Dose letal mediana

Em toxicologia, dose letal mediana (DL50 ou LD50, do inglês lethal dose) é a dose necessária de uma dada substância ou tipo de radiação para matar 50% de uma população em teste (normalmente medida em miligramas de substância por quilograma de massa corporal dos indivíduos testados). A sua determinação é feita expondo cobaias a diferentes doses da substância a ser testada por um determinado período de tempo até se determinar aquela que mata apenas metade da população testada. O LD50 é frequentemente usado como um indicador da toxicidade aguda de uma substância; quanto maior a dose que será letal, menos tóxica é considerada. O teste foi criado por J.W. Trevan em 1927,[1] mas está a ser preterido em algumas jurisdições em detrimento de testes como o procedimento de dose fixa;[2] no entanto, o conceito e o cálculo da LD50 para efeitos de comparação ainda são largamente utilizados, apesar de ser considerado fraco como uma medida útil de toxicidade.[3]

Direitos animaisEditar

 Ver artigo principal: Direitos animais

Grupos de defesa dos direitos animais, como a Animal Rights International,[4] tem feito campanha contra testes em animais para determinar o LD50, principalmente porque algumas destas substâncias testadas fazem os animais sofrerem mortes lentas e dolorosas. Vários países, inclusive o Reino Unido, estão tentando banir o LD50 oral, e a Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Económico aboliu a obrigatoriedade para o teste oral em 2001 (ver Test Guideline 401, Trends in Pharmacological Sciences Vol 22, February 22, 2001).

Tabelas de LD50Editar

Parâmetros na classificação de toxicidade da União Europeia
Categoria LD50 para ratazanas
(mg/kg massa corporal)
Muito tóxico menor que 25
Tóxico de 25 a 200
Nocivo de 200 a 2000
Valor da LD50 de algumas substâncias
Substância química LD50 para ratazanas, via oral
(mg/kg massa corporal)
Sacarose (açúcar de mesa) 29700[5]
Ácido ascórbico (vitamina C) 11900[6]
Etanol (álcool etílico) 7060[7]
Cloreto de sódio (sal de mesa) 3000[8]
Paracetamol (princípio ativo de diversos medicamentos analgésicos e antipiréticos) 1944[9]
THC (princípio ativo da marijuana) 1270[10]
Arsénico 763[11]
Cumarina 293[12]
Ácido acetilsalicílico (princípio ativo da Aspirina) 200[13]
Cafeína (princípio ativo do café) 192[14]
Nicotina (princípio ativo do tabaco) 50[15]
Estricnina 16[16]
Fósforo branco 3,03[17]
Aflatoxina B1 (micotoxina produzida por espécies do fungo Aspergillus) 0,48[18]
TCDD (dioxina de Seveso) 0,02[19]
 
A escala dos venenos

Pode-se construir uma escala logarítmica de toxicidade atribuindo-se um valor adimensional, calculado como −log10(LD50), para cada substância. Isso porque a amplitude dos valores de LD50 observados é muito elevada, podendo variar em mais de dez ordens de grandeza — como é o caso da água e da toxina botulínica, que apresentam, respectivamente, LD50 de cerca de 90 g/kg e 0.000000001 g/kg (ou 1 ng/kg).

Este procedimento é comparável com outras escalas que abrangem muitas casas decimais, a serem mencionados o pH para a concentração do íon H+ na solução, a escala de Richter para terremotos ou o comprimento de ondas da radiação eletromagnética.[20]

Ver tambémEditar

Referências

  1. What is an LD50 and LC50
  2. LD50 test ban welcomed
  3. Ernest Hodgson - A Textbook of Modern Toxicology; Wiley-Interscience 2004 (3rd Edition)
  4. «Thirty-Two Years of Measurable Change». Consultado em 9 de abril de 2010. Arquivado do original em 11 de fevereiro de 2007 
  5. Safety (MSDS) data for sucrose
  6. Safety (MSDS) data for ascorbic acid
  7. Safety (MSDS) data for ethyl alcohol
  8. «Safety (MSDS) data for sodium chloride». Consultado em 8 de novembro de 2011. Arquivado do original em 30 de outubro de 2007 
  9. Safety (MSDS) data for 4-acetamidophenol
  10. Journal article for THC toxicity
  11. Safety (MSDS) data for arsenic
  12. «Safety (MSDS) data for coumarin» (PDF). Consultado em 8 de novembro de 2011. Arquivado do original (PDF) em 27 de setembro de 2011 
  13. Safety (MSDS) data for acetylsalicylic acid
  14. «Safety (MSDS) data for caffeine». Consultado em 8 de novembro de 2011. Arquivado do original em 16 de outubro de 2007 
  15. «Safety (MSDS) data for nicotine». Consultado em 8 de novembro de 2011. Arquivado do original em 15 de outubro de 2007 
  16. Safety (MSDS) data for strychnine
  17. [1]
  18. «Safety (MSDS) data for aflatoxin B1». Consultado em 8 de novembro de 2011. Arquivado do original em 23 de abril de 2012 
  19. U.S. National Toxicology Program acute toxicity studies for Dioxin (2,3,7,8-TCDD)
  20. A escala dos venenos - Artigo original de K. Strey, Die Gifte‐Skala, publicado em Chemie In Unserer Zeit 2019, 53, 2-15. Traduzido e ampliado por Armin Franz Isenmann, CEFET-MG Timóteo, Brasil.