Abrir menu principal

Deonísio da Silva

Deonísio da Silva
Nascimento 1948 (71 anos)
Siderópolis, SC
Residência Rio de Janeiro
Nacionalidade Brasil Brasileiro
Ocupação Professor e escritor
Principais trabalhos Lotte & Zweig

Deonísio da Silva (Siderópolis (SC), 1948) é professor federal aposentado e escritor brasileiro. Atualmente é Professor Visitante da Universidade Estácio de Sá (à qual está vinculado desde 2003) e Diretor do Instituto da Palavra do sistema Estácio http://portal.estacio.br/instituto-da-palavra

Doutor em Letras pela Universidade de São Paulo, integra a Academia das Ciências de Lisboa, a Academia Brasileira de Filologia, da qual é o vice-presidente atual, e a Academia Catarinense de Letras. Escritor e professor, é autor de obras referenciais em romances e narrativas curtas e de livros de etimologia, assim como de ensaios literários (especialmente de livros censurados).

Escreveu também peças de teatro e roteiros para o cinema.


TrajetóriaEditar

É autor de 35 livros, e dois de seus romances estão publicados também em Portugal, Cuba e Itália. Seus contos estão publicados em Portugal, Itália, Cuba, Alemanha, Suécia, Canadá e Argentina, entre outros.

Suas obras referenciais são os romances Avante, soldados: para trás (1992), agraciado com o Prêmio Internacional Casa de las Américas, em júri presidido pelo Prêmio Nobel José Saramago; Teresa D'Ávila (1997), premiado pela Biblioteca Nacional, e Lotte & Zweig (2012, premiado pela Academia Catarinense de Letras, abordando o duplo suicídio do casal de judeus, para o romancista duplo assassinato.

Em narrativas curtas, seus livros foram englobados em Contos Reunidos, nas crônicas de A placenta e o caixão, ambos da Editora Leya. No ensaio, as obras de referência são Nos bastidores da censura (sua tese de doutoramento na USP, Editora Estação Liberdade), Rubem Fonseca: proibido e consagrado e os livros de etimologia De onde vêm as palavras (1a edição em 1997, 17a edição em 2014, Editora Lexikon), Palavras de Direito e A vida íntima das frases (Editora Novo Século).

Semanalmente publicou colunas de etimologia: na revista Caras (de 1993 2 2018), na Rádio BandNews FM 90.3 (de 2011 a fevereiro de 2019 com Ricardo Boechat e depois com Rodolfo Schneider), e na revista VEJA.COM (com Augusto Nunes, desde 2016).

Teve obras levadas ao teatro e à televisão, fez alguns roteiros de cinema e foi ator no longa-metragem Mesa de Bar, dirigido por João Uchôa Cavalcanti Netto.

Foi cronista do Estadão, do Jornal do Brasil, da revista Época e da TV Estácio (com Dermeval Netto). Muitas destas cônicas, incluindo algumas inéditas, estão no blogue que mantém na Internet: www.deonisio.blogspot.com e no Instituto da Palavra: http://portal.estacio.br/instituto-da-palavra

ObrasEditar

Romances
A mulher silenciosa. Porto Alegre, Mercado Aberto, 1981
A cidade dos padres. Rio, Guanabara, 1986.
Orelhas de aluguel. Rio, Nova Fronteira, 1988].
Avante, soldados: para trás. São Paulo, Siciliano, 1992. (publicado também em Cuba, Portugal, Itália)
Teresa D'Ávila. São Paulo, Siciliano, 1997.
Os guerreiros do campo. São Paulo, Siciliano, 2000.
Goethe e Barrabás. São Paulo, Novo Século, 2008.
Lotte & Zweig. São Paulo, Leya, 2012. (publicado também na Itália).
Contos
Ensaios
literatura infantojuvenil
  • Adão e Eva felizes no paraíso (reditado em 2019, com ilustrações de Arlinda Volpato, pela Ibis Libris. s://ibislibris.loja2.com.br/8897155-Adao-e-Eva-felizes-no-Paraiso)
  • Os segredos do baú
  • As melhores invenções de seu Mané
  • A melhor amiga do lobo [1]

Referências

  1. 9o. Congresso Rio de Educação, Palestrantes
Precedido por
Francisco José Pereira
  ACL - cadeira 5
2016
Sucedido por