Abrir menu principal
Text document with red question mark.svg
Este artigo ou secção contém fontes no fim do texto, mas que não são citadas no corpo do artigo, o que compromete a confiabilidade das informações. (desde novembro de 2017)
Por favor, melhore este artigo inserindo fontes no corpo do texto quando necessário.
Dinastia Leopoldina
Status Extinta
Estado Sacro Império Romano-Germânico
Título Duque da Baviera
Origem
Fundador Leopoldo da Baviera
Fundação 895?
Casa originária Casa de Huosi
Atual soberano
Último soberano Henrique III, Duque da Baviera
Dissolução 985
Linhagem secundária
Casa de Babenberg

A Dinastia Leopoldina ou Luitpolding fora uma dinastia medieval que governou o Ducado raíz alemão da Baviera iniciando o governo em algum momento no final do século IX até 985.

Índice

OrigemEditar

A queda dos Leopoldinos franco orientais não foi conclusivamente estabelecida. O progenitor da família o Marquês Leopoldo da Baviera, possivelmente um parente dos Huosi, uma família nobre bávara do começo da idade média, e talvez relacionadas com a dinastia Carolíngia pela mãe do Imperador Arnulfo, Liutswind. Em 893 Arnulfo nomeou seu margrave em Caríntia e Pannonia, sucedendo ao marquês guilhermino Engelschalk II. Luitpoldo foi capaz de ampliar sua possessões bávaras em torno de Regensburg, e o adjacente Marco de Nordgau, ele se tornou um líder militar durante as invasões húngaras e foi morto em 907 na Batalha de Pressburg.

 
Ducado da Baviera 952-976

Enquanto o Reino da Germânia surgiu sob o dominio do Rei Conrado I e de seus sucessores da dinastia Otoniana, Luitpoldo filho e herdeiro de Arnulfo o Mau, apoiado pela nobreza local, adotou o título ducal bávaro, reorganizou a defesa contra os invasores húngaros e, de acordo com o contemporâneo Annales iuvavenses, construiu-se uma posição de "Rei fantoche" em sua residência em Regensburg. Ele, inevitavelmente, interferiu com o Rei otoniano Henrique I da Germânia, cujo governo ele finalmente reconheceu em 921, reservando-se inúmeros privilégios para si mesmo. Recebendo sinal verde do rei, ele fez campanha nas terras do duque Venceslau da Boêmia e em 933/34 invadiu o Reino da Itália, a fim de obter a Coroa de Ferro da Lombardia para seu filho Eberhard, embora sem sucesso.

DeclínioEditar

Eberhard tinha sucedido seu pai como Duque da Baviera em 937, no entanto, logo ele lutou contra o Rei Otão I, da Germânia, que não tinha intenção de respeitar a autonomia da Baviera. Otão declarou Eberhard deposto e banido no ano seguinte enomeou em seu lugar Arnulfo irmão do duque Bertoldo, depois de ele ter renunciado ao exercício da Baviera liberdades.

Bertholdo se manteve fiel ao Rei Otão, no entanto, após sua morte, em 947 o título hereditário de seu filho, Henrique, o Jovem, foi negado, quando o rei cedeu o ducado da Baviera para o seu próprio irmão Henrique I, que havia se casado com a filha de Arnulf Judite. Em 976 Henrique, o Jovem recebeu uma certa compensação do Imperador Otão II com o recém-criado Ducado de Caríntia. Em 983 ele ainda recuperou o título ducal bávaro, no entanto, dois anos depois, o duque Henrique, o Wrangler o tomou a força. Com sua morte, em 989, a dinastia leopoldina foi extinta.

GenealogiaEditar

Leopoldo (m. 907), Marquês da Caríntia e alta Pannonia, Conde de Nordgau.

Uma afiliação com a Casa de Wittelsbach é possível, embora não provado, o Conde palatino de Arnulfo II 940 tinha um castelo construído em Scheyern; os descendentes do Conde Otão I de Scheyern (m. antes de 4 de dezembro de 1072), documentado como Vogt de Freising em 1047, são classificados como ancestrais dos Wittelsbachs.

ReferênciasEditar