 e x86-64. A versão atual do Debian GNU/Hurd foi lançada em junho de 2023.[246]

Debian GNU/kFreeBSD editar

 
Logotipo do Debian GNU/kFreeBSD.

O Debian GNU/kFreeBSD é um sabor Debian descontinuado.[247] Ele usava núcleo FreeBSD e espaço de usuário GNU. A maior parte dos softwares do Debian GNU/kFreeBSD possuem as mesmas fontes do que os do Debian, com alguns pacotes de núcleo vindos do FreeBSD. O k em kFreeBSD é uma abreviação de kernel (núcleo), que refere-se ao núcleo FreeBSD. Antes de ser descontinuado, o Debian mantinha portes i386 e amd64. Sua última versão foi o Debian 8 (Jessie) RC3. Seu lançamento oficial foi em 2002.[248] O sabor foi incluido no Debian 6 (Squeeze) como uma pré-visualização e no Debian 7 (Wheezy) como uma porta oficial. Foi descontinuado como uma plataforma suportada oficialmente pelo Debian 8 já que seus desenvolvedores citaram OSS, pf, jails, NDIS e ZFS como razões pelo interesse no núcleo FreeBDS.[249] Desde o Debian 8, parou de receber atualizações.[250] A partir de julho de 2019, o sistema operacional passou a ser mantido de forma não-oficial.[251] Em julho de 2023, o desenvolvimento do Debian GNU/kFreeBSD foi oficialmente descontinuado por falta de interesse dos desenvolvedores.[252]

Ver também editar

Bibliografia editar

Referências

  1. «Debian 12 "bookworm" released». Debian. 10 de junho de 2023. Consultado em 11 de junho de 2023 
  2. a b «Debian 11 "bullseye" lançado». Debian News. Debian. 14 de agosto de 2021. Consultado em 15 de agosto de 2021 
  3. «How does one pronounce Debian and what does this word mean?». The Debian GNU/Linux FAQ -- Chapter 1 – Definitions and overview. Cópia arquivada em 2 de abril de 2019 
  4. «About Debian». Debian (em inglês). Consultado em 27 de janeiro de 2024. Cópia arquivada em 27 de janeiro de 2024 
  5. «Debian». DistroWatch (em inglês). Consultado em 7 de outubro de 2021. Cópia arquivada em 27 de janeiro de 2024 
  6. a b «Explaining Why We Don't Endorse Other Systems». Projeto GNU (em inglês). Consultado em 27 de janeiro de 2024. Cópia arquivada em 27 de janeiro de 2024 
  7. a b Kurt Roeckx (3 de outubro de 2022). «General Resolution: non-free firmware: results». Debian Mailing Lists (em inglês). Consultado em 27 de janeiro de 2024. Cópia arquivada em 27 de janeiro de 2024 
  8. «Chapter 1. Definitions and overview». Debian (em inglês). Consultado em 7 de outubro de 2021. Cópia arquivada em 27 de janeiro de 2024 
  9. a b c «ChangeLog». ibiblio (em inglês). Consultado em 27 de janeiro de 2024. Cópia arquivada em 27 de janeiro de 2024 
  10. a b c d e «Chapter 3 - Debian Releases». Debian (em inglês). Consultado em 27 de janeiro de 2024. Arquivado do original em 24 de outubro de 2003 
  11. «A Brief History of Debian». Debian (em inglês). Consultado em 27 de janeiro de 2024. Cópia arquivada em 27 de janeiro de 2024 
  12. «Codenames». Debian (em inglês). Consultado em 27 de janeiro de 2024. Cópia arquivada em 27 de janeiro de 2024 
  13. «Chapter 1. Introduction -- What is the Debian Project?». A Brief History of Debian (em inglês). Debian. Consultado em 27 de janeiro de 2024. Cópia arquivada em 27 de janeiro de 2024 
  14. Ian A. Murdock (16 de agosto de 1993). «New release under development; suggestions requested». Grupo de notícias: comp.os.linux.development
    Usenet: CBusDD.MIK@unix.portal.com
    (em inglês). Consultado em 27 de janeiro de 2024. Cópia arquivada em 27 de janeiro de 2024 – via Google Grupos
     
  15. Nixon, Robin (2010). Ubuntu: Up and Running: A Power User's Desktop Guide (em inglês). [S.l.]: O'Reilly Media. p. 3. ISBN 978-0-596-80484-8 
  16. Richard Hillesley (2 de novembro de 2007). «Debian and the grass roots of Linux». ITPro (em inglês). Consultado em 27 de janeiro de 2024. Cópia arquivada em 27 de janeiro de 2024 
  17. a b c d Scheetz, Dale (1998). The Debian Linux user's guide (em inglês). Penngrove: Linux Press. ISBN 0-9659575-1-9. OCLC 42689229 
  18. «Release-0.91». ibiblio (em inglês). 31 de janeiro de 1994. Consultado em 27 de janeiro de 2024. Cópia arquivada em 27 de janeiro de 2024 
  19. Ian A. Murdock (1 de junho de 1994). «The Debian Linux Manifesto». ibiblio (em inglês). Consultado em 27 de janeiro de 2024. Cópia arquivada em 27 de janeiro de 2024 
  20. Richard Matthew Stallman (28 de abril de 1996). «The FSF is no longer sponsoring Debian». Grupo de notícias: comp.os.linux.misc
    Usenet: gnusenet199604280427.AAA00388@delasyd.gnu.ai.mit.edu
    (em inglês). Consultado em 27 de janeiro de 2024. Cópia arquivada em 27 de janeiro de 2024 – via Google Grupos
     
  21. a b c d e f «Chapter 4 - A Detailed History». A Brief History of Debian (em inglês). 4 de maio de 2013. Consultado em 27 de janeiro de 2024. Arquivado do original em 21 de dezembro de 2019 – via Debian 
  22. Krafft 2005, pp. 31–32
  23. Hertzog 2013, p. 9
  24. Bruce Perens (4 de julho de 1997). «Debian's "Social Contract" with the Free Software Community». Debian Mailing List (em inglês). Consultado em 27 de janeiro de 2024. Cópia arquivada em 27 de janeiro de 2024 
  25. Bruce Perens (17 de fevereiro de 1999). «It's Time to Talk About Free Software Again». Debian Mailing List (em inglês). Consultado em 27 de janeiro de 2024. Cópia arquivada em 27 de janeiro de 2024 
  26. Bruce Perens (1 de novembro de 2000). «Building Tiny Linux Systems with Busybox--Part I». Linux Journal (em inglês). Consultado em 27 de janeiro de 2024. Cópia arquivada em 27 de janeiro de 2024 
  27. Bruce Perens (18 de março de 1998). «I am leaving Debian». Debian Mailing List (em inglês). Consultado em 27 de janeiro de 2024. Cópia arquivada em 27 de janeiro de 2024 
  28. Bruce Perens (1 de dezembro de 1997). «Ian Jackson is the next Debian Project Leader». Debian Mailing List (em inglês). Consultado em 27 de janeiro de 2024. Cópia arquivada em 27 de janeiro de 2024 
  29. Igor Grobman (14 de julho de 1998). «debian-hurd@lists.debian.org is up!». debian-hurd (em inglês). Consultado em 27 de janeiro de 2024. Cópia arquivada em 27 de janeiro de 2024 
  30. a b c d e «Constitution for the Debian Project (v1.4)». Debian (em inglês). Consultado em 27 de janeiro de 2024. Cópia arquivada em 27 de janeiro de 2024 
  31. a b «Debian Voting Information». Debian (em inglês). Consultado em 28 de janeiro de 2024. Cópia arquivada em 27 de janeiro de 2024 
  32. Coleman 2013, p. 141
  33. Wichert Akkerman (17 de outubro de 1999). «New maintainer proposal». debian-project (em inglês). Consultado em 27 de janeiro de 2024. Cópia arquivada em 27 de janeiro de 2024 
  34. Nils Lohner (9 de novembro de 1999). «New Linux distribution brings Debian to the desktop.». debian-commercial (em inglês). Consultado em 27 de janeiro de 2024. Cópia arquivada em 27 de janeiro de 2024 
  35. «Debian GNU/Linux 2.2, the "Joel 'Espy' Klecker" release, is officially released». Debian (em inglês). 15 de agosto de 2000. Consultado em 28 de janeiro de 2024. Cópia arquivada em 27 de janeiro de 2024 
  36. Thierry Laronde (15 de maio de 2000). «First Debian Conference : the program». debian-devel-announce (em inglês). Consultado em 27 de janeiro de 2024. Cópia arquivada em 27 de janeiro de 2024 
  37. Robert Lemos (10 de maio de 2001). «HP settles on Debian Linux». CNET News (em inglês). Consultado em 27 de janeiro de 2024. Arquivado do original em 29 de novembro de 2014 
  38. Krafft 2005, pp. 33
  39. John Lettice (23 de julho de 2002). «Debian GNU/Linux 3.0 released». The Register (em inglês). Consultado em 27 de janeiro de 2024. Cópia arquivada em 27 de janeiro de 2024 
  40. Renai LeMay (17 de março de 2005). «Debian leaders: Faster release cycle required». ZDNET (em inglês). Consultado em 27 de janeiro de 2024. Cópia arquivada em 27 de janeiro de 2024 
  41. a b Ian Murdock (20 de abril de 2005). «Ubuntu vs. Debian, reprise». Ian Murdock’s Weblog (em inglês). Consultado em 27 de janeiro de 2024. Arquivado do original em 19 de agosto de 2014 
  42. Andrew Orlowski (2 de dezembro de 2003). «Hackers used unpatched server to breach Debian». The Register (em inglês). Consultado em 27 de janeiro de 2024. Cópia arquivada em 27 de janeiro de 2024 
  43. Steve Langasek (13 de março de 2005). «Bits (Nybbles?) from the Vancouver release team meeting». debian-devel-announce (em inglês). Consultado em 27 de janeiro de 2024. Cópia arquivada em 27 de janeiro de 2024 
  44. Coleman 2013, p. 153–154
  45. a b Aurélien Jarno (14 de março de 2005). «Re: Bits (Nybbles?) from the Vancouver release team meeting». debian-devel (em inglês). Consultado em 27 de janeiro de 2024. Cópia arquivada em 27 de janeiro de 2024 
  46. a b Julien Blache (14 de março de 2005). «Re: Bits (Nybbles?) from the Vancouver release team meeting». debian-devel (em inglês). Consultado em 27 de janeiro de 2024. Cópia arquivada em 27 de janeiro de 2024 
  47. Mark Shuttleworth (20 de outubro de 2004). «Announcing Ubuntu 4.10 "The Warty Warthog Release"». ubuntu-announce (em inglês). Consultado em 27 de janeiro de 2024. Cópia arquivada em 27 de janeiro de 2024 
  48. Michael Kerner (7 de abril de 2010). «Ubuntu Claims 12 Million Users as Lucid Linux Desktop Nears». LinuxPlanet (em inglês). Consultado em 27 de janeiro de 2024. Arquivado do original em 10 de abril de 2010 
  49. «Chapter 2 - What's new in Debian GNU/Linux 3.1» (em inglês). 18 de setembro de 2006. Consultado em 28 de janeiro de 2024. Arquivado do original em 7 de maio de 2023 
  50. Lisa Hoover (10 de outubro de 2006). «Behind the Debian and Mozilla dispute over use of Firefox». Linux.com (em inglês). Consultado em 28 de janeiro de 2024. Arquivado do original em 17 de abril de 2008 
  51. Roberto C. Sanchez (15 de outubro de 2006). «Re: Will IceWeasel be based on a fork or on vanilla FireFox?». debian-devel (em inglês). Consultado em 28 de janeiro de 2024. Cópia arquivada em 28 de janeiro de 2024 
  52. Chris Hoffman (24 de fevereiro de 2016). «'Iceweasel' will be renamed 'Firefox' as relations between Debian and Mozilla thaw». PC World (em inglês). Consultado em 28 de janeiro de 2024. Cópia arquivada em 28 de janeiro de 2024 
  53. «Press Information». Dunc Tank (em inglês). 19 de fevereiro de 2021. Consultado em 29 de janeiro de 2024. Cópia arquivada em 30 de janeiro de 2024 
  54. Steven J. Vaughan-Nichols (18 de dezembro de 2006). «Disgruntled Debian Developers Delay Etch». eWeek (em inglês). Consultado em 29 de janeiro de 2024. Cópia arquivada em 30 de janeiro de 2024 
  55. «Debian GNU/Linux 5.0 released». Debian (em inglês). 14 de fevereiro de 2009. Consultado em 29 de janeiro de 2024. Cópia arquivada em 30 de janeiro de 2024 
  56. «Appendix C. Lenny dedicated to Thiemo Seufer». Release Notes for Debian GNU/Linux 5.0 (lenny), Intel x86 (em inglês). 14 de fevereiro de 2009. Consultado em 30 de janeiro de 2024. Arquivado do original em 18 de fevereiro de 2009 
  57. a b «Debian decides to adopt time-based release freezes». Debian (em inglês). 29 de julho de 2009. Consultado em 30 de janeiro de 2024. Cópia arquivada em 30 de janeiro de 2024 
  58. «Debian GNU/Linux 6.0 "Squeeze" release goals». Debian (em inglês). 30 de junho de 2009. Consultado em 30 de janeiro de 2024. Cópia arquivada em 30 de janeiro de 2024 
  59. a b «Backports service becoming official». Debian (em inglês). 5 de setembro de 2010. Consultado em 30 de janeiro de 2024. Cópia arquivada em 30 de janeiro de 2024 
  60. a b «Debian 6.0 "Squeeze" released». Debian (em inglês). 6 de fevereiro de 2011. Consultado em 30 de janeiro de 2024. Cópia arquivada em 30 de janeiro de 2024 
  61. «Debian 7.0 "Wheezy" released». Debian (em inglês). 4 de maio de 2013. Consultado em 30 de janeiro de 2024. Cópia arquivada em 30 de janeiro de 2024 
  62. «Debian 8 "Jessie" released». Debian (em inglês). 25 de abril de 2015. Consultado em 30 de janeiro de 2024. Cópia arquivada em 30 de janeiro de 2024 
  63. «Debian 9 "Stretch" released». Debian (em inglês). 17 de junho de 2017. Consultado em 30 de janeiro de 2024. Cópia arquivada em 30 de janeiro de 2024 
  64. «Debian 9's release date». DistroWatch (em inglês). 26 de maio de 2017. Consultado em 30 de janeiro de 2024. Cópia arquivada em 30 de janeiro de 2024 
  65. «Debian 10 "buster" released». Debian (em inglês). 6 de julho de 2019. Consultado em 30 de janeiro de 2024. Cópia arquivada em 30 de janeiro de 2024 
  66. «Debian 11 "bullseye" released». Debian (em inglês). 14 de agosto de 2021. Consultado em 30 de janeiro de 2024. Cópia arquivada em 30 de janeiro de 2024 
  67. «Debian 12 "bookworm" released». Debian (em inglês). 10 de junho de 2023. Consultado em 30 de janeiro de 2024. Cópia arquivada em 30 de janeiro de 2024 
  68. «Unstable packages' upgrade announcements». Debian (em inglês). Consultado em 30 de janeiro de 2024. Cópia arquivada em 30 de janeiro de 2024 
  69. «Chapter 2. What's new in Debian 9». Debian (em inglês). Consultado em 30 de janeiro de 2024. Arquivado do original em 16 de novembro de 2018 
  70. «Awards». Debian (em inglês). Consultado em 30 de janeiro de 2024. Cópia arquivada em 30 de janeiro de 2024 
  71. Jeremy (29 de setembro de 2012). «2011 LinuxQuestions.org Members Choice Award Winners». LinuxQuestions.com (em inglês). Consultado em 30 de janeiro de 2024. Cópia arquivada em 30 de janeiro de 2024 
  72. «The best Linux distro of 2011!». TuxRadar (em inglês). 4 de agosto de 2011. Consultado em 30 de janeiro de 2024. Arquivado do original em 31 de agosto de 2011 
  73. Aron Hsiao (4 de maio de 1999). «Focus on Linux». The Mining Company (em inglês). Consultado em 30 de janeiro de 2024. Arquivado do original em 4 de maio de 1999 
  74. «Announcing availability of Debian GNU/Linux as an endorsed distribution in Azure Marketplace». Microsoft Azure (em inglês). 2 de dezembro de 2015. Consultado em 29 de janeiro de 2024. Cópia arquivada em 30 de janeiro de 2024 
  75. Swapnil Bhartiya (2 de dezembro de 2015). «Microsoft brings Debian GNU/Linux to Azure cloud». CIO (em inglês). Consultado em 30 de janeiro de 2024. Arquivado do original em 23 de abril de 2016 
  76. Brendan Hesse (11 de setembro de 2018). «How to Get Started With the Windows Subsystem for Linux». Lifehacker (em inglês). Consultado em 29 de janeiro de 2024. Cópia arquivada em 30 de janeiro de 2024 
  77. Ralf Treinen (8 de fevereiro de 2016). «50.000 binary packages». debian-devel (em inglês). Consultado em 30 de janeiro de 2024. Cópia arquivada em 30 de janeiro de 2024 
  78. a b «Packages». Debian (em inglês). Consultado em 30 de janeiro de 2024. Cópia arquivada em 30 de janeiro de 2024 
  79. «Debian moves to LibreOffice». Debian (em inglês). 23 de junho de 2011. Consultado em 30 de janeiro de 2024. Cópia arquivada em 30 de janeiro de 2024 
  80. Katherine Noyes. «Debian Linux Named Most Popular Distro for Web Servers». PC World (em inglês). Consultado em 30 de janeiro de 2024. Cópia arquivada em 30 de janeiro de 2024 
  81. «Virtual Package: linux-image». Debian (em inglês). Consultado em 3 de fevereiro de 2024. Arquivado do original em 8 de abril de 2011 
  82. «Chapter 2 – Debian kernel source». Debian Linux Kernel Handbook (em inglês). Alioth. 14 de dezembro de 2013. Consultado em 3 de fevereiro de 2024. Arquivado do original em 4 de junho de 2014 
  83. «Unofficial non-free images including firmware packages». Debian (em inglês). Consultado em 3 de fevereiro de 2024. Cópia arquivada em 3 de fevereiro de 2024 
  84. «Package: mate-desktop (1.8.1+dfsg1-1~bpo70+1)». Debian (em inglês). Consultado em 3 de fevereiro de 2024. Arquivado do original em 14 de junho de 2014 
  85. «Package: cinnamon (2.2.16-5)». Debian (em inglês). Consultado em 3 de fevereiro de 2024. Arquivado do original em 9 de setembro de 2015 
  86. «Virtual Package: x-window-manager». Debian (em inglês). Consultado em 3 de fevereiro de 2024. Cópia arquivada em 3 de fevereiro de 2024 
  87. Michael Larabel (8 de agosto de 2012). «Debian Now Defaults To Xfce Desktop». Phoronix (em inglês). Consultado em 3 de fevereiro de 2024. Cópia arquivada em 3 de fevereiro de 2024 
  88. Silviu Stahie (5 de novembro de 2013). «Debian 8.0 "Jessie" Ditches GNOME and Adopts Xfce». Softpedia (em english). Consultado em 3 de fevereiro de 2024. Cópia arquivada em 3 de fevereiro de 2024 
  89. Joey Hess (19 de setembro de 2014). «switch default desktop to Gnome». GitLab (em inglês). Consultado em 3 de fevereiro de 2024. Cópia arquivada em 3 de fevereiro de 2024 
  90. «Central Debian translation statistics». Debian (em inglês). Consultado em 3 de fevereiro de 2024. Cópia arquivada em 3 de fevereiro de 2024 
  91. «Status of the l10n in Debian — ranking PO files between languages». Debian (em inglês). Consultado em 3 de fevereiro de 2024. Cópia arquivada em 3 de fevereiro de 2024 
  92. «Debian Installer Buster RC 3 release». Debian (em inglês). 3 de julho de 2019. Consultado em 3 de fevereiro de 2024. Cópia arquivada em 3 de fevereiro de 2024 
  93. «Diff for "MultimediaCodecs"». Debian Wiki (em inglês). Consultado em 3 de fevereiro de 2024. Cópia arquivada em 3 de fevereiro de 2024 
  94. Robert Millan (25 de julho de 2002). «RFP: libdvdcss -- Library to read scrambled DVDs - Debian Bug report logs». wnpp (em inglês). Consultado em 3 de fevereiro de 2024. Cópia arquivada em 3 de fevereiro de 2024 
  95. Scott Gilbertson (16 de fevereiro de 2009). «'Lenny': Debian for the masses? • The Register». The Register (em inglês). Consultado em 3 de fevereiro de 2024. Cópia arquivada em 3 de fevereiro de 2024 
  96. Scott Granneman (6 de fevereiro de 2008). «Cool APT Repositories for Ubuntu and Debian». Linux Magazine (em inglês). Consultado em 3 de fevereiro de 2024. Arquivado do original em 14 de julho de 2014 
  97. Marius Nestor (19 de março de 2012). «Window Maker Live CD 2012-03-18 Available for Download». Softpedia (em inglês). Consultado em 3 de fevereiro de 2024. Cópia arquivada em 3 de fevereiro de 2024 
  98. «Packages». deb-multimedia.org (em inglês). Consultado em 3 de fevereiro de 2024. Cópia arquivada em 3 de fevereiro de 2024 
  99. Zacchiroli, Stefano (5 de maio de 2012). «on package duplication between Debian and debian-multimedia». Alioth (em inglês). Consultado em 3 de fevereiro de 2024. Cópia arquivada em 3 de fevereiro de 2024 
  100. «Remove unofficial debian-multimedia.org repository from your sources». Debian (em inglês). 14 de junho de 2013. Consultado em 3 de fevereiro de 2024. Cópia arquivada em 3 de fevereiro de 2024 
  101. «Debian on CDs/DVDs». Debian (em inglês). Consultado em 3 de fevereiro de 2024. Cópia arquivada em 3 de fevereiro de 2024 
  102. a b c «Downloading Debian CD images with jigdo». Debian (em inglês). Consultado em 3 de fevereiro de 2024. Cópia arquivada em 3 de fevereiro de 2024 
  103. «Official CD/DVD images of the stable release». Debian (em inglês). Consultado em 3 de fevereiro de 2024. Cópia arquivada em 3 de fevereiro de 2024 
  104. «Installing Debian via the Internet». Debian (em inglês). Consultado em 3 de fevereiro de 2024. Cópia arquivada em 3 de fevereiro de 2024 
  105. a b «6.3. Using Individual Components». Debian GNU/Linux Installation Guide (em inglês). 2013. Consultado em 3 de fevereiro de 2024. Cópia arquivada em 24 de dezembro de 2013 
  106. J. A. Watson (28 de maio de 2013). «Debian Linux 7.0 Wheezy: Hands on». ZDNET (em inglês). Consultado em 3 de fevereiro de 2024. Cópia arquivada em 3 de fevereiro de 2024 
  107. «Live install images». Debian (em inglês). Consultado em 3 de fevereiro de 2024. Cópia arquivada em 3 de fevereiro de 2024 
  108. «Debian Live Manual». Debian (em inglês). 2013. Consultado em 3 de fevereiro de 2024. Arquivado do original em 14 de fevereiro de 2014 
  109. «4.3. Preparing Files for USB Memory Stick Booting». Debian GNU/Linux Installation Guide (em inglês). 2010. Consultado em 3 de fevereiro de 2024. Arquivado do original em 27 de maio de 2014 
  110. «Chapter 2. Debian package management». Debian (em inglês). Consultado em 4 de fevereiro de 2024. Cópia arquivada em 4 de fevereiro de 2024 
  111. «Package: dpkg (1.21.22)». Debian (em inglês). Consultado em 4 de fevereiro de 2024. Cópia arquivada em 4 de fevereiro de 2024 
  112. «dkpg». Debian (em inglês). Consultado em 4 de fevereiro de 2024. Cópia arquivada em 4 de fevereiro de 2024 
  113. a b c «Chapter 2. Debian package management». Debian (em inglês). Consultado em 5 de fevereiro de 2024. Cópia arquivada em 4 de fevereiro de 2024 
  114. «gdebi in Launchpad». Launchpad (em inglês). 24 de janeiro de 2006. Consultado em 5 de fevereiro de 2024. Cópia arquivada em 5 de fevereiro de 2024 
  115. Keir Thomas (13 de abril de 2009). «10 Expert Ubuntu Tricks». PC World (em inglês). Consultado em 5 de fevereiro de 2024. Cópia arquivada em 5 de fevereiro de 2024 
  116. «Package: software-center (2.0.7debian7)». Debian (em inglês). Consultado em 5 de fevereiro de 2024. Arquivado do original em 10 de novembro de 2011 
  117. «Package: synaptic (0.91.3)». Debian (em inglês). Consultado em 5 de fevereiro de 2024. Cópia arquivada em 5 de fevereiro de 2024 
  118. «Package: apper (1.0.0-4)». Debian (em inglês). Consultado em 5 de fevereiro de 2024. Cópia arquivada em 7 de abril de 2022 
  119. a b c d «Debian Social Contract». Debian (em inglês). 1 de setembro de 2022. Consultado em 5 de fevereiro de 2024. Cópia arquivada em 5 de fevereiro de 2024 
  120. «License information». Debian (em inglês). Consultado em 5 de fevereiro de 2024. Cópia arquivada em 5 de fevereiro de 2024 
  121. a b c d e f g h i j k l m n «4. Resources for Debian Members». Debian (em inglês). Consultado em 5 de fevereiro de 2024. Cópia arquivada em 5 de fevereiro de 2024 
  122. a b c «2. The Debian Archive». Debian Policy Manual v4.6.2.0 (em inglês). 28 de outubro de 2013. Consultado em 5 de fevereiro de 2024. Cópia arquivada em 5 de fevereiro de 2024 
  123. «General Resolution: Why the GNU Free Documentation License is not suitable for Debian main». Debian (em inglês). 12 de março de 2006. Consultado em 5 de fevereiro de 2024. Cópia arquivada em 5 de fevereiro de 2024 
  124. «Package: fglrx-driver (1:8-12-4)». Debian (em inglês). Consultado em 5 de fevereiro de 2024. Cópia arquivada em 5 de fevereiro de 2024 
  125. «Explaining Why We Don't Endorse Other Systems». GNU (em inglês). Consultado em 5 de fevereiro de 2024. Cópia arquivada em 5 de fevereiro de 2024 
  126. Richard Stallman (6 de outubro de 2007). «Re: Debian vs gNewSense -- FS criteria». lists.nongnu.org (em inglês). Consultado em 5 de fevereiro de 2024. Cópia arquivada em 5 de fevereiro de 2024 
  127. Wichert Akkerman (21 de junho de 1999). «Moving contrib and non-free of master.debian.org». debian-vote (em inglês). Consultado em 5 de fevereiro de 2024. Cópia arquivada em 5 de fevereiro de 2024 
  128. «non-free?». debian-vote (em inglês). 22 de março de 2014. Consultado em 5 de fevereiro de 2024. Cópia arquivada em 5 de fevereiro de 2024 
  129. «General Resolution: Status of the non-free section». Debian (em inglês). 21 de março de 2004. Consultado em 5 de fevereiro de 2024. Cópia arquivada em 5 de fevereiro de 2024 
  130. a b Brodkin, Jon (21 de junho de 2016). «Linux's RPM/deb split could be replaced by Flatpak vs. snap». Ars Technica (em inglês). Consultado em 5 de fevereiro de 2024. Cópia arquivada em 5 de fevereiro de 2024 
  131. a b «How to Install and Use Flatpak on Linux». Linux Today (em inglês). 27 de novembro de 2020. Consultado em 5 de fevereiro de 2024. Cópia arquivada em 5 de fevereiro de 2024 
  132. a b c d «Debian Releases». Debian (em inglês). Consultado em 15 de agosto de 2021. Cópia arquivada em 5 de fevereiro de 2024 
  133. Steven Vaughan-Nichols (5 de maio de 2013). «The new Debian Linux 7.0 is now available». ZDNET (em inglês). Consultado em 5 de fevereiro de 2024. Cópia arquivada em 5 de fevereiro de 2024 
  134. «Frequently Asked Questions». Debian (em inglês). Consultado em 5 de fevereiro de 2024. Cópia arquivada em 5 de fevereiro de 2024 
  135. a b c «Debian security FAQ». Debian (em inglês). Consultado em 5 de fevereiro de 2024. Cópia arquivada em 5 de fevereiro de 2024 
  136. «snapshot.debian.org». Debian (em inglês). Consultado em 5 de fevereiro de 2024. Cópia arquivada em 5 de fevereiro de 2024 
  137. «ChangeLog». Debian (em inglês). Consultado em 5 de fevereiro de 2024. Cópia arquivada em 5 de fevereiro de 2024 
  138. «ChangeLog». Debian (em inglês). Consultado em 5 de fevereiro de 2024. Cópia arquivada em 5 de fevereiro de 2024 
  139. Hertzog & 2013 Seção 1.6
  140. «Release». Debian (em inglês). Consultado em 5 de fevereiro de 2024. Cópia arquivada em 5 de fevereiro de 2024 
  141. Martin Schulze (24 de agosto de 1998). «Naming of new 2.0 release». debian-devel (em inglês). Consultado em 5 de fevereiro de 2024. Cópia arquivada em 5 de fevereiro de 2024 
  142. «Releases (GNU Coding Standards)». GNU (em inglês). Consultado em 5 de fevereiro de 2024. Cópia arquivada em 5 de fevereiro de 2024 
  143. Marc 'HE' Brockschmidt (11 de fevereiro de 2009). «Debian squeeze waiting for development». debian-devel-announce (em inglês). Consultado em 5 de fevereiro de 2024. Cópia arquivada em 5 de fevereiro de 2024 
  144. «Updated Debian 7: 7.7 released». Debian (em inglês). 18 de outubro de 2014. Consultado em 5 de fevereiro de 2024. Cópia arquivada em 5 de fevereiro de 2024 
  145. «Debian logos». Debian (em inglês). Consultado em 6 de fevereiro de 2024. Cópia arquivada em 6 de fevereiro de 2024 
  146. «Main page». GNU/art (em inglês). Consultado em 6 de fevereiro de 2024. Cópia arquivada em 6 de fevereiro de 2024 
  147. «Logo credit». Debian (em inglês). Consultado em 6 de fevereiro de 2024. Cópia arquivada em 6 de fevereiro de 2024 
  148. «Debian Logo Contest». Debian (em inglês). 4 de fevereiro de 1999. Consultado em 6 de fevereiro de 2024. Cópia arquivada em 6 de fevereiro de 2024 
  149. Branden Robinson (4 de junho de 1999). «[PROPOSED] Swap the "open" and "official" versions of the new logo». debian-devel (em inglês). Consultado em 6 de fevereiro de 2024. Cópia arquivada em 6 de fevereiro de 2024 
  150. justin++ (3 de junho de 1999). «Debian Chooses Logo». Slashdot. Consultado em 6 de fevereiro de 2024. Arquivado do original em 18 de fevereiro de 2015 
  151. Hanspeter Kunz (29 de janeiro de 2005). «Origins of the Debian logo». debian-devel (em inglês). Consultado em 6 de fevereiro de 2024. Cópia arquivada em 6 de fevereiro de 2024 
  152. Krafft 2005, p. 66
  153. «Toy Story». Pixar (em inglês). Consultado em 6 de fevereiro de 2024. Arquivado do original em 13 de março de 2013 
  154. «Debian: 17 ans de logiciel libre, 'do-ocracy' et démocratie» (PDF). Stefano Zacchiroli. 4 de dezembro de 2010. p. 6. Consultado em 21 de outubro de 2014 
  155. a b «2.1. Supported Hardware». Debian GNU/Linux Installation Guide (em inglês). 2019. Consultado em 6 de fevereiro de 2024. Cópia arquivada em 6 de fevereiro de 2024 
  156. a b c d e «3.4. Meeting Minimum Hardware Requirements». Debian GNU/Linux Installation Guide (em inglês). 2019. Consultado em 6 de fevereiro de 2024. Cópia arquivada em 6 de fevereiro de 2024 
  157. «5.1. Booting the Installer on S/390». Debian GNU/Linux Installation Guide. Debian (em inglês). 2015. Consultado em 6 de fevereiro de 2024. Cópia arquivada em 6 de fevereiro de 2024 
  158. «Chapter 4. Existing Debian Pure Blends». Debian Pure Blends (em inglês). 19 de junho de 2013. Consultado em 6 de fevereiro de 2024. Cópia arquivada em 6 de fevereiro de 2024 
  159. «Buildd status for base-files (sid)». Debian (em inglês). Consultado em 7 de fevereiro de 2024. Cópia arquivada em 7 de fevereiro de 2024 
  160. Wookey (23 de janeiro de 2010). «Re: Identification of ARM chips». debian-embedded (em inglês). Consultado em 7 de fevereiro de 2024. Cópia arquivada em 6 de fevereiro de 2024 
  161. Wookey (27 de agosto de 2014). «Two new architectures bootstrapping in unstable - MBF coming soon». debian-devel-announce (em inglês). Consultado em 7 de fevereiro de 2024. Cópia arquivada em 6 de fevereiro de 2024 
  162. «RISC-V - Debian Wiki». Debian Wiki (em inglês). Consultado em 7 de fevereiro de 2024. Cópia arquivada em 6 de fevereiro de 2024 
  163. «Chapter 2. What's new in Debian 7.0». Release Notes for Debian 7.0 (wheezy), S/390 (em inglês). Consultado em 6 de fevereiro de 2024. Arquivado do original em 27 de dezembro de 2012 
  164. Silas Brown (abril de 2009). «Upgrading your Slug LG #161». Linux Gazette (em inglês). Consultado em 8 de fevereiro de 2024. Cópia arquivada em 8 de fevereiro de 2024 
  165. Martin Michlmayr (10 de maio de 2023). «Installing Debian on Linksys NSLU2». Blog pessoal (em inglês). Consultado em 8 de fevereiro de 2024. Cópia arquivada em 8 de fevereiro de 2024 
  166. a b «Chapter 2. What's new in Debian GNU/Linux 5.0». Release Notes for Debian GNU/Linux 5.0 (lenny), ARM (em inglês). Consultado em 8 de fevereiro de 2024. Arquivado do original em 19 de fevereiro de 2009 
  167. «Chapter 2 - What's new in Debian GNU/Linux 4.0». Release Notes for Debian GNU/Linux 4.0 ("etch"), ARM (em inglês). Consultado em 8 de fevereiro de 2024. Arquivado do original em 18 de fevereiro de 2007 
  168. «Chapter 2. What's new in Debian GNU/Linux 6.0». Release Notes for Debian GNU/Linux 6.0 (squeeze), ARM EABI (em inglês). Consultado em 8 de fevereiro de 2024. Arquivado do original em 8 de fevereiro de 2024 
  169. «Debian Project News». Debian (em inglês). 10 de dezembro de 2012. Consultado em 8 de fevereiro de 2024. Cópia arquivada em 8 de fevereiro de 2024 
  170. «Package: matchbox (1:5)». Debian (em inglês). Consultado em 8 de fevereiro de 2024. Arquivado do original em 6 de julho de 2014 
  171. «DebianWRT». Debian Wiki (em inglês). 23 de setembro de 2005. Consultado em 8 de fevereiro de 2024. Cópia arquivada em 8 de fevereiro de 2024 
  172. «Debian Project News». Debian (em inglês). 2 de dezembro de 2013. Consultado em 8 de fevereiro de 2024. Cópia arquivada em 8 de fevereiro de 2024 
  173. «InstallingDebianOn/TI/BeagleBone». Debian Wiki (em inglês). 27 de janeiro de 2012. Consultado em 8 de fevereiro de 2024. Cópia arquivada em 8 de fevereiro de 2024 
  174. «Enterprise Tablet Reference Design Kit». Texas Instruments (em inglês). Consultado em 8 de fevereiro de 2024. Arquivado do original em 12 de junho de 2014 
  175. Brian Krebs (30 de maio de 2014). «Thieves Planted Malware to Hack ATMs». Krebs on Security (em inglês). Consultado em 8 de fevereiro de 2024. Cópia arquivada em 8 de fevereiro de 2024 
  176. «How does one pronounce Debian and what does this word mean?». The Debian GNU/Linux FAQ -- Chapter 1 – Definitions and overview. Cópia arquivada em 2 de abril de 2019 
  177. Hertzog & 2013 Seção 1.6
  178. Coleman 2013, p. 143
  179. «Debian New Member - Status DD, upl.». Debian (em inglês). Consultado em 10 de fevereiro de 2024. Cópia arquivada em 10 de fevereiro de 2024 
  180. «Debian New Member - Status DD, non-upl.». Debian (em inglês). Consultado em 10 de fevereiro de 2024. Cópia arquivada em 10 de fevereiro de 2024 
  181. «Contribute: How you can help Debian». Debian (em inglês). Consultado em 10 de fevereiro de 2024. Cópia arquivada em 10 de fevereiro de 2024 
  182. «Index of /pub/debian-meetings». Academic Computer Club (em inglês). Consultado em 10 de fevereiro de 2024. Cópia arquivada em 10 de fevereiro de 2024 
  183. «Debian bug tracking system pseudo-packages». Debian (em inglês). Consultado em 10 de fevereiro de 2024. Cópia arquivada em 10 de fevereiro de 2024 
  184. «User Support». Debian (em inglês). Consultado em 10 de fevereiro de 2024. Cópia arquivada em 10 de fevereiro de 2024 
  185. «How to donate to the Debian Project». Debian (em inglês). Consultado em 10 de fevereiro de 2024. Cópia arquivada em 10 de fevereiro de 2024 
  186. «SPI associated projects». Software in the Public Interest (em inglês). Consultado em 11 de fevereiro de 2024. Cópia arquivada em 10 de fevereiro de 2024 
  187. Jeroen van Wolffelaar (5 de março de 2005). «Announcing project scud». debian-project (em inglês). Consultado em 11 de fevereiro de 2024. Cópia arquivada em 10 de fevereiro de 2024 
  188. Krafft 2005, p. 34
  189. Anthony Towns (23 de abril de 2006). «Bits from the DPL». debian-devel-announce (em inglês). Consultado em 11 de fevereiro de 2024. Cópia arquivada em 10 de fevereiro de 2024 
  190. «Steve McIntyre's DPL platform, 2009». Debian (em inglês). Consultado em 10 de fevereiro de 2024. Cópia arquivada em 10 de fevereiro de 2024 
  191. «THE EMERGENCE OF GOVERNANCE IN AN OPEN SOURCE COMMUNITY» (PDF). Alberta School of Business (em inglês). Abril de 2007. Consultado em 10 de fevereiro de 2024. Arquivado do original (PDF) em 29 de abril de 2008 
  192. «Debian's Organizational Structure». Debian (em inglês). Consultado em 10 de fevereiro de 2024. Cópia arquivada em 10 de fevereiro de 2024 
  193. Anthony Towns (8 de março de 2003). «Bits from the RM: Help Wanted, Apply Within». debian-devel-announce (em inglês). Consultado em 11 de fevereiro de 2024. Cópia arquivada em 10 de fevereiro de 2024 
  194. «Debian New Member - Statistics». Debian (em inglês). Consultado em 11 de fevereiro de 2024. Arquivado do original em 6 de julho de 2014 
  195. «Debian New Members Corner». Debian (em inglês). Consultado em 11 de fevereiro de 2024. Cópia arquivada em 11 de fevereiro de 2024 
  196. Hertzog 2013, p. 13
  197. Christoph Berg (11 de janeiro de 2009). «AM report for Alexander GQ Gerasiov». debian-newmaint (em inglês). Consultado em 11 de fevereiro de 2024. Cópia arquivada em 11 de fevereiro de 2024 
  198. Steffen Joeris (3 de janeiro de 2010). «AM report for Jakub Wilk». debian-newmaint (em inglês). Consultado em 11 de fevereiro de 2024. Cópia arquivada em 11 de fevereiro de 2024 
  199. Gunnar Wolf (12 de janeiro de 2011). «AM report for Kamal Mostafa». debian-newmaint (em inglês). Consultado em 11 de fevereiro de 2024. Cópia arquivada em 11 de fevereiro de 2024 
  200. Luke Faraone (1 de janeiro de 2012). «AM report for vicho». debian-newmaint (em inglês). Consultado em 11 de fevereiro de 2024. Cópia arquivada em 11 de fevereiro de 2024 
  201. Jonathan Wiltshire (6 de janeiro de 2013). «AM report for Manuel A. Fernandez Montecelo». debian-newmaint (em inglês). Consultado em 11 de fevereiro de 2024. Cópia arquivada em 11 de fevereiro de 2024 
  202. a b «3. Debian Developer's Duties». Debian Developer's Reference (em inglês). Consultado em 11 de fevereiro de 2024. Cópia arquivada em 11 de fevereiro de 2024 
  203. «3. Binary packages». Debian Policy Manual v4.6.2.0 (em inglês). Consultado em 14 de fevereiro de 2024. Cópia arquivada em 14 de fevereiro de 2024 
  204. «General Resolution: Endorse the concept of Debian Maintainers». Debian (em inglês). 5 de agosto de 2007. Consultado em 14 de fevereiro de 2024. Cópia arquivada em 14 de fevereiro de 2024 
  205. «2.3. Registering as a Debian member». Debian Developer's Reference (em inglês). Consultado em 14 de fevereiro de 2024. Cópia arquivada em 14 de fevereiro de 2024 
  206. «DebianMentorsFaq». Debian Wiki (em inglês). Consultado em 14 de fevereiro de 2024. Cópia arquivada em 14 de fevereiro de 2024 
  207. «5. Managing Packages». Developers-reference 13.4 documentation (em inglês). Consultado em 14 de fevereiro de 2024. Cópia arquivada em 14 de fevereiro de 2024 
  208. «Debian "testing" distribution». Debian (em inglês). Consultado em 15 de fevereiro de 2024. Cópia arquivada em 15 de fevereiro de 2024 
  209. «Debian decides to adopt time-based release freezes». Debian (em inglês). 29 de julho de 2009. Consultado em 15 de fevereiro de 2024. Cópia arquivada em 15 de fevereiro de 2024 
  210. Neil McGovern (18 de abril de 2013). «FINAL release update». debian-devel-announce (em inglês). Consultado em 15 de fevereiro de 2024. Cópia arquivada em 15 de fevereiro de 2024 
  211. «Debian -- Package Search Results -- dict-bouvier». Debian (em inglês). Consultado em 15 de fevereiro de 2024. Cópia arquivada em 15 de fevereiro de 2024 
  212. Alexander Larsson (21 de agosto de 2018). «Kick-starting the revolution 1.0» (em inglês). Consultado em 15 de fevereiro de 2024. Cópia arquivada em 15 de fevereiro de 2024 
  213. «DebianReleases/PointReleases». Debian Wiki (em inglês). Consultado em 16 de fevereiro de 2024. Cópia arquivada em 16 de fevereiro de 2024 
  214. «LTS». Debian Wiki (em inglês). Consultado em 16 de fevereiro de 2024. Cópia arquivada em 16 de fevereiro de 2024 
  215. «Security Information». Debian (em inglês). Consultado em 17 de fevereiro de 2024. Cópia arquivada em 17 de fevereiro de 2024 
  216. «Organizations Participating». Mitre Corporation (em inglês). Consultado em 17 de fevereiro de 2024. Cópia arquivada em 30 de janeiro de 2024 
  217. «Debian Security Audit Project». Debian (em inglês). Consultado em 17 de fevereiro de 2024. Arquivado do original em 9 de fevereiro de 2014 
  218. Steve Kemp. «Advisories». steve.fi (em inglês). Consultado em 17 de fevereiro de 2024. Cópia arquivada em 17 de fevereiro de 2024 
  219. «Steve Kemp». Debian (em inglês). Consultado em 17 de fevereiro de 2024. Arquivado do original em 19 de agosto de 2014 
  220. Michael Larabel (18 de abril de 2014). «Debian To Maintain 6.0 Squeeze As An LTS Release». Phoronix (em inglês). Consultado em 17 de fevereiro de 2024. Cópia arquivada em 17 de fevereiro de 2024 
  221. «Debian testing security team». Debian (em inglês). Consultado em 17 de fevereiro de 2024. Arquivado do original em 5 de outubro de 2008 
  222. «Debian Users' Manuals». Debian (em inglês). Consultado em 17 de fevereiro de 2024. Cópia arquivada em 17 de fevereiro de 2024 
  223. «Debian 10 "buster" released». Debian (em inglês). 6 de julho de 2019. Consultado em 17 de fevereiro de 2024. Cópia arquivada em 17 de fevereiro de 2014 
  224. «Secure by Default». Debian (em inglês). Consultado em 17 de fevereiro de 2024. Arquivado do original em 3 de novembro de 2004 
  225. «Chapter 2. What's new in Debian 7.0». Debian (em inglês). Consultado em 17 de fevereiro de 2024. Arquivado do original em 6 de junho de 2014 
  226. Florian Weimer (13 de maio de 2008). «[SECURITY] [DSA 1571-1] New openssl packages fix predictable random number generator». debian-security-announce (em inglês). Consultado em 17 de fevereiro de 2024. Cópia arquivada em 17 de fevereiro de 2024 
  227. «CVE-2008-0166». Mitre Corporation (em inglês). Consultado em 17 de fevereiro de 2024. Cópia arquivada em 17 de fevereiro de 2024 
  228. a b Simson Garfinkel (20 de maio de 2008). «Alarming Open-Source Security Holes». MIT Technology Review (em inglês). Consultado em 17 de fevereiro de 2024. Cópia arquivada em 17 de fevereiro de 2024 
  229. «#363516 - valgrind-clean the RNG». Debian BTS (em inglês). 19 de maio de 2006. Consultado em 17 de fevereiro de 2024. Cópia arquivada em 17 de fevereiro de 2024 
  230. Yilek, Scott; Enright, Brandon; Rescorla, Eric; Savage, Stefan; Shacham, Hovav (2009). «When Private Keys are Public: Results from the 2008 Debian OpenSSL Vulnerability» (PDF). Universidade da Califórnia em San Diego (em inglês). Consultado em 17 de fevereiro de 2024 
  231. Amor, Juan José; Robles, Gregorio; Gonzalez-Barahona, Jesus M.; Rivas, Francisco. «Measuring Lenny: the size of Debian 5.0». Universidade Rey Juan Carlos (em inglês). Consultado em 17 de fevereiro de 2024 – via ResearchGate 
  232. «The Debian Open Source Project on Open Hub : Estimated Cost Page». Black Duck Open Hub (em inglês). Consultado em 17 de fevereiro de 2024. Cópia arquivada em 17 de fevereiro de 2024 
  233. «Details of package ohcount in bookworm». Debian (em inglês). Consultado em 17 de fevereiro de 2024. Cópia arquivada em 17 de fevereiro de 2024 
  234. Steven Vaughan-Nichols (22 de maio de 2018). «What's the most popular Linux of them all?». ZDNET (em inglês). Consultado em 17 de fevereiro de 2024. Cópia arquivada em 17 de fevereiro de 2024 
  235. Chris Hoffman (3 de dezembro de 2014). «Meet Devuan, the Debian fork born from a bitter systemd revolt». PC World (em inglês). Consultado em 17 de fevereiro de 2024. Cópia arquivada em 17 de fevereiro de 2024 
  236. Michael Larabel (28 de novembro de 2014). «Devuan: Debian Without Systemd». Phoronix (em inglês). Consultado em 17 de fevereiro de 2024. Cópia arquivada em 17 de fevereiro de 2024 
  237. Steven J. Vaughan-Nichols (16 de dezembro de 2009). «The Five Distros That Changed Linux». Linux Magazine (em inglês). Consultado em 17 de fevereiro de 2024. Arquivado do original em 16 de junho de 2013 
  238. «Based on Debian, status active». DistroWatch (em inglês). Consultado em 17 de fevereiro de 2024. Cópia arquivada em 1 de março de 2021 
  239. «Derivatives/Guidelines». Debian Wiki (em inglês). Consultado em 17 de fevereiro de 2024. Cópia arquivada em 17 de fevereiro de 2024 
  240. Hertzog 2013, p. 429
  241. «Chapter 2. What are Debian Pure Blends?». Debian (em inglês). Consultado em 17 de fevereiro de 2024. Cópia arquivada em 17 de fevereiro de 2024 
  242. «Debian Jr. Project». Debian (em inglês). Consultado em 17 de fevereiro de 2024. Cópia arquivada em 17 de fevereiro de 2024 
  243. Ben Armstrong (6 de julho de 2011). «Re: Difference between blends and remastered systems». debian-blends (em inglês). Consultado em 17 de fevereiro de 2024. Cópia arquivada em 17 de fevereiro de 2024 
  244. Igor Grobman (14 de julho de 1998). «debian-hurd@lists.debian.org is up!». debian-hurd e debian-gnu (em inglês). Consultado em 17 de fevereiro de 2024. Cópia arquivada em 17 de fevereiro de 2024 
  245. «Debian GNU/Hurd vs Debian GNU/kFreeBSD». Wiki VS (em inglês). Consultado em 17 de fevereiro de 2024. Arquivado do original em 24 de novembro de 2015 
  246. «News about Debian GNU/Hurd». Debian (em inglês). 10 de junho de 2023. Consultado em 17 de fevereiro de 2024. Cópia arquivada em 17 de fevereiro de 2024 
  247. Jonathan Wiltshire (9 de novembro de 2014). «Release Team Sprint Results». debian-devel-announce (em inglês). Consultado em 17 de fevereiro de 2024. Cópia arquivada em 17 de fevereiro de 2024 
  248. Matthew Garrett (6 de janeiro de 2002). «Chrooted NetBSD environment available for testing». debian-bsd (em inglês). Consultado em 17 de fevereiro de 2024. Cópia arquivada em 17 de fevereiro de 2024 
  249. «Debian_GNU/kFreeBSD_why». Debian Wiki (em inglês). Consultado em 17 de fevereiro de 2024. Cópia arquivada em 17 de fevereiro de 2024 
  250. «Debian GNU/kFreeBSD». Debian (em inglês). Consultado em 17 de fevereiro de 2024. Cópia arquivada em 17 de fevereiro de 2024 
  251. «debian-bsd Jul 2019 by thread». Debian (em inglês). Consultado em 17 de fevereiro de 2024. Cópia arquivada em 17 de fevereiro de 2024 
  252. Aurelien Jarno (14 de julho de 2023). «Re: Future of GNU/kFreeBSD in the debian-ports archive». debian-bsd e debian-devel (em inglês). Consultado em 17 de fevereiro de 2024. Cópia arquivada em 17 de fevereiro de 2024 

Ligações externas editar

 
Commons
O Commons possui imagens e outros ficheiros sobre Debian
 
Wikilivros
O Wikilivros tem um livro chamado Debian